08/07/2020
Por Edilson Silva em Educação, Jucurutu

É hora de se reinventar: Em Jucurutu/RN educação leva formação aos alunos através das ondas do rádio

Por causa do isolamento e distanciamento social imposto pela pandemia Covid-19, a Secretaria de Educação e Cultura do município de Jucurutu no interior do Rio Grande do Norte levou ao ar, nesta terça-feira, 07 de Julho/2020, a primeira edição do programa Educação nas Ondas do Rádio.

A iniciativa acontece diante da paralisação das aulas físicas nas unidades de ensino da rede munipal, em decorrência do aumento de casos de infectados pela doença no estado e em todo o Brasil.

Na estreia um bate papo com os que estão frente a SEMEC/Jucurutu

A bancada do programa recebeu Luciclélia Tomaz, Secretária de Educação; Vanilson Paulo, Ajunto da Educação e Aparecida Souza da coordenação pedagógica da SEMEC que debateram o tema: Os desafios na educação durante a suspensão das aulas presenciais.

Já nesta quarta, 08/07 o tema será: Os efeitos da pandemia na saúde mental dos alunos.

A rede municipal é composta por 2.380 alunos, sendo distribuídos em 21 instituições de ensino; onde 16 estão na zona rural e 05 na zona urbana.

O programa vai ao ar das 18h às 19h e todo conteúdo é transmitido através da colaboração da Rádio Comunitária de Jucurutu – 104,9 FM e pelo perfil da SEMEC no facebook.

Acompanhe e estude em casa!

 


08/07/2020
Por Edilson Silva em Fortaleza

Tremor de terra surpreende moradores de municípios da Grande Fortaleza

Um tremor de terra foi registrado na divisa dos municípios de Chorozinho e Cascavel, Grande Fortaleza, na noite desta terça-feira (7). Conforme o Laboratório Sismológico (LabSis) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o fenômeno teve magnitude 2.5 na escala Richter, e pode ser sentido às 20h22.

De acordo com o Laboratório Sismológico, a Defesa Civil do Ceará já foi informada sobre o tremor e a atividade sísmica continua sendo monitorada. Não há informações sobre pessoas feridas ou danos estruturais nos locais.

Segundo informações de moradores, o abalo sísmico foi sentido nas cidades de Chorozinho, Pacajus, e nas localidades de Pitombeiras, Cedro e Timbaúba do Marinheiro, em Cascavel.

Tiago Nepomuceno, que mora no Centro de Pacajus, afirma ter ouvido no momento do fenômeno um barulho parecido com o de um trovão. “As telhas tremeram, durou apenas alguns segundos“, relembra.

Em Chorozinho, Francisco Wendson da Silva, morador da Rua Sabino Moreira, também relata ter ouvido um barulho muito forte durante o tremor. “Foi tipo um trovão muito forte. Meus vizinhos relataram o mesmo e outros bairros sentiram a terra tremer“, conta.

Outros tremores no Ceará

No dia 29 de junho deste ano outros dois tremores foram registrados no Ceará, segundo o LabSis. Um deles aconteceu na região de Santana de Acaraú e teve magnitude de 1.7 e 1.4 na Escala Richter. O outro foi na região de Groaíras e teve magnitude preliminar de 1.8 na Escala Richter.

Há quase 40 anos, a cidade de Pacajus, também na Região Metropolitana de Fortaleza, foi atingida pelo que foi considerado o maior tremor do Norte e Nordeste. Ocorrido em 1980, esse abalo sísmico chegou à magnitude de 5.2 graus na escala Richter.

G1/CE


07/07/2020
Por Edilson Silva em Educação, RN

Undime/RN lança pesquisa para avaliar atual cenário da educação pública no Estado

Com o objetivo de sistematizar dados para a elaboração de um diagnóstico da Rede Municipal de Ensino neste período de pandemia, a União dos Dirigentes Municipais de Educação do Rio Grande do Norte (Undime/RN) inicia, nesta segunda-feira (6) e segue até o próximo dia 15, uma pesquisa on-line destinada a dirigentes municipais de educação, gestores escolares, professores e estudantes da Rede Municipal dos 167 municípios potiguares (veja os links de acesso aos questionários no final da matéria).

A pesquisa usará questionários específicos, para cada um dos segmentos citados, com perguntas relacionadas ao período de suspensão das atividades presenciais e aulas remotas. O intuito é compreender o desenvolvimento do Plano de Ação e Atividades criadas pelos municípios, para contribuir com a reorganização do calendário e do currículo escolar, durante o período de pandemia, e identificar informações sobre os professores, como local de trabalho, a jornada, saúde, rotina e acesso à internet, além do desenvolvimento de atividades remotas.

Os estudantes também são o foco do levamento. Ele ou o seu responsável poderá responder o questionário, para que as escolas possam, a partir dos dados, criar estratégias de retorno às aulas presenciais ou dar continuidade às atividades remotas.

De acordo com o professor Alexandre Soares Gomes, presidente da Undime/RN e Dirigente Municipal de Educação de Monte Alegre, todas as questões devem ser respondidas de acordo com cada realidade, para que a pesquisa seja fidedigna e apresente o atual contexto da educação potiguar.

“O que queremos saber é sobre a condição atual de cada cidade, e isso inclui a todos: dirigentes, gestores escolares, professores e estudantes. Queremos ouvir a voz de todos que fazem parte da escola, para que possamos, a partir das respostas dadas, contribuir da maneira mais precisa no Grupo de Trabalho Estadual do qual nossa instituição faz parte, para que assim o plano de retorno seja seguro. Ou, ainda, se for necessário, dar continuidade com aulas remotas. Tudo será avaliado com muito cuidado e respeito à vida”, explica o professor.

A pesquisa conta também com o apoio técnico de professores e estudantes do Departamento de Políticas Públicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Para ter acesso aos questionários, acesse os links abaixo:


07/07/2020
Por Edilson Silva em Educação

Estudante da rede pública pode ter linha de crédito para comprar computador

O Senado avalia projeto (PL 3.491/2020), de autoria do senador Confúcio Moura (MDB-RO), que cria linha de crédito para a compra de computadores por estudantes da rede pública de ensino básico, com prazo de reembolso de até 36 meses, sem juros e com carência de um ano.

O objetivo é atender os estudantes que foram prejudicados pela falta de equipamentos de informática para acompanhar as aulas a distância em meio à pandemia. Ainda não há data marcada para a apreciação do projeto.

Fonte: Agência Senado


07/07/2020
Por Edilson Silva em Economia

BNDES disponibiliza R$ 5 bi para micro, pequenas e médias empresas

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) alcançou, na linha de empréstimo para capital de giro, o total de R$ 5 bilhões para micro, pequenas e médias empresas. O valor estava previsto no plano inicial de enfrentamento ao novo coronavírus, apresentado pelo banco de fomento em março, no início da pandemia de Covid-19.

Segundo o BNDES, já foram aprovadas 16.318 operações com 15.094 empresas, que empregam 372.800 pessoas, com valor médio de R$ 318 mil por operação. Como a pandemia ainda não acabou, o programa vai ser ampliado até o fim do ano, com a disponibilização de mais R$ 5 bilhões.

“Devido ao sucesso da iniciativa, e considerando a extensão da pandemia e dos impactos econômicos para as micro, pequenas e médias empresas, o Banco vai disponibilizar mais R$ 5 bilhões para novos empréstimos pela linha, que terá sua vigência ampliada de 30 de setembro para 31 de dezembro de 2020”, informou o banco.

O BNDES informa que o principal setor econômico contemplado pela linha de empréstimo foi o de comércio e serviços, que adquiriu 79,7% dos recursos, seguido pelo de indústria de transformação (19,5%). O agronegócio ficou com 0,7% dos recursos e a indústria extrativista, 0,1%.

O objetivo do Crédito Pequenas Empresas nesta segunda etapa será o mesmo, segundo o banco. “Oferecer recursos para o uso livre das empresas, de maneira simples e ágil, por meio dos agentes financeiros parceiros (cooperativas de créditos e bancos comerciais, públicos ou privados)”. Atualmente, o BNDES conta com 31 agentes parceiros atuando nos estados.

Podem solicitar o financiamento empresas com faturamento de até R$ 300 milhões anuais. O valor liberado é de até R$ 70 milhões por ano, com carência de até 24 meses e prazo para pagamento de até 60 meses. As taxas de juros são negociadas entre a empresa e o agente financeiro.


07/07/2020
Por Edilson Silva em Economia, Policial, RN

Ministérios Públicos se manifestam contra reabertura econômica no RN

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), Federal (MPF) e do Trabalho (MPT) divulgaram, na noite dessa sexta-feira (3), nota à sociedade potiguar em que se posicionam contrário à decisão do Governo do Estado e da Prefeitura de Natal de autorizarem a reabertura inicial e gradual da economia. De acordo com a nota, a decisão contraria dados científicos de transmissibilidade do vírus do Comitê Científico do RN, do Comitê Científico do Consórcio Nordeste e da Fiocruz.

Ainda segundo o documento, “uma decisão sensata de reabertura exige a certeza quanto à estabilidade dos números relativos aos critérios científicos indicativos, e, ainda, a previsão de um plano concreto e efetivo de testagem da população e medidas de vigilância epidemiológica, os quais não foram contemplados nem no decreto estadual nem no municipal”, diz a nota.

Dados epidemiológicos

A retomada gradual da economia foi iniciada na última quarta-feira (1°) no Rio Grande do Norte. Natal, capital potiguar, já havia começado a reabertura um dia antes, dia 30. De acordo com o boletim epidemiológico divulgado na sexta-feira (4), o RN contabiliza um total de 33.421 casos confirmados da Covid-19, 524 a mais que no dia anterior, quando foram registrados 32.897. O número de óbitos em decorrência da doença chegou a 1.171, com um aumento de 68 mortes registradas de um dia para o outro.

Ainda segundo o boletim, existem 617 pacientes internados na rede pública e privada em tratamento para Covid-19. Esse número representa uma taxa de ocupação de 94% nos leitos críticos do Sistema Único de Saúde (SUS) e 82% nos hospitais privados. A atualização mais recente da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) ainda mostra que o RN chegou a um índice de isolamento social de 40,2%, ainda menor que o recomendado pelas autoridades de sanitárias, que é entre 60 e 70%.

Veja nota na íntegra:

NOTA DOS MINISTÉRIOS PÚBLICOS À SOCIEDADE POTIGUAR:

01. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, o MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE e o MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO dirigem-se à sociedade potiguar para se manifestar sobre a reabertura da economia.

02. No dia 23 de junho de 2020, os ramos do MINISTÉRIO PÚBLICO neste Estado recomendaram ao governo estadual e a todos os prefeitos municipais que a retomada das atividades econômicas somente seria segura se fosse observada desaceleração da taxa de transmissibilidade da COVID-19 de maneira sustentada, e a ocupação dos leitos públicos de UTI não fosse superior a 70%, nos termos do art. 12,§1º, do Decreto Estadual nº 29.742/2020.1

03. A Governadora recebeu a Recomendação e comprometeu-se a cumpri-la, conforme ofício número 513/2020-GAC, enviado em 23.06.2020, a exemplo do prefeito de Natal/RN.

04. No dia 29 de junho de 2020, a Governadora do Estado publicou a Portaria Conjunta nº 007/2020-GAC/SESAP/SEDEC, autorizando a reabertura inicial e gradual da economia, sob o argumento de que o Comitê Científico estadual teria recomendado o fim do isolamento social, conforme coletivas de imprensa e mensagens em redes sociais da Governadora e de representantes do governo, de conhecimento público. No mesmo sentido seguiu o prefeito de Natal/RN.

05. A Recomendação do Comitê Científico, porém, somente foi publicada no dia seguinte, apresentando dados ainda significativamente preocupantes quanto à situação no Estado do Rio Grande do Norte, especialmente em relação à taxa de contágio e ao número de leitos críticos de UTI. Além disso, os cientistas foram claros ao dizer que não seria ainda o momento indicado para a reabertura da economia e o fim do isolamento social.

06. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, então, oficiou ao Comitê Científico para que explicasse se, de fato, havia recomendado a reabertura, já que: (a) a Recomendação foi publicada após a decisão do Governo de retomar as atividades econômicas (de modo que não poderia ser usada para fundamentar a decisão), e (b) na própria Recomendação do Comitê Científico consta não ser o momento adequado para o fim do isolamento social.

07. A resposta foi fornecida no dia 02.07.2020, assinada pelo Secretário Estadual de Saúde, falando em nome do Comitê Científico local, alegando, em suma, que não foi possível garantir o isolamento ideal, que houve diminuição na taxa de transmissibilidade e que o novo critério para ocupação segura de leitos teria passado de 70% para 80%, além de haver perspectiva de abertura iminente de novos leitos.

08. As razões que justificaram a Recomendação Conjunta do MP no dia 23.06.2020 ainda persistem, exatamente porque a taxa de transmissão se mantém alta, a ocupação de leitos críticos é de 90% (noventa por cento) da capacidade e a fila de internação não foi reduzida de forma segura.

09. Em razão da falta de leitos, 2.494 pessoas perderam suas vidas na fila de regulação. Em estudo realizado pelo LAIS-UFRN, publicado em 12 de junho de 2020, fica evidente que a redução do isolamento social durante a pandemia em Natal, Parnamirim e Mossoró foi fator decisivo para o aumento do contágio e do número de mortes.

10. Este quadro não foi alterado da semana passada para hoje. A taxa de transmissibilidade se mantém alta, o isolamento social está muito aquém do recomendado (principalmente em razão da deficiência de fiscalização), a taxa de ocupação de leitos está acima de 90% da capacidade e a expansão anunciada dos leitos ainda não é uma realidade.

11. Portanto, a decisão de reabertura das atividades econômicas tomada pelo Estado do Rio Grande do Norte e pelo Município de Natal/RN não foi respaldada por dados científicos consistentes. É necessário que a sociedade compreenda que:

a) a taxa de contágio continua alta (no Rio Grande do Norte cada pessoa contaminada, ainda que assintomática, contagia outras duas pessoas);
b) os leitos de UTI ainda não são suficientes para a demanda, que se mantém alta;
c) ainda que haja leitos, há deficit de medicamentos anestésicos e relaxantes musculares necessários para o procedimento de intubação;
d) o número de mortes no Brasil continua alto (cerca de mil mortos por dia), o que coloca o Brasil no pior lugar no ranking mundial quanto a esse critério de análise.

12. Por outro lado, o Boletim número 09 do Comitê Científico de Combate ao coronavírus do Consórcio do Nordeste, de 02 de julho de 2020, reprova qualquer plano de reabertura da economia. Conforme relata o documento, há uma forte aceleração do processo de interiorização da pandemia em todo o Brasil, com possibilidade concreta de ocorrer o que foi designado como “efeito bumerangue”: o aumento de casos no interior do Estado, já percebidos nos boletins epidemiológicos diários do Rio Grande do Norte, gerará um inevitável deslocamento de pacientes em estado grave para capital.

13. Há uma tendência inequívoca de que a capital se depare com uma “avalanche” de casos graves, advindos do interior, situação que voltará a produzir uma sobrecarga dos seus sistemas hospitalares, ameaçando-os com um colapso em um intervalo de tempo muito curto. Repita-se, a ocupação dos leitos críticos na data dessa nota é de cerca de 90% dos leitos disponíveis.

14. O Estado do Rio Grande do Norte e o Município e Natal/RN, seja por falta de fiscalização, seja por falta de maiores esclarecimentos à população, seja por falta de testagem consistente, exibem curvas de crescimento exponencial mantidas há vários dias, ao contrário de Estados que mantiveram períodos de isolamento mais rígidos em suas capitais, como Ceará, Pernambuco e Maranhão, que exibiram uma desaceleração significativa do crescimento de casos.

15. Experiências de relaxamento açodadas do isolamento social em várias cidades do país, sem o uso de critérios epidemiológicos objetivos indicados, demonstraram ser catastróficas na gestão da pandemia, resultando em decisões dos governantes de retorno ao isolamento, inclusive de forma mais rígida, como bem advertiu o Comitê Científico do Consórcio Nordeste:

“De qualquer maneira, com um crescimento de casos da ordem de 71% em 14 dias, taxa de ocupação de leitos de UTI no máximo (100%) ou próximo disso, o comitê advertiu não entender quais critérios epidemiológicos e clínicos têm sido usados pelo comitê científico do RN, apoiado pelo governo estadual, bem como a prefeitura de Natal, para justificar uma reabertura, mesmo que gradual, de lojas e outras atividades econômicas na capital do Estado. Basta analisar o que ocorre neste momento no estado do Texas no EUA para verificar que qualquer relaxamento prematuro do isolamento social em cidades que ainda não controlaram a pandemia, como é o caso de Natal e também Mossoró, invariavelmente traz consigo efeitos desastrosos. No caso específico de Natal, a ocorrência de um fluxo de casos graves, provenientes do interior do estado, pode gerar um colapso completo do sistema hospitalar da cidade. Vale ressaltar também que pelo menos um município da região metropolitana de Natal, São Gonçalo do Amarante, ultrapassou o nível crítico de 1.000 casos por cem mil habitantes. A análise realizada no dia 29 de junho comprova que a pandemia de coronavírus atingiu todas as regiões do estado, uma vez que as 5 cidades identificadas como tendo o maior crescimento de casos estão distribuídas por todo o território estadual: Extremoz (grande Natal), Guamaré (região norte), Mossoró (região oeste), Jucurutu (centro-oeste) e Tibau do Sul (região sul). Embora o Rt de Natal tenha sofrido uma queda, ele ainda é superior a 1. Enquanto isso valores bem mais altos e preocupantes de Rt podem ser encontrados na periferia de Natal (Parnamirim, 1.56, Macaíba, 1.86, São Gonçalo, 1.71), na região oeste (Mossoró, 1.38, Apodi, 1.47) e sul (Caicó, 2.37) do estado. Este comitê não dispõe de qualquer informação sobre a realização de inquéritos soroepidemiológicos no estado e nem do grau de penetração do aplicativo telefônico escolhido pelo estado para monitorar casos de covid19, em detrimento do aplicativo sancionado por este comitê, o MONITORA COVID19, que já superou 200 mil downloads em todo o país.

16. A pressão da pandemia, após cem dias de proibição de funcionamento de atividades não essenciais, certamente trouxe um forte impacto negativo na economia, na arrecadação do Estado e dos municípios, nas condições para se efetivar a fiscalização, na manutenção de empregos, o que reflete a dificuldade de uma decisão pelos gestores públicos.

17. Porém, não é possível que essa decisão não se apoie em critérios científicos adequados ou se baseie em uma leitura errônea de dados, transmitindo à população a ideia de que o momento seria propício para se iniciar a reabertura econômica, pois as consequências dessa mensagem será o aumento da contaminação e os efeitos danosos daí decorrentes.

18. Uma decisão sensata de reabertura exige a certeza quanto à estabilidade dos números relativos aos critérios científicos indicativos, e, ainda, a previsão de um plano concreto e efetivo de testagens e medidas de vigilância epidemiológica, os quais não foram contemplados nem no decreto estadual nem no municipal.

19. Além de não prever a testagem, o Decreto estadual de reabertura descumpriu os próprios termos do parecer de aprovação do plano de retomada, pois o documento inicial previa a abertura em 3 ou em 4 fases, ao passo que o novo decreto estabeleceu que “o cronograma de que trata este Decreto será dividido em 3 (três) fases subsequentes de 14 (quatorze) dias cada uma delas”, sendo que a Fase 1 está dividida em 2 (duas) frações”, e entre elas haverá um intervalo de, apenas, 7 (sete) dias, e não mais os 14 (quatorze) dias que foram aceitos pelo documento do Comitê de Especialistas.

20. Outro ponto importante é que a propagação do vírus tende a aumentar se não forem adotadas medidas eficientes de racionalização do transporte coletivo, com o estabelecimento de horários diferentes para abertura e fechamento de estabelecimentos e fixação de abertura por bairros ou regiões, assunto de interesse local que o Estado deveria ter pactuado com os Municípios, antes de iniciar processo de retorno de atividades não essenciais.

21. O Comitê Científico do Consórcio Nordeste, que surpreendentemente não conta com um representante do Estado do Rio Grande do Norte, foi enfático, no dia de ontem, ao se manifestar contra a decisão de reabertura:

“Nada menos que uma completa reversão do plano de relaxamento (ou flexibilização) oferecido pelo comitê local do governo do Rio Grande do Norte e da prefeitura de Natal é necessária para evitar que a situação do estado se agrave consideravelmente. Com ocupação máxima de leitos de UTI em Natal e Mossoró, por várias semanas, não é concebível que qualquer tipo de afrouxamento do isolamento seja sequer considerado, muito menos implementado. Ao invés, este comitê continua defendendo de forma inequívoca que medidas mais rígidas de isolamento social e testagem e rastreamento de contatos de pacientes infectados, que deveriam ter sido iniciadas semanas atrás, como sugerido repetidamente, sejam postas em prática imediatamente. Além disso, o C4 recomenda que o governo deveria implementar, de forma imediata, Brigadas Emergenciais de Saúde por todo o estado, estabelecer um programa estadual de testagem, para realização de múltiplos inquéritos soroepidemiológicos, e implementar barreiras sanitárias e mecanismos de rodízio/controle de tráfego de carros particulares e ônibus intermunicipais nos seguintes trechos rodoviários: BR-101, no trecho João Pessoa- Natal, e no trecho Natal-Touros, e na rodovia NatalMossoró. A possibilidade de se estabelecer um lockdown de todo o estado, bem como o fechamento intermitente das fronteiras do estado com o Ceará e a Paraíba também deveria ser considerada imediatamente.”

22. Assim, ao tempo em que informa à sociedade potiguar acerca da ausência de dados científicos que respaldem a abertura da economia, e considerando que não há previsão de testagens em grande escala, o MINISTÉRIO PÚBLICO, por meio dos três ramos no Estado, estuda a adoção das medidas cabíveis para garantir o enfrentamento adequado da pandemia no Estado e prevenir maiores, mais graves e irreversíveis danos à população.

 


07/07/2020
Por Edilson Silva em RN

Reservas hídricas do RN acumulam 56% da capacidade total

O relatório do volume dos principais reservatórios estaduais, divulgado nesta segunda-feira (6), indica que as reservas hídricas superficiais potiguares somam 2. 471.145.959 m³, que correspondem a 56,46%, dos 4.376.444.842 m³ que os mananciais monitorados conseguem acumular juntos. No início de julho de 2019, as reservas estaduais eram de 1.391.168.696 m³, percentualmente, 31,78% da capacidade total do Rio Grande do Norte.

O governo, por meio do Instituto de Gestão das Águas (Igarn), monitora os 47 reservatórios, com capacidades superiores a 5 milhões de metros cúbicos, responsáveis pelo abastecimento das cidades potiguares.

A barragem Armando Ribeiro Gonçalves, maior reservatório do RN, acumula 1.555.658.541 m³, percentualmente, 65,55% da capacidade total que é de 2,37 bilhões de metros cúbicos. No mesmo período do ano passado o manancial represava 795.272.000 m³, correspondentes a 33,14% do seu volume total.

Segundo maior reservatório do Estado, a barragem Santa Cruz do Apodi atualmente acumula 210.391.620 m³, correspondentes a 35,08% da sua capacidade total que é de 599.712.000 m³. Em julho de 2019, neste mesmo período, o manancial estava com 146.346.069 m³, percentualmente, 24,40% do seu volume máximo.

O reservatório Umari, localizado em Upanema, acumula 268.076.100 m³, que correspondem a 91,55% da capacidade total do manancial que é de 292.813.650 m³. No mesmo período do ano passado a barragem estava com 114.223.184 m³, que correspondiam a 39,01% do seu volume máximo.

A barragem Campo Grande, localizada em São Paulo do Potengi, acumula 15.248.981 m³, percentualmente, 65,9% da sua capacidade total que é de 23.139.587 m³. Em julho de 2019, o manancial estava com 13.366.623 m³, que correspondiam a 57,77% do seu volume total.

O reservatório Marechal Dutra, conhecido como Gargalheiras, em Acari, está com 14.985.488 m³, que correspondem a 33,73% da sua capacidade total, 44.421.480 m³. No mesmo período do ano passado o açude estava com 243.293 m³, percentualmente, 0,55% do seu volume total.

O açude Itans, localizado em Caicó, está com 11.000.340 m³, percentualmente, 14,5% da sua capacidade total, 75.839.349 m³. No início de julho de 2019, o manancial represava 1.346.000 m³, correspondentes a 1,65% do seu volume máximo.

O reservatório Rio da Pedra, localizado em Santana do Matos, acumula 5.666.724 m³, percentualmente, 41,66% da sua capacidade total que é de 13.602.215 m³. No ano passado ele estava com 3.432.020 m³, correspondentes a 25,23% do seu volume total.

O reservatório Japi II, localizado em São José do Campestre, acumula 4.786.862 m³, percentualmente, 23,18% da sua capacidade total que é 20.649.000 m³.

Após o término da quadra chuvosa para o interior do RN, o único reservatório que continua com 100% da sua capacidade é o Mendubim, com capacidade para 77.357.134 m³, localizado em Assu.

Outros reservatórios permanecem com volumes superiores a 90% das suas capacidades, casos de: Dourado, em Currais Novos, com 93,27%; Pataxó, em Ipanguaçu, com 96,12%; Beldroega, em Paraú, com 98,08%; o reservatório de Encanto, com 94,27%; Santo Antônio de Caraúbas, com 96,49% e Apanha Peixe, com 99,33%, ambos localizados em Caraúbas; Morcego, localizado em Campo Grande, com 96,22%; Riacho da Cruz II, localizado em Riacho da Cruz, com 95,38%; Passagem, em Rodolfo Fernandes, com 96,92%; e Santana, em Rafael Fernandes, com 97% da sua capacidade.

Os números percentuais gerais de reservatórios em nível de alerta, ou seja, com volumes inferiores a 10% de suas capacidades e o de mananciais secos, permanecem inalterados. Os reservatórios em nível de alerta são Passagem das Traíras, que está em obras e não pode acumular água, e Esguicho, localizado em Ouro Branco. Já os secos, são Inharé, localizado em Santa Cruz.


06/07/2020
Por Edilson Silva em Brasil, Saúde

Mulher que humilhou fiscal da Prefeitura em bar do Rio é demitida

A mulher que apareceu em uma reportagem do Fantástico, da TV Globo, ofendendo um fiscal da Prefeitura do Rio de Janeiro durante ação em um bar da capital fluminense foi demitida da empresa em que trabalhava, nesta segunda-feira (6/7).

A reportagem mostrava o descumprimento às medidas de distanciamento social, bem como ao decreto municipal que autorizou, com regras, a reabertura de bares na cidade do Rio de Janeiro. Ao ser abordada, a mulher, que estava ao lado do companheiro, humilhou o fiscal da Prefeitura. “A gente paga você, filho. O seu salário sai do meu bolso” e “Cidadão não. Engenheiro civil, formado. Melhor do que você”, foram algumas das frases proferidas contra o servidor. Em nota, a Taesa — uma empresa privada de transmissão de energia elétrica — informou que demitiu a mulher, que integrava seu quadro de funcionários.

Nota da Taesa

A TAESA é uma companhia comprometida com a segurança e a saúde não apenas de seus empregados, mas também com o bem-estar de toda a sociedade. Desde o início da pandemia da Covid-19, a Taesa implementou inúmeras iniciativas para proteger a saúde de seus profissionais e seus familiares, como o home-office para 100% do seu quadro administrativo, e a adoção de diversas outras medidas de proteção para as equipes que operam em campo. A companhia não compactua com qualquer comportamento que coloque em risco a saúde de outras pessoas ou com atitudes que desrespeitem o trabalho e a dignidade de profissionais que atuam na prevenção e no controle da pandemia. A TAESA tomou conhecimento do envolvimento de uma de suas empregadas em um caso de desrespeito às leis que visam reduzir o risco de contágio pelo novo coronavírus e compartilha a indignação da sociedade em relação a este lamentável episódio, sobretudo em um momento no qual o número de casos da doença segue em alta no Brasil e no mundo. A TAESA ressalta que segue respeitando o isolamento e as mais rigorosas regras de prevenção ao coronavírus e que a empregada em questão desrespeitou a política vigente na empresa. Diante dos fatos expostos, a TAESA decidiu por sua imediata demissão.”


06/07/2020
Por Edilson Silva em Natal, Saúde

Pai, mãe e filha morrem com covid-19 em Natal/RN

Mais uma tragédia foi registrada em Natal nesta pandemia. Em duas semanas, pai, mãe e filha morreram com covid-19 no bairro de Pajuçara, zona Norte da capital.

A última vítima foi a professora Francisca Katiane do Nascimento, de 37 anos. Antes, ela já havia perdido o pai, Francisco Canindé Nunes do Nascimento, e a mãe, Maria Francisca Nunes do Nascimento.

Katiane faleceu na noite de domingo (5) após 10 dias internada em um hospital particular de Natal. Ela apresentou os sintomas da doença no dia 25 de junho e deu entrada na unidade após sentir dores no corpo e dificuldades para respirar. A professora, que não tinha nenhuma comorbidade, foi internada dois dias depois da morte do pai e faleceu sem saber da morte da mãe.

Com informações do G1.


06/07/2020
Por Edilson Silva em Jucurutu, Saúde

Taxa de isolamento social em Jucurutu é de 35,83%

A taxa média de isolamento social nas cidades da região Seridó, está em 37,51%, segundo informou na manhã desta segunda-feira (06), a IV Ursap em boletim.

Já em Jucurutu é de 35,83%.

A cidade que tem o maior índice é Bodó, com 56,41%, enquanto, São Fernando está longe do que é ideal. Lá, a taxa de isolamento chega apenas à 27,52%.

Em Caicó, a maior cidade da região, a média é de 35,91%.

Por tanto, todos os índices estão muito a baixo do que é indicado pelos órgãos de saúde.


06/07/2020
Por Edilson Silva em Caicó, Saúde

Médica caicoense morre com Covid-19 em Natal

Morreu em Natal, na manhã desta segunda-feira (06), com Covid-19, a médica (obstetra e ginecologista), caicoense, Débora Cristina Araújo Fernandes. A profissional de saúde estava internada na UTI do Hospital Rio Grande há cerca de 3 semanas.

Débora era casada com o também ginecologista, Paulo Paiva Fernandes e filha de Cleofas e Maria do Céu Fernandes.

Sidney Silva


06/07/2020
Por Edilson Silva em Entrevistas, Jucurutu

#LiveBlogEdilsonSilva – Bate papo com André Medeiros do projeto Lápis, a frente!

#LiveBlogEdilsonSilva

Fique ligado em nosso instagram!

Nesta terça-feira, 07/07 estaremos batendo um papo às 19he45min. com André Medeiros, criador do projeto Lápis, a frente! Através de áudios a iniciativa buscar incentivar estudantes neste período de distanciamento social.

Siga: @andremd_laf @edilson104


06/07/2020
Por Edilson Silva em Jucurutu, Tempo

Semana começou com pancadas de chuva em Jucurutu/RN

Nas últimas horas o município de Jucurutu/RN tem registrado boas precipitações. É que desde a madrugada a cidade foi abençoado com uma boa chuva que cai de forma tranquila. O resultado foi um inicio de semana com temperatura agradável para os jucurutuenses. A previsão do tempo mostra que teremos uma segunda nublada com chuva no decorrer do período.

 


06/07/2020
Por Edilson Silva em Caicó, Saúde

Covid-19: Caicó registrou 5ª morte pela doença

No boletim epidemiológico divulgado neste domingo (05), a Secretaria de Saúde de Caicó, informa que ninguém testou positivo para Covid-19 nas 24hs que antecederam o repasse dos dados. Por outro lado, o órgão diz que foi registrada mais uma morte por Covid-19. É o 5º óbito por causa da doença na cidade.

Trata-se de Ronaldo de Medeiros Félix, de 51 anos, que residia no Bairro Barra Nova. Ele tinha comorbidades e procurou o Hospital com os sintomas e confirmado com a doença. Foi internado, levado para a UTI, teve leves melhoras no período em que permaneceu na unidade, mas, houve o agravamento do quadro de saúde.

Familiares de Ronaldo contaram ao Blog Sidney Silva que ele morreu por volta das 12hs e foi sepultado às 17hs no Cemitério Campo Jorge. Ele estava internado na UTI do Regional há duas semanas.

Sidney Silva


06/07/2020
Por Edilson Silva em RN

Cartórios do Rio Grande do Norte passam a realizar serviços de regularização de CPF

Os cartórios de registro civil do Rio Grande do Norte passam a fazer atos de inscrição, alteração, consulta e emissão de segunda via de CPF (Cadastro de Pessoas Físicas).

O convênio foi firmado entre a Receita Federal do Brasil (RFB) e a Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil).

O serviço permitirá ao cidadão sair do cartório já com o documento regularizado para sua utilização e, nos casos em que o sistema interligado com a Receita Federal apontar a necessidade de complementação do atendimento, o acompanhamento da situação poderá ser feito de forma online pelo site, mediante entrega de login/senha ao cidadão.

Para o vice-presidente da Arpen-Brasil, Luis Carlos Vendramin Júnior, a presença dos cartórios em todos os municípios do país é uma facilidade que começa a ser melhor explorada pelo Poder Público. “A Receita Federal já havia sido o primeiro órgão a perceber a capilaridade dos cartórios e possibilitar a emissão do CPF já na certidão de nascimento de recém-nascidos. Agora amplia, não só os serviços disponíveis nos cartórios, mas também o seu alcance, já que qualquer cidadão poderá ser beneficiado”.

Para a Receita Federal do Brasil (RFB), o convênio amplia em 2.700% sua rede de atendimento no Rio Grande do Norte, até então composta por seis unidades físicas, além do site.

Para fins de sustentabilidade dos serviços, os Cartórios de Registro Civil poderão cobrar do solicitante uma tarifa de conveniência no valor de R$ 7. Já os principais serviços feitos em cartórios permanecem gratuitos: inscrição no CPF realizada no ato do registro de nascimento, cancelamento no caso de óbito e alteração de nome por ocasião do casamento.

Por G1 RN


05/07/2020
Por Edilson Silva em Educação, Jucurutu

Educação nas Ondas do Rádio estreia nesta terça (07) às 18h na Rádio Comunitária de Jucurutu

A Secretaria de Educação e Cultura do município de Jucurutu/RN, estreia nesta terça-feira, 07 de julho/2020, o programa “Educação nas Ondas do Rádio”, que vai ao ar sempre às 18 horas. O programa se propõe a fazer uma ampla divulgação de temas de interesse da comunidade escolar, servindo como suporte de ensino aos estudantes.

O programa chegará aos alunos que vivem o isolamento social, através da Rádio Comunitária de Jucurutu – 104,9 FM com conteúdos educativos.

Fique ligado e estude em casa!

 

 


05/07/2020
Por Edilson Silva em Jucurutu

Serra de João do Vale, um destino a ser descoberto no RN

Ecoturismo, contato direto com vegetação preservada e imagens idílicas, revelam potencial da serra (Foto: Francinildo Silva)

Série do jornalista Tárcio Araújo revela lugar que espera mão benéfica, do homem, para ser mais feliz

Imagine um lugar onde os seus moradores ainda conservam costumes sociais como sentar todas as tardes e noites no alpendre para prosear; contar histórias, onde a carne de sol é batida no pilão e o almoço preparado na panela de barro em fogo à lenha.

Um lugar de religiosidade forte, onde se reza as novenas, tradição que lembra os tempos dos nossos avós e antepassados até mais longínquos. Um lugar onde a natureza ainda dar o tom de verde com árvores nativas que já não vimos mais no sertão catingueiro; onde o canto dos pássaros é a sinfonia que ecoa pelo a brisa úmida das manhãs, com temperaturas que chegam até 14° em alguns meses do ano.

Um lugar onde as pessoas vivem muito tempo; alguns com mais de cem anos. O segredo de tanta longevidade talvez seja o leite e o queijo feitos lá mesmo. Talvez seja a fava sem amargo que brota dos terrenos arenosos, ou quem sabe o clima temperado que predomina durante o ano. E talvez seja o conjunto de todas estas coisas juntas, onde o tempo parece passar em marcha lenta.

Esse é o cenário da Serra de João do Vale, a cerca de 730m de altitude, estendida por 277km² entre os municípios de Jucurutu, Campo Grande e Triunfo Potiguar no Rio Grande do Norte e Belém do Brejo do Cruz na Paraíba. Fica a 130 quilômetros de Mossoró e 275 de Natal.

Até hoje sem pavimentação ou asfalto que leve os visitantes até o seu platô, o acesso é feito por estrada carroçável, tanto por Jucurutu quanto por Triunfo potiguar. Em tempos de chuva, esse acesso fica ainda mais difícil, recomendado apenas para veículos 4×4.

Ecoturismo, contato direto com vegetação preservada e imagens idílicas, revelam potencial da serra (Foto: Francinildo Silva)

A REGIÃO tem sido explorada pelos amantes de todo terreno, o off-road (veja AQUI, AQUI e AQUI). Muitos se aventuram em eventos já reconhecidos e existem aqueles que fazem sua própria rota ou enveredam pela “Trilha do Pacifico”, considerada a mais íngreme e acidenta do Rio Grande do Norte.

É somente o barulho dos motores em dias de aventura, que quebra o silencio da localidade.  A dificuldade de acesso talvez tenha sido o fator primordial para a preservação dos costumes e da natureza em seu entorno. Um ponto positivo!

Seus primeiros moradores foram os índios Pegas que a denominavam de “Pepetama”. Os Tapuias (Janduís) a conheciam por “Pookiciabo” (informações do livro “Os índios Tapuias do RN”, de Valdeci dos Santos Júnior)..

Depois os holandeses penetraram seus sertões quando da ocupação batava no território potiguar entre 1630 a 1654. Até hoje há vestígios da passagem holandesa.

A partir do domínio português, após a “Guerra dos Bárbaros”, em 1713 a serra ganhou a alcunha de Cepilhada e em 1761 é adquirida em leilão pelo Capitão-Mor João do Vale Bezerra. Seu dono virou topônimo preservado até hoje.

Mortes e abandono

De lá pra cá, a serra teve uma ocupação lenta e foi sempre ignorada pelas autoridades públicas. No final do século XIX, por muito pouco um movimento messiânico liderado pelo religioso Joaquim Ramalho não ganhou contornos de uma versão potiguar do que foi Canudos na Bahia. Esse fato foi registrado pelo escritor Câmara Cascudo.

No século XX, o algodão foi a primeira grande cultura agrária do povoamento. Depois vieram o caju e a fava como fontes de produção e sustento de sua população nativa.

Antonio Francisco da Silva ( sêo Virô) 92, um dos moradores mais antigos. aprendeu a ler e escrever com o Mobral. Sua vó participou do movimento messianico do beato joaquim Ramalho em 1899. (Foto: Francinildo Silva)

Isolados durante séculos, sem acesso e sem estradas, os moradores padeceram de assistência. O lugar é marcado por um passado de mortandade de crianças e de mulheres grávidas que sem atendimento agonizavam até a morte, no parto.  Lembranças tristes que permeiam até hoje a memória da comunidade; histórias passadas pela cultura oral de pai para filho, de pai para filho…

No final da década de 70 do século XX, o Movimento Brasileiro de Alfabetização (MOBRAL) foi o divisor de águas à sua gente. Visto como um programa educacional federal fracassado, no propósito de tirar milhões de adultos do analfabetismo, ao ser extinto em 1985 deixou alguns legados na serra. Muitos aprenderam além do beabá, moradias ganharam melhorias estruturais e sanitárias.

Foi também por meio dessa iniciativa, que foi construída a primeira estrada da comunidade, por volta de 1980. Ligava-a ao que é hoje o município de Triunfo Potiguar.

Atualmente, quase 2.000 mil pessoas moram no alto da serra, distribuídas por 05 comunidades chamadas de “Chãs”. As condições de hoje são melhores do que no passado, com energia elétrica, unidades de saúde e escola para as crianças. No entanto o abastecimento d’água ainda é precário.

Pavimentação

Um outro gargalo é a falta de pavimentação dos 19 km até Jucurutu. É um um pleito da comunidade que já perdura há mais de quatro décadas. Seu custo é estimado em cerca de R$ 25 milhões. Noutra frente, há um acesso por Triunfo Potiguar com cerca de 17 quilômetros, com cerca de um terço tendo pavimentação deteriorada a paralelepípedo.

O futuro que se avizinha é de expectativa para o desenvolvimento do turismo serrano com seu vasto potencial climático e paisagístico.  Mas para isso, a construção da estrada é o primeiro grande desafio a ser superado.

Natureza exuberante, clima e tranquilidade revelam potencial turístico do lugar (Fotos: Francinildo Silva)

Em outra frente, há estudos e experimentos para instalação de unidades de energia eólica na área, aproveitamento do ecoturismo e do turismo de aventura. Belezas exuberantes não faltam.

Nesta série de 05 reportagens (Especial Serra de João do Vale), vamos trazer as histórias de um lugar rico em cultura e tradições, de personagens reais e de belezas naturais pouco conhecidas. Um cantinho do estado do RN que até parece não existir. Enfim, não existe mesmo no mapa das autoridades e para a enorme maioria dos norte-riograndenses, sequer para aposta num turismo doméstico.

Mas não se engane: a Serra de João do Vale vai ser um destino no roteiro de muita gente que ama a natureza. Quando? Esperamos que não dure mais umas quatro décadas. Todos temos pressa em usufruir, de forma sustentável, desse paraíso em pleno sertão nordestino (veja vídeo abaixo com o amanhecer na serra).

Seja bem-vindo ao Especial Serra de João do Vale.

Aguarde as próximas reportagens.

* INSCREVA-SE em nosso canal no Youtube (AQUI) para avançarmos projeto jornalístico.

Acompanhe o Blog Carlos Santos pelo  TwitteAQUIInstagram AQUIFacebook AQUIYoutube AQUI.


05/07/2020
Por Edilson Silva em Brasil, RN

Detran retoma serviço de emissão e renovação de CNH

Os serviços de renovação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e abertura de processo da primeira Habilitação voltam a ser oferecidos pelo Departamento Estadual de Trânsito do RN (Detran) a partir de terça-feira (7), nas cidades de Natal e Mossoró.

Para o usuário que deseja renovar a CNH, o procedimento deve ser iniciado por meio do acesso ao site do Detran. No ícone “CNH” (no centro da página do site), o interessado clica e logo é direcionado para uma nova aba onde são solicitados os números do CPF e do Registro da CNH. Após preencher os dados, é necessário marcar a opção “não sou robô” e clicar em seguida no botão “consultar”. Na sequência, o usuário estará na página de acesso as suas informações, onde é possível escolher a opção “Renovação de CNH”.

Após consultar as taxas de renovação, o usuário é direcionado a uma clínica médica para o agendamento da captura de imagem e das impressões digitais do condutor, digitalização dos documentos pessoais, como também o exame clínico. Sendo aprovado e quitada as taxas, o condutor recebe a CNH no endereço residencial cadastrado no sistema do Detran.


05/07/2020
Por Edilson Silva em Brasil, Saúde

‘É meu dever’, diz 1ª brasileira a testar vacina contra Covid-19

No dia 20 de junho, a coordenadora de odontologia do Hospital São Paulo Denise Abranches deixou seu trabalho e foi direto para o Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais, mais conhecido como CRIE, localizado no 770 da Borges Lagoa.

Lá, ela inseriu seu nome entre os 2 mil voluntários entre São Paulo e Rio de Janeiro para a testagem da vacina de Oxford contra a covid-19. Quarenta e sete anos, profissional da área da saúde e sem anticorpos para a doença, estava dentro do perfil buscado. Dez dias depois, seu nome entrou para a história como a primeira voluntária brasileira a receber a possível imunização contra a pandemia.

“É meu dever como profissional de saúde contribuir com a ciência e trazer essa segurança para a população”, explica a cirurgiã-dentista, que atua na UTI do Hospital São Paulo na redução de patógenos durante a intubação de pacientes. O contato direto com a saliva infectada a expõe diariamente ao risco de contrair o coronavírus.

A vacina de Oxford foi produzida com a junção de proteínas do Sars-Cov-2 e o adenovírus inativado. Na terceira e última fase de testes, a ideia é descobrir se a vacina produz uma resposta de memória imunológica nos pacientes testados. Em outras palavras, no organismo da cirurgiã pode estar circulando uma das possíveis saídas para a maior pandemia do século. Por se tratar de um estudo randômico, Denise não sabe se está de fato imunizada ou se recebeu um placebo. O sorteio e o senso de responsabilidade não lhe rendem preocupações.

“Confio plenamente no trabalho da Prof. Dra. Lily Yin Weckx, médica e referência internacional em imunizações. O estudo de Oxford veio muito por ela. Sei o quanto ela representa na pesquisa e no mundo universitário. Antes de tudo, sou uma admiradora”, relata Denise, que possui um diário eletrônico para alimentar informações sobre temperatura e sintomas corporais, além da equipe do Hospital à disposição. Por ora, nenhuma reação adversa. Já nas batalhas rotineiras, Denise se define como “apenas um instrumento em uma orquestra”.

“A luta contra a pandemia tem proporcionado momentos difíceis não só para os profissionais da saúde. É uma doação de todas as categorias: os profissionais administrativos, secretárias, diretores, profissionais da limpeza, cozinheiros. Não temos escolha senão cuidar do paciente dentro de todas as circunstâncias. Estamos falando de um vírus que não bateu na porta, arrombou”, desabafa a cirurgiã, que há meses não tem contato direto com a família, em especial a mãe, que também atuou na área da saúde como enfermeira por 32 anos. De acordo com Denise, o apoio da família para a testagem também foi incondicional.

“Tem 4 meses que não a vejo , mas vivi minha vida inteira com minha mãe dentro de um hospital. Minha família sempre teve uma consciência social imensa e muito alinhada comigo.”

Enquanto os resultados das testagens não se confirmam, a vida vai seguindo dentro do novo normal. “Temos que manter as mesmas disciplinas de biossegurança”, explica ela. “Usar a máscara e lavar as mãos, por exemplo, continuam sendo um atos de amor e um símbolo da guerra contra o vírus.


05/07/2020
Por Edilson Silva em Caicó, Saúde

Mãe de comunicador da Jovem Pan Seridó morre vítima de covid-19 em Caicó

Notícia da companheira, jornalista Gláucia Lima – “Registro, com profundo pesar, a morte por Covid-19, de Maria do Socorro de Souza, 69 anos”, diz a amiga GL.

Dona Socorro de Evaristo, como foi mais conhecida, era mãe do amigo radialista da Jovem Pan Seridó, Ronaldo Adriano (foto). Ela apresentou os sintomas oito dias depois do seu genro que também havia testado positivo. Os filhos levaram ao hospital, ela fez o teste e recebeu o resultado que também estava infectada pelo novo coronavírus. Nos primeiros dias da doença Socorro ficou em isolamento domiciliar e, desde o último domingo, estava internada no Hospital Regional. O quadro se agravou e evoluiu para óbito por volta das 09h desta sexta-feira, 03. Ela era cardiopata.

O sepultamento aconteceu na manhã deste sábado no Cemitério Morada da Paz. Socorro deixa cinco filhos: Rosângela, Rejane, Rosicléia, Rossany e Ronaldo, seis netos e quatro bisnetos.

Ronaldo conversou com esta jornalista e disse ‘Só pedi a Deus que não deixasse minha mãe sofrer’.




Facebook


Twitter