RN

Ministério Público e Defensoria recomendam que Estado suspenda shows públicos e privados por alta de casos de Covid-19 no RN

 

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) e a Defensoria Público do RN estão pedindo ao Judiciário que determine ao Governo do Estado que proíba grandes eventos de massa. Para isso, o Estado deverá alterar decreto estadual que entrou em vigência na última sexta-feira (21). A medida visa o enfrentamento da variante Ômicron que possui uma alta taxa de transmissibilidade, seguindo uma orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS).   A ação civil pública (ACP) requer que o Estado cancele todas as autorizações para a realização de shows com grande público, sejam em locais abertos ou fechados.

 

E ainda que o Judiciário obrigue o Estado a se abster de conceder novas autorizações para shows de massa e congêneres em todo o território potiguar, assim como a suspender tais eventos, até que ocorra novo controle da transmissibilidade do coronavírus no RN. Ou seja, até que a pandemia volte a atingir os patamares de contágio alcançados em novembro e dezembro de 2021.

 

Na análise feita pelas duas instituições, houve omissão do Estado ao editar o decreto, uma vez que o Comitê de Especialistas da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) havia alertado (por meio da Recomendação n. 33) a não realização desses tipos de eventos dada a realidade de risco iminente de colapso do sistema de saúde.  No último dia 17, data em que foi publicado o decreto, houve uma reunião com o MPRN, o Gabinete Civil, a Sesap, a Defensoria Pública Estadual e os Ministérios Públicos Federal e do Trabalho, além de representantes da Federação de Municípios do RN (Fermurn), cujo objetivo foi discutir e deliberar acerca da recomendação do Comitê Científico.

 

Na ocasião os representantes do MPRN e da Defensoria Pública defenderam a proibição de eventos de massa, o que não foi acatado pelo Governo. As medidas impostas pelo Estado do RN até o momento, apesar de serem importantes para a atividade econômica local uma vez que buscam preservar o setor de promoção de eventos, são insuficientes para reduzir os índices da Covid-19. Eventos de massa públicos ou privados possuem aptidão para amplificar a transmissão do vírus, já que grandes aglomerações são identificados como eventos super-espalhadores.  Além disso, ressalta-se que a elevada transmissão da Ômicron aumenta exponencialmente o risco do surgimento de novas variantes, que dificultam o encerramento da pandemia.

 

Compartilhe aqui:

Chuvas elevam volume dos reservatórios; açude no Oeste está perto de “sangrar”

 

O Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio do Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn), monitora 47 reservatórios, com capacidades superiores a 5 milhões de metros cúbicos, responsáveis pelo abastecimento das cidades potiguares.

 

O Relatório do Volume dos Principais Reservatórios Estaduais, divulgado nesta segunda-feira (17) indica que diversos reservatórios, por todo o RN, tiveram acréscimo de volume com as chuvas ocorridas nos últimos dias, em comparativo com o relatório divulgado no dia 13 de janeiro.

 

O reservatório que teve maior aumento percentual de volume foi o açude público de Encanto, que acumula 4.963.574 m³, equivalentes a 95,59% da sua capacidade total, que é de 5.192.538 m³. Na última quinta-feira, o manancial estava com 3.534.020 m³, correspondentes a 68,06% da sua capacidade total.

 

Outro manancial que recebeu um grande volume de águas foi a barragem Santana, que acumula 5.506.667 m³, percentualmente, 78,67% da sua capacidade total, que é de 7 milhões de metros cúbicos. No dia 13 de janeiro, o reservatório estava com 4.970.000 m³, correspondentes a  71,00% da sua capacidade.

 

O açude Morcego, localizado em Campo Grande, acumula 2.306.970 m³, equivalentes a 34,39% da sua capacidade total que é de 6.708.331 m³. Na semana passada, o reservatório estava com 1.835.328 m³, correspondentes a 27,36% da sua capacidade total.

 

Já o açude Passagem, localizado em Rodolfo Fernandes, acumula 6.028.280 m³, percentualmente, 72,86% da sua capacidade total, que é de 8.273.877 m³. No relatório divulgado no dia 13, ele estava com 5.295.065 m³, correspondentes a 64,00% da sua capacidade total.

 

Apesar de ainda estar apresentando um baixo volume, o açude público de Cruzeta também recebeu águas das últimas chuvas e acumula 1.067.755 m³, equivalentes a 4,53% da sua capacidade total, que é de 23.545.745 m³. Na semana passada, o manancial estava com 450.458 m³, correspondentes a 1,91% da sua capacidade.

 

O reservatório Marechal Dutra, conhecido como Gargalheiras, também começou a receber águas e acumula 4.871.651 m³, percentualmente, 10,97% da sua capacidade total,que é de 44.421.480 m³. Na última quinta-feira, o manancial estava com 4.392.021 m³, correspondentes a 9,89% da sua capacidade.

 

Maior reservatório do RN, a barragem Armando Ribeiro Gonçalves também continua recebendo aporte hídrico e acumula 1.082.078.881 m³, equivalentes a 45,6% da sua capacidade total, que é de 2.373.066.510 m³. No último relatório divulgado, o manancial estava com 1.066.278.837 m³, correspondentes a 44,93% do seu volume total.

 

A barragem Santa Cruz do Apodi, segundo maior reservatório do RN, acumula 210.391.620 m³, equivalentes a 35,08% da sua capacidade total, que é de 599.712.000 m³. No dia 13 de janeiro, o reservatório estava com 210.043.880 m³, correspondentes a 35,02% da sua capacidade.

 

A barragem Umari, localizada em Upanema, também recebeu águas das chuvas e acumula 164.355.975 m³, percentualmente, 56,13% da sua capacidade total, que é de 292.813.650 m³. Na semana passada o reservatório estava com 162.451.939 m³, equivalentes a 55,48% da sua capacidade total.

 

Outros mananciais monitorados pelo Igarn que tiveram aumento de volume foram: Bonito II, localizado em São Miguel, que está com 13,84% do seu volume total; Alecrim, localizado em Santana do Matos, que está com 12,54%; Boqueirão de Parelhas, que está com 11,15%; Brejo, localizado em Olho-d’Água do Borges; que está com 8,26%; Flechas, localizado em José da Penha, que está com 81,01%; Itans, localizado em Caicó, que está com 0,84%; o açude público de Lucrécia, que está com 37,23%; Pataxó, localizado em Ipanguaçu, que está com 21,43%; a barragem de Pau dos Ferros, que acumula 36,1%; Rodeador, localizado em Umarizal, que acumula 65,44%; Santo Antônio de Caraúbas, localizado em Caraúbas, que está com 27,9%; e Tourão, localizado em Patu, que acumula 5,14% da sua capacidade total.

 

As reservas hídricas superficiais totais acumulam atualmente 1.669.000.324 m³, correspondentes a 38,13% da sua capacidade total, que é de 4.376.444.842 m³. No dia 13 de janeiro, as reservas hídricas acumulavam 1.644.270.375 m³, equivalentes a 37,57% da sua capacidade total.

 

Atualmente, os reservatório que apresentam mais de 70% da sua capacidade são: Santana, localizado em Rafael Fernandes, com 78,67%; Flechas, localizado em José da Penha, com 81,01%; o açude público de Marcelino Vieira, com 75,85%; Passagem, localizado em Rodolfo Fernandes, com 72,86%; Riacho da Cruz II, com 70,84%; Apanha Peixe, localizado em Caraúbas, com 72,17%;  e o açude público de Encanto, com 95,59% da sua capacidade total.

 

Os mananciais monitorados pelo Igarn que permanecem em estado de alerta com menos de 10% da sua capacidade são: Brejo, localizado em Olho-d’Água do Borges; com 8,26%; Tourão, localizado em Patu, com 5,14%; Itans, localizado em Caicó, com 0,84%; Caldeirão de Parelhas, com 4,57%; Esguicho, localizado em Ouro Branco, com 0,05%; o açude público de Cruzeta, com 4,53%; Dourado, localizado em Currais Novos, com 9,22%; Zangarelhas, localizado em Jardim do Seridó, com 0,51%; Santa Cruz do Trairi, localizado em Santa Cruz, com 5,33%; e Japi II, localizado em São José do Campestre, com 7,68% da sua capacidade total.

 

Já os reservatórios monitorados pelo Igarn, que estão secos, são:  Inharé, localizado em Santa Cruz; e Trairi, localizado em Tangará.

 

Compartilhe aqui:

VÍDEO: Chuva de granizo surpreende moradores de São José do Seridó e São Vicente no RN

 

As fortes chuvas que caem no interior do Rio Grande do Norte desde o início do ano se manifestaram de uma forma nada convencional. Pedras de granizo caíram em pelo menos quatro municípios do Seridó potiguar na tarde desta quinta-feira (13). O fenômeno acontece em condições específicas e foi confirmado em outras localidades da região.

 

A informação foi confirmada junto a Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn). De acordo com o chefe em meteorologia do órgão, Gilmar Bristot, o fenômeno foi registrado na zona rural de São José do Seridó, São Vicente, Lagoa Nova e Currais Novos. Ele aponta as características necessárias para que a queda de granizo seja registrada.

“Deve ser formado em uma nuvem Cumulonimbus, que atingem uma área enorme. Essa nuvem precisa dessa formação vertical intensa para que as gotículas de água ultrapassem o nível de congelamento, que fica por cima da atmosfera”, afirma o especialista, que detalha o processo de formação da pedra de gelo.

 

 

“A gotícula, que tem movimento vertical (para cima) dentro da nuvem, ela ultrapassa o nível de zero grau, congela, ganha peso e volta a se precipitar. Caso se mantenha robusta, ela atinge o solo em forma de granizo”, conclui.

 

As altas temperaturas do Nordeste afastam que o fenômeno ocorra de maneira recorrente. Além da queda de granizo, o Seridó registrou fortes chuvas nos últimos dias. O município de Parelhas registrou em uma hora um volume de chuvas que superou, em três vezes, a média história para todo o mês de janeiro. Em Caicó, as chuvas formaram um fluxo de água que alagou uma das vias na proximidade do campus da Uern, em Caicó. O comportamento, segundo a Emparn, é esperado para o período do ano.

 

Tribuna do Norte

 

Compartilhe aqui:

Chove granizo no interior do RN

 

Uma cena inusitada para as condições climáticas do Rio Grande do Norte foi registrada nessa quarta-feira (12). Moradores da zona rural de Parelhas, no Seridó Potiguar, registraram uma chuva de granizo. Um vídeo mostra as pedras (veja abaixo).

 

De acordo com o meteorologista da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte, Gilmar Bristot, esse tipo de evento não é comum no estado. Ele explicou o que provocou essa precipitação no interior potiguar.

 

“Não é comum acontecer na faixa equatorial, pois a atmosfera é menos densa e você tem uma temperatura relativamente alta. Mas pode acontecer quando você tem muita umidade no sistema, quando há o desenvolvimento de nuvens cumulonimbus e que o topo dessas nuvens ultrapassem o nível de 0ºC”, pontuou.

 

O meteorologista acrescentou: “Quando o vapor da água em gotículas passa desse nível, ela congela. Ganha peso e volta. Se conseguir vencer a força da gravidade, ela pode se precipitar. Aconteceu isso”.

 

Bristot falou ainda sobre a peculiaridade desse tipo de nuvem. “Ela [cumulonimbus] tem a característica de se desenvolver verticalmente de forma muito intensa, chegando a ter 15 quilômetros de espessura”, destacou.

 

Os dados do boletim epidemiológico da Emparn indicam que, em 24 horas, choveu 81,2 milímetros em Parelhas, sendo a maior precipitação do RN no período entre 7h da manhã de quarta-feira (12) e 7h da manhã desta quinta-feira (13).

 

Ainda na região Central, a Emparn anotou 29,6 milímetros de chuvas em Santana do Seridó e 25,8 milímetros em Timbaúba dos Batistas. No Oeste Potiguar, choveu 56 milímetros em Umarizal; 41,4 milímetros em Itaú; e 27 milímetros em São Francisco do Oeste. Já no Leste, o maior volume foi registrado em Pureza, com 16 milímetros. No Agreste, choveu 9,4 milímetros em Japi.

 

 

Compartilhe aqui:

Previsão indica chuvas intensas no RN

 

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um alerta de chuvas intensas para o Rio Grande do Norte desta quinta-feira (13) até a sexta-feira (14). O aviso amarelo, o mais leve da escala, atinge todos os municípios do estado.

 

De acordo com o Inmet, os riscos potenciais são chuvas de 20 a 30 milímetros por hora ou de até 50 milímetros por dia, ventos intensos de até 60 km/h, além de possibilidade de corte de energia elétrica, queda de galhos de árvores, alagamentos e descargas elétricas.

 

Em caso de rajadas de vento, o instituto recomenda que a população se abrigue debaixo de árvores, pois há risco de queda e de descaregas elétricas. Além disso, a orientação é para que não se estacione veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda e que seja evitado o uso de aparelhos eletrônicos ligados à tomada.

 

O mesmo alerta é válido para quase todos os estados do Brasil, com as exceções de Espírito Santo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Roraima. O RJ tem alerta de tempestade e SC e RS têm avisos de onda de calor.

 

Compartilhe aqui:

Parnamirim cancela festas de Carnaval de rua por aumento de casos de síndrome gripal

 

O Carnaval de rua de Parnamirim, região metropolitana do Estado, foi cancelado oficialmente pelo poder público municipal nesta quarta-feira (12). O motivo é o aumento dos índices de Covid-19, causada pela crescente contaminação gerada pela variante Ômicron, além do aumento de casos de síndrome gripal.

 

Parnamirim vai na esteira de muitos carnavais do interior que foram cancelados, como o tradicional festa em Apodi.

 

Compartilhe aqui:

RN renova estado de calamidade pública por causa da covid-19

 

O Diário Oficial do Estado do Rio Grande do Norte traz nesta quarta-feira (12) a renovação do estado de calamidade pública, em razão da crise de saúde decorrente da pandemia da covid-19 e suas repercussões financeiras no estado.

 

O primeiro decreto estadual de calamidade na pandemia é de 20 de março de 2020, Nº 29.534. Diante do aumento do número de casos de covid, com a chegada da variante ômicron, além da epidemia de influenza, o decreto Nº 31.264, de 11 de janeiro de 2022, autoriza os gestores a tomarem providências excepcionais necessárias para combater a disseminação do novo coronavírus em todo o território potiguar pelo prazo de 180 dias.

 

A medida se soma à nova fase da vacinação, que será aberta ainda em janeiro a crianças entre 5 e 11 anos de idade. Também garante às autoridades competentes a possibilidade de edição de atos normativos necessários à regulamentação e à execução dos atos administrativos em razão do estado de calamidade pública.

 

O decreto começa a valer a partir da publicação, mas será também encaminhado à Assembleia Legislativo para reconhecimento.

 

Confira a publicação: encurtador.com.br/elCX4.

 

Compartilhe aqui:

MPRN suspende retomada integral do funcionamento presencial com alta de casos de Covid-19

 

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) vai suspender novamente o atendimento presencial ao público externo, excetuadas situações comprovadamente excepcionais. O motivo da suspensão é o aumento dos casos confirmados e da taxa de transmissibilidade da Covid-19 no Estado e o crescimento do número de acometidos com síndromes gripais, com sintomas semelhantes ao da Covid, e a sobrecarga nos atendimentos de urgência nas unidades de saúde. A medida passa a valer já a partir desta segunda-feira 10.

 

Para tomar essa decisão, o MPRN levou em consideração a crescente confirmação de casos de Covid-19 de integrantes da instituição e a necessidade de evitar a transmissão da doença, resguardando a saúde dos integrantes e demais colaboradores do MPRN, bem como da população.

 

O retorno das atividades presenciais, enquanto não estiver controlada a disseminação da Covid-19 em todo o território do Rio Grande do Norte, ocorrerá de forma gradual, por meio de rodízio, no percentual de até 50% do total de integrantes nas respectivas unidades, respeitando o distanciamento social entre as estações de trabalho, de modo a conciliar a preservação da saúde e a produtividade institucional, cabendo às respectivas chefias imediatas a definição de escalas de trabalho.

 

O horário de funcionamento do MPRN será, de forma presencial e remota, de segunda a quinta-feira, das 8h às 15h, e sexta-feira, das 8h às 14h, bem como, apenas remotamente, de segunda a quinta-feira, das 15h às 17h. Com isso, fica suspensa a contabilização de créditos e eventuais compensações do banco de horas dos servidores.

 

O horário de atendimento ao público ocorrerá, de segunda a quinta-feira, das 8h às 17h e, sexta-feira, das 8h às 14h, pelos meios disponíveis no portal do MPRN, tais como e-mail e telefone funcional.

 

Além dessas formas de atendimento, estão disponíveis o WhatsApp do Gaeco (98863-4585) e da Ouvidoria do MPRN (99994-6057), e, fora do horário de expediente, o telefone de Atendimento ao Cidadão (99972-5298).

 

Fica suspensa a realização de eventos, cursos e treinamentos presenciais dentro do MPRN.

 

Compartilhe aqui:

Previsão do tempo no RN para o feriado de Santos Reis

 

A previsão do tempo Feriado de Santos Reis, comemorado nesta quinta-feira (6) é de parcialmente nublado nas áreas do Alto Oeste, Seridó e Litoral do Rio Grande do Norte, conforme análises do novo sistema de monitoramento meteorológico da Empresa de Pesquisa do Rio Grande do Norte (Emparn), como lançado em dezembro de 2021.

 

A previsão é de chuva com volumes de até 30 milímetros.

 

Nas outras áreas do RN, há previsão de tempo parcialmente nublado. Nos finais de semana, de sexta (07) a domingo (09), a previsão é tempo parcialmente nublado.

 

O novo sistema pode ser acessado na aba Meteorologia do link.

 

Compartilhe aqui:

São João do Sabugi: açude Carnaúba aumentou seu volume após as últimas chuvas no RN

 

O Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio do Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn), monitora 47 reservatórios, com capacidades superiores a 5 milhões de metros cúbicos, responsáveis pelo abastecimento das cidades potiguares.

 

O Relatório do Volume dos Principais Reservatórios Estaduais, divulgado nesta quarta-feira (05), indica que 12 mananciais receberam águas das últimas chuvas pelo interior do RN.

 

O reservatório que recebeu maior aporte hídrico, percentualmente, foi o açude Flechas, localizado em José da Penha, que acumula, atualmente, 6.731.275 m³, correspondentes a  75,21% da sua capacidade total, que é de 8.949.675 m³. Na última quinta-feira (30), o manancial estava com 6.317.200 m³, equivalentes a 70,59% da sua capacidade.

 

Outro manancial que recebeu águas foi o açude público de Marcelino Vieira (foto), que está acumulando 7.804.875 m³, percentualmente, 69,69% da sua capacidade total, que é de 11.200.125 m³. Na última semana, o reservatório estava com 7.415.175 m³, equivalentes a 66,21% da sua capacidade total.

 

O açude Morcego, localizado em Campo Grande, acumula 1.860.151 m³, percentualmente, 27,73% da sua capacidade total, que é de 6.708.331 m³. Na última semana, o manancial estava com 1.785.681 m³, equivalentes a 26,62% da sua capacidade.

 

O reservatório Pataxó, localizado em Ipanguaçu, acumula 3.137.666 m³, correspondentes a 20,89% da sua capacidade total, que é de 15.017.379 m³. No final de dezembro, o manancial estava com 3.037.566 m³, equivalentes a 20,23% da sua capacidade.

 

O açude Jesus Maria José, localizado em Tenente Ananias, acumula 1.303.441 m³, correspondentes a 13,52% da sua capacidade total, que é de 9.639.152 m³. Na última semana o manancial estava com 1.243.452 m³, equivalentes a 12,90% da sua capacidade total.

 

O reservatório Bonito II, localizado em São Miguel, acumula 1.329.525 m³, percentualmente, 12,24% da sua capacidade total, que é de 10.865.000 m³. No final de 2021, o açude estava com 1.217.900 m³, correspondentes a 11,21% da sua capacidade.

 

O açude Carnaúba, localizado em São João do Sabugi, acumula 5.740.000 m³, percentualmente, 22,33% da sua capacidade total, que é de 25.710.900 m³. No final de 2021, o reservatório estava com 4.941.400 m³, equivalentes a 19,22% da sua capacidade.

 

Também localizado em São João do Sabugi, o açude Sabugi acumula 10.348.279 m³, correspondentes a 16,74% da sua capacidade total, que é de 61.828.970 m³. Na última semana, o manancial estava com 9.111.701 m³, equivalentes a 14,74% da sua capacidade total.

 

O reservatório de Pilões acumula 1.463.900 m³, correspondentes a 24,8% da sua capacidade total, que é de 5.901.875 m³. No final de dezembro, o açude estava com 1.419.912 m³, equivalentes a 24,06% da sua capacidade.

 

Outros mananciais que receberam águas em menor quantidade foram, Dourado, localizado em Currais Novos, que está com 10,24% da sua capacidade total; Poço Branco, localizado em município homônimo, que está com 10,82% da sua capacidade; e Boqueirão de Angicos, localizado em Afonso Bezerra, que está com 17,28% da sua capacidade total.

 

A barragem Armando Ribeiro Gonçalves, maior reservatório do RN, acumula 1.066.278.837 m³, correspondentes a 44,93% da sua capacidade total, que é de 2.373.066.510 m³. Na última semana, o manancial estava com 1.077.564.583 m³, equivalentes a 45,41% da sua capacidade total.

 

Já a barragem Santa Cruz do Apodi, segundo maior manancial do RN, acumula 211.087.100 m³, percentualmente, 35,2% da sua capacidade total, que é de 599.712.000 m³. Na última semana de dezembro, o manancial estava com 211.956.450, correspondentes a 35,34% da sua capacidade.

 

O reservatório Umari, localizado em Upanema, acumula 163.721.296 m³, equivalentes a 55,91% da sua capacidade total, que é de 292.813.650 m³. No final de 2021, o manancial estava com 164.779.094 m³, correspondentes a 56,27% da sua capacidade.

 

As reservas hídricas superficiais totais do RN somam 1.646.281.319 m³, correspondentes a 37,61% da sua capacidade total, que é de 4.376.444.842 m³. No final de dezembro de 2021, as reservas hídricas somavam 1.658.089.540 m³, equivalentes a 37,88% da sua capacidade total.

 

Reservatórios em nível de alerta

 

Os mananciais monitorados pelo Igarn que permanecem em nível de alerta, com menos de 10% das suas capacidades, são: Esguicho, localizado em Ouro Branco, com 0,05%; Zangarelhas, localizado em Jardim do Seridó, com 0,51%; Itans, localizado em Caicó, com 0,84%; o açude público de Cruzeta, com 1,98%; Tourão, localizado em Patu, com 4,95%; Caldeirão de Parelhas, com 4,97%; Santa Cruz do Trairi, localizado em Santa Cruz, com 5,55%;  Japi II, localizado em São José do Campestre, com 7,9%; e Brejo, localizado em Olho-d’Água do Borges, com 8,13%.

 

Os reservatórios, monitorados pelo Igarn, que estão secos, são: Inharé, localizado em Santa Cruz, e Trairi, localizado em Tangará.

 

Compartilhe aqui:

Dois primeiros casos da variante ômicron são identificados em Natal, diz Sesap

 

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sesap) confirmou nesta segunda-feira (3) as duas primeiras amostras positivas da variante ômicron da Covid no Rio Grande do Norte.

 

Os dois que tiveram o diagnóstico confirmado são homens e residem em Natal. De acordo com a Sesap, as duas pessoas já se recuperaram da contaminação e estão bem.

 

Segundo a Sesap, as coletas aconteceram em dezembro junto com outras 19 amostras, que foram identificadas como variante delta.

 

G1/RN

 

Compartilhe aqui:

Chuvas são registradas em pelo menos 61 municípios do RN

 

O primeiro domingo de 2022 teve registro de chuvas em pelo menos 61 municípios potiguares, de acordo com a Empresa de Pesquisas Agropecuárias do Rio Grande do Norte (Emparn).

 

O levantamento leva em consideração os dados colhidos entre às 7h do domingo (2) e 7h desta segunda-feira (3). As precipitações alegraram o sertanejo. Em várias cidades, a população fez vídeos comemorando o início do ano com chuva.

 

De acordo com os dados da Emparn, as maiores precipitações aconteceram nos municípios de Serra Negra do Norte (65,2 milímetros), Timbaúba dos Batistas (35,2 mm) e Ipueira (31 mm), todos na região Central potiguar, mas houve chuva em todas as macrorregiões do Rio Grande do Norte.

 

Na região Leste, os município com maior quantidade de água foram Nísia Floresta (28 mm) e Arez (21,8 mm).

 

No Oeste, Ipanguaçu (27,5 mm) e Itajá (27 mm) foram as cidades com maior quantidade de chuva. 26 cidades da região registraram precipitações ao longo das 24 horas.

 

Já no Agreste, Nova Cruz (13,6 mm) e Passa-e-Fica (10,6 mm) foram as que registraram mais água.

Previsão

 

De acordo com previsões meteorológicas da empresa, pelo menos quatro municípios deverão ter chuvas acima dos 50 milímetros nesta terça-feira (4): Major Sales, Venha-Ver, Paraná e Luis Gomes, no Alto Oeste potiguar.

 

G1

 

Compartilhe aqui:

Maior reservatório de água do RN terminou 2021 com 45% da capacidade total

 

A Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, maior reservatório de água do Rio Grande do Norte, fechou o ano de 2021 com 45% de sua capacidade.

 

A barragem comporta 2.373.066.510 m³ de água e estava com 1.073.050.284 m³ na medição feita em 31 de dezembro.

 

De acordo com o Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn), que monitora 47 reservatórios do estado, as recentes chuvas trouxeram aporte hídrico para poucos mananciais potiguares.

 

Segundo maior manancial do RN, a barragem Santa Cruz do Apodi acumula 211.608.710,00 m³, percentualmente, 35,29% da sua capacidade total, que é de 599.712.000 m³.

 

G1

 

Compartilhe aqui:

Barragem sangra na zona rural do oeste potiguar

 

O primeiro dia de 2022 foi de bastante chuva no interior do Rio Grande do Norte, especialmente no Oeste Potiguar, na parte mais conhecida como “Tromba do Elefante”, em alusão ao formato do mapa do estado. De acordo com a Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn), choveu 142 milímetros no município de Venha-Venha.

 

Em Alexandria, a precipitação foi de 71 milímetros. Já em José da Penha, o volume registrado pela empresa foi de 41,8 milímetros. Em Luís Gomes, a chuva foi de 34,8 milímetros. Os dados são equivalentes ao período entre às 7h da manhã de sábado (1º) e às 7h deste domingo (02).

 

A chuva de 31 milímetros que caiu no município de Encanto, ainda no Oeste do RN, foi capaz de sangrar – quando o volume acumulado é maior que o suportado – a barragem do Sítio Terra Boa. A sangria foi registrada por moradores do local.

 

“Primeira chuva de janeiro, barragem amanhece cheia no dia 2 de janeiro de 2022. A chuvinha caiu à noite e a barragem amanheceu cheia”, relatou o homem que fez as imagens.

 

A Emparn registrou chuvas fracas em outras áreas do estado. No Leste Potiguar, choveu em São Gonçalo do Amarante (3,8 mm), Extremoz (3,4 mm), Vila Flor (3,4 mm) e em Arez (2,6 mm). No Agreste Potiguar, só houve registro em Coronel Ezequiel (0,8 mm). Na Central Potiguar, houve anotação em Cerro Corá, Florância e São José do Seridó, todas de apenas 0,2 milímetros.

 

Compartilhe aqui:

Jovem de 20 anos se torna primeira pessoa com Síndrome de Down formada em gastronomia no RN; ‘Realizamos o sonho dele’, diz pai

 

“Senhoras e senhores, neste momento estamos tendo o privilégio de vermos a história passando na nossa frente. A partir de agora, Fredinho passa a ser a primeira pessoa com Síndrome de Down a ter diploma de nível superior em gastronomia aqui no nosso estado”.

 

As palavras são do jornalista Fred Carvalho e foram externadas durante discurso na festa de formatura da turma de gastronomia da Uninassau em Natal, que aconteceu no último dia 18. Entre os formandos, estava o filho dele, Fred Carvalho Filho, de 20 anos.

 

Fredinho, como é carinhosamente chamado, realizou o sonho de se formar no curso que desejava no ensino superior neste fim de 2021 e se tornou a primeira pessoa com Síndrome de Down no Rio Grande do Norte a ter o diploma de gastronomia.

 

Entre o ingresso no curso e a conclusão, Fredinho teve que superar mais do que a pandemia e as aulas on-line no meio do caminho, mas também a desconfiança ao ingressar num curso superior e o preconceito.

 

O pai, Fred Carvalho, conta que eles procuraram inicialmente três universidades que ofereciam o curso de gastronomia – duas delas interessaram.

 

“Nós procuramos uma primeiro e eles claramente fizeram um vestibular para Fredinho não passar. É importante sempre dizer que Fredinho não é alfabetizado ainda, ele está em processo de alfabetização”, contou.

 

Foi quando apareceu a segunda instituição. “A gente procurou a Uniassau e eles nos disseram: ‘a gente quer Fredinho aqui e vamos fazer toda a adaptação possível’”, lembra.

 

Estudando junto

 

Mesmo com a universidade disposta, uma única lacuna ficou aberta: a instituição não contava com alguém para acompanhar Fredinho naquele momento. Foi aí que Fred decidiu trilhar mais esse caminho ao lado do filho.

 

“Eu disse a eles que me dispunha a ajudá-los. Assim, eu aliaria o útil ao agradável: ganharia uma nova formação e ajudaria o meu filho a realizar o sonho dele”, contou.

 

Fred conta que tinha receio de que, por conta do trabalho e de outras atividades, não conseguisse acompanhar o ritmo da universidade e o filho. “Eu tive esse medo no começo, mas como eu sempre acreditei no potencial dele, então a gente entrou pra valer”, reforçou.

 

O trabalho ficou mais fácil quando ficou nítido que a turma e os professores seriam aliados nessa trajetória.

 

“Embora na rua ainda exista preconceito, no curso, eu posso garantir que ele foi super bem recebido por todo mundo, de professores a alunos, com muito carinho”.

 

Fred conta que o curso foi todo adaptado para Fredinho, priorizando um ensino mais compreensível a ele, sem deixar de oferecer os conteúdos abordados no curso.

 

Esse processo inclusivo também era percebido na vontade dos educadores. “Eles nos ofereciam abrir a cozinha aos sábados só para que eu Fredinho pudéssemos aprender, caso fosse necessário”.

 

Mão na massa

 

Em março deste ano, Fredinho já conseguiu se inserir no mercado como profissional da gastronomia. Para isso, contou com a ajuda da mãe, Milena Araújo, sócia no “Du Fred Gastronomia”, empresa especializada na produção de molhos artesanais.

 

“Ele vende os molhos que ele mesmo fabrica. E graças a Deus está dando certo, indo bem. Eu dei uma ajuda pra eles darem o primeiro passo, mas é a mãe dele quem realmente toca projeto. Ela pediu demissão do antigo trabalho para poder acompanhar Fredinho nesse sonho”, contou Fred.

 

A paixão de Fredinho pela cozinha também nasceu no seio familiar. O pai, Fred Carvalho, se define com um cozinheiro de fim de semana, que tem prazer de preparar pratos para a família.

 

“Fredinho começou a se interessar pela cozinha. Então, acabando o ensino médio, ele fez um teste vocacional, que confirmou isso. E ele falou que queria cursar gastronomia”.

 

O abraço da turma

 

Durante a festa de formatura, no momento da entrada, Fredinho foi ovacionado pelos colegas de sala, pelos convidados da festa, pela família e por todos que presenciaram aquele momento. A euforia pela conquista dele estava estampada nas expressões e percebida nos gritos daquele momento.

 

O pai, Fred Carvalho, havia sido o indicado para ser o orador da turma. Ele aceitou, mas disse que não se representaria naquele momento.

 

“Eu disse que aceitava, mas que eu ia incorporar Fredinho ali. Vou ser o orador, mas vou falar sobre ele, como foi a superação dele, a adaptação, o processo de conhecimento”, falou.

 

Durante o discurso, Fred falou principalmente sobre superação, adaptação e acolhimento. E fez questão de lembrar algo que o iluminou quando o filho nasceu e que também virou resposta para esse importante passo na vida dos dois: “A solução de tudo é através do amor”.

 

Por Leonardo Erys, g1 RN

 

Compartilhe aqui:

Ponte Newton Navarro será fechada para queima de fogos no Réveillon; confira a operação da STTU

 

A Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana anunciou nesta quarta-feira (29) o detalhamento da operação para cobrir a festa do Réveillon 2022 e a tradicional queima de fogos na Ponte Newton Navarro e na Praia de Ponta Negra.

 

De acordo com o órgão, na sexta-feira (31), a partir das 10h da manhã, a Ponte Newton Navarro será fechada no sentido Redinha/Forte e no sentido Forte/Redinha passa operar com mão dupla até às 22h, quando todo o complexo estaiado estará fechado nos dois sentidos para queima dos fogos.

 

Para a operação na Ponte, a STTU contará com 1 inspetor de trânsito, 10 (dez) agentes de mobilidade, duas viaturas e quatro (04) motociclistas. A região será liberada ao trânsito a partir das 3h da manhã do dia 1o janeiro de 2022.

 

Já em Ponta Negra, onde acontece a queima de fogos nas balsas em mar aberto, para garantir a segurança no trânsito das pessoas, a STTU vai bloquear para veículos a rua Erivan França a partir das 22h. O trecho estará liberado ao trânsito a partir das 2 horas da manhã de sábado (1o). Um efetivo com 8 (oito) agentes de trânsito, um (01) inspetor, uma viatura e quatro motociclistas estará orientando o trânsito na região.

 

Ainda de acordo com o órgão, o natalense que se dirigir às enseadas deve redobrar a atenção no uso de máscara, evitar ambientes fechados e se for beber nada de pegar no volante depois da festa. Os serviços de táxis e aplicativos estarão disponíveis assim como o telefone 156 para ocorrências no trânsito. A ligação é gratuita.

 

Compartilhe aqui:

Chuvas trazem aporte hídrico a poucos reservatórios do RN

 

O Governo do Estado do Rio Grande do Norte, por meio do Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn), monitora 47 reservatórios, com capacidades superiores a 5 milhões de metros cúbicos, responsáveis pelo abastecimento das cidades potiguares. O Relatório do Volume dos Principais Reservatórios Estaduais, divulgado nesta segunda-feira (27), indica que as recentes chuvas trouxeram aporte hídrico para poucos mananciais potiguares.

 

As reservas hídricas superficiais totais do RN acumulam, atualmente, 1.658.089.510 m³, percentualmente, 37,88% da sua capacidade total, que é de 4.376.444.842 m³. Na última quarta-feira (22), as reservas hídricas acumulavam 1.665.671.837 m³, equivalentes a 38,05% da sua capacidade total.

 

A barragem Armando Ribeiro Gonçalves, maior reservatório do RN, acumula 1.077.564.583 m³, correspondentes a 45,41% da sua capacidade total, que é de 2.373.066.510 m³. Na última quarta-feira, ela estava com 1.082.078.881 m³, equivalentes a 45,60% da sua capacidade total.

 

Segundo maior manancial do RN, a barragem Santa Cruz do Apodi acumula 211.956.450 m³, percentualmente, 35,37% da sua capacidade total, que é de 599.712.000 m². Na última semana, o reservatório acumulava 212.478.060 m³, correspondentes a 35,43% da sua capacidade total.

 

Já a barragem Umari acumula 164.779.094 m³, equivalentes a 56,27% da sua capacidade total, que é de 292.813.650 m³. No dia 22 de dezembro, o reservatório acumulava 165.836.892 m³, correspondentes a 56,64% da sua capacidade total.

 

Entre os reservatórios que receberam aporte hídrico, o açude público de Marcelino Vieira  acumula 7.415.175 m³, percentualmente, 66,21% da sua capacidade total, que é de 11.200.125 m³. No dia 22 de dezembro, o manancial estava com 7.317.750 m³, correspondentes a 65,34% da sua capacidade total.

 

O açude Jesus Maria José, localizado em Tenente Ananias, acumula 1.243.452 m³, equivalentes a 12,9% da sua capacidade total, que é de 9.639.152 m³. Na última semana, o manancial estava com 1.198.460 m³, percentualmente, 12,43% da sua capacidade total.

 

O açude Passagem, localizado em Rodolfo Fernandes, acumula 5.196.953 m³, correspondentes a 62,81% da sua capacidade total, que é de 8.273.877 m³. No dia 22 de dezembro, o reservatório estava com 5.164.249 m³, equivalentes a 62,42% da sua capacidade total.

 

O reservatório Tourão, localizado em Patu, acumula 398.462 m³, correspondentes a 4,99% da sua capacidade total, que é de 7.985.249 m³. Na última semana, o açude acumulava 375.259 m³, equivalentes a 4,70% da sua capacidade total.

 

O açude Alecrim, localizado em Santana do Matos, acumula 765.000 m³, percentualmente, 10,93% da sua capacidade total, que é de 7 milhões de metros cúbicos. Na última quarta-feira, o reservatório acumulava 750.000 m³, correspondentes a 10,71% da sua capacidade total.

 

Alguns reservatórios estão com os mesmos volumes que apresentavam na última quarta-feira (22), casos de: Apanha Peixe, localizado em Caraúbas, com 73,67%; Bonito II, localizado em São Miguel, com 11,21%; o açude público de Cruzeta, com 2,14%; Esguicho, localizado em Ouro Branco, com 0,06%; Rodeador, localizado em Umarizal, com 66,83%; Santa Cruz do Trairi, localizado em Santa Cruz, com 5,69%; e Santana, localizado em Rafael Fernandes, com 72,67%.

 

O reservatórios monitorados pelo Igarn, que chegam ao final de 2021 ainda com mais de 70% da sua capacidade total, são: Santana, localizado em Rafael Fernandes, com 72,67%; Flechas, localizado em José da Penha, com 70,59%; Riacho da Cruz II, localizado em Riacho da Cruz, com 73,4%; e Apanha Peixe, localizado em Caraúbas, com 73,67%.

 

Os mananciais que apresentam menos de 10% da sua capacidade total, sendo considerados em nível de alerta, são: Brejo, localizado em Olho-d’Água do Borges, com 8,33%; Tourão, localizado em Patu, com 4,99%; Itans, localizado em Caicó, com 0,86%; Caldeirão de Parelhas, com 5,25%; Esguicho, localizado em Ouro Branco, com 0,06%; açude público de Cruzeta, com 2,14%; Zangarelhas, localizado em Jardim do Seridó, com 0,51%; Santa Cruz do Trairi, localizado em Santa Cruz, com 5,69% e Japi, localizado em São José do Campestre, com 8,05% da sua capacidade total.

 

Os açudes monitorados pelo Igarn que permanecem secos são: Inharé, localizado em Tangará, e Trairi, localizado em Santa Cruz.

 

Compartilhe aqui:

Reservatórios vão encerrar o ano em nível maior que 2020 por aumento de chuvas

 

O nível dos reservatórios do Sistema Integrado Nacional (SIN), que abrange o complexo de armazenamento energético do país, encerrará este ano com um panorama melhor do que em dezembro do ano passado.

 

De acordo com dados disponibilizados no site do Operador Nacional do Sistema elétrico (ONS), os subsistemas Nordeste, Norte, Sudeste/Centro-Oeste e Sul terminaram o ano de 2020, respectivamente, com 46,1%, 28,1%, 18,67% e 27,5%, de energia armazenada nas usinas. Este ano, segundo o operador, eles terminarão com 47,15%, 41%, 23,53% e 44%.

 

Durante 2021, o armazenamento energético do SIN oscilou, devido à crise hídrica que assolou país, classificada como a pior dos últimos 91 anos. Dessa forma, as hidrelétricas deixaram de produzir muito e as termelétricas precisaram ser acionadas. Uma das consequências foi o encarecimento da energia elétrica, que aumentou 20,09% no último ano.

 

Segundo o ex-presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Mauricio Tolmasquim, para o ano de 2022, as previsões apontam que o país terá mais chuvas do que em 2021, e as precipitações nos meses de outubro, novembro e dezembro contribuíram para o cenário atual, de mais conforto.

 

“Houve uma melhora muito grande nesses meses, porque choveu razoavelmente bem. O problema era justamente chegar em novembro com a probabilidade de não atender a demanda dessa época do ano, que é mais alta. Então a chuva acima que do esperado ajudou, mas ainda estamos despachando mais térmica que o normal nessa época ano.”, explica.

 

O diretor-geral do ONS, Luiz Carlos Ciocchi, afirmou na semana passada que o nível dos reservatórios não será motivo para ocorrer racionamento de energia elétrica ou apagão em 2022. Ciocchi disse que os reservatórios devem chegar ao período seco de 2022 mais cheios do que estavam nesta fase de 2021, abastecidos entre 58% e 62% ao fim do período úmido. Ele também destacou a expansão da infraestrutura do sistema.

 

“Devemos ter a entrada de mais 10 mil megawatts de energia nova no sistema ao longo de 2020, e mais linhas de transmissão, favorecendo trazer mais energia do Norte e do Nordeste para o Sudeste. Uma situação bastante boa que devemos ter para rodar em 2022”, explica.

 

A previsão do professor Tolmasquin converge com a previsão anunciada pelo órgão. Segundo ele, o aumento das chuvas no ano que vem ajudará a desativar algumas térmicas, o que pode baratear a conta de luz.

 

“Se as chuvas continuarem abundantes, tem que continuar desligando as térmicas, principalmente por conta do preço desse tipo de energia. Por mais que não tenha tido racionamento, tivemos um choque de preços que atingiu a economia e vai durar nos próximos anos. Ou seja, o racionamento foi evitado, mas isso não é de graça, e vai deixar uma conta muito salgada para os consumidores nos próximos anos.”, afirma o engenheiro.

 

O especialista pontua ainda a importância de se agilizar a transição das matrizes energéticas no Brasil. Segundo o ONS, hoje, 63,2% da matriz energética do Brasil vem das hidrelétricas, enquanto 21,69% vêm das usinas termelétricas. As energias eólica e solar correspondem, respectivamente, a 11,39% e 2,62% do sistema.

 

Compartilhe aqui: