Brasil

Gari encontra carteira de turista no lixo com R$ 940 e devolve ao dono: ‘o que não é meu, não faz bem pra mim’

 

Uma carteira com R$ 940 foi encontrada no lixo por um gari que fazia a coleta em Florianópolis na última semana. Marcos da Silva percebeu que os pertences, que incluíam documentos, estavam em nome de um homem iraniano chamado Amir Farokhdad e começou procurá-lo na internet. Embora o proprietário não estivesse mais no Brasil, o item foi entregue a um amigo do turista.

 

Marcos achou Amir em uma rede social no mesmo dia, em 20 de junho, e mandou mensagens em português e persa, com auxílio de um tradutor online. O turista agradeceu e indicou um amigo da capital para receber a entrega. O gari foi de moto até o Bairro Tapera, no Sul da Ilha, levar os pertences. A história foi divulgada pela prefeitura nesta quarta-feira (29).

 

“Na hora que caiu do contentor, parecia que [a carteira] estava dizendo: ‘Estou aqui’. Nesse dia, eu estava precisando de dinheiro, não tinha R$ 1 no bolso, mas não ia ser com esse dinheiro que eu ia resolver as coisas”, disse.
Marcos mora em Palhoça, na Grande Florianópolis, e tem uma filha de 2 meses. “Eu devolvi porque tinha dono e tenho esse pensamento que, o que não é meu, não faz bem pra mim”, comentou.

 

Segundo ele, o turista estava procurando pelo objeto há uma semana, sem imaginar onde poderia ter deixado. O iraniano contou ao gari que provavelmente deixou a carteira cair no momento em que conversava com um amigo e despejava lixo no contentor.

 

O profissional afirma que os dois trocaram números de telefone e que o turista insiste em conhecê-lo, quando voltar ao Brasil, para comerem juntos uma tainha.

 

Com informações do G1

 

Compartilhe aqui:

ANP: Diesel fica mais caro que gasolina pela 1ª vez desde 2004

 

Rio (AE) – O preço do litro do diesel passou pela primeira vez o da gasolina, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgado nesta sexta-feira (24), refletindo a alta dos preços internacionais dos combustíveis, que fizeram a Petrobras reajustar o diesel em 14,2% e a gasolina em 5,2%, no último dia 18.

 

O preço médio do diesel nos postos de abastecimento em todo o território nacional atingiu, na semana de 19 a 25 de junho o valor de R$ 7,568/litro, enquanto o preço médio da gasolina ficou em R$ 7,390/litro. O preço mais alto do diesel foi encontrado a R$ 8,850/litro no Acre, e o mais baixo a R$6,290/litro no Rio de Janeiro.

 

A alta em relação à semana anterior foi de 9,6% no caso do diesel e de 2,2% na gasolina. No Rio Grande do Norte, o preço médio para o diesel foi de R$ 8,07, com alta de 10, 36%, na semana de 19 a 25 de junho, e 65,42% em 12 meses. Já para a gasolina comum, o preço médio foi de R$ 7,90, com variação positiva de 7,18% na semana.

 

O diesel tem sido mais disputado no mercado global e a previsão é de que a partir do segundo semestre os preços sejam ainda maiores, por causa da substituição do gás russo da Europa pelo combustível, após as sanções impostas à Rússia pela invasão na Ucrânia. Também a partir de julho começam as férias de verão no hemisfério norte, que aumentam a demanda também da gasolina, e os furacões nos Estados Unidos, fenômeno que interrompe por muitas vezes a produção do Golfo do México.

 

No mercado interno, porém, o governo tenta segurar possíveis futuras altas, trocando mais uma vez o comando da Petrobras.

 

Mesmo antes do aumento, o preço do diesel nas bombas dos postos já era criticado pelos caminhoneiros, que no segundo semestre aumentam o consumo do combustível por causa do transporte da safra agrícola.

 

Compartilhe aqui:

IBGE realiza pesquisa urbana para o Censo 2022

 

A partir dessa semana, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) realizará pesquisa urbanística em todas as zonas urbanizadas do Rio Grande do Norte. Os agentes censitários procuram observar a existência de calçada, iluminação pública, acessibilidade para pessoas com deficiência e outros sete critérios que compõem a infraestrutura urbana.

 

Será a primeira vez que favelas, ocupações e comunidades farão parte dessa pesquisa. Além disso, três itens serão novidades neste Censo: ponto de ônibus, via sinalizada para bicicletas e existência de obstáculos na calçada. O último levantamento da operação censitária foi em 2010.

 

Realizada até 12 de julho, a pesquisa será uma última atualização do espaço antes dos recenseadores entrarem em campo, com visitas de casa em casa, a partir do dia 1º de agosto.

 

Quesitos observados na pesquisa:

 

Capacidade da via;
Pavimentação da via;
Bueiro/boca de lobo;
Iluminação pública;
Ponto de ônibus/van (novo);
Via sinalizada para bicicletas (novo);
Existência de calçada;
Obstáculo na calçada (novo);
Rampa para cadeirante;
Arborização.

 

Agora RN

 

Compartilhe aqui:

BRASIL – País vive um processo de “empobrecimento”: cesta básica entra na inflação e sobe quase 27% em 12 meses

 

A cesta básica têm alimentos em sua composição que tiveram um aumento de 26,75% nos últimos 12 meses e subiram mais que o dobro da inflação oficial do Brasil, segundo medição pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

 

Isso é consequência da inflação que eleva o preço de itens essenciais para as famílias brasileiras, principalmente, as mais pobres.

 

As informações foram levantas por Jackson Teixeira Bittencourt, coordenador do curso de Ciências Econômicas da PUC-PR, que formulou um Índice da Inflação da Cesta Básica, os dados fazem parte da sua pesquisa de estudos.

 

Alimentos como arroz, feijão, farinha, batata inglesa, tomate, açúcar cristal, banana prata, contrafilé, leite longa vida, pão francês, óleo de soja, margarina e café em pó, foram analisados e a evolução dos seus preços serviram como parâmetro para o Índice.

 

“Quando a gente fez um recorte para a cesta básica, percebemos que a inflação é muito maior nesses itens”, diz Bittencourt.

 

A inflação prejudica a economia do país e diminui a renda para consumo, além de afetar o orçamento das famílias.

 

Segundo o professor, o governo federal está omisso no combate a essa inflação estridente, mantendo estímulo ao consumo e elevando a inflação.

 

“Quem está combatendo a inflação no Brasil é só o Banco Central, que está subindo juros, tentando frear a demanda”, disse Jackson.

 

Estadão via Agora RN

 

Compartilhe aqui:

Brasil: Mulher chora ao vivo, na luta para ter o que comer, repórter vai às lágrimas

 

Nesta terça-feira, 21, uma moradora chorou ao vivo ao relatar, a dificuldade de ter o que comer e alimentar a família. A repórter que fazia a entrevista foi ás lágrimas durante a matéria.

 

Morador da zona Norte do Rio de Janeiro, Janete Evaristo, de 57 anos, estava na fila para o programa Prato Feito Carioca do Andaraí. O programa é da Prefeitura do Rio de Janeiro, que distribui refeições para quem não tem o que comer. Dona Janete está desempregada e tem netos para alimentar. Sua filha morreu há dois anos, e o marido, há seis meses.

 

Em virtude da exaustão por estar com fome e outras emoções, Janete, lembrou dos familiares que já não estão mais presentes, e logo, se emocionou. No momento da emoção, a repórter da entrevista, Lívia Torres interrompeu a entrevista, mas dona Janete decidiu continuar seu relato sobre a dificuldade de ter o que comer.

 

“Domingo a gente não tinha nada para comer. Eu estou desempregada, está muito difícil. Eu estou catando latinha, mas não dá. Eu não tenho ajuda de muita gente, então domingo a gente não tinha mesmo nada. Está muito difícil”, disse, Janete Evaristo, aos prantos. A repórter também foi às lágrimas.

Compartilhe aqui:

Taxas extras da conta de luz terão reajuste de até 63,7% em julho

 

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (21), os novos valores de bandeira tarifária, montante que é cobrado de forma adicional na conta de luz de acordo com as dificuldades de geração de energia, e quando é necessário acionar usinas termoelétricas. Os aumentos irão de 3,2% a 63,7%, nos valores das bandeiras tarifárias amarela e vermelha 1.

 

Os aumentos não encarecerão as contas de luz porque, desde abril, a bandeira tarifária está verde, quando não ocorre cobrança adicional. Os valores entrarão em vigor em 1º de julho e serão revisados em meados de 2023. Segundo a Aneel, a alta reflete a inflação e o maior custo com as usinas termelétricas em 2022, acionadas em momentos de crise hídrica.

 

A proposta estabelece o valor da bandeira amarela terá aumento de 59,5%, de R$ 1,874 a cada 100 quilowatts (kWh) consumidos para R$ 2,989. Já a bandeira vermelha 1 vai de R$ 3,971 para R$ 6,500 a cada 100 kWh, alta de 63,7%. O patamar mais caro da bandeira, a vermelha 2, passou de R$ 9,492 a cada 100 kWh para 9,795, aumento de 3,2%.

 

A diretora-geral interina Camila Bonfim ressaltou que, apesar dos aumentos, os patamares seguem abaixo da chamada bandeira “Escassez Hídrica” que foi adotada entre agosto de 2021 e abril deste ano para bancar os altos custos de geração diante da escassez hídrica vivenciada no período. O patamar extraordinário resultou em cobrança extra de R$ 14,20 a cada 100 kWh consumidos.

 

Ela ressaltou ainda que a definição dos valores não significa sua aplicação imediata uma vez que a bandeira tarifária é definida mensalmente pela agência reguladora. Desde 16 de abril, vigora no Brasil a bandeira verde, quando foi antecipado o fim da bandeira de escassez hídrica. Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a bandeira verde será mantida até dezembro, por causa da recuperação dos níveis dos reservatórios das usinas hidrelétricas no início do ano.

 

Apesar da sugestão feita por distribuidoras de energia de criação de maneira permanente de uma bandeira tarifária para situações extremas, conforme mostrou o Broadcast Energia, a agência decidiu, neste momento, apenas revisar os valores de cada uma das bandeiras.O diretor Ricardo Tili sugeriu, no entanto, que a agência aproveite a “calmaria” que deve haver sobre o tema considerando as boas condições climáticas para que a metodologia das bandeiras tarifárias seja estudada mais a fundo.

 

Tribuna do Norte

 

Compartilhe aqui:

Petrobras reajusta preços dos combustíveis: gasolina sobe 5,18%; alta do diesel é de 14,26%

 

A Petrobras anunciou nesta sexta-feira (17) novas altas nos preços da gasolina e do diesel vendidos às distribuidoras, a partir de 18 de junho. O diesel não era reajustado desde 10 de maio – há 39 dias. Já a última alta no preço da gasolina havia sido em 11 de março – há 99 dias. Os preços do GLP não serão alterados.

 

Com o reajuste, o preço médio de venda de gasolina da Petrobras para as distribuidoras passará de R$ 3,86 para R$ 4,06 por litro (alta de 5,18%). Para o diesel, preço médio de venda da Petrobras para as distribuidoras passará de R$ 4,91 para R$ 5,61 por litro (alta de 14,26%).

 

A alta foi tema de discussão em reunião extraordinária do Conselho de Administração da Petrobras na véspera. Segundo blog do Valdo Cruz, o órgão deu sinal verde para o aumento dos combustíveis.

 

Durante a reunião, os conselheiros ligados ao governo tentaram convencer a empresa a segurar o aumento. Só que a diretoria relatou o teor das conversas realizadas com o governo nos últimos dias, quando a equipe do presidente Jair Bolsonaro não aceitou conceder um subsídio para a estatal e para importadores privados trazerem o diesel mais caro no exterior e vendê-lo no Brasil com um valor mais baixo.

 

g1

 

Compartilhe aqui:

Rendimento dos brasileiros é o menor desde 2012, aponta IBGE

 

No segundo ano de pandemia, em 2021, o rendimento médio dos brasileiros caiu para o menor patamar registrado desde 2012. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o rendimento médio mensal real domiciliar per capita em 2021 foi de R$ 1.353. Em 2012, primeiro ano da série histórica da pesquisa, esse rendimento era o equivalente a R$ 1.417. Em 2020, no primeiro ano de pandemia, era de R$ 1.454.

 

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua Rendimento de todas as fontes 2021, divulgados hoje (10). Esses valores referem-se a uma média de quanto recebe cada um dos brasileiros, por mês. Os valores de anos anteriores são atualizados pela inflação do período para que possam ser comparados. Esses rendimentos tratam-se de médias, o que significa que há grupos que ganham mais, grupos que ganham menos e ainda aqueles que não possuem rendimento.

 

A pesquisa mostra que, em média, os brasileiros estão recebendo menos e também que menos brasileiros possuem algum rendimento. O percentual de pessoas com rendimento na população do país caiu de 61% em 2020 para 59,8% em 2021, o mesmo percentual de 2012 e também o mais baixo da série histórica.

 

O IBGE considera no levantamento os rendimentos provenientes de trabalhos; de aposentadoria e pensão; de aluguel e arrendamento; de pensão alimentícia, doação e mesada de não morador; além de outros rendimentos.

 

Considerados apenas os brasileiros que possuem rendimento, a média mensal registrada em 2021 foi R$ 2.265, segundo o IBGE, a menor da série histórica. As menores médias desde 2012 entre as pessoas com rendimento também foram registradas em aposentadoria e pensão, com média de R$1.959 e em outros rendimentos (R$ 512).

 

Rendimentos de trabalhos

 

Entre 2020 e 2021, a participação do trabalho na composição do rendimento médio aumentou de 72,8% para 75,3%. Mas, apesar do aumento da população ocupada, a massa do rendimento mensal real de todos os trabalhos caiu 3,1%, indo de R$ 223,6 bilhões para R$ 216,7 bilhões, no período.

 

“A pandemia afetou muito o mercado de trabalho em 2020 por causa do isolamento social que teve que ser feito para frear a pandemia. Então, o mercado de trabalho perdeu muita ocupação. O mercado de trabalho está retomando, mas o ritmo ainda está menor do que o de 2019”, diz a analista da pesquisa Alessandra Scalioni Brito.

 

Alessandra aponta ainda a inflação como um dos fatores que impactaram os rendimentos dos brasileiros, tanto provenientes do trabalho quanto de outras fontes, como aposentadorias, pensão alimentícia, entre outras. Em 2021, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, foi de 10,06% – a maior taxa acumulada no ano desde 2015.

 

Auxílio Emergencial

 

Enquanto a participação do trabalho aumentou, a participação de outros rendimentos encolheu. A pesquisa de 2021 mostra que o percentual de domicílios com alguém recebendo recursos de programas sociais, como o auxílio emergencial, caiu de 23,7% para 15,4%.

 

“Foi um benefício apenas emergencial. Agora que a gente está tirando ele, a gente está vendo que ele cumpriu o papel ali de não deixar a renda cair tanto em 2020, mas em 2021 essa queda veio e a desigualdade voltou para o padrão que estava. As rendas estão menores e tivemos a questão inflacionária. Então, estamos em situação pior em 2021 em termos de renda”, diz Alessandra.

 

De acordo com a pesquisa, a queda do rendimento mensal domiciliar per capita foi mais intensa entre as classes com menor rendimento. Em 2021, o rendimento médio do 1% da população que ganha mais era 38,4 vezes maior que o rendimento médio dos 50% que ganham menos. O rendimento médio mensal daqueles com maior renda era de R$ 15.940; já entre os que ganham menos, era de R$ 415.

 

No início da pandemia do novo coronavírus, em 2020, essa razão reduziu para 34,8 vezes, atingindo o menor valor desde 2015. Isso ocorreu, segundo o IBGE, sobretudo por conta de outros rendimentos, como o auxílio emergencial.

 

Desigualdade

 

A pesquisa aponta também as desigualdades de rendimento entre as regiões do Brasil. Em todas elas houve queda no rendimento médio mensal real domiciliar per capita entre 2020 e 2021. Enquanto na região Sudeste essa renda passou de R$ 1.742 para R$ 1.645 e na região Sul, de R$ 1.738 para R$ 1.656; na região Norte passou de R$ 966 para R$ 871 e na região Nordeste, de R$ 963 para R$ 843. Na região Centro-Oeste a variação foi de R$ 1.626 para R$ 1.534.

 

“O mercado de trabalho é mais informalizado no Norte e no Nordeste, então, a renda do trabalho ali tende a ter uma distribuição mais desigual. As regiões Norte e Nordeste tendem a receber mais benefícios de programas sociais e como houve essa mudança no auxílio emergencial, elas foram mais afetadas entre 2020 e 2021. Por isso tiveram esse aumento de desigualdade maior que em outras regiões”, diz Alessandra.

 

Segundo a pesquisa, a desigualdade, medida pelo Índice de Gini, considerando toda a população, aumentou entre 2020 e 2021, passando de 0,524 para 0,544. Considerada apenas a população ocupada, esse indicador ficou praticamente estável, variando de 0,500 para 0,499.

 

O Índice de Gini é um instrumento para medir o grau de concentração de renda, apontando a diferença entre os rendimentos dos mais pobres e dos mais ricos. O índice varia de zero a um, sendo que zero representa a situação de igualdade, ou seja, todos têm a mesma renda. Já o um representa o extremo da desigualdade, ou seja, uma só pessoa detém toda a riqueza.

 

Agência Brasil

 

Compartilhe aqui:

Fome atinge 33 milhões de pessoas no Brasil e volta a patamares da década de 1990, diz pesquisa

 

Levantamento divulgado nesta quarta-feira (8) aponta que o país soma, atualmente, cerca de 33,1 milhões de pessoas sem ter o que comer diariamente — voltando a patamares registrados pela última vez nos anos 1990. No fim de 2020, eram 19,1 milhões de brasileiros nesta situação.

 

Já o percentual de domicílios com moradores passando fome passou de 9% para 15,5% no período. Em números absolutos, são 14 milhões de pessoas a mais convivendo com a fome no dia a dia.

 

A pesquisa mostrou ainda que seis em cada 10 brasileiros convivem com algum grau de insegurança alimentar (leve, moderado ou grave). São 125,2 milhões de pessoas nesta situação, o que representa um aumento de 7,2% desde 2020.

 

Os dados são do 2º Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil. O estudo foi realizado pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan) e executado pelo Instituto Vox Populi — a margem de erro do levantamento é de 0,9 ponto percentual, para mais ou para menos.

 

Os dados foram coletados entre novembro de 2021 e abril de 2022, por meio de entrevistas em 12.745 domicílios, em áreas urbanas e rurais de 577 municípios distribuídos pelos 26 Estados e o Distrito Federal. A pesquisa usa a Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (Ebia), usada também pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Compartilhe aqui:

Cem anos do rádio no Brasil: o padre brasileiro que inventou o rádio

 

“Toquem o Hino Nacional!” Essas foram as primeiras palavras que o padre brasileiro Roberto Landell de Moura (1861-1928) disse na inédita demonstração pública de transmissão de rádio, em 16 de julho de 1899.

 

A revelação é do escritor Hamilton Almeida biógrafo do inventor do rádio, graças a uma obstinada pesquisa em jornais da época. O escritor dedica-se a desvendar há 45 anos a vida daquele brasileiro injustiçado pela história e que ainda pouca gente conhece.

 

Todos os detalhes sobre esse evento histórico, de caráter mundial, ainda muito pouco reconhecido e que tem mais elementos de brasilidade do que poderia se supor, estarão nas páginas do livro sobre o ousado padre, e que deve chegar às livrarias ainda neste mês de junho. Padre Landell: o brasileiro que inventou o wireless (editora Insular) é a quinta obra de Almeida sobre o inventor. O evento ocorreu 23 anos antes da primeira transmissão oficial de rádio no Brasil, em 7 de Setembro de 1922.  A 100 dias do centenário da rádio, conhecer de onde vieram as primeiras ondas que se espalharam no ar ajuda a entender, neste século 21, a dimensão do feito pioneiro dessa tecnologia.

 

Aventura em São Paulo

 

Naquele final de século 19, o público ficou boquiaberto com as palavras e com o hino. Não havia dúvida de que aquele 16 de julho de 1899 simbolizava a genialidade humana. Houve até quem chamasse de bruxaria. Mas era um padre que fazia a transmissão de áudio entre o Colégio Santana, de onde ele era pároco, na zona norte de São Paulo, até a Ponte das Bandeiras, a cerca de quatro quilômetros de distância. Aquela data, de primeira demonstração pública de transmissão radiofônica, que vai completar 123 anos.

 

Hamilton Almeida buscou rastros e desvendou lacunas da vida do inventor pelo Brasil e em outros países. Quando fazia faculdade de jornalismo, ouviu de um professor chileno (Julio Zapata) que um padre brasileiro era o verdadeiro inventor do rádio e não o físico italiano Guglielmo Marconi, que criou o telégrafo.

 

Vi que a história do brasileiro estava incompleta e que ele era vítima de uma injustiça. Eu fui juntando as peças. Busquei centenas de pessoas que trabalharam e conviveram com ele, além dos documentos espalhados por muitos lugares”, afirma o biógrafo.

 

Duas experiências públicas de Landell de Moura em São Paulo foram documentadas. A segunda experiência, no ano seguinte da primeira, foi publicada em apenas um veículo, o Jornal do Comércio, do Rio de Janeiro.

 

Leia a notícia completa da Agência BrasilAQUI

 

Compartilhe aqui:

Governo federal regulamenta o teletrabalho na administração pública

 

O presidente Jair Bolsonaro anunciou hoje (17) que publicará um decreto presidencial estabelecendo a possibilidade de trabalho remoto na administração pública. A mudança está prevista nas normas publicadas pela Secretaria-Geral da Presidência da República que instituem o Programa de Gestão de Desempenho para Pessoal Civil da Administração com trabalho presencial ou remoto.

 

Segundo o documento, a comprovação de frequência para agentes públicos que concordarem em realizar suas funções de maneira remota passará a ser a entrega periódica de demandas. A possibilidade de trabalho remoto será integral ou parcial, observada a necessidade do funcionário estar disponível para chamadas telefônicas – inclusive para atender ao público externo – durante todo o expediente.

 

Também há a previsão do aumento de produtividade para aqueles que optarem pelo serviço remoto. O texto cria, ainda, a possibilidade de trabalho a partir do exterior, mas apenas por tempo limitado e em “hipóteses restritas”. O regime de trabalho remoto será estabelecido seguindo os interesses da administração pública. O documento não detalha como a nova norma será implementada.

 

“Essa substituição tem foco na administração voltada para resultados e busca maior transparência em relação às atividades desenvolvidas pela administração pública e seus agentes”, diz o comunicado da Secretaria-Geral.

 

De acordo com o governo federal, a medida terá impactos sobre a produtividade do funcionalismo público, já que institui um modelo de trabalho “voltado para resultados e incremento de eficiência.”

 

Agência Brasil

 

Compartilhe aqui:

Brasil: ciclone Yakecan deve provocar ventos de até 110 km/h no Sul

 

O ciclone Yakecan alcança hoje a costa do Rio Grande do Sul e vai trazer vento muito forte a intenso que localmente pode ser extremamente forte em pontos do Leste gaúcho com rajadas perto e acima de 100 km/h em grande parte da costa e da área da Lagoa dos Patos e entorno, mas que em algumas localidades podem exceder 120 km/h (força de furacão). A tempestade marítima ainda deve trazer chuva que no Leste gaúcho por vezes será forte e até torrencial em diversas cidades durante a passagem do ciclone. Uma vez que o sistema deverá se deslocar muito rapidamente pela costa, menos de doze horas entre a sua aproximação pelo Sul gaúcho e distanciamento pelo Norte, os acumulados de precipitação não deverão ser extremos na maior parte das cidades do Leste gaúcho. Mesmo assim haverá pontos com 50 mm a 100 mm.

 

O ciclone é classificado como subtropical (centro quente em superfície em superfície e frio em altitude) pela Marinha do Brasil. Uma vez que se trata de um ciclone anômalo (subtropical ou tropical), e não o convencional e frequente extratropical, que não é nomeado, o sistema recebe o nome de Yakecan, o “som do céu” na língua tupi-guarani. Já a Meteorologia nos Estados Unidos e experts internacionais entendem que o sistema na costa gaúcha será potencialmente um ciclone tropical (centro quente). A MetSul entende que o sistema na costa será inicialmente subtropical e ganhará características tropicais. Considerando as projeções de vento sustentado, que definem o subtipo de ciclone tropical, a tendência é de uma forte tempestade tropical na costa gaúcha e que poderá trazer rajadas de vento com força de furacão (acima de 120 km/h), embora não seja um furacão.

 

A atuação deste ciclone ocorre sob a influência de uma massa de ar frio e a ocorrência de vento forte e chuva e a baixa temperatura vão trazer sensação térmica muito baixa e desconfortável para quem estiver na rua. Valores de sensação térmica negativa devem ser esperados na Serra e Aparados da Serra, além do Planalto Sul Catarinense.

 

O QUE ESSE CICLONE TEM DE DIFERENTE

 

Vento forte a intenso por ciclone nos meses frios do ano não é novidade alguma e ocorre todos os danos e várias vezes. São os ciclones extratropicais que, em regra, se formam nos litorais da Argentina e Uruguai. Este ciclone é diferente por três motivos: trajetória, intensidade e a sua natureza. Primeiro, ciclones na nossa região se deslocam de Oeste para Leste, mas este fará o caminho contrário de Leste para Oeste, ou seja, do oceano para o continente. Mais, este ciclone vai margear o litoral gaúcho de Sul a Norte, eventualmente tocando terra entre Rio Grande e Mostardas, o que igualmente escapa muito ao que costuma se observar. Segundo, é muito intenso. Quanto menor a pressão no centro da tempestade, mais forte será. A pressão no centro de Yakecan na costa gaúcha estará ao redor de 985 hPa a 990 hPa, o que quase nunca se observa nas latitudes do território gaúcho junto ao litoral. Os modelos chegaram a indicar nos últimos dias pressão tão excepcionalmente baixa quanto 972 hPa na orla, logo pressão mais perto de 990 hPa como a projetada nas saídas dos modelos madrugada desta terça é ainda incomum e muitíssimo baixa, com alto potencial de trazer transtornos, mas é um cenário muito melhor que sob pressão junto ao litoral inferior a 980 hPa, como dados chegaram a mostrar.

 

Terceiro, a natureza deste sistema foge ao habitual por ser subtropical ou tropical. Somente três ciclones subtropicais ou tropicais avançaram tão rente à costa como este neste século: furacão Catarina (2004), tempestade tropical Anita (2010) e tempestade tropical Raoni (2021). A QUANTO O VENTO PODE CHEGAR Grande parte do interior gaúcho terá vento de 50 km/h a 60 km/h, mas o Sul e o Leste do Rio Grande do Sul devem ter vento muito forte a intenso com rajadas perto ou acima de 100 km/h em toda a faixa costeira do Sul ao Norte assim como na região da Lagoa dos Patos, as áreas que serão as mais afetadas por Yakecan entre hoje e amanhã. O vento, em média, no Sul e no Leste gaúcho deve atingir 80 km/h a 100 km/h, mas vários pontos devem ter rajadas de 100 km/h a 120 km/h com risco de marcas isoladas na Lagoa dos Patos e na costa de até 130 km/h ou 140 km/h. A região de Mostardas a Palmares do Sul e Cidreira deve ser a com vento mais intenso, com força de furacão em alguns momentos. Esta região entre a Lagoa dos Patos e o Oceano Atlântico que vai de Rio Grande à área de Palmares do Sul, Quintão, Pinhal e Cidreira deve ser a mais castigada por vento com rajadas com força de furacão (acima de 120 km/h em alguns momentos).

 

 

Compartilhe aqui:

STF e TSE vão firmar parceria para combater desinformação e defender democracia

 

O Supremo Tribunal Federal (STF) vai firmar na quarta-feira uma parceria com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e outras 33 entidades. O objetivo é o combate à desinformação, promovendo ações para defender a democracia, esclarecer as funções da Corte, aumentar a confiança das pessoas na Justiça, e mostrar que a desinformação coloca em risco direitos fundamentais e a estabilidade democrática. Entre as medidas previstas estão atividades de conscientização, a realização de pesquisas acadêmicas por universidades parceiras e o desenvolvimento de um robô por uma empresa startup para prestar serviços do STF por Whatsapp.

 

As parcerias do Programa de Combate à Desinformação do STF serão anunciadas na quarta-feira de manhã, com a presença dos presidentes do TSE, Edson Fachin, e do STF, Luiz Fux. Além do TSE, há parceiras com universidades estaduais e federais, entidades de classe, associações da sociedade civil e empresas startup. De acordo com o STF, não haverá custos adicionais à Corte.

 

Na parceria com o TSE, que tem seu próprio programa de enfrentamento à desinformação, haverá ações de desestímulo à prática e de conscientização quanto ao seu caráter antidemocrático. Também está previsto o uso dos canais de comunicação oficiais dos dois tribunais para difundir informações corretas e serviços sobre as eleições de 2022 e o funcionamento do Judiciário.

 

Haverá parceria com oito universidades estaduais — do Ceará, de São Paulo, de Goiás, do Piauí, da Paraíba, de Santa Catarina, de Londrina (PR) e de Ponta Grossa (PR) — e seis federais — do Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso, Roraima, Santa Catarina e Tocantins. Elas desenvolverão pesquisas sobre desinformação e também projetos de extensão voltados para a comunidade para combater a prática. O STF poderá ainda firmar parceria com mais instituições de ensino superior, inclusive particulares.

 

Agora RN

 

Compartilhe aqui:

Família manteve mulher negra em trabalho análogo à escravidão por 50 anos em SP

 

O Ministério Público do Trabalho entrou com ação civil pública contra pessoas de uma mesma família de Santos (SP) por submeterem uma mulher negra de 89 anos a trabalho análogo à escravidão desde os anos 1970, por cerca de 50 anos. A Procuradoria requereu à Justiça que reconheça a submissão da vítima à situação de trabalho análogo ao escravo, com a condenação do grupo ao pagamento de indenização de R$ 1 milhão por danos morais coletivos. O MPT pediu o bloqueio de bens da família, para garantir o pagamento dos valores, e diz que o montante será revertido a programas específicos de combate ao trabalho escravo.

 

A Procuradoria tomou conhecimento do caso em 2021, por meio da 2ª Vara do Trabalho de Santos, após denúncia de maus tratos feita à Delegacia de Proteção às Pessoas Idosas. Hoje, após investigação, a senhora está sob cuidados de seus parentes e recebe, por ordem da Justiça do Trabalho, pensão mensal no valor de um salário mínimo. Também foi determinado que a família acusada custeie o plano de saúde da vítima.

 

“A dita escravidão contemporânea tem cor, raça, e no caso do trabalho doméstico, gênero. São as mulheres negras, em sua maioria nordestinas, vítimas de uma vulnerabilidade social extrema que aceitam o trabalho doméstico, muitas vezes em troca apenas de comida e moradia”, alerta o procurador do MPT Rodrigo Lestrade Pedroso, apontando ainda os “ares de crueldade criminosa” do caso.

 

As informações foram divulgadas pela Procuradoria nesta segunda-feira (4). O MPT não divulgou a íntegra da ação para preservar a identidade da vítima. O caso corre sob segredo de Justiça.

 

De acordo com o MPT, a mulher de 89 anos trabalhava como empregada doméstica na casa situada no litoral paulista, mas nunca recebeu salário, era impedida de sair de casa sozinha e sofria abusos físicos e verbais por parte da “empregadora” e de suas filhas.

 

A vítima narrou à Justiça que, na época em que começou a trabalhar na casa da família, havia perdido sua carteira de identidade, sendo que os “empregadores” prometeram que a ajudariam a providenciar uma nova – o que não ocorreu. A família ainda impedia a mulher de guardar valores e de sair para solicitar novas vias de seus documentos.

 

Estadão

 

Compartilhe aqui:

Hidrelétrica de Sobradinho (BA) registra 100% de armazenamento pela primeira vez desde 2009

 

Devido às chuvas dos últimos meses sobretudo no Alto São Francisco e às condições de operação da cascata de reservatórios do Velho Chico, o reservatório da hidrelétrica de Sobradinho (BA), no rio São Francisco atingiu 100% de seu volume útil nesta sexta-feira, 1º de abril. Essa é a primeira vez, desde 17 de maio de 2009, que o maior reservatório do Nordeste registra seu armazenamento máximo.

 

Devido à melhora das condições em Sobradinho, a barragem da usina está liberando atualmente cerca de 3 mil metros cúbicos por segundo. Desde janeiro deste ano, devido à necessidade de controle de cheias na bacia, a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (CHESF), que opera a usina, vinha liberando uma vazão de 4.000m³/s. Para recuperar o nível do reservatório de Itaparica (BA/PE), que fica a jusante (abaixo) de Sobradinho, houve a redução da vazão liberada para 3.000m³/s.

 

Tal medida também busca preservar um armazenamento de água seguro em todos os reservatórios da bacia do São Francisco para atender às necessidades de usos múltiplos de recursos hídricos e de geração de energia durante o período seco na região, que vai de maio a novembro.

 

Desde janeiro, os reservatórios do Sistema Hídrico do São Francisco estão em regime de cheia, atuando com regras específicas para seu controle. A operação é executada pela CHESF e Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). A ANA vem promovendo, ao longo desse período, reuniões com os operadores, Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), defesas civis dos estados e municípios envolvidos na operação da hidrelétrica de Sobradinho. O objetivo dessa ação é compartilhar as melhores informações e perspectivas de aumento ou recuo dos níveis do rio São Francisco, permitindo a preparação para tais variações.

 

Por meio da Resolução ANA nº 2.081/2017, a Agência estabeleceu as condições de operação do Sistema Hídrico do Rio São Francisco, que abrange os reservatórios de Três Marias, Sobradinho, Itaparica, Moxotó, Paulo Afonso (I, II, III e IV), além de Xingó. Conforme esse documento da ANA, a usina de Sobradinho passou a operar por faixas que consideram o volume de água armazenado na hidrelétrica, assim como o período do ano (seco ou úmido).

 

Quando Sobradinho está com mais de 60% de seu volume útil, independente do mês, fica caracterizada a Faixa de Operação Normal e sua barragem pode liberar uma vazão mínima de média diária de 800m³/s sem um limite máximo, conforme o gráfico a seguir.

 

Compartilhe aqui:

Voluntário do CVV conta o que aprendeu sobre a vida ouvindo pessoas

 

O Centro de Valorização da Vida é um canal para conversar, ser acolhido, compreendido e respeitado”, é assim que o psicopedagogo Gilson Moura de Aguiar, de 60 anos, apresenta a organização na qual atua como voluntário há 22 anos.

 

Criado em março de 1962, o CVV é um serviço de apoio emocional referência na prevenção ao suicídio e no atendimento de pessoas que estão passando por dificuldades.

 

Gilson é o mais antigo entre os 46 voluntários do Distrito Federal. Atualmente como coordenador regional, ele é responsável por 11 dos 12o postos espalhados pelo país.

 

Somos treinados para conversar e entender a dor do outro. As pessoas ligam porque estão sozinhas ou não querem conversar sobre seus problemas com a família. Elas acreditam no nosso trabalho e no sigilo do CVV”, explica Gilson.

 

Nesses 60 anos de existência, a entidade sem fins lucrativos já realizou mais de 40 milhões de atendimentos no Brasil. No último ano, em meio à pandemia, foram 3,5 milhões de acolhimentos.

 

O CVV possui 4,5 mil voluntários e oferece atendimento 24 horas por dia pelo telefone 188 (sem custo de ligação) ou pelo site www.cvv.org.br, por chat e e-mail. Durante a pandemia, os atendimentos presenciais foram suspensos.

 

Metrópoles

 

Compartilhe aqui:

Morre Paulinha Abelha, vocalista do Calcinha Preta, aos 43 anos

 

A cantora Paulinha Abelha, vocalista do Calcinha Preta, morreu aos 43 anos de idade, nesta quarta-feira (23/2). Ela estava internada na UTI de um hospital particular em Aracaju, Sergipe, com problemas renais. A informação foi confirmada pela equipe da artista, em publicação nas redes sociais.

 

“O Hospital Primavera comunica, com pesar, que a cantora, Paula de Menezes Nascimento Leca Viana, Paulinha Abelha, faleceu hoje às 19h26 em decorrência de um quadro de comprometimento multissistêmico. Nas últimas 24 horas apresentou importante agravamento de lesões neurológicas, constatadas em ressonância magnética, e associada a coma profundo”, diz a nota.

 

“Foi então iniciado protocolo diagnóstico de morte encefálica, que confirmou hipótese após exames clínicos e complementar específicos. Ela estava internada no Hospital Primavera desde o dia 17 de fevereiro, sob os cuidados das equipes médicas de terapia intensiva, neurologia e infectologia”, completa o comunicado, assinado por médicos do Hospital Primavera.

.
Trajetória

 

A cantora sergipana iniciou a carreira com 12 anos de idade, cantando em trios elétricos. A trajetória em bandas começou com a Flor de Mel e passou por Panela de Barro e GDO do Forró. Também fez parte das duplas Paulinha & Marlus e Silvânia & Paulinha, bem como do trio Gigantes do Brasil.

 

O auge da carreira e ponto de maior notoriedade sempre foi a passagem pelo Calcinha Preta. Na primeira passagem, que durou 12 anos, gravou 22 álbuns e três DVDs. Depois de idas e vindas, retornou de forma permanente para a banda em 2018. Sucessos do forró como Louca Por Ti, Vou Te Dominar, 24 horas de Amor, e Tutti-Frutti foram gravados pela artista.

 

Paulinha Abelha teve o primeiro filho em 2021, fruto do casamento com o dançarino Clevinho Santos. O casal oficializou a união em agosto de 2020. Antes disso, a cantora foi casada por 10 anos com Marlus Viana, ex-vocalista do Calcinha Preta.

 

Compartilhe aqui:

Brasil: Pai constrói ponto de ônibus para estudantes se protegerem do sol

 

Cansado de ver seus dois filhos aguardando o ônibus escolar em pé, um pai de Brasilândia de Minas resolveu construir, com suas próprias mãos, um verdadeiro ponto de ônibus para dar mais conforto a todos que passavam por aquela situação. Agora, a espera pelo transporte ficou mais tranquila.

 

O pai se chama Ricardo, de 38 anos, e mora em Brasilândia há seis anos. Vindo do entorno de Brasília, ele cansou de esperar por providências do poder público e resolveu o problema de seus filhos e dos demais alunos com suas próprias mãos.

 

“Via as crianças no sol rachando e me partia o coração. O ônibus não tem um horário certo para passar e as crianças ficavam no sol, no relento. Então, encontrei uma sombra e tive a atitude de limpar o pedacinho que está aí na foto para eles ficarem, pelo menos, na sombra. Depois, arrumei os banquinhos com um amigo do ferro velho para eles terem onde sentar” disse Ricardo.

 

Com dois filhos em idade escolar, um com 9 e outro com 10, o pai contou que seu objetivo era incentivar os dois e as outras crianças a não desistirem dos estudos e também dar exemplo de que as coisas podem melhorar com trabalho e dedicação, mesmo quando o poder público não faz o mínimo que se espera.

 

“A gente reclama na prefeitura e eles não tomam atitude, então a gente mesmo tem que tomar atitude pra fazer né. Inclusive agora está chovendo, amanhã se tiver chovendo já vai ficar complicado para eles né. Estava até pensando, já conversei com meu amigo do ferro velho, ele vai me arrumar uma máquina de solda, uns pedaços de ferro e a gente vai fazer uma cobertura para eles se protegerem da chuva também” finalizou Ricardo, contando dos seus planos de cobrir o ponto de ônibus visando ainda mais conforto para as crianças.

 

Razões Para Acreditar

 

Compartilhe aqui:

Funcionária é demitida após elogiar Hitler “por matar pretos”

 

Uma operadora de caixa, de 20 anos, foi demitida por justa causa após elogiar o ditador nazista Adolf Hitler “por matar pretos” em uma farmácia de São Bernardo do Campo (SP). As ofensas foram proferidas a uma faxineira, de 61 anos, que trabalha no local.

 

Segundo testemunhas, a mulher disse à vítima que ela tinha sorte “porque se fosse presidente, mandaria matar todos acima de 50 anos”. Em seguida, a suspeita afirmou que Hitler era uma pessoa inteligente “pois tudo que era preto ele mandava matar”.

 

A idosa chegou a questionar as falas preconceituosas da colega, mas foi rebatida pela mulher, que disse não ter preconceito, mas só queria a “morte de pretos e velhos logo”.

 

Uma semana após o episódio, a farmácia demitiu a funcionária por justa causa. Ela chegou a recorrer à Justiça Trabalhista, que confirmou a condenação.

 

“O empregado é livre para expressar seu pensamento, porém é certo que tal direito não é absoluto e não pode albergar manifestações de cunho imoral e que resvalam em ilícito penal”, afirmou Orlando Losi Coutinho Mendes, juiz do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2).

 

“Comprovada a autoria e materialidade das condutas imputadas à trabalhadora, abalando a fidúcia necessária à existência do contrato de trabalho, sendo esses motivos determinantes e atuais para a ruptura do contrato, tem-se por lícita a dispensa por justa causa”, ressaltou.

 

Com isso, a mulher não receberá os direitos trabalhistas como seguro-desemprego e nem poderá sacar o FGTS. A decisão ainda cabe recurso junto ao Tribunal Superior do Trabalho (TST).

 

Compartilhe aqui:

Bactéria no cérebro levou Paulinha Abelha ao coma; Marido da cantora pede orações

 

Clevinho Santos, marido de Paulinha Abelha, usou as redes sociais para pedir orações após piora no quadro clínico da mulher. A cantora está em coma na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital particular em Aracaju, no Sergipe.

 

“Orem, por favor. A gente vai sair dessa”, escreveu o influenciador digital após divulgar as novas informações sobre o estado de saúde da artista. No início da semana, ele chegou a gravar vídeos tranquilizando os fãs.

 

O quadro clínico de Paula de Menezes Nascimento Leca Viana, a Pauulinha, evoluiu com piora clínica nas últimas doze horas o que levou a equipe médica transferi-la às pressas para outro complexo hospitalar da cidade. A corrida agora é para descobrir como parar a proliferação dessa bactéria no organismo da cantora.

 

Uma transferência para outra unidade médica foi suspensa após a cantora Paulinha apresentar instabilidade neurológica. “O Hospital Unimed Sergipe informa que a paciente Paula de Menezes Nascimento Leca Viana evoluiu com piora clínica nas últimas 12 horas e encontra-se em coma.”

 

Compartilhe aqui: