Saúde

Padre morre com suspeita de Covid-19 em Natal

 

O padre Antônio Cassiano da Silva morreu nesta segunda-feira (24) na Casa de Saúde São Lucas, em Natal, onde estava internado desde o dia 21 de dezembro passado, em tratamento de problemas cardiorrespiratórios e outras comorbidades.

 

O sacerdote também estava com suspeita de Covid-19, apontada há 15 dias, que segue em investigação.

 

A informação foi divulgada pela Arquidiocese de Natal. O local e horário do sepultamento ainda não foram divulgados.

 

“Padre Cassiano foi chamado para a casa do Pai, onde contemplará, eternamente, a face de Deus a quem muito amou e serviu ao longo de sua vida e exercício ministerial”, diz a nota de pesar divulgada pela instituição religiosa.

 

Padre Antônio Cassiano nasceu em 10 de maio de 1945, no município de Timbaúba (PE) e foi ordenado sacerdote em 01 de fevereiro de 1975, em Natal.

 

Foi pároco da Paróquia de Santana, em Santana do Matos, nos primeiros anos da vida sacerdotal.

 

De maio de 1982 a agosto de 2020, foi pároco da Paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, nas Quintas, zona oeste de Natal, quando se tornou emérito.

 

Entre 1984 e 2006, também desempenhou a função de capelão da Polícia Militar do Rio Grande do Norte.

 

“Aos seus familiares, ex-paroquianos, irmãos no sacerdócio e a todos os seus amigos, desejamos a paz, a esperança e a consolação que vêm do Senhor”, encerra a nota da Arquidiocese de Natal.

 

Agora RN

 

Compartilhe aqui:

Nova onda de Covid no RN gera pressão por leitos e aumento da fila de espera

 

O Rio Grande do Norte vive um novo surto de casos de Covid-19 nos últimos dias, além de enfrentar ainda um salto no número de pessoas com síndromes gripais. Desde a última quarta-feira 19, foram mais de mil novos casos de coronavírus registrados diariamente, e a taxa de ocupação de leitos críticos voltou a ultrapassar o índice de 60% no estado.

 

Para o epidemiologista e professor Ion de Andrade, o RN vivencia um novo período da pandemia. “Temos, em primeiro lugar, como elo frágil, o fato de que 30% da população ainda não se vacinou. Nessa minoria, há pessoas que se esqueceram de tomar a dose de reforço e o principal componente do movimento hospitalar é o grupo que não completou a vacinação”, pontuou ele em entrevista ao Bom Dia RN/Inter TV Cabugi.

 

“Os hospitais estão sendo pressionados, hoje já temos pacientes em fila, o que significa a dificuldade do poder público em internar. Outro componente é o comportamento de pessoas vacinadas que estão doentes e levam o vírus para os vulneráveis. Então o problema é decorrente de tudo de positivos que acumulamos: os vacinados, no lugar de agir com prevenção, liberalizaram o comportamento e passam a ser transmissores do vírus, e os não vacinados agravam e vão para os hospitais. Isso tudo contribui para a explosão de casos que estamos tendo”, disse.

 

Segundo o epidemiologista, a variante Ômicron é muito transmissível porque tem a capacidade de driblar as defesas imunes e, por isso, a partida é de um cenário de riscos. “Estamos vivendo uma terceira onda e, do ponto de vista de número de casos novos, ela é muito maior que as anteriores. Essa nova onda de Covid produz uma gravidade menor que possivelmente está relacionada com a cobertura vacinal e com o fato de que a variante Ômicron pode produzir casos mais leves”, relatou.

 

O problema, no entanto, é que a pressão sobre os hospitais, que é o que regula a ação do poder público, não se interessa por proporções e sim por casos. Mesmo que a Ômicron cause casos mais leves, a pressão de leitos nos hospitais não é menor, e as unidades hospitalares estão afogadas. “O processo de abertura de leitos é mais lento do que a difusão da doença. É de se esperar o aumento, nos próximos dias, de pacientes em filas. Temos pacientes demais e muito além daqueles que nós conseguimos internar”, afirmou Ion.

 

“Essa é uma doença letal e grave que produz uma pressão por leitos hospitalares que pode obrigar o poder público a tomar medidas restritivas que ninguém gostaria de atravessar novamente, para que os hospitais possam se tornar solventes de novo”, frisou ele ao indicar que o Estado deve estudar a antecipação da terceira dose para os idosos, pois esse público voltou a ser maioria nos leitos.

 

Compartilhe aqui:

Contra vacina, atriz Elizangela é internada em estado grave com sequelas da Covid

 

A atriz Elizangela, de 67 anos, foi internada na quinta-feira (20), em Guapimirim, na Baixada Fluminense, em estado grave com sequelas respiratórias da Covid. Segundo a prefeitura, ela chegou passando muito mal ao Hospital Municipal José Rabello de Mello e quase teve que ser intubada.

 

Segundo a assessoria da prefeitura, Elizangela é “bem rebelde” e se mostrou radicalmente contra a vacinação — como deixa claro em suas redes sociais. Ela não tomou nenhuma dose do imunizante contra a doença.

 

Nesta sexta-feira (21), Elizangela estava estabilizada no CTI (Centro de Terapia Intensiva). Os testes recentes apontaram que a atriz não tem mais o vírus da Covid. A Prefeitura de Guapimirim disse que a atriz já tinha ido ao hospital na semana passada após se sentir mal. Na ocasião, ela foi atendida, medicada e teve alta.

 

Na quinta-feira, Elizangela retornou à unidade em estado mais grave. Ela foi encaminhada à sala vermelha, onde os médicos conseguiram estabilizá-la.

 

G1

 

Compartilhe aqui:

Procura por UTI Covid volta a subir, e RN já tem 6 hospitais sem leitos disponíveis e fila de espera

 

A procura por leitos de UTI para pacientes com Covid-19 voltou a subir no Rio Grande do Norte, segundo dados da plataforma “Regula RN”, que monitora em tempo real a situação dos hospitais públicos potiguares.

 

Nesta quarta-feira (19), 58 pacientes com Covid pediram leitos na rede pública de saúde. Foi o maior número de solicitações diárias desde 7 de julho de 2021, quando 60 pacientes deram entrada no sistema de regulação. Atualmente, a média móvel diária de solicitações de leitos está em 45 pedidos por dia, maior número desde 17 de julho do ano passado.

 

Com o aumento na procura, o Estado voltou a registrar fila de espera. Às 14h30 desta quinta-feira (20), havia 11 pacientes aguardando um leito de UTI. São 10 pacientes da Região Metropolitana de Natal e 1 da região Oeste. A situação da capital é a mais preocupante, porque três hospitais da região já estão sem leitos disponíveis: João Machado, Pescadores e Maria Alice Fernandes. O estágio também é crítico no Giselda Trigueiro, que está com 90% dos leitos ocupados.

 

Além dos três hospitais de Natal, outros três estão com todos os leitos ocupados: Mariano Coelho (Currais Novos), Rafael Fernandes (Mossoró) e Cleodon Carlos de Andrade (Pau dos Ferros).

 

Compartilhe aqui:

Novo decreto disciplina medidas para contenção da Covid e da Influenza

 

O Governo do Estado publica no Diário Oficial desta terça-feira (18), o Decreto n° 1.265, de 17 de janeiro de 2022, com regras para contenção da transmissão da nova variante da Covid-19 – a Ômicron – e do vírus da gripe influenza. As medidas foram discutidas durante todo o dia com representantes do empresariado, do Tribunal de Justiça, dos Ministérios Públicos Estadual, Federal e do Trabalho, do Tribunal de Contas do Estado, da Defensoria Pública Estadual, da Procuradoria Geral do Estado, da Universidade Estadual do RN e com prefeitos através da federação e associações de municípios.

 

O decreto traz medidas baseadas na Recomendação n° 33 do Comitê de Especialistas da SESAP/RN para o Enfrentamento da Pandemia pela COVID-19. As medidas são a exigência do passaporte vacinal, como já existe, com maior rigor para os eventos públicos e privados, bares e restaurantes, tanto em áreas fechadas como em áreas livres com capacidade acima de 100 pessoas. Centros comerciais e shoppings com ar-condicionado também devem exigir o passaporte da vacina.

 

Recomenda ainda aos municípios a suspensão de todos os eventos de rua até 16 de fevereiro, uma vez que nestes casos não é possível exigir o passaporte vacinal. As novas regras começam a vigorar na próxima sexta-feira, dia 21/01. Há a possibilidade de rediscussão das medidas dentro do prazo de vigência, se a situação de contágio se reverter significativamente.

 

Permanece em vigor o dever geral de proteção individual no Estado do Rio Grande do Norte, consistente no uso obrigatório de máscara de proteção facial por todos aqueles que, independentemente do local de destino ou naturalidade, ingressarem no território do Rio Grande do Norte.

 

Os suspeitos por apresentarem sintomas da COVID-19 deverão ser afastados de todas as atividades e instruídos a permanecer em isolamento total, nos termos do Guia de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde, caso confirmada a contaminação ou inconclusivos os resultados dos exames, até que sejam cessados, neste último caso, os motivos da suspeita de contaminação.

 

Os segmentos socioeconômicos de alimentação, a exemplo de bares e restaurantes, bem como centros comerciais, galerias e shopping centers que utilizem sistema artificial de circulação de ar deverão realizar o controle de entrada de cada indivíduo nas suas dependências, mediante comprovação do esquema vacinal em conformidade ao calendário de imunização, nos termos do Decreto Estadual nº 30.940, de 30 de setembro de 2021. Ficam dispensados da obrigatoriedade prevista no caput deste artigo os estabelecimentos de alimentação em locais abertos com capacidade máxima de 100 pessoas.

 

Os municípios também foram orientados a reorganizar as feiras livres e similares, de modo a assegurar o distanciamento social, evitando-se aglomeração de pessoas e contatos proximais, mantendo as condições de higiene dos respectivos ambientes.

 

Para cumprimento das disposições contidas no decreto, o Estado do Rio Grande do Norte disponibilizará suas forças de segurança aos municípios, por meio das operações do Programa Pacto Pela Vida. Fernando Mineiro, coordenador do Pacto Pela Vida, destaca a importância na condição de agente fiscalizador.

 

MOTIVOS PARA AS NOVAS RECOMENDAÇÕES

 

Alta instabilidade provocada pela variante Ômicron, da Covid-19, e que alguns eventos realizados não têm cumprido os protocolos sanitários estabelecidos;

 

Vivemos hoje uma epidemia de pelo menos dois vírus de transmissão respiratória, a Influenza e o SARS-Cov2, com recrudescimento dos casos da covid-19 de maneira global;

 

Considerável aumento de casos diários de covid-19 em todas as regiões de saúde do RN, conforme dados do boletim epidemiológico da Sesap;

 

Sobrecarga dos serviços de urgência em saúde.

 

Neste domingo (16), o site de acompanhamento dos dados da Pandemia da covid-19 no RN (covid.lais.ufrn.br) apontava 4.901 casos de covid-19 no mês de janeiro. O número ultrapassa o total de casos registrados em todo mês de dezembro, que foram de 4.796.

 

RECOMENDAÇÕES DO COMITÊ CIENTÍFICO

 

Cancelar grandes eventos até controle da situação, conforme orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), considerando a circulação da variante Ômicron;

 

Exigência do certificado de vacinação (ou documento similar) das doses 1 e 2, e também a D3 nos casos cabíveis, para acesso a bares, restaurantes, shoppings e similares;

 

Em caso de descumprimento à recomendação, aplicação de multas previstas em lei para estabelecimentos que desrespeitarem os protocolos sanitários do estado;

 

Realizar busca ativa da população que está atrasada em relação à segunda dose ou que ainda não foi vacinada;

 

Continuar comunicando a existência dos grupos vulneráveis para desenvolver formas graves e morte, que continuam sendo os idosos, imunodeprimidos e gestantes, devendo ser desenvolvidas atividades de proteção a esses grupos;

 

Retomar atividades remotas para todos os sintomáticos e grupos de risco e promover testagem ampliada aos sintomáticos.

 

CARNAVAL

 

Catorze cidades potiguares já cancelaram o Carnaval 2022: Natal, Parnamirim, Caicó, Macau, Areia Branca, Apodi, Tibau do Sul, Assú, Pendências, Grossos, Dix-sept Rosado, Alexandria, Upanema e Almino Afonso.

 

Compartilhe aqui:

Quase 200 crianças são vacinadas em Mossoró contra a Covid-19

 

Balanço da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) mostrou que 188 crianças com comorbidades e deficiências foram vacinadas em Mossoró no primeiro final de semana de vacinação deste público entre 05 e 11 anos.

 

De acordo com a SMS, no sábado 15 foram vacinadas 139 crianças. Neste domingo 16, a campanha Mossoró Vacina aplicou 49 doses pediátricas.

 

O município foi o primeiro do Rio Grande do Norte a iniciar a imunização de crianças, de acordo com a Prefeitura. A cidade recebeu na última sexta-feira 14 o quantitativo de 1.710 doses pediátricas e começou a vacinar as crianças no último sábado.

 

Como comorbidades entende-se crianças com cardiopatia crônica, pneumopatia crônica, imunodepressivos, doença renal crônica, asma, doença neurológica crônica, doença hepática crônica, síndrome de Down, doença hematológica crônica, Diabetes Mellitus e obesidade.

 

O Ministério da Saúde entende como fatores de risco obesidade, e comorbidades diabetes, asma, doenças cardíacas e pulmonares e doenças neurológicas, distúrbios do desenvolvimento neurológico e doenças neuromusculares.

 

Adultos e adolescentes

 

Mossoró também continuou neste final de semana a aplicação da primeira, segunda e terceira doses para pessoas acima de 12 anos. Entre sábado e domingo foram aplicadas neste público 943 doses.

 

Deste total, foram 37 relativas a primeira dose, 134 da segunda e 770 doses de reforço, além de 02 doses adicionais.

 

Compartilhe aqui:

Menino de 9 anos é a primeira criança vacinada contra Covid no RN

 

O menino Émerson Miguel Neves da Rocha, de 9 anos de idade, foi a primeira criança a ser vacinada contra a Covid no Rio Grande do Norte.

 

Ele recebeu a dose do imunizante em um ato simbólico promovido pelo governo do RN neste sábado (15) na Unidade Básica de Saúde (UBS) Amarante, no município de São Gonçalo do Amarante, Grande Natal.

 

O garoto Émerson Miguel comemorou o momento. “É muito importante tomar a vacina, porque o coronavírus é aquela ‘doença da praga’”, falou o menino.

 

Logo após, outras três crianças foram vacinadas no ato simbólico na UBS.

Início da vacinação

 

A vacinação em crianças entre 5 e 11 anos de idade começou neste sábado no RN em um ato simbólico.

 

Na manhã da sexta-feira (14), o estado recebeu do Ministério da Saúde o primeiro lote de vacinas contra a Covid para crianças, com 20.900 doses.

 

O município de Natal ainda não definiu quando começará a aplicação na capital potiguar. Na sexta, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que vai capacitar os vacinadores para o público infantil na segunda-feira (17) e só depois definirá a data de início da vacinação.

 

A capital potiguar tem a estimativa de 77.341 crianças entre 5 e 11 anos de idade e recebeu a maior quantidade de vacinas desse primeiro lote, com 4.550 doses.

 

O primeiro lote foi distribuído na tarde desta sexta-feira (14) para os municípios, saindo da Unidade Central de Agentes Terapêuticos (Unicat), em Natal.

Orientação

 

Por ser um baixo quantitativo de vacinas recebidas no primeiro lote perto da quantidade estimada do público-alvo, que é de aproximadamente 350 mil crianças, a orientação da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) é que a vacinação comece por aquelas com comorbidades ou deficiência permanente.

 

A pasta orienta que após a vacinação desse público, os municípios devem seguir o escalonamento da vacinação por idade crescente, iniciando com as crianças de 5 anos.

Vacinação

 

Segundo a Sesap, pais ou responsáveis devem acompanhar as crianças ao local de vacinação, manifestando sua concordância com a vacinação. Segundo o governo, também é importante que seja feito o cadastro da criança como dependente na plataforma RN+ Vacina.

 

Em caso de ausência de pais ou responsáveis, a vacinação deverá ser autorizada por um termo de assentimento por escrito.

 

Por Inter TV Cabugi e g1 RN

 

Compartilhe aqui:

Criança indígena é primeira a ser vacinada no Brasil contra a Covid-19

 

A primeira vacina contra a Covid-19 em uma criança foi aplicada nesta sexta-feira (14), no Hospital das Clínicas de São Paulo (HCFMUSP). Davi Seremramiwe, de 8 anos, foi a primeira criança a ser vacinada no país. O garoto indígena é natural de Mato Grosso, mas vai a São Paulo com frequência para realizar tratamento de saúde.

 

O imunizante da Pfizer recebeu autorização da Agência Nacional de Vigilância de Saúde (Anvisa), em 16 de dezembro, para ser aplicado em crianças de 5 a 11 anos no Brasil. Até o momento, a vacina da farmacêutica norte-americana é a única liberada pela autoridade sanitária para ser aplicada nesta faixa etária.

 

Em solenidade simbólica, com a presença de profissionais da saúde e o governador de São Paulo, João Doria, mais crianças com comorbidades foram vacinadas contra a Covid-19. A vacinação no estado – para o público de 5 a 11 anos – terá início na segunda-feira (17), onde serão priorizadas as crianças indígenas, quilombolas e com comorbidades.

 

Davi, o primeiro garoto a ser vacinado contra a Covid-19, nasceu em uma tribo Xavante no estado do Mato Grosso, ele tem uma condição de saúde que afeta as pernas e o faz a andar com ajuda de uma órtese.

 

Por nove meses, ele e o pai, o cacique Jurandir Siridiwe, fizeram viagens periódicas à capital paulista para que Davi fosse tratado no Instituto da Criança do Hospital das Clínicas. Atualmente, Davi mora com uma tutora na cidade de Piracicaba (SP). Ela o acompanha nas consultas rotineiras que garoto faz no HC com médicos das áreas de reabilitação e neurologia.

 

CNN

 

Compartilhe aqui:

Em 14 dias, janeiro supera número de casos de Covid registrados no mês de dezembro no RN

 

Em menos de 15 dias, janeiro de 2022 superou o número de casos de covid-19 confirmados pela Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Norte (Sesap) ao longo de todo o mês de dezembro do ano passado.

 

Até a manhã desta sexta-feira (14), o estado já registrou mais de 6,7 mil casos confirmados em janeiro, contra pouco 5,4 mil registrados no mês anterior.

 

Pela manhã, a Sesap confirmou o registro de 1.351 novos casos em relação ao último boletim. Desse total, 968 testes positivos tiveram resultado nas últimas 24 horas e os demais são testes de outros dias que foram acrescentados entre as notificações.

 

Esse é o maior número de novos casos registrados no estado desde o dia 24 de julho de 2021, quando o estado registrou, em um dia, 1.973 notificações.

 

Ao todo, são 6.763 casos positivos de covid-19 notificados nos 14 primeiros dias do mês – uma média de 483 por dia – contra 5.499 casos ao longo de todo o mês de dezembro – média de 177 por dia.

 

g1 RN

 

Compartilhe aqui:

Vacinas para crianças de 5 a 11 anos do RN serão distribuídas nesta sexta-feira

 

A imunização das crianças de 5 a 11 anos de idade tem previsão de iniciar na próxima segunda-feira (17) em todos os municípios do Rio Grande do Norte. O estado tem hoje 350 mil crianças nessa faixa etária e receberá do Ministério da Saúde  20.900 doses do imunizante da Pfizer, específico para a vacinação dos menores.

 

“Por ser um quantitativo baixo para início deste público iremos começar pelas crianças com comorbidades e depois por escalonamento começando pelas crianças de 5 até 11 anos”, disse Kelly Lima, coordenadora de Vigilância em Saúde da Sesap.

 

Como comorbidades entende-se crianças com cardiopatia crônica, pneumopatia crônica, imunodepressivos, doença renal crônica, asma, doença neurológica crônica, doença hepática crônica, doença hepática crônica, síndrome de Down, doença hematológica crônica, Diabetes Mellitus e obesidade.

 

A previsão é que as doses sejam distribuídas para todas as regionais no início da tarde desta sexta feira (14). O MS sinalizou que serão enviados lotes a cada semana. “Está em curso a capacitação das equipes para a aplicação e manejo das vacinas nas crianças. Esse processo é essencial para que a aplicação seja segura”, disse Laiane Graziela coordenadora de Imunização da Sesap.

 

Os pais ou responsáveis devem estar presentes manifestando sua concordância com a vacinação e além disso, é importante que seja feito o cadastro da criança como dependente na plataforma RN+ Vacina (https://rnmaisvacina.lais.ufrn.br/cidadao/covid/). Em caso de ausência de pais ou responsáveis, a vacinação deverá ser autorizada por um termo de assentimento por escrito.

 

Compartilhe aqui:

Mundo bate novo recorde e registra 3,67 milhões de casos de Covid-19 em um dia

 

O mundo registrou, pela segunda vez nesta semana, um recorde de casos de Covid-19 em um único dia.

 

Os dados desta quinta-feira (13) apontam para 3,67 milhões de infecções pelo coronavírus nas últimas 24 horas, de acordo com a plataforma Our World in Data.

 

O número crescente de infecções é ligada por especialistas ao espalhamento da variante Ômicron, que é transmitida com mais facilidade que formas anteriores do vírus. De acordo com previsões da Organização Mundial da Saúde (OMS), ela deve tornar-se a cepa dominante em vários locais do mundo nas próximas semanas.

 

No dia 4 de janeiro, o gerente de incidentes da OMS, Abdi Mahamud, afirmou que a entidade vê evidências de que a Ômicron, apesar de mais transmissível, pode causar sintomas mais leves. “Estamos vendo mais e mais estudos apontando que a Ômicron infecta a parte superior do corpo. Diferente das outras, que podem causar pneumonia grave”, afirmou.

 

vacinação, segundo especialistas, ainda é a forma mais eficaz de evitar infecções graves, mortes e hospitalizações pela Covid-19, e manter o quadro vacinal atualizado é essencial.

 

Compartilhe aqui:

Teleatendimentos disparam no Brasil para casos de covid e influenza

 

Diante da explosão de casos de covid-19 e influenza nas últimas semanas, o número de atendimentos médicos a distância – telemedicina – dobrou a cada 36 horas, informou a Saúde Digital Brasil, associação que reúne 90% do mercado do setor no país.

 

A organização informou que os teleatendimentos semanais para casos de influenza e covid saíram de 7 mil para 15 mil entre o Natal e o Ano Novo. Nos primeiros dias de janeiro o número chegou a cerca de 50 mil consultas. Para Guilherme Weigert, do Conselho Administrativo da Saúde Digital Brasil, a teleconsulta traz benefícios ao paciente.

 

A teleconsulta só foi autorizada no contexto da pandemia de covid-19 para facilitar o acesso aos profissionais de saúde. Porém, a prática ainda precisa ser regulamentada pelo Congresso Nacional.

 

O servidor público Paulo Henrique do Espírito Santo contraiu o novo coronavírus pela segunda vez e conta que a teleconsulta foi suficiente para conseguir acompanhamento médico.

 

O professor de urgências clínicas da Universidade Federal de Pernambuco, Erick Barreto, diz que a teleconsulta trouxe benefícios no contexto da pandemia, mas ressalta que ela não é substituto completo para visitas presenciais.

 

Para Barreto, a telemedicina traz prejuízo em relação à interação afetiva e emocional entre médico e paciente, além de não ser acessível a toda a população. Citou como exemplo idosos sem experiência com o uso de tecnologias, ou pessoas sem acesso à internet.

 

Compartilhe aqui:

RN renova estado de calamidade pública por causa da covid-19

 

O Diário Oficial do Estado do Rio Grande do Norte traz nesta quarta-feira (12) a renovação do estado de calamidade pública, em razão da crise de saúde decorrente da pandemia da covid-19 e suas repercussões financeiras no estado.

 

O primeiro decreto estadual de calamidade na pandemia é de 20 de março de 2020, Nº 29.534. Diante do aumento do número de casos de covid, com a chegada da variante ômicron, além da epidemia de influenza, o decreto Nº 31.264, de 11 de janeiro de 2022, autoriza os gestores a tomarem providências excepcionais necessárias para combater a disseminação do novo coronavírus em todo o território potiguar pelo prazo de 180 dias.

 

A medida se soma à nova fase da vacinação, que será aberta ainda em janeiro a crianças entre 5 e 11 anos de idade. Também garante às autoridades competentes a possibilidade de edição de atos normativos necessários à regulamentação e à execução dos atos administrativos em razão do estado de calamidade pública.

 

O decreto começa a valer a partir da publicação, mas será também encaminhado à Assembleia Legislativo para reconhecimento.

 

Confira a publicação: encurtador.com.br/elCX4.

 

Compartilhe aqui:

Latam cancela 49 voos por aumento de casos de Covid e gripe

 

A companhia aérea Latam informou em comunicado que irá cancelar 49 voos nacionais e internacionais nos próximos dias devido “ao recente aumento de casos de Covid-19 e de Influenza na população em geral”.

 

O total de viagens alteradas equivale a cerca de 1% de todos os voos programados pela companhia para o mês de janeiro. “A Latam lamenta essa situação, totalmente alheia à sua vontade”, informou a empresa, em nota. Veja a lista de voos afetados ao fim.

 

A companhia orienta a todos os viajantes que chequem a previsão de seu voo na página da companhia antes de se dirigir ao aeroporto. Os passageiros afetados poderão remarcar a viagem sem a cobrança de multa e da diferença tarifária, ou, ainda, solicitar o reembolso da passagem, também sem multa.

 

A companhia também informou que está permitindo que os passageiros diagnosticados com Covid-19 remarquem a data da passagem uma vez sem a cobrança de multa, mas pagando a diferença de preço, se houver.

 

“O cliente poderá viajar a partir de 14 dias após o diagnóstico da doença ou certificando que não está mais na fase de contágio”, diz a nota.

 

Compartilhe aqui:

Com variante Ômicron no RN, pesquisadores do Lais alertam para cuidados com eventos de massa

 

Pesquisadores do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (Lais/UFRN) divulgaram, neste sábado (8), um novo relatório com análise do cenário epidemiológico da covid-19 no Rio Grande do Norte. Dentre os pontos destacados, está o alerta para os cuidados com os eventos em massa esperados para os meses de janeiro e de fevereiro de 2022. Para os especialistas, com a recente chegada da variante Ômicron no estado potiguar, é fundamental ampliar as medidas de segurança sanitária.

 

“Neste momento de expansão da transmissão da variante Ômicron no Brasil, nenhum evento de massa deve ser autorizado sem as garantias sanitárias e sem um rigoroso processo de controle e fiscalização”, alerta o Lais. Os pesquisadores também recomendam que, por precaução, “caso seja observado um aumento das internações em leitos de UTI covid-19 que impacte em mais de 60% da taxa de ocupação, considerando um cenário de 250 leitos UTI covid-19 disponíveis na rede SUS do RN, nenhum evento de massa deverá ser autorizado até que a taxa de ocupação retorne aos mesmos patamares atuais”.

 

Dentre as medidas sanitárias sugeridas pelos especialistas para a promoção de eventos de massa, está a exigência do passaporte de imunização contra a covid-19, demonstrando que o indivíduo está totalmente vacinado, e também, para aqueles que não tomaram a dose de reforço (D3), a comprovação do teste PCR com 72 horas ou teste de antígeno com 48 horas. “Essa medida deve ser aplicada para eventos públicos e privados. Então é fundamental que as autoridades públicas, bem como as empresas/instituições responsáveis pela organização destes eventos, garantam a rigorosa fiscalização e implementação destes critérios. A testagem associada à vacinação completa deve ser exigida para eventos de massa até que o RN consiga atingir no mínimo 80% de sua população adulta com a D3”, ressaltou o Lais.

 

Variante Ômicron 

 

Na última semana, a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) divulgou o registro de dois casos de infecção pela variante Ômicron no Rio Grande do Norte. No entanto, para os pesquisadores do Lais, embora a confirmação seja um importante indício da disseminação comunitária dessa variante no estado, “não há, até o momento, impactos significativos da disseminação”. Além disso, os óbitos em decorrência da covid-19 continuam com tendência de redução, inclusive entre os idosos.

 

“Como não há testagem e sequenciamento de cepas virais em massa no Brasil para covid-19, torna-se mais difícil notificar com precisão o número de novos casos causados por essa variante, assim como ocorre na União Europeia e nos Estados Unidos. Neste contexto, ainda é precoce afirmar que o que está acontecendo em outros países em relação à variante Ômicron também irá ocorrer no Brasil, uma vez que tais análises apressadas e catastróficas fracassaram no caso da variante Delta. Portanto, a realização de análises balizadas com dados reais e ponderando o potencial de disseminação de cada variante deverá ocorrer enquanto perdurar a pandemia, acompanhando com cautela a evolução desta variante em nosso país”, disse a análise.

 

Ainda de acordo com o Lais, o que se pode afirmar neste momento é que o processo célere de imunização no RN tem criado um ambiente favorável de resposta à grave crise de saúde pública provocada pela covid-19. “A ação consorciada e de cooperação entre o estado e os municípios têm produzido resultados importantes na melhoria de todos os indicadores da pandemia. Isso é algo significativo, pois exige um planejamento e uma execução bastante complexa e que envolve vários atores da sociedade. A vacinação, certamente, é um dos fatores que pode ter favorecido a mitigação dos impactos da covid-19 e a resposta à variante Delta no RN”, acrescentou.

 

Eventos cancelados

 

No Rio Grande do Norte, cidades como Areia Branca, Apodi, Tibau e Tibau do Sul – onde fica localizada a praia de Pipa, já anunciaram o cancelamento das festas de carnaval de 2022. Além do aumento de casos de covid-19 e da recente chegada da variante Ômicron, as prefeituras também justificaram a decisão diante do surto de gripe que assola o Brasil.

 

A Prefeitura de Natal, capital potiguar, ainda não se posicionou oficialmente sobre a realização dos festejos. Decisão deve vir após reunião do Comitê Científico, que deve ocorrer na próxima semana. Pelo menos 14 capitais do país já cancelaram eventos públicos.

 

Compartilhe aqui:

Covid-19: infecções no mundo aumentaram 70% na semana passada, diz OMS

 

As infecções no mundo pelo coronavírus aumentaram na semana passada 70%, índice inédito, e as mortes baixaram 10%, mostra boletim epidemiológico semanal da Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

Entre 27 de dezembro e 2 de janeiro houve no mundo 9,5 milhões de contágios confirmados, número que quase duplica os recordes semanais anteriores, e 41 mil mortes. É a quarta semana consecutiva de diminuição de óbitos.

 

A Europa, que voltou a ser o epicentro da pandemia de covid-19 devido à variante Ômicron do SARS-CoV-2, mais transmissível, concentrou mais da metade dos casos (5,3 milhões) e mortes (22 mil) mundiais.

 

Segundo o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, “o maior número de casos notificados até agora ocorreu na semana passada” e, ainda assim, pode estar subestimado.

 

O aumento de novos casos foi da ordem de 100% na América e de 65% na Europa. As mortes por covid-19 baixaram 18% e 6% nas duas regiões, respectivamente.

 

Se for mantido o ritmo de contágios na Europa, que totaliza 103 milhões de infecções desde o início da pandemia, em 2020, o continente superará a América (104 milhões) em número de casos confirmados.

 

De acordo com a OMS, as mortes diminuíram na semana passada 7% no sul da Ásia, mas os novos contágios aumentaram 78%.

 

Na África, onde foi detectada inicialmente a variante Ômicron, as infecções subiram apenas 7%, o menor percentual, mas as mortes cresceram 22%.

 

Nesse continente, a maioria da população continua sem se vacinar – as vacinas contra covid-19 em circulação previnem a doença grave e a morte, mas não evitam a infecção e transmissão do vírus.

 

O boletim da OMS mostra ainda que foram administradas mais de 9,3 mil milhões de doses de vacinas contra covid-19, que permitiram imunizar 59% da população mundial com pelo menos uma dose. Nos países mais pobres, a maioria na África, esse índice baixa para 8,8%.

 

O relatório semanal não registra dados sobre a presença das diferentes variantes do coronavírus nas novas infecções, mas em vários países, a Ômicron já é dominante.

 

A covid-19 provocou mais de 5,4 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia.

 

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 19,05 mil pessoas e foram contabilizados 1, 53 milhão de casos de infecção, de acordo com dados atualizados da Direção-Geral de Saúde.

 

A covid-19 é uma doença respiratória causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detectado há dois anos em Wuhan, cidade do centro da China, e que se disseminou rapidamente pelo mundo.

 

Atualmente, segundo a classificação da OMS, existem cinco variantes de preocupação do SARS-CoV-2, sendo que a Ômicron, mais recente, é a mais contagiosa.

 

Apesar de sua elevada capacidade de transmissão, essa variante é menos maligna quando comparada com a antecessora Delta. Na maioria dos casos, tem se revelado assintomática ou provocado sintomas ligeiros.

 

O diretor-geral da OMS alertou para o risco de se desvalorizar a Ômicron, afirmando que embora a variante se mostre menos grave, especialmente entre as pessoas vacinadas, “isso não significa que possa ser classificada como ligeira”.

 

Compartilhe aqui:

Jovem indígena carrega pai por 6 horas para tomar vacina contra Covid-19

 

Um jovem indígena precisou carregar o próprio pai por mais de seis horas para levá-lo tomar vacina contra Covid-19. Uma foto da viagem, tirada pelo médico Erik Jennings, viralizou nas redes sosicias.

 

Tamy Zoé andou por quilômetros dentro da mata fechada da floresta amazônica até chegar ao posto de saúde mais próximo. Foram seis horas para ir e mais seis para voltar.

 

A aldeia da etnia Zoé fica localizada na região norte do Pará, entre os rios Cuminapandema e Erepecuru. Ao publicar o registro, o mécio Jennings relatou o enfrentamento da pandemia nas aldeias indígenas.

 

“Chega o ano de 2022 e não se registrou nenhum caso de Covid-19 na população Zoé. Tawy carregou o pai por 6 horas dentro de uma floresta com morros, igarapés e obstáculos até a nossa base. Feita a vacina, colocou o pai nas costas novamente e andou por mais 6 horas até sua aldeia”, escreveu.

 

Compartilhe aqui:

Estados Unidos têm número recorde de crianças hospitalizadas com Covid-19

 

Mais crianças estão sendo hospitalizadas com Covid-19 do que nunca nos Estados Unidos, à medida que o domínio da variante Ômicron se intensifica.

 

Uma média de 672 crianças foram admitidas em hospitais do país todos os dias com Covid-19 durante a semana que terminou no domingo (2), o maior número da pandemia, de acordo com dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

 

Isso segue um número recorde de novos casos entre crianças, de acordo com a Academia Americana de Pediatria (AAP).

 

Os EUA tiveram mais de 325.000 novos casos entre crianças durante a semana encerrada em 30 de dezembro, de acordo com dados publicados esta semana pela AAP. O dado marca um aumento de 64% em novos casos na infância em comparação com a semana anterior, disse a AAP.

 

Cerca de 1.045 crianças menores de 18 anos morreram de Covid-19, disse o CDC. E em todas as faixas etárias, as hospitalizações por Covid-19 alcançaram um novo marco.

 

Na terça-feira (4), 112.941 americanos foram hospitalizados com Covid-19, de acordo com dados do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos.

 

O novo número excede em muito o pico de hospitalizações durante o aumento repentino da variante Delta – quase 104.000 no início de setembro. Também está crescendo em direção ao número alto e pandêmico de pacientes com Covid-19 hospitalizados em um único dia – 142.246, em 14 de janeiro do ano passado.

 

“Infelizmente, esta é a consequência de uma variante altamente transmissível, a variante Ômicron”, disse o cirurgião-geral dos Estados Unidos, dr. Vivek Murthy, à CNN na terça-feira.

 

Em apenas quatro semanas, a Ômicron saltou de cerca de 8% das novas infecções por Covid-19 para cerca de 95% das novas infecções, de acordo com o CDC.

 

A variante Ômicron é até três vezes mais infecciosa do que a variante Delta, disse o CDC. Agora, mais unidades de terapia intensiva hospitalar estão quase lotadas.

 

CNN Brasil

 

Compartilhe aqui:

Movimentação intensa marca 1° dia de funcionamento do novo Centro de Enfrentamento às Síndromes Gripais

 

O Centro de Enfrentamento às Síndromes Gripais, no Ginásio Nélio Dias, começou a funcionar nesta quarta-feira (05) e registrou intensa movimentação ao longo de todo o dia. O centro, localizado na zona norte de Natal, é o segundo montado pela Prefeitura de Natal para atender a grande demanda de pacientes com sintomas de gripe. Nas primeiras horas, já se podia verificar grande procura por atendimento médico.

 

O Centro, que está atendendo principalmente pessoas da Zona Norte de Natal, conta com médicos, medicamentos e exames para fazer o diagnóstico preciso da doença. Além do acolhimento, da classificação de risco, da consulta médica, estão sendo realizados testes rápidos de covid, estabilização e encaminhamento, quando necessário, para outro ponto de atenção, como as Unidades de Pronto Atendimento, que estão recebendo os casos com sintomas mais graves.

 

Esta nova unidade, a primeira está funcionando no Cemure desde o último dia 29 de dezembro, está aberta ao público todos os dias da semana, das 9h às 17h. “Tendo em vista os milhares de casos das síndromes gripais que estão acometendo as pessoas da nossa cidade, lotando as UPAs e unidades de saúde, abrir este segundo Centro de Enfrentamento foi uma decisão acertada. Estamos disponibilizando mais esta estrutura para este número crescente de atendimento. Além de toda a estrutura montada, as pessoas ainda contam com a aplicação da vacina da Covid”, afirmou o prefeito Álvaro Dias.

 

Para receber atendimento, é necessário apresentar documento com foto, comprovante de residência e cartão do SUS. Para Elisângela Costa, 39 anos, a abertura do Centro no Ginásio Nélio Dias foi providencial pela proximidade de casa e pela boa estrutura montada para atender as pessoas. “Estou com febre, dor no peito e muita tosse. Assim que soube da abertura deste Centro aqui no Nélio Dias eu corri. Aqui está ventilado, tem espaço para ficarmos afastados uns dos outros. Um atendimento melhor ou igual ao das UPAS. Estou aguardando para ser atendida ainda, mas entendo que hoje é o primeiro dia de funcionamento e com essa visita do prefeito aqui só vai melhorar”, reconheceu.

 

No caso de D. Maria Zélia, 72 anos, com diabetes e hipertensão, foi necessário encaminhá-la direto para a estabilização com suporte de oxigênio. “Agora eu sei que vou melhorar. Vim para o lugar certo. Meu filho me trouxe e fui logo atendida. Agradeço ao prefeito pelo que ele tem feito por nós”, afirmou.

 

No último dia 29, a Prefeitura abriu o 1º Centro de Enfrentamento às Síndromes Gripais no Cemure, zona Oeste da capital, que já atendeu cerca de 1.500 pacientes desde então.

 

Compartilhe aqui:

Pacientes com sintomas gripais formam fila no hospital Flaviana Jacinta, em Grossos

 

Dezenas de pessoas com sintomas gripais formam uma grande fila na noite desta segunda-feira (03), em busca de atendimento no hospital municipal Flaviana Jacinta, em Grossos.

 

“A maioria deles com sintomas gripais, como tosse, dor de garganta, coriza e febre”, disse a secretária de saúde, Anny Arielly, em contato com o Facho.

 

Recentemente, a Secretaria de Saúde do RN admitiu que o estado já vive um surto de síndrome gripal. Outros estados do país também estão passando atualmente por um aumento de casos de síndrome gripal neste período do ano. Na Região Metropolitana do Rio de Janeiro foi confirmada epidemia de gripe.

 

O aumento de casos de gripe acende o alerta para adoção das medidas de combate a influenza, que é:

 

• Usar máscara;
• Praticar o distanciamento social ao máximo;
• Lavar as mãos/usar álcool na higienização com frequência;
• E principalmente manter a vacinação em dia contra a influenza e completar o esquema vacinal contra a COVID-19.

 

 O Facho de Grossos

 

Compartilhe aqui: