Brasil

Meteoro é observado no céu do interior de Minas Gerais

 

A Rede Brasileira de Observação de Meteoros (Bramon) confirmou o registro de um meteoro no interior de Minas Gerais. Vídeos de moradores que circulam nas redes sociais registraram o momento em que o objeto atravessa o céu noturno.

 

Segundo Marcelo Domingues, membro da diretoria da Bramon, a trajetória do meteoro foi curta e lenta, passando por cima da cidade de Santa Juliana, a nordeste de Uberaba e a sudeste de Uberlândia.

 

“Ele começou a brilhar por volta de 62 km de altitude e se extinguiu abaixo dos 40 km de altitude, causando um grande estrondo”, disse.

 

Domingues ressaltou que a instituição depende das imagens de uma das câmeras em Patos de Minas para ter uma trajetória mais refinada, que incluem as cidades por onde ele passou e os possíveis fragmentos que podem ter tocado o solo.

 

Até o momento, não há registro de ocorrências em razão da queda do meteoro.

 

Compartilhe aqui:

Petrobras anuncia aumento nos preços da gasolina e do diesel

 

A Petrobras anunciou nesta terça-feira (11) que fará ajustes nos seus preços de venda de gasolina e diesel para as distribuidoras. Os novos valores passam a valer nesta quarta-feira (12).

 

“Após 77 dias sem aumentos, a partir de amanhã 12/01/2022, a Petrobras fará ajustes nos seus preços de venda de gasolina e diesel para as distribuidoras. Os últimos aumentos ocorreram em 26/10/2021 e, desde então os preços praticados pela Petrobras para a gasolina foram reduzidos em R$ 0,10 litro em 15/12/2021, e permaneceram estáveis para o diesel”, disse a estatal em comunicado.

 

Com a mudança, o preço médio de venda da gasolina a distribuidoras passará de R$ 3,09 para R$ 3,24 por litro.

 

“Considerando a mistura obrigatória de 27% de etanol anidro e 73% de gasolina A para a composição da gasolina comercializada nos postos, a parcela da Petrobras no preço ao consumidor passará de R$ 2,26, em média, para R$ 2,37 a cada litro vendido na bomba. Uma variação de R$ 0,11 por litro”, diz o comunicado.

 

Para o diesel, o preço médio de venda da Petrobras para as distribuidoras passará de R$ 3,34 para R$ 3,61 por litro.

 

“Considerando a mistura obrigatória de 10% de biodiesel e 90% de diesel A para a composição do diesel comercializado nos postos, a parcela da Petrobras no preço ao consumidor passará de R$ 3,01, em média, para R$ 3,25 a cada litro vendido na bomba. Uma variação de R$ 0,24 por litro”, diz.

Alta esperada

 

A redução no preço do petróleo verificada no fim do ano passado já era visto pelo mercado como temporária, por conta das restrições da variante Ômicron do coronavírus na economia.

 

Como explica a analista de economia da CNN Periscila Yazbeck, conforme, as informações sobre a variante foram chegando e os agentes econômicos perceberam que seria menos grave do que parecia inicialmente, a demanda pelo petróleo voltou a subir, impulsionando os valores de referência nos contratos futuros da commodity.

 

Vale ressaltar que a Petrobras pratica a política de paridade de preços com o mercado internacional, já que o Brasil não é autossuficiente na produção, ou seja, tem que importar uma parte para abastecer o mercado interno, explica Priscila.

 

Se a estatal segura o preço, as distribuidoras não vão importar o insumo e isso pode causar desabastecimento no mercado interno, o que causaria efeito pior sobre os preços.

 

CNN

 

Compartilhe aqui:

Proprietário da lancha registrou foto antes da tragédia

 

O empresário Jesus Santos, mais conhecido como Zuza, proprietário da lancha Jesus, sempre tem o costume de tirar fotos do embarque dos turistas antes dos passeios. E foram vários. Mal sabia ele que, por ironia do destino, esse clique seria bem diferente dos outros e repercutiria no mundo a tragédia, que aconteceu sábado, no Lago de Furnas, em Capitólio-MG, quando uma rocha se desprendeu matando 10 pessoas, segundo o Corpo de Bombeiros do Estado.

 

A foto foi divulgada pelo Facebook do jornal Folha Regional, em São José da Barra, município distante 45,7 km de Capitólio-MG.

 

O tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, confirmou que a lancha Jesus foi a primeira a ser encontrada após a tragédia. “As vítimas estavam na lancha de nome Jesus, que foi uma das quatro lanchas impactadas pelo desprendimento da rocha”, disse.

 

Nessa fatalidade estavam: Maykon Douglas de Osti; Camila da Silva, namorada de Mykon; Carmem Pinheiro, mãe de Camila e Geovany Teixeira da Silva, de 37 anos, namorado de Carmem, todos moradores do Jardim Nova terra, Bairro Matão, em Sumaré-SP. Inclusive, conforme o Terra publicou, Maykon Douglas faria aniversário de 25 anos no domingo, 9.

 

Além dele estava Júlio Borges Antunes, de 68 anos, identificado como sendo a primeira vítima da tragédia. Ele morava em São José da Barra, cidade que fica a 45,7 km do local do acidente, e pela primeira vez, resolveu fazer o passeio de barco no cânion. Inclusive ele foi sepultado neste domingo, nesta cidade.

 

 

Compartilhe aqui:

Rocha desaba em Capitólio (MG) e atinge lanchas; uma morte é confirmada

 

CNN – O Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais confirmou no começo da tarde deste sábado (8) um acidente envolvendo lanchas na região do Lago de Furnas, em Capitólio, Minas Gerais.

 

Dados preliminares confirmam uma morte. Um vídeo que circula nas redes sociais, cuja veracidade foi confirmada pelos bombeiros, mostra o momento do acidente.

 

À CNN, Tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros de MG, disse que entre quinze e vinte pessoas foram diretamente afetadas pelo incidente. Nas imagens, é possível ver três lanchas, das quais duas estavam próximas do bloco que se descolou.

 

O tenente diz ainda que havia por volta de setenta pessoas fazendo turismo na região.

 

Além do Batalhão de Operações Aéreas, mergulhadores já estão atuando no local.

 

Aihara explica que há riscos de novos desabamentos, já que há rochas sedimentares na região. “É possível que haja novos acidentes, porque a água das chuvas penetra nas rochas, que têm menor resistência à ação da água e de vento”.

 

Muito procurada por turistas, a região de Capitólio tem cânions naturais, águas boas para navegação e diversão aquática. Além disso, a região é próxima de áreas urbanas, onde há estrutura de hotéis, pousadas e casas de veraneio para atender a demanda dos visitantes.

 

Compartilhe aqui:

PIS/Pasep 2022 tem pagamento liberado em janeiro; veja quem tem direito

 

O abono salarial do PIS/Pasep, adiado no ano passado, começa a ser pago neste mês. O benefício é destinado a quem trabalhou com carteira assinada em 2021 por mais de 30 dias recebendo até dois salários mínimos por mês. O valor a ser recebido dependerá do número de meses trabalhados no ano passado. Se o beneficiário trabalhou de carteira assinada por um mês, receberá R$ 100 de abono. Para quem trabalhou dois meses, o benefício é de R$ 200 e assim por diante.

Veja a tabela:

 

  • 1 mês: R$ 100
  • 2 meses: R$ 200
  • 3 meses: R$ 300
  • 4 meses: R$ 400
  • 5 meses: R$ 500
  • 6 meses: R$ 600
  • 7 meses: R$ 700
  • 8 meses: R$ 800
  • 9 meses: R$ 900
  • 10 meses: R$ 1000
  • 11 meses: R$ 1.100
  • 12 meses: R$ 1.200

 

Há ainda a expectativa de que o Governo Federal dobre o PIS/Pasep em 2022, já que o pagamento do benefício foi adiado em 2021. Isso, porém, ainda não foi confirmado.

 

Também é necessário estar inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos e ter os dados atualizados na Relação Anual de Informações Sociais (Rais) pelo empregador.

 

O pagamento do PIS, destinado aos trabalhadores do setor privado, é realizado na Caixa Econômica e casas lotéricas. Já o Pasep, pago aos trabalhadores do setor público, é pago por meio do Banco do Brasil.

 

Quem não possui conta nos bancos pode, no entanto, receber em qualquer agência Caixa com documento de identificação com foto, CPF e Carteira de Trabalho. Quem tiver o Cartão Cidadão também pode usá-lo, com a senha, para sacar o abono.

Saiba como consultar o PIS pelo CPF

 

  • Acesse o portal Meu INSS
  • Entrar com gov.br;
  • Digite o CPF e clique em Continuar;
  • Insira a senha;
  • Na página inicial, clique em “Meu cadastro” e veja o número do PIS

Dúvidas

 

Em caso de dúvidas sobre o pagamento do benefício, o trabalhador pode entrar em contato com o atendimento da Caixa pelo número 0800 726 0207, pelo site do banco e pelo aplicativo Caixa Trabalhador.

 

Os beneficiários que vão receber o Pasep podem buscar o Banco do Brasil pelo 0900 729 0001, pelo site do banco ou pelo aplicativo.

 

 

Compartilhe aqui:

Salário mínimo passa a ser de R$ 1.212 a partir deste sábado

 

A medida provisória assinada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) sobre o novo salário mínimo no valor de R$ 1.212 em 2022 foi publicada no Diario Oficial da União nesta sexta-feira (31). O novo valor configura um aumento de pouco mais de R$ 100 no atual salário e passa a vigorar a partir deste sábado (1º). O valor diário do salário mínimo corresponderá a R$ 40,40 e o valor por hora, a R$ 5,51.

 

O atual salário mínimo é de R$ 1.100. No Orçamento aprovado pelo Congresso neste mês, a previsão era que ele ficasse entre R$ 1.210 e R$ 1.212. Durante uma transmissão pela internet, o presidente Bolsonaro confirmou o valor final a ser pago em 2022. “A partir de 1º de janeiro agora, o valor do salário mínimo [será] de R$ 1.212.” Apesar de começar a valer em janeiro, o primeiro pagamento com reajuste será feito a partir de fevereiro.

 

O Orçamento da União para 2022 ainda não foi sancionado pelo presidente. O texto foi aprovado pelo Congresso na semana passada. O relator-geral do Orçamento, deputado Hugo Leal (PSD-RJ), aumentou de R$ 1.169 para R$ 1.210 a previsão da remuneração mínima no país.

 

O valor representa um aumento de 10,04% em relação ao salário mínimo atual. O índice é o maior em seis anos, mas sem aumento real (acima da inflação). Desde 2016, quando o reajuste do salário mínimo foi de 11,6%, a inflação vinha caindo, assim como o aumento do piso.

 

Compartilhe aqui:

PRF inicia Operação Ano-novo 2022 nas estradas federais do país

 

Começou nesta quinta-feira (30) a Operação Ano Novo 2022, da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Até domingo (2) haverá policiamento ostensivo em locais e horários de maior incidência de acidentes graves e de criminalidade. O objetivo é garantir aos usuários das rodovias federais mais segurança e fluidez do trânsito.

 

Segundo a PRF, será dada atenção especial às ações de combate à embriaguez ao volante, fiscalização de ultrapassagens em trechos de pista simples e o controle do excesso de velocidade.

 

O uso do cinto de segurança, do capacete, dos dispositivos de retenção para crianças e do celular pelo motorista, além de fiscalizações específicas de motocicletas e condições de conservação dos veículos, também estão entre os focos das equipes.

 

As ações terão, ainda, outros pontos focais, como a fiscalização do tempo de direção e descanso do motorista profissional e o exame toxicológico.

 

Dicas

 

Para quem vai pegar a estrada nos próximos dias, a PRF recomenda um checklist para reduzir o risco de acidentes e evitar multas desnecessárias. Revise o automóvel, ainda que seja para pequenas viagens.

 

Mantenha os faróis acesos para ver e ser visto; além disso não esqueça dos pneus calibrados e em bom estado de conservação; óleo e nível da água do radiador em dia.

 

Outra dica é não se esquecer de verificar a presença e estado dos equipamentos obrigatórios, principalmente estepe, macaco, triângulo e chave de roda, além dos limpadores de para-brisa e luzes do veículo.

 

No caso de transporte de crianças, não se esquecer também da cadeirinha. Os motoristas devem ainda observar as placas que indicam os limites de velocidade e as condições de ultrapassagem.

 

Nos trechos em obras, o motorista deve reduzir a velocidade e obedecer à sinalização local. Os condutores também devem redobrar a atenção em cruzamentos e áreas urbanas e jamais desviar a atenção do trânsito.

 

“Se fizer uso de bebida alcoólica, não dirija! Nesse caso, pense em utilizar transportes alternativos como os carros de aplicativos, táxis ou ônibus. Outro ponto a ser destacado: celular e direção não combinam. Essas pequenas condutas,  além de evitarem multas, podem salvar vidas e tornar a viagem ainda mais segura e tranquila”, acrescenta a PRF.

 

Compartilhe aqui:

Saiba quais serão as mudanças na CNH a partir de 2022

 

A Carteira Nacional de Habilitação (CNH) terá novidades em 2022. O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) publicou oficialmente na última semana a resolução nº 886 do dia 13 de dezembro. Ela regulamenta as especificações, a produção e a expedição da CNH, que receberá atualizações no desenho. O novo modelo do documento valerá a partir do dia 1º de junho de 2022, e substituirá a atual CNH. A troca não será obrigatória, e acontecerá apenas para novas emissões e renovações a partir desta data.

 

A nova CNH poderá ser emitida em meio físico (ainda em papel) e/ou digital, à escolha do condutor. Dentre as mudanças, o documento passará a trazer uma tabela com ilustrações dos veículos que o motorista pode dirigir. Outras novidades são a inclusão da nacionalidade e cidade de origem do condutor, além da identificação do documento em línguas estrangeiras (inglês e francês) na parte superior.

 

Os códigos também passam a seguir o padrão internacional. De acordo com o artigo 3º da resolução do Contran, a Permissão Para Dirigir (PPD) e a Autorização para Conduzir Ciclomotores (ACC) terão o mesmo modelo da CNH. No caso da PPD, o documento passa a ter a letra “P” impressa na lateral direita do anverso da PPD, enquanto a CNH definitiva passa a exibir a letra “D” no mesmo local. A permissão para a ACC também pode ser simultânea à PPD para a categoria “B”, com validade de um ano.

 

Visualmente, além das mudanças no layout da CNH, o documento também passará a ter cores verde e amarelo em tom predominante e mais claro que a CNH atual. Na parte interior, o documento segue com o QR Code instituído em 2017. De acordo com o Contran, Ainda segundo o Contran, o código armazena todas as informações contidas nos dados variáveis do respectivo documento, inclusive a fotografia, com exceção da assinatura do condutor.

 

Assim como o documento atual, a nova CNH terá os números do RG, CPF e número do formulário RENACH. Também será possível optar pela emissão de forma apenas digital. O novo layout para a CNH será adotado para documentos emitidos a partir do dia 1º de junho do ano que vem em todo o Brasil. A troca não será obrigatória para condutores que ainda tenham a CNH atual com validade em dia, e ocorrerá apenas em novas emissões ou na renovação do documento.

 

Fonte: TERRA

 

Compartilhe aqui:

Chuva forte destrói depósito e arrasta botijões de gás pelas ruas da cidade; veja vídeos

 

As fortes chuvas que caem sobre a região sul da Bahia continuam provocando estragos e cenas assustadoras. Em Itabuna, a força da água destruiu parte da estrutura de um depósito e arrastou centenas de botijões de gás de cozinha pelas ruas da cidade.

 

“Gente do céu, bujão. Rompeu aqui uma empresa e tá uma chuva de bujão”, exclama uma moradora.

 

Na sequência ela mostra pessoas que se arriscam em meio ao alto volume de água recolhendo os vasilhames.

 

“A galera tá pegando bujão, que loucura é essa, gente? Olha pra isso!”.

 

https://www.facebook.com/105802191725375/videos/473674337507671

https://fb.watch/a8uag9l0qf/

https://fb.watch/a8ubK12uGg/

 

Compartilhe aqui:

Adolescente morre após tomar choque elétrico ao usar o celular carregando na tomada

 

O adolescente Max Willyan dos Reis Gomes, de 14 anos, morreu após tomar um choque elétrico em Alexânia, no Entorno do Distrito Federal. Segundo o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), familiares contaram que ele levou a descarga ao usar um celular que estava carregando na tomada.

 

O acidente aconteceu na noite de sábado (18) em uma chácara a cerca de 5 km da cidade. Ainda de acordo com os socorristas, os familiares disseram que Max estava no fundo da casa, com uma extensão e mexendo no aparelho quando sofreu a descarga elétrica.

 

De acordo com a Polícia Militar, que esteve no local, testemunhas disseram que escutaram um forte barulho, e quando foram até os fundos da casa, perceberam que o adolescente havia sido arremessado a alguns metros da tomada.

 

A família não soube informar os policiais se a descarga elétrica veio do celular ou da extensão que o garoto segurava.

 

O corpo do jovem foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de Anápolis, onde deve passar por perícia médica.

 

G1

 

Compartilhe aqui:

Brasil: Famílias ocupam supermercado e pedem alimentos para o Natal, no Recife

 

UOL Notícias – Crianças sentadas acima e abaixo de caixas registradoras, mulheres amamentando ao lado de totens com anúncio de chesters para a ceia de Natal e famílias inteiras a cochilar aos pés das gôndolas de sonhos de padaria.

 

Esse foi o cenário visto na manhã de hoje no supermercado Extra, no bairro da Madalena, zona oeste do Recife, quando cerca de 200 pessoas, segundo estimativas da Polícia Militar, ocuparam o estabelecimento em busca de alimentação. A ação serviu de apelo para garantir comida na mesa e de protesto pela alta nos preços e foi registrada em outras capitais nordestinas.

 

A ideia das famílias participantes não era comprar, mas pedir cestas básicas à empresa. Andrea Valéria Barreto, 32, e os seis filhos, entre 2 e 14 anos, fizeram parte do ato.

 

Após garantir o café da manhã com uma massa de cuscuz doada, ela saiu com a família da Ocupação Selma Bandeira, em Jaboatão dos Guararapes, na região metropolitana, na busca por mais alimentos. “Eu saí sem saber o que vou dar aos meus filhos quando chegar em casa”, afirmou.

 

Compartilhe aqui:

O comercial que está emocionando os brasileiros neste fim de ano

 

Sempre no fim do ano, os brasileiros ficam na expectativa dos melhores comerciais de Natal e de Ano Novo. Isso porque as marcas aproveitam a oportunidade para transmitir belas e tocantes mensagens de esperança para o ano vindouro, diferentemente do que fazem no decorrer do ano, quando o varejo e o apelo ao consumo falam mais alto.

 

Neste ano, um filme do banco Itaú veiculado na TV e nas redes sociais tem chamado a atenção dos brasileiros. Estrelado pela consagrada atriz Fernanda Montenegro e pela bebê Alice, o comercial resgata valores essenciais para a humanidade.

 

Na verdade, a pequena Alice ficou famosa no Instagram e no TikTok através dos vídeos em que ela aprende e repete palavras difíceis que a mãe dela lhe ensina. Mas, desta vez, é ela que ensina algumas destas palavras para a experiente Fernanda Montenegro, recentemente eleita para a Academia Brasileira de Letras.

 

No vídeo, Alice ensina à diva do cinema e da TV as expressões “respeito”, “esperança”, “humanidade” e “amor entre as pessoas”. Mais do que palavras, são valores e desejos para 2022.

 

Os olhos de Fernanda Montenegro chegam a brilhar quando ela pergunta à pequena quem lhe ensinou tudo isso e ela responde: “a vida”. Uma clara mostra de que, mesmo com muita experiência, sempre temos algo a aprender.

 

A mistura da experiência e da inocência para transmitir valores essenciais ao seres humanos tem emocionado a todos. Na internet, muita gente elogiou a campanha. “No mundo em que estamos, quando ouvimos uma mensagem desse porte num final de ano tão conturbado, só fiz uma coisa: chorar né? Fofura de pessoas! ♥️”, comentou uma internauta no YouTube.

 

Assista ao comercial:

 

 

Compartilhe aqui:

Seca grave atinge 52% dos municípios do RN e deixa população sem ter o que comer

Foto: Olinto Bezerra/TV Tropical
Foto: Olinto Bezerra/TV Tropical

TV TROPICAL – O Rio Grande do Norte é o estado mais afetado pela estiagem no Nordeste. De acordo com dados da Agência Nacional de Águas, 52% dos municípios do RN estão em seca de grau grave. Sem a chuva, que não aparece há meses, a população mais carente tem sofrido com as consequências da estiagem e os animais estão morrendo por falta de alimentos. No território potiguar, as regiões mais afetadas são a Central e a Agreste.

 

Um exemplo é o município de Senador Elói de Souza, a 90 km de Natal, capital do estado. A reportagem da TV Tropical viajou até o local para acompanhar a realidade de 38 famílias que vivem em uma comunidade na zona rural. O clima seco e árido demonstra a ausência de chuva. No cenário, a caatinga, vegetação nativa do sertão, acompanhada de cactos e juazeiros. No chão, um verdadeiro cemitério de animais, com as carcaças do gado que não resistiu às consequências da seca e da fome.

 

O agricultor Adailton de Oliveira conta que, nos últimos meses, a situação se agravou ainda mais. Ele trabalha com plantio de feijão e milho, mas, sem a chuva, as lavouras não vingam. O produtor revela ainda que, em 52 anos de vida, nunca viu um contexto como esse. “Está muito difícil. Nós vivemos apenas com R$ 179 por mês, do Bolsa Família”.

 

Em um dos currais da comunidade, pelo menos cinco animais morreram por falta de alimentação, já que o proprietário não tinha mais dinheiro para pagar as rações. Os poucos animais que sobrevivem estão magros e fracos. Quando algum morre, se for considerado sadio, há uma divisão entre os mais necessitados da comunidade rural. “A gente comprou os animais com tanto sacrifício para, de repente, perder assim. Eu nunca tinha perdido desse jeito, mas infelizmente a seca acaba com tudo”, relatou o agricultor, emocionado.

 

O lamento também é compartilhado pela agricultora Sebastiana Nunes. Na cozinha de sua casa, falta o básico para a família se alimentar. Na última semana, ela conseguiu entrar em uma divisão de uma vaca que morreu e, por isso, teve a proteína do almoço. Mas nem sempre é assim. “Às vezes a gente quer comprar ovo ou mortadela, que são as misturas mais baratas, mas não podemos. Porque a mortadela está hoje um preço absurdo, a gente não tem condições de comprar. A mesma coisa com o ovo. Ou compra um ou compra outro”, explicou Sebastiana.

 

Para a líder comunitária Áurea Silva, essa é uma das secas mais graves já vistas na região. “O agricultor e, principalmente, o assentado, vive exclusivamente da agricultura. Não tem outra fonte de renda. Então, com um período desse, que não tem chuva, não choveu o ano todo, o agricultor vai viver de quê?”, questiona. Com os olhos marejados, Áurea lembra ainda de uma cena que a comunidade presenciou há poucos dias. “A gente viu um rapaz chegar na casa de uma pessoa, tremendo… De fome. Ver isso dói muito! Então as vizinhas se juntaram e entregaram alguns alimentos para ele levar para casa”, conta, às lágrimas.

 

 

Compartilhe aqui:

RN: Famílias comem lagartos e restos de carne para enganar fome no Brasil de Bolsonaro

 

Folha de S.Paulo/ Renata Moura
SENADOR ELÓI DE SOUZA (RN) e SÃO PAULO DO POTENGI (RN)

 

“A última vez que comi carne já tem mais de um mês. Foi quando ajudei a tirar o couro de uma vaca”.

 

Em Senador Elói de Souza, município do Rio Grande do Norte em estado de calamidade pública pela seca, Adailton Oliveira lembra, emocionado, que o animal agonizava de fraqueza, faminto, e foi abatido pelo dono.

 

Os pedaços foram repartidos onde caíram. Adailton, 52, conta que ficou com “a mão”, uma das patas dianteiras. Com a mulher, Sebastiana, fez o pedaço render por 20 dias no fogão à lenha improvisado. Alimentos ali estão contados. Os R$ 170 do Bolsa Família “não dão para nada”, afirma, e o auxílio emergencial da pandemia é passado.

 

“Ao invés de deixar a vaca para urubu e cachorro, a gente tem que comer”, diz o agricultor. “É isso porque não tem outro jeito. Sem chuva não se planta o que comer e se acabam os animais. Também não existe mais passarinho para desfrutar, e a gente não tem condição de pedir no mercado ‘bota 1 kg de carne com osso’. A gente tem que pegar os bichinhos para fazer a mistura.”

 

Os relatos sobre a fome na região potiguar se somam aos de outros brasileiros pelo país. Neste ano, ganharam notoriedade imagens de ossos de boi serem disputados por moradores no Rio de Janeiro Janeiro e vendidos como um produto a mais em açougue em Santa Catarina. Em Fortaleza, ossos de carne de primeira e de segunda também foram incluídos na lista de itens de alguns açougues, quando antes eram doados.

 

Duas casas adiante, Deojem Emanuel Gomes da Silva, 57, conta não ter nada na geladeira. O alimento disponível na cozinha é meio quilo de feijão espalhado numa caixa.

 

A renda “é menor que o gás”. O botijão custa R$ 110. “Tudo subiu com a pandemia”, diz com tom de lamento. No almoço, comeu o feijão puro.

 

Ele conta que não é possível recorrer nem aos pequenos répteis, animais que por décadas fizeram parte da dieta dos mais pobres afligidos pela seca no Nordeste.

 

“A mistura, às vezes, é ovo. Às vezes, não tem. Nem calango, nem lagarto tijuaçu tem mais aqui. Eles migram atrás de água.” Há quem diga que os que ficam “são pequenos como lagartixas”.

 

No assentamento onde vive, parte das famílias está “no extremo do extremo”, diz a presidente da associação de moradores, Áurea da Silva, 60. “Não têm nem o Bolsa Família e a renda é a agricultura, porém esse ano não teve nada, não teve chuva”. Cestas básicas da igreja são o que ajuda a salvar.

 

SECA, POBREZA E FOME AVANÇAM

 

O desemprego acentuado com a pandemia e a queda no poder de compra em 2021 agravaram a insegurança alimentar e a fome. Mais da metade (52%) dos municípios potiguares estão em “seca grave”. A área com esse diagnóstico aumentou, segundo a Ana (Agência Nacional de Águas), e o estado é, no Nordeste, o mais afetado pela estiagem. O governo lançou em outubro um plano estadual de convivência com o semiárido.

 

Paralelo a isso, a Secretaria de Estado do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social calcula que 370 mil famílias estejam na extrema pobreza, o maior patamar em uma década.

 

O número de famílias em situação de pobreza também subiu e, frisa a secretaria, aumentou o número de pessoas que sofrem com a fome. São mais de 1 milhão de pessoas, quase 38% da população, na pobreza e na extrema pobreza. “Evidentemente a seca agrava o quadro”, diz a titular da pasta, Iris Oliveira. “Mas tem vários fatores, como a fila de espera no Bolsa Família —várias famílias, desde 2019, 2020, aguardam para entrar no programa e isso dificulta o direito à renda”.

 

A eliminação de postos de trabalho na pandemia e o encarecimento da cesta básica pioram o cenário.

 

Leia reportagem completa clicando AQUI.

 

Compartilhe aqui:

Sugestão para presente neste Natal: matar a fome de outras famílias

 

Em um cenário de intensa mobilização da Legião da Boa Vontade em todo o Brasil em favor da campanha Natal Permanente da LBV — Jesus, o Pão Nosso de cada dia!, que tem como meta oferecer neste fim de ano cestas de alimentos não perecíveis a mais de 50 mil famílias, beneficiando cerca de 200 mil pessoas, é necessário narrar as histórias de vida que estão por trás desses números.

 

A iniciativa reforça o que a LBV tem feito durante toda a sua existência, pois entende que o exemplo de Solidariedade sem fronteiras do Cristo Ecumênico, o Divino Estadista, que ampara os desfavorecidos e doa a própria vida a todos, independentemente de credos e ideologias, é o grande significado dessa data a ser vivido, não somente neste período, mas em todos os dias do ano. Por isso, de forma especial, desde o início da pandemia do novo coronavírus, as equipes legionárias têm trabalhado, com o apoio de tantos corações fraternos que se unem à Entidade, para levar comida ao prato dos brasileiros mais expostos a essa crise sanitária.

 

Afinal, o sagrado direito de se alimentar nunca esteve tão ameaçado, segundo dados da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan) e da Universidade Livre de Berlim, publicados em 2021: mais de 19 milhões de indivíduos sofrem com insegurança alimentar grave, ou seja, passam fome.

 

A ação complementa o trabalho da LBV em diversas frentes, pois auxilia famílias de alunos da sua rede de ensino e de matriculados nos serviços de seus Centros Comunitários de Assistência Social, além de beneficiar organizações parceiras que integram a Rede Sociedade Solidária, da Legião da Boa Vontade, programa de assessoramento, defesa e garantia de direitos, que leva subsídios a instituições sociais e transmite orientações técnicas e administrativas a elas, sem perder de vista o propósito de oferecer oportunidades de crescimento e de educação a essas comunidades em situação de vulnerabilidade social, onde quer que estejam.

 

Assim, você, leitor(a), verá nesta reportagem como a doação de voluntários e colaboradores vêm transformando a vida de tantos cidadãos, chegando, com carinho e dedicação incansáveis, às periferias das metrópoles, às regiões do interior do país, sempre sob o lema “por um Brasil melhor e por uma humanidade mais feliz”.

 

Compartilhe aqui:

Prefeitura de Salvador cancela festa de Réveillon

 

O prefeito de SalvadorBruno Reis, anunciou, nesta segunda-feira (29), que a capital baiana não realizará neste ano o “Festival Virada Salvador”, evento que seria promovido pela para a festa de Réveillon.

 

A prefeitura alegou que, mesmo com o avanço da vacinação, “o cenário de incertezas provocado pela Covid-19” impede que seja realizado com segurança sanitária o evento, cujo público estimado é de 250 mil pessoas por dia.

 

Em publicação no Twitter, Bruno Reis pontuou o surgimento da variante Ômicron, detectada pela primeira vez na África do Sul, e o aumento de casos de Covid-19 na Europa. “Sei da importância do evento para economia da nossa cidade, mas seguimos colocando a vida das pessoas em primeiro lugar”, escreveu.

 

O prefeito também participou de um evento em Salvador nesta segunda (29). Em conversa com a imprensa, ele disse que “não há como realizar o festival esse ano”.

 

“Estamos há exatamente um mês do início da festa. Chegamos ao limite dessa decisão, que dependeria exclusivamente da prefeitura. Somente a prefeitura organiza esse evento. A decisão está tomada e nós não realizaremos”, declarou.

 

“Sempre disse que íamos avaliar o que está acontecendo no Brasil e no mundo, como a pandemia está se comportando em lugares com índices diferentes de vacinação. Não é o momento de colocar em risco tudo o que construímos até aqui, sempre colocando a vida das pessoas em primeiro lugar”, complementou Bruno Reis.

 

Em relação ao Carnaval, o prefeito declarou que “estão empurrando ao máximo para tomar essa decisão”, destacando que o governo estadual tomará a decisão final em conjunto. A prefeitura de Salvador ressaltou que toda a segurança e cautela serão consideradas, e que o anúncio será feito “assim que possível, considerando o cenário atual da Covid-19”.

 

Compartilhe aqui:

Anvisa recomenda restrições de voo diante de nova variante de covid-19

 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou nesta sexta-feira (26) uma nota técnica em que recomenda ao governo brasileiro medidas de restrição para voos e viajantes procedentes da África do Sul, de Botsuana, de Eswatini, do Lesoto, da Namíbia e do Zimbábue. A decisão foi tomada diante do registro de uma nova variante do Sars-CoV-2 identificada como B.1.1.529.

 

“De acordo com a Lei 13.979/2020, compete à Anvisa emitir manifestação técnica fundamentada de assessoramento às decisões interministeriais sobre eventuais restrições para ingresso no território brasileiro”, informou a agência. “A efetivação das medidas, contudo, depende de portaria interministerial editada conjuntamente pela Casa Civil, pelo Ministério da Saúde, pelo Ministério da Infraestrutura e pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública”, completou.

 

A nota técnica recomenda medidas restritivas de caráter temporário em relação a voos e viajantes procedentes dos seis países tendo em vista a detecção recente da variante nessas localidades. “Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), essa nova variante parece ter maior transmissibilidade e provavelmente está ligada ao aumento contínuo de infecções por SARS-CoV-2 nos referidos países, cuja cobertura vacinal ainda encontra-se baixa”.

 

Ainda segundo o documento, países como Itália, Alemanha e Reino Unido já começaram a adotar medidas de restrição de trânsito de viajantes provenientes dessas regiões. Autoridades da Comissão Europeia também indicam que, em coordenação com os estados-membros, pretendem adotar restrições em todo o bloco.

 

Agência Brasil

 

Compartilhe aqui:

Realização do Carnaval dependerá do cenário em janeiro, avalia Fiocruz

 

A Fiocruz divulgou nota nesta quinta-feira (25) dizendo que o ofício que encaminhou à Comissão de Retomada de Eventos da Câmara Municipal de Salvador não afirma que o Carnaval do ano que vem pode ser realizado se 90% da população da capital baiana estiver vacinada. Segundo a instituição, esse número seria necessário só para iniciar a discussão e é apenas parte do que foi avaliado no parecer sobre o tema e a divulgação de trechos específicos tem gerado confusão.

 

Na nota, a Fiocruz diz que seu observatório Covid-19 destacou que “tudo dependerá do cenário no período que antecede o carnaval, a partir de janeiro”, levando aí em conta já os festejos de final de ano e impacto das férias escolares. Esse ponto mostra o grau de incerteza do momento, diz a instituição, o que impede afirmativas categóricas sobre o planejamento de um evento de dimensão do Carnaval.

 

“Assim, a recomendação de avanço da vacinação, a pelo menos 90%, seria o fator necessário para que fosse iniciada qualquer discussão, ou seja, atingida esta margem, será necessário avaliar outros fatores citados no documento, a exemplo, do controle da entrada de não vacinados e a testagem, uma vez que o evento atrai indivíduos de outras regiões do Brasil e de outros países”, diz a nota.

 

A Fiocruz reafirma que não se posicionou a favor da realização do Carnaval, já que as recomendações citadas no ofício sequer estão contempladas para dar início à discussão. A instituição diz ainda que está disponível para diálogo sobre o tema, visando preservação da saúde da população.

 

O debate sobre a realização do Carnaval em Salvador está em andamento e a expectativa é de uma decisão nesse final de novembro, prazo considerado necessário para a organização da festa pelos setores envolvidos. O prefeito Bruno Reis havia considerado positiva a recomendação de 90% da população totalmente vacinada, afirmando que Salvador deve chegar ao percentual até fevereiro.

 

Portal Correio (Salvador)

 

Compartilhe aqui:

Touro de Ouro da Bolsa de SP será removido e idealizadores serão multados

 

Alvos de polêmicas e protestos, a estátua que ficou conhecida como Touro de Ouro, instalada em frente à Bolsa de Valores de São Paulo, será removida. Uma multa também será aplicada aos criadores. A decisão foi tomada pela Comissão de Proteção à Paisagem Urbana, da Secretaria Municipal de Urbanismo (CPPU) e Licenciamento (SMUL) de São Paulo, em reunião extraordinária na tarde desta terça-feira (23/11).

 

A remoção será feita porque a peça foi definida, pela maioria da Comissão, como de caráter publicitário e, por isso, infringe a Lei Cidade Limpa (nº 14.223/2006), que proíbe a “colocação de anúncio publicitário” na cidade de São Paulo. A decisão segue, agora, para a Subprefeitura da Sé, que deverá fazer a remoção e definir o valor da multa.

 

Depois de mais de duas horas de discussão, a votação registrou cinco votos favoráveis pela remoção, contra quatro contrários. A representante da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, Larissa Bueno Mendonça, se absteve da votação por “entender que não tem tantos elementos para fazer o julgamento ainda”.

 

O grupo ficou dividido no entendimento sobre o caráter da peça, que determinaria, também, o futuro do objeto. Se fosse considerada de finalidade cultural, os criadores seriam apenas multados, já que instalaram a peça sem autorização da SMUL. Nesse caso, eles poderiam permanecer com o Touro por 30 dias, que é o prazo máximo previsto para os considerados “anúncios” previstos na Lei.

 

No entanto, o entendimento de que é um anúncio publicitário obrigaria a retirada imediata da peça. O colegiado considerou a justificativa do artista no pedido de instalação, de que seria um ponto cultural, um símbolo da cidade, ou seja, que teria interesse público e artístico, mas entendeu que o caráter publicitário era mais evidente.

 

Isso porque a obra acompanha, também, uma placa com o nome não só do artista, mas do sócio da B3, a Bolsa de Valores, e o Instagram dele. A sinalização mostra que há uma implicação clara de veiculação entre a empresa e a obra, o que traz o caráter publicitário.

 

A Comissão também levou em consideração o simbolismo que a obra passaria no centro da cidade. “O centro da cidade está extremamente ocupado por pessoas que estão de fato por uma situação extremamente vulnerável. Eu acho que temos que tomar cuidado quando estamos avaliando a inserção de elementos na paisagem que se supõem lúdicos mas tem uma carga simbólica muito forte. Se tem um caráter simbólico muito forte, talvez seja só publicidade e não atenda em nada o interesse público, ainda mais o que transita por ali”, criticou um membro do colegiado.

Touro de Ouro: luxo, protestos e fome

 

A escultura foi instalada em 15 de novembro, em frente ao prédio da Bolsa de Valores, no centro de São Paulo, e foi inaugurada no dia seguinte. Com cinco metros de altura e três de comprimento, a obra foi comparada ao touro de bronze de 3,5 toneladas instalado em frente à Bolsa de Valores de Nova York, em Wall Street. Apesar da semelhança, o artista Rafael Brancatelli afirma que não há inspiração. A B3, idealizadora da obra, diz que a peça “simboliza o mercado financeiro e a força do povo brasileiro”.

 

Povo este que não recebeu bem a ideia do empresário. No dia seguinte à inauguração, a obra “amanheceu” com um cartaz escrito “fome” colado no corpo do touro. À noite, a ONG SP Invisível, que presta serviços de apoio para pessoas em situação de rua, organizou um churrasco para esse público em frente ao objeto.

 

Em um post, eles afirmaram que fizeram o churrasco “para lembrar que esse ‘Touro de Ouro’ não significa nada para as pessoas em situação de rua, nossos irmãos e irmãs!”. “O preço da carne no mercado aumentou, está tudo muito caro. Enquanto o Touro sinaliza um progresso, esse progresso de fato não existe, estamos vivendo um retrocesso”, pontuou o fundador da ONG.

 

Compartilhe aqui:

Puxados por frango e ovo, produtos da ceia de Natal sobem até 27%

 

ceia de Natal deste ano terá um peso maior no bolso do consumidor. Isso porque os alimentos que compõem a cesta natalina estão mais caros em relação ao ano passado.

 

O frango inteiro, um dos alimentos mais procurados nesta época do ano, foi o que mais subiu e teve alta de 27,34% no preço. Em seguida aparece o ovo, normalmente usado nas saladas, que aumentou 20%.

 

Depois vêm os “pães de outro tipo” (que inclui o pão de rabanada) com aumento de 11,12%, o bacalhau (7,98%), vinhos (7,77%), lombo suíno (6,48%) e o pernil suíno (3,44%).

 

Dos itens analisados pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), apenas o arroz teve queda no preço (-4,25%). Os dados da FGV são uma variação acumulada em 12 meses, de dezembro do ano passado a novembro deste ano.

 

“O aumento de energia elétrica e do diesel, por exemplo, também influenciaram no aumento do frango. E, além disso, houve o aumento do consumo em decorrência da alta dos preços das carnes”, explicou Quintarelli.

 

Apesar da redução em torno de 20% das carnes vermelhas consideradas de primeira, o item “carnes bovinas” segue registrando alta e, nesse levantamento, aparece 18,68% mais caras do que o observado em dezembro de 2020.

 

Segundo um levantamento prévio feito pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) na semana passada, o preço da cesta de Natal já subiu 5,91% neste ano.

 

Segundo a fundação, no final de 2020, a cesta de alimentos natalinos custava em torno de R$ 309,86, mas neste ano, ela está com valor aproximado de R$ 328,17. O aumento total é de cerca de R$ 18.

 

Neste cálculo da Fipe, o panetone, por exemplo, teve alta de 25%, assim como o morango, usado em algumas sobremesas de Natal.

 

Para o gerente de uma loja de vinhos na Cadeg, no Rio, a variação do dólar influenciou no poder de negociação dos comerciantes e dos clientes.

 

“A oscilação da moeda está dificultando até de conseguir novos clientes. O jeito é diversificar. Quem comprava um vinho de R$ 200,00, que subiu para R$ 350,00, está optando por um produto semelhante, só que de menor valor menor, de até R$ 150,00”, disse.

 

“O preço está salgado igual o bacalhau. Vai ter bacalhau na Ceia, mas a gente tem que pesquisar”, disse o aposentado Marco Correia.

 

Para o consultor de varejo Marco Quintarelli, o aumento da carne de frango e dos ovos, os itens que mais sofreram reajustes em relação ao ano passado, é em decorrência do aumento do preço dos insumos, como o farelo de soja e de milho, tanto para exportação como para o mercado interno. Além disso, ele cita outras justificativas.

 

Por CNN

 

Compartilhe aqui: