23/10/2020
Por Edilson Silva em Jucurutu, Saúde

Jucurutu: Dia D da campanha de vacinação contra a poliomielite vai acontecer neste sábado, 24

Blog Edilson Silva – Unidades de saúde do município de Jucurutu estarão abertas neste sábado, 24 de outubro para vacinar, exclusivamente contra a poliomielite, as crianças de 1 a 4 anos e atualizar a caderneta de vacinação de crianças e adolescentes de 1 a 14 anos.

Horário: das 8h às 15h.

Locais de Vacinação: Unidades de Saúde do Centro, Vila e Distrito de Boi Selado.

Devido à situação de pandemia pelo novo coronavírus, para entrada nas unidades de saúde é obrigatório o uso de máscaras. Também serão adotadas todas as outras medidas preventivas indicadas, incluindo o distanciamento para evitar aglomerações.

Procure uma Unidade de Saúde e leve a Caderneta de Vacinação.


23/10/2020
Por Edilson Silva em Mundo, Saúde

Covid-19: França bate novo recorde de casos em 24 horas

As autoridades de saúde da França registraram de ontem para hoje 41.622 novos casos de Covid-19 no país —um recorde, que confirma a “segunda onda” da Pandemia.

No mesmo período de 24 horas, foram registradas 165 mortes em razão da doença, o que elevou para 34.210 o total de vítimas fatais no país europeu.

Ontem, conforme publicamos, a Espanha tornou-se o primeiro país da União Europeia a contar mais de 1 milhão de infectados pelo novo Coronavírus. A França está bem próxima, com 999.043 casos registrados.


21/10/2020
Por Edilson Silva em Brasil, Saúde

Morre voluntário brasileiro que participava dos testes da vacina Covid-19

G1 – O médico João Pedro Feitosa, que participava como voluntário dos testes da vacina de Oxford, morreu em decorrência de complicações da Covid-19, conforme noticiou o Jornal Hoje. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou ao G1 ter sido notificada do óbito em 19 de outubro, e que foi informada que o comitê independente que acompanha o caso sugeriu o prosseguimento do estudo (veja íntegra da nota da Anvisa abaixo). “O processo permanece em avaliação”, disse a agência.

O caso foi revelado nesta quarta-feira (21) pelo jornal “O Globo”.

O voluntário tinha 28 anos, era médico recém-formado e morador do Rio de Janeiro. Alegando “compromissos de confidencialidade ética”, a Anvisa não esclareceu se o voluntário tomou a vacina ou o placebo.

Em nota, a Universidade de Oxford ressaltou que os incidentes com participantes do grupo controle são revisados por um comitê independente e que a “análise cuidadosa” não trouxe preocupações sobre a segurança do ensaio clínico

A farmacêutica AstraZeneca informou ao G1 que ainda não tinha um posicionamento sobre o caso.

Testes e acordo no Brasil

A vacina desenvolvida em parceria entre o laboratório AstraZeneca e a Universidade de Oxford é a principal aposta do governo federal para uma futura campanha de vacinação contra o novo coronavírus.

O estudo está na fase 3 dos testes, e eles começaram no Brasil em junho. Nesta fase, a eficácia da vacina é verificada a partir do monitoramento de milhares de voluntários. No país, 8 mil voluntários já participam do estudo.

Antes da fase 3, sua segurança foi verificada em pesquisas com um número menor de voluntários e nenhuma reação grave foi verificada, somente reações leves (leia mais abaixo).

O Ministério da Saúde prevê o desembolso de R$ 1,9 bilhão para o projeto AstraZeneca/Oxford, e espera oferecer 100 milhões de doses no primeiro semestre da vacina, caso os estudos confirmem sua eficácia e segurança. Além disso, prevê produzir mais 165 milhões de doses no Brasil no segundo semestre.

Segurança da vacina de Oxford

Um estudo com resultados preliminares da vacina de Oxford (AZD1222) foi publicado em 20 de julho, na revista científica “The Lancet”. A pesquisa cita reações consideradas leves e moderadas e não fala sobre efeitos colaterais graves:

  • Dor após a vacinação: 67% sem paracetamol; 50% com paracetamol.
  • Fadiga: 70% sem paracetamol; 71% com paracetamol.
  • Dor de cabeça: 68% sem paracetamol; 61% com paracetamol.
  • Dor muscular: 60% sem paracetamol; 48% com paracetamol.
  • Os testes iniciais, das fases 1 e 2, foram realizados na Inglaterra, com 1.077 voluntários, divididos em dois grupos: 543 pessoas receberam a vacina experimental, e outras 534 receberam uma vacina de meningite (o grupo controle) – 56 participantes da vacina experimental receberam paracetamol profilático.

    Nota da Anvisa sobre a morte do voluntário

    Abaixo, veja a íntegra do posicionamento divulgado pela Anvisa:

    “Em relação ao falecimento do voluntário dos testes da vacina de Oxford, a Anvisa foi formalmente informada desse fato em 19 de outubro de 2020. Foram compartilhados com a Agência os dados referentes à investigação realizada pelo Comitê Internacional de Avaliação de Segurança. É importante ressaltar que, com base nos compromissos de confidencialidade ética previstos no protocolo, as agências reguladoras envolvidas recebem dados parciais referentes à investigação realizada por esse comitê, que sugeriu pelo prosseguimento do estudo. Assim, o processo permanece em avaliação.

    Portanto, a Anvisa reitera que, segundo regulamentos nacionais e internacionais de Boas Práticas Clínicas, os dados sobre voluntários de pesquisas clínicas devem ser mantidos em sigilo, em conformidade com princípios de confidencialidade, dignidade humana e proteção dos participantes.

    A Anvisa está comprometida a cumprir esses regulamentos, de forma a assegurar a privacidade dos voluntários e também a confiabilidade do país para a execução de estudos de tamanha relevância.

    A Agência cumpriu, cumpre e cumprirá a sua missão institucional de proteger a saúde da população brasileira.”


19/10/2020
Por Edilson Silva em Brasil, Saúde

Brasil confirma primeiro caso de gato com a covid-19

Uma gata de poucos meses é o primeiro animal a testar positivo para o novo coronavírus no Brasil. O caso foi descoberto em Cuiabá, no Mato Grosso.

Ela não tem sintomas da covid-19 e foi infectada por seus donos este mês, durante o isolamento social. Mais dois contágios suspeitos, de outro gato e um cachorro, também estão sendo investigados.

A gata teve o diagnóstico confirmado por meio do teste de biologia molecular RT-PCR, considerado padrão ouro para detectar a infecção pelo novo coronavírus, A coleta de amostras para o exame foi realizada pela pesquisadora Valéria Dutra, professora da Faculdade de Medicina Veterinária da UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso).

Em seguida, ela enviou o material para a UFPR (Universidade Federal do Paraná), que vai coordenar uma pesquisa sobre covid-19 em animais de estimação.

O caso reacende o alerta para a possível transmissão do vírus de pessoas para animais. Em laboratório, a China mostrou a possibilidade de gatos contagiarem outros felinos. Entretanto, não se sabe se isso acontece com facilidade e se esses animais podem infectar seres humanos.

O CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), dos Estados Unidos, informa que ainda são necessárias mais informações sobre o vírus, mas “parece que ele pode se espalhar de pessoas para animais em algumas situações, especialmente após contato próximo com uma pessoa doente”.

Ainda de acordo com o órgão, há poucos relatos de cães e gatos de estimação infectados com o coronavírus em todo o mundo e não existem evidências de que os animais desempenhem um papel significativo para disseminá-lo.


19/10/2020
Por Edilson Silva em Saúde

Coronavírus sobrevive na pele cinco vezes mais que a gripe, diz estudo

O coronavírus permanece ativo na pele humana por nove horas, cinco vezes mais do que o vírus da gripe, de acordo com um grupo de pesquisadores japoneses, uma descoberta que demonstra a necessidade de se lavar as mãos com frequência para combater a pandemia da covid-19. Em comparação, o patógeno que causa a gripe sobrevive na pele humana por aproximadamente 1,8 hora, conforme o estudo publicado este mês na revista Clinical Infectious Diseases.

“A sobrevivência de nove horas do SARS-CoV-2 [o vírus que causa a covid-19] na pele humana pode aumentar o risco de transmissão por contato em comparação com o IAV [vírus da gripe A], acelerando, assim, a pandemia”, relata o estudo. A equipe de pesquisa examinou a pele obtida em necropsias, aproximadamente um dia após a morte. Tanto o coronavírus quanto o vírus da gripe se tornam inativos em 15 segundos com a aplicação de etanol, usado em desinfetantes para as mãos.


17/10/2020
Por Edilson Silva em Jucurutu, Saúde

Secretaria de Saúde de Jucurutu recebe caminhão “Amigo do Peito” para realização de 160 mamografias

Buscando conscientizar a população jucurutuense sobre a importância do diagnóstico precoce na prevenção e cura do câncer de mama, a Prefeitura de Jucurutu por meio da Secretaria Municipal de Saúde recebe neste fim de semana o caminhão “Amigo do Peito” para realização de ações do Outubro Rosa.

Nos dias 17 e 18 de outubro de 2020, nos turnos matutino e vespertino, a unidade estará instalada ao lado da Praça Autran Lopes no bairro Stª. Izabel, para realização de exames de mamografias gratuitos.

São exames de alta tecnologia, feitos com mamógrafo digital.

Ao todo 160 exames serão realizados nesta ação que acontece neste fim de semana em Jucurutu/RN.


17/10/2020
Por Edilson Silva em Jucurutu, Saúde

Boa Notícia: em nova cirurgia, equipe médica crê ter retirado 100% do tumor no cérebro de Pietro

A família de Pietro Benício, de 3 anos, teve uma boa notícia na noite desta quinta-feira (15).

O procedimento cirúrgico ao qual o garoto foi submetido – o 4º em menos de 90 dias – foi considerado um sucesso pela equipe médica, que crê ter retirado 100% do tumor no cérebro. A cirurgia estava marcada para 13 de outubro, mas ocorreu apenas na tarde desta quinta no Hospital Santa Joana, em Recife/PE.

Tribuna do Norte


13/10/2020
Por Edilson Silva em Saúde

Descobertas da Ciência: Coronavírus pode sobreviver em celular e dinheiro por até 28 dias, aponta estudo

O vírus responsável pela Covid-19 pode sobreviver em notas de dinheiro, em telas de celulares e no aço inoxidável por até 28 dias, segundo um estudo divulgado pela agência científica nacional da Austrália (CSIRO).

A descoberta sugere que o SARS-CoV-2 tem a capacidade de permanecer em superfícies por muito mais tempo do que se pensava. O estudo foi publicado na revista científica “Virology Journal”.

Os pesquisadores descobriram que, a 20 graus Celsius e no ambiente controlado do laboratório, o vírus SARS-CoV-2 permanece infeccioso por 28 dias em superfícies lisas, como vidro de telas de celulares e cartões plásticos.

Outros experimentos foram realizados a 30 e 40 graus Celsius, com tempos de sobrevivência diminuindo com o aumento da temperatura.

“Nossos resultados reforçam a necessidade de boas práticas, como a lavagem regular das mãos e limpeza das superfícies”, alertou a diretora adjunta da Australian Centre for Disease Preparedness (ACDP) Debbie Eagles.

Em comparação, o vírus da gripe pode sobreviver nas mesmas circunstâncias por 17 dias.

Os experimentos foram realizados no escuro, já que a luz ultravioleta demonstrou matar o vírus. “Estabelecer por quanto tempo o vírus realmente permanece nas superfícies nos permite prever e mitigar sua disseminação com mais precisão, e fazer um trabalho melhor de proteger o nosso povo”, disse o presidente-executivo da CSIRO, Larry Marshall.


12/10/2020
Por Edilson Silva em RN, Saúde

Corpo de Bombeiros controla incêndio florestal que durava mais de 15 dias no Seridó potiguar

O Corpo de Bombeiros conseguiu encerrar, neste sábado (10), o combate a um incêndio que já durava mais de 15 dias em Serra Negra do Norte, no Seridó potiguar.

A informação foi confirmada ao G1 pelo comandante da corporação na região, o capitão Lima Verde. Segundo ele, o incêndio estava praticamente controlado nos últimos dias, mas ainda ainda havia alguns pontos de queimada, principalmente na parte de cima da serra.

De acordo com a prefeitura, foram atingidos mais de 3 mil hectares na zona rural de Serra Negra do Norte. O município decretou estado de calamidade e informou que o fogo atingiu pelo menos 12% da Estação Ecológica do Seridó. Na sexta (9), a situação de emergência foi reconhecida pelo Ministério de Desenvolvimento Regional.

Ao G1, o comandante do Corpo de Bombeiros não estipulou a área devastada. “Foi uma área bastante considerável. A parte acima da serra, a parte de baixo, outras serras vizinhas, mas não não precisamos exatamente quanto de área”, disse.

Equipes trabalhavam desde o dia 23 de setembro no local, tentando apagar as chamas. Ainda não há informações sobre como o incêndio teria começado.

De acordo com comandante, o fogo já estava praticamente controlado quando outro foco teria começado nos últimos dias, dificultando o trabalho dos combatentes. Por G1/RN


12/10/2020
Por Edilson Silva em Mundo, RN, Saúde

Opinião: “luz vermelha acesa”. Cresce segunda onda da Covid-1

A “luz vermelha” acendeu-se e a epidemia cresce vertiginosamente. Mostra-se acertada a decisão do prefeito Álvaro Dias, de Natal (RN), ao definir medidas preventivas, para que a “segunda onda” não chegue à cidade de Natal.

Contra fatos não há argumentos.

A América Latina é o epicentro, lugar antes ocupado por China, Europa e EUA.O Brasil registra o segundo maior número de casos no mundo. Nações fora da Europa, que pareciam ter controlado os surtos, enfrentam aumento de casos.

Entre elas, Israel, Peru, Austrália e Japão.

A Espanha foi a exceção durante agosto. Agora, a curva de infecções está em alta novamente. O Centro Europeu de Prevenção alertou, que em todos os países monitorados, os novos casos aumentaram.

Portugal registrou mais de 1649 casos nas últimas 24 horas, o dia com mais casos desde o início da pandemia, batendo os 1516 registrados em 10 de abril.

Dr. João Gouveia, Presidente da Sociedade Portuguesa de Cuidados Intensivos, em entrevista publicada neste domingo, 11, foi enfático: “ou se fecha outra vez, ou vão morrer muitas pessoas”.

Claro que “fechar” admite exceções racionais, protegidas por protocolos sanitários rígidos, tais como o comércio (shopings), escolas e atividades essenciais, áreas em que se justifica o funcionamento normal.

Neste final de semana, pelo terceiro dia consecutivo, a Alemanha, que havia controlado, superou 4 mil novas infecções. A primeira ministra Merkel, com lucidez, se preocupa em não paralisar a economia e manter as escolas abertas. Porém, decretou severas punições, até de contatos de físicos em reuniões de famílias.

Enquanto isso, prossegue a inconveniente eleição municipal brasileira, com discussões bizantinas e sandices de exaltação à democracia, através da abertura de contatos físicos das pessoas em aglomerações, comícios, carreatas e até reuniões políticas sem limites de participantes.

Como já afirmado, o bom senso justifica flexibilização em certas áreas, onde são possíveis fiscalizações e medidas eficazes de proteção à saúde pública.

Nada a opor.

Mas, abrir para comicios e atividades políticas assemelhadas, em plena campanha eleitoral?

Isso é democracia?

Não se contesta, que uma campanha política pressupõe a interação do candidato com o eleitor.

Entretanto, após a tresloucada decisão de manter a eleição municipal de 2020, todos tinham conhecimento dos riscos da pandemia.

Sendo assim, aderir ao “liberou geral” e justificá-lo com o falso rótulo de ato democrático  e de liberdade política, significará a revogação tácita do artigo 196, da Constituição Federal, que consagra o princípio de que a “a saúde é dierito de todos”.

Por tais razões, a cada dia, o exemplo de responsabilidade, com a preservação das vidas humanas, dado pelo prefeito de Natal, torna-se mais justificável.

A Constituição permite tal medida e a justiça eleitoral cumpriu o seu dever, ao homologar o Plano de Segurança Sanitária para as Eleições Municipais de 2020”, considerado prévio parecer técnico elaborado por “autoridade sanitária nacional”.

No Ceará, com o apoio da justiça eleitoral,  lideranças politicas municipais acolhem, sem contestação, as restrições do Plano de Segurança Sanitária para as Eleições Municipais de 2020”, homologado pelo TSE e que legaiiza os decretos municipais preventivos (Emenda Constitucional 107/20, artigo 1° § 3°, inciso V).

A indagação no ar: e no RN, especialmente em Natal?

Qual será o saldo sanitário de infectados da Covid19, até 15 de novembro?

Só resta pedir, que Deus proteja o nosso povo!

Por Ney Lopes


06/10/2020
Por Edilson Silva em Saúde

OMS aprova dois testes de covid-19 que oferecem resultados em 15 minutos

A Organização Mundial da Saúde, OMS, aprovou esta semana o uso de emergência de dois primeiros testes de Covid-19 que oferecem resultados confiáveis entre 15 a 30 minutos.

A informação foi confirmada  pelo diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus. Segundo ele, também foi garantido o fornecimento de 120 milhões de testes para uso em países de baixa e média rendas.

A decisão agiliza o processo para produtos ainda não licenciados serem usados durante emergências de saúde pública. O sistema permite informar os Estados-membros sobre dados de qualidade e segurança.

Vacina

A OMS também pediu que os fabricantes de vacinas se inscrevam para solicitar pré-qualificação para a lista de uso de emergência.

Tedros destacou a importância das duas ferramentas da OMS, ACT-Acelerador e Covax, quando a imunização estiver disponível. Segundo ele, os dois instrumentos garantem “que todas as vacinas comprovadamente seguras e eficazes são distribuídas equitativamente em todo o mundo.”

Esta semana, a OMS anunciou que o ACT-Acelerador recebeu US$ 1 bilhão dos US% 35 bilhões necessários. Além disso, 168 países aderiram à Covax e outros 25 irão se juntar em breve.

Tedros lembrou o diagnóstico positivo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e a primeira-dama, Melania Trump, desejando “uma recuperação completa e rápida.”

O chefe da OMS disse que, todas as semanas, existem cerca de 2 milhões de novos casos. Esta semana, o mundo também ultrapassou a trágica marca de um milhão de mortes. Mais da metade delas na região das Américas.

Tedros disse que a agência continua ajudando todos os países para prevenir infecções e salvar vidas.


06/10/2020
Por Edilson Silva em Saúde

Vacinação contra poliomielite e campanha multivacinação começa em todo país

A Campanha Nacional de vacinação contra poliomielite começa nesta segunda-feira (5) e segue até o dia 30 deste mês. Os pais ou responsáveis devem levar os filhos crianças ou adolescentes também para atualização da caderneta de vacinas no mesmo período.

No Rio Grande do Norte, nenhum município atingiu a proporção ideal de vacinas para nenhuma das 14 que compõem o calendário obrigatório de vacinação pública no país. A informação foi repassada pela Subcoordenadora em vigilância epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sesap), nesta segunda-feira (5), durante coletiva do governo.

“Neste aspecto de combate, nós não temos só a covid, mas várias outras doenças que são de importância para a saúde pública e nós contamos com toda a população, assim como com os municípios do Rio Grande do Norte para continuar de forma qualificada vencendo esses agravos da saúde Pública”. Disse Alessandra ao lembrar que as vacinas protegem contra doenças graves que já estiveram no cenário brasileiro e que algumas delas estão voltando, por exemplo, o sarampo.

Alessandra, lembrou que algumas dessas doenças são até mais graves do que a covid-19 e fez o apelo para o comparecimento da população aos postos de saúde dos municípios, mas sem esquecer das medidas de proteção sanitária como o uso de máscara, distanciamento social e a lavagem das mãos com água e sabão ou o uso do álcool em gel.

A orientação é que apenas um pai ou um responsável leve a criança ou o adolescente ao posto para evitar aglomerações.

Vacinas

O governo federal por meio do Programa Nacional de Imunização (PNI), criado em 1973, disponibiliza 14 vacinas. De acordo com o Ministério da Saúde, são mais de 300 milhões de doses anuais distribuídas em vacinas, soros e imunoglobulinas, fatos que contribuíram, por exemplo, com a erradicação da varíola e da poliomielite, além da redução dos casos e mortes derivadas do sarampo, da rubéola, do tétano, da difteria e da coqueluche ao longo da existência do programa.


30/09/2020
Por Edilson Silva em RN, Saúde

Número de mortes provocadas pela covid-19 no RN sobe para 2.384

O Rio Grande do Norte possui 69.013 casos confirmados para a covid-19 nesta terça-feira (29). O número de potiguares que perderam a vida em decorrência da doença subiu para 2.384. Houve um aumento de sete novos óbitos registrados, sendoque nenhum ocorreu nas últimas 24 horas. Há ainda outros 319 que permanecem em investigação.

Os dados foram divulgados pela subcoordenadoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap). Há ainda os casos suspeitos, que somam 35.880, e os descartados, que está em 141.365.

Nesta terça-feira, a ocupação geral de leitos críticos era de 40%. Os dados regionais mais recentes mostram a ocupação de 50% nas regiões Oeste e Mato Grande, 38% na região Metropolitana de Natal, 40% em Pau dos Ferros, 37% no Seridó, 45% no Potengi/Trairi e nenhuma ocupação no Agreste.

O total de internamentos, de casos confirmados e suspeitos, em leitos críticos e clínicos públicos e privados é de 240 pacientes. A fila de regulação tem 4 pacientes para leitos críticos, 4 para leitos clínicos e 10 aguardando transporte sanitário.

TRANSMISSIBILIDADE

Os dados epidemiológicos sobre a Covid-19 registram que a taxa de transmissibilidade geral no RN é de 0,78. Nos últimos 15 dias a média é de 0,87. Esta taxa avalia a possibilidade de transmissão do vírus de uma pessoa doente para outra.

Segundo levantamento realizado diariamente, nas regiões do Estado a taxa está assim distribuída: Agreste, 0,86; Oeste, 1,00; Mato Grande, 1,31; Seridó, 1,02; Trairi/Potengi, 1,15; Alto Oeste, 0,92; Metropolitana, 1,07; e Vale do Açu, 1,02.CoronavírusPandemiaCasos de coronavírus no RNCovid-19


28/09/2020
Por Edilson Silva em Brasil, Saúde

Novos casos de Covid-19 em Manaus desafiam esperança de imunidade de rebanho

A cidade de Manaus, no Amazonas, a maior da Amazônia brasileira, fechou bares e praias em rios para conter uma nova onda de casos de coronavírus.

A tendência ameaça contrariar teorias de que a região seria um dos primeiros lugares do mundo ter alcançado a chamada imunidade de rebanho, quando grande parte de uma comunidade fica imune a uma doença e sua disseminação se torna menos provável.

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) sugeriram que a queda drástica de mortes por Covid-19 em Manaus indicava a imunidade coletiva funcionando, mas eles também acreditam que os anticorpos da doença após a infecção podem não durar mais do que alguns meses.

Autoridades locais decidiram na sexta-feira proibir festas e outras reuniões de pessoas por 30 dias, restringindo também horários de restaurantes e shoppings, em um novo revés na cidade de 1,8 milhão de pessoas depois que o pior da pandemia parecia ter ficado para trás.

Entre abril e maio, tantos moradores de Manaus estavam morrendo de Covid-19 que os hospitais entraram em colapso e os cemitérios não conseguiram cavar covas com a rapidez necessária.

A cidade nunca impôs um lockdown completo. Negócios não-essenciais foram fechados, mas muitos simplesmente ignoraram as orientações de distanciamento social.

Em junho, as mortes caíram inesperadamente. Especialistas em saúde pública passaram então a questionar se tantos moradores haviam pegado o vírus que não havia mais ninguém para ser infectado.

Uma pesquisa publicada semana passada no medRxiv, um site que distribui artigos não públicos sobre saúde, estimou que entre 44% e 66% da população de Manaus havia sido infectada entre o auge da pandemia, em meados de maio, e agosto.

O estudo, do Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo, testou um novo banco de sangue recentemente doado para anticorpos contra o vírus e usou um modelo matemático para estimar os níveis de contágio.

A alta taxa de infecção sugeria que a imunidade de rebanho havia levado a uma dramática queda no número de mortes e casos, segundo o estudo.

Enterros e cremações diárias caíram de um pico de 277 em 1º de maio para apenas 45 em meados de setembro, segundo a prefeitura. A contagem diária de mortes por Covid-19 na cidade, que atingiu o auge de 60 em 30 de abril, segundo dados oficiais, caiu para apenas dois ou três por dia ao fim de agosto.

Agora, os números voltaram a crescer.

A pesquisadora que liderou o estudo, Ester Sabino, não quis dar entrevista porque seu trabalho sobre a imunidade de rebanho de Manaus aguarda a revisão por pares antes de ser publicado.

Autoridades alertaram moradores de Manaus que eles estavam ignorando o vírus e que havia o risco de uma segunda onda de contágio devido à ausência do uso de máscaras, bares lotados e festas. Praias em rios de Manaus onde festas rave estavam sendo realizadas foram fechadas.

O prefeito de Manaus, Arthur Virgilio, culpou o presidente Jair Bolsonaro, que segundo ele minimizou a gravidade da pandemia ao encorajar pessoas a retornarem à vida e ao trabalho normalmente ao invés de esperarem o desenvolvimento de uma vacina.

“O governo precisa levar a situação a sério e falar a verdade. Se disser que não tem problema, isso encoraja as pessoas a ignorar nossos decretos”, afirmou o prefeito em entrevista à reportagem.

O epidemiologista André Patricio Almeida, do Hospital Adventista de Manaus, afirmou que os casos estão crescendo novamente principalmente entre os jovens, pessoas mais saudáveis que vão a bares e mostram sintomas leves, mas com frequência passam a doença a parentes mais velhos que precisam ser tratados em hospitais.

Almeida disse que pouco se conhece sobre a Covid-19 e se a re-infecção é possível para verificar se Manaus alcançou a imunidade de rebanho, mas ele acredita que alguma imunidade de curto prazo provavelmente foi atingida.

O estudo da Universidade de São Paulo afirmou que os anticorpos contra coronavírus parecem diminuir após apenas alguns meses, o que pode explicar o ressurgimento de casos em Manaus.

“Algo que ficou claro em nosso estudo – e que também está sendo mostrado por outros grupos – é que os anticorpos contra a SARS-CoV-2 decaem rapidamente meses depois da infecção”, disse uma das autoras do estudo, Leis Buss, em um comunicado da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), que acompanhou o artigo.

“Isso claramente está acontecendo em Manaus”, afirmou Buss.

CNN Brasil

 


17/09/2020
Por Edilson Silva em Saúde

Ministério da Saúde convoca as pessoas de 20 a 49 anos a se vacinarem contra o Sarampo

O Ministério da Saúde ampliou a vacinação contra o sarampo, da população de 20 a 49 anos, para até 31 de outubro, em todo o país.

Nesta quarta etapa da Mobilização Nacional de Vacinação contra o Sarampo, a população-alvo nesta faixa-etária totaliza mais de 90 milhões de pessoas.

A principal medida de prevenção e controle do sarampo é a vacinação, disponível durante todo o ano na rotina de vacinação dos serviços de saúde do país.

Para viabilizar a estratégia de vacinação, foram enviadas mais de 4 milhões de doses da vacina, além do quantidade suficiente para o atendimento de rotina.

O Ministério da Saúde tem alertado a população quanto à importância da vacinação contra o sarampo, mesmo com a pandemia da Covid-19 em evidência no país.

O sarampo é uma doença grave e de alta transmissibilidade. Uma pessoa pode transmitir para até 18 outras pessoas. A disseminação do vírus ocorre por via aérea ao tossir, espirrar, falar ou respirar.

A vacinação contra o sarampo é uma estratégia do Ministério da Saúde para interromper a transmissão e eliminar a circulação do vírus no Brasil.


16/09/2020
Por Edilson Silva em Educação, Saúde

Após Natal, mais uma cidade do RN autoriza retorno das escolas particulares

A Prefeitura de Parnamirim, por meio de decreto do prefeito Rosano Taveira, as aulas presenciais estarão autorizadas a voltar a partir desta terça-feira (15), conforme estabelece decreto que será publicado no Diário Oficial do Município.

A cidade será a segunda do RN a autorizar a volta das aulas na rede privada. Até agora, apenas a Prefeitura de Natal havia tomado a mesma medida.

O Governo do RN mantém a previsão de retorno das escolas particulares para o dia 5 de outubro, desde que seja liberado o retorno pelo comitê científico e que as instituições tenham o chamado selo de biossegurança.


14/09/2020
Por Edilson Silva em Brasil, Saúde

Morre cantor Parrerito, do Trio Parada Dura, após contrair Covid-19

O Trio Parada Dura informou, na noite deste domingo (13), a morte do cantor Parrerito, aos 67 anos. Ele estava internado em estado grave há cerca de duas semanas após testar positivo para o novo coronavírus, que causa a Covid-19.

Eduardo Borges, conhecido como Parrerito, era diabético. Ele testou positivo para o novo coronavírus em 29 de agosto e foi internado no Hospital Unimed, em Belo Horizonte. Após sofrer um mal súbito, no dia 31 precisou ser intubado na UTI, então com 50% do pulmão comprometido.

Creone e Xonadão, os outros integrantes do Trio Parada Dura, também realizaram exames e testaram negativo para o vírus.

Um dos mais icônicos grupos sertanejos do país, o Trio Parada Dura fez grande sucesso na década de 1980 com a canção “As Andorinhas“. Outros grandes sucessos gravados pelo conjunto foram “Fuscão Preto” e “Telefone Mudo“.

“Igual a andorinha, Parrerito parte voando e deixa um Brasil inteiro já com saudade de sua voz que por quase quatro décadas marcou gerações no Trio Parada Dura. Ficará para sempre em nossos corações e na memória da música sertaneja. Parrerito deixa mulher, filhas e netas que eram sua grande paixão. Vai com Deus, Parrerito! Sentiremos muito sua falta”, disse o grupo, em nota.


13/09/2020
Por Edilson Silva em RN, Saúde

RN tem 2.313 mortes provocadas pela covid-19 e 65.045 casos confirmados

O Rio Grande do Norte contabiliza um total de  2.313 mortes provocadas pelo novos coronavírus. Os dados atualizados foram divulgados, na noite de sábado (12), no boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap). Em um dia, foram registrados cinco novos óbitos, já que na sexta-feira o RN contava 2.308 vítimas fatais.

Há ainda 270 mortes em investigação para constatar se a causa tem relação ou não com o novo coronavírus. Outros 495 já foram descartados, desde o início da pandemia. Ainda segundo o boletim, a doença já infectou 65.045 pessoas no estado potiguar, sendo que, nas últimas 24 horas, foram registrados 167 novos casos. Restam 29.882 casos suspeitos e outros 124.764 que já foram descartados.

Sobre a situação de leitos, o boletim mostra que, no RN, há 202 pessoas internadas para tratamento do novo coronavírus. Desse total, 87 estão em leitos críticos e 115 em leitos clínicos. Em termos percentuais, as unidades hospitalares da rede estadual registram 36,54% dos leitos críticos ocupados, enquanto que a rede privada tem ocupação de 17%.

Sobre o índice de isolamento social no RN, a análise mais recente, realizada na sexta-feira (11), mostrou que essa taxa está em 35,1%.

Segundo o RegulaRN, plataforma que monitora a ocupação dos leitos no território potiguar, a taxa de ocupação geral de leitos críticos é, no momento, de 36,2%. Especificando por região, esse índice se apresenta da seguinte forma: metropolitana (34,5%), oeste (33,8%) e seridó (48,6%).


13/09/2020
Por Edilson Silva em Caicó, Saúde

Caicó registra 23 novos casos de Covid-19 e número de confirmados sobe para 3.031

Boletim COVID-19: Caicó

Neste sábado (12), a Secretaria Municipal de Saúde vem por meio desta divulgar o registro de VINTE E TRÊS novos casos de COVID-19 no município, sendo TODOS comunitários.

Com relação aos casos de hoje, são 14 homens e 09 mulheres. Destes 01 são crianças. Os casos residem;

04- Centro;
02- Alto da Boa VIsta;
04-Walfredo Gurgel;
02- João XXII;
01- Barra Nova;
01- Paraíba;
01- Itans;
01- Penedo;
01-Samanaú;
03- Boa Passagem;
01- Paulo VI;
01- Castelo Branco;
01- Vila do Príncipe

Destes 01 foram confirmados por TR e 22 por RT-PCR.

Reforçamos a importância das medidas preventivas, como distanciamento social, etiqueta respiratória, higienização das mãos e uso de máscara quando precisar sair de casa.


10/09/2020
Por Edilson Silva em Brasil, RN, Saúde

Síndrome associada à covid-19 já atingiu 197 crianças e adolescentes; RN tem 9 casos

Pelo menos 197 crianças e adolescentes brasileiros apresentaram, até o fim de agosto, uma série de problemas de saúde que, juntos, podem caracterizar uma nova doença potencialmente associada a covid-19, a Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica.

De acordo com o Ministério da Saúde, do total de crianças, 140 tinham menos de 10 anos no momento em que adoeceram. Ainda segundo a pasta, a síndrome pode ter causado a morte de pelo menos 14 pacientes com idades entre 0 e 19 anos no período de maio a agosto deste ano.

Os óbitos notificados foram registrados em oito estados: Pará (3); Rio de Janeiro (3); Ceará (2); Paraíba (2); Bahia (1); Pernambuco (1); Piauí (1); e São Paulo (1). A coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno, Janini Ginani, lembrou que as mortes em questão estão “sob investigação”, já que várias outras síndromes podem se sobrepor, dificultando o diagnóstico.

Segundo o último balanço, até o dia 26 de agosto, o maior número (41) de notificações da nova síndrome vinha do Ceará. Em seguida estão Pará (24); Rio de Janeiro (22); Distrito Federal (19); São Paulo (19); e Bahia (11). Também foram registrados casos em Alagoas (9); Espírito Santo (8); Minas Gerais (5); Paraíba (6); Pernambuco (9); Piauí (6); Rio Grande do Norte (9); e Rio Grande do Sul (9).

Agência Brasil




Facebook


Twitter