22/12/2020
Por Edilson Silva em Astronomia, Jucurutu

Conjunção entre Júpiter e Saturno pode ser observada nos céus de Jucurutu/RN

Blog Edilson Silva – Épico: Júpiter e Saturno juntos no horizonte ao cair da tarde em 21 de dezembro de 2020. Meus olhos já viram coisas encantadoras, mas nada comparado a conjunção dos planetas que resultou na Estrela de Belém ou Estrela de Natal. Um evento grandioso que só voltará acontecer em algumas partes do mundo por volta de 2080, não com a mesma riqueza de detalhes; e depois disso somente por volta de 2.400. Observei aqui de Jucurutu/RN (Nordeste Brasileiro) e foi algo de uma magnitude fora do normal. Provavelmente quando voltar ocorrer não estaremos por aqui no planeta Terra para registrar, por isso deixo essa linda imagem para que nossos filhos e os filhos dos nossos filhos possam contemplar a grandeza do universo e reconhecer seu criador: Deus 🙏

Fotos: https://www.instagram.com/edilson104/


22/12/2020
Por Edilson Silva em Astronomia, Mundo

Estrela de Belém: veja FOTOS da conjunção entre Júpiter e Saturno

G1 – Júpiter e Saturno, os dois maiores planetas do sistema solar, se alinham nesta segunda-feira (21) em um evento raro, conhecido como “Estrela de Belém”, “Estrela de Natal” ou “grande conjunção”. O fenômeno é visível a olho nu e não acontece desde a Idade Média.

A pesquisadora Josina Nascimento, do Observatório Nacional, explica que ainda será possível visualizar o evento astronômico ao menos na terça-feira (22).

De acordo com os pesquisadores que participaram de uma transmissão promovida pelo Observatório, nos próximos dias, os planetas tendem a ficar cada vez mais baixos no horizonte no começo da noite e irem se afastando cada vez mais um do outro, deixando de parecer como uma estrela única.

Nesta segunda, o evento atingiu seu ponto máximo, e nos próximos dias os planetas começam a se mostrar como dois pontos no horizonte.


14/12/2020
Por Edilson Silva em Astronomia, Mundo

Eclipse solar total escurece e emociona o sul do Chile e Argentina

O céu ficou completamente escuro por cerca de dois minutos nesta segunda-feira (14) no sul do Chile e Argentina por causa de um novo eclipse solar total. O fenômeno comoveu as milhares de pessoas que se deslocaram para essas áreas para ver o espetáculo natural.

A noite começou a cair por volta das 13h00min locais (mesmo horário em Brasília). Uma leve brisa antecedeu o fenômeno, ocorrido em meio à alegria das pessoas na praia, aos pés do Lago Villarrica, na cidade de Pucón, na região de La Araucanía, aproximadamente 800 km ao sul de Santiago, parte da “zona zero” de escuridão total deste novo eclipse solar, o segundo presenciado no Chile depois de julho de 2019.

Chuva, vento e nuvens cobriram os céus do sul do Chile e da Argentina durante toda a manhã. Mas no momento do eclipse no sul do Chile, um círculo se abriu entre as nuvens e o sol.

“Foi lindo, único. A verdade é que ninguém tinha muita esperança de vê-lo por causa do tempo e das nuvens, mas foi algo único porque clareou. Foi um milagre”, contou, animado, Matías Tordecilla, de 18 anos, à AFP. “É algo que não se vê apenas com os olhos, mas se sente com o corpo”, acrescentou este jovem, que viajou 10 horas por terra com sua família da cidade de Viña del Mar a Pucón para ver o eclipse.

Milhares de pessoas vieram de diferentes partes do Chile para esta cidade turística, apesar dos pedidos para “ficar em casa” para evitar a propagação do novo coronavírus. No momento do eclipse, Cinthia Vega, moradora de Pucón, sentiu “calafrios”.

Em Carahue, outra cidade do sul do Chile, mais perto da costa, o eclipse foi visto em um clima calmo, com muitas orações Mapuche – os indígenas e primeiros habitantes do Chile e da Argentina – que veem neste fenômeno o fim de uma era e o início de um novo processo de mudança.

Em Santiago, capital do Chile, o fenômeno também pôde ser apreciado. O céu escureceu um pouco e a temperatura caiu.

Apesar das restrições à mobilidade para evitar a propagação de casos de covid-19, cerca de 300.000 turistas viajaram ao sul do Chile para ver ao vivo o momento em que a Lua, o Sol e a Terra estavam alinhados, transformando o meio-dia em noite, tendo como pano de fundo a vegetação abundante e os imponentes vulcões que esta região do sul do Chile oferece.

Argentina

Depois de passar pelo Chile, o eclipse foi vivido com igual emoção no sul da Argentina. Na província argentina de Neuquén não choveu, mas durante a manhã surgiu um vento muito forte que atrapalhou a visibilidade.

Na rota 237, entre Villa El Chocón e Piedra del Águila, havia um acampamento onde várias famílias e estrangeiros aguardavam a chegada do eclipse. Um grupo relatou a odisseia de chegar à Argentina em meio à pandemia e conseguir diversos documentos para chegar a Bariloche e, finalmente, no acampamento, uma jornada que inclui a coleta de ao menos três cotonetes para exames e a contratação de seguro saúde.

Visão Mapuche

Para o povo indígena Mapuche, que concentra grande parte de suas comunidades nesta região do Chile, o eclipse tem um significado especial e anuncia mudanças a curto e longo prazo, abrindo a página para um novo ciclo.

Quando a Lua cobre o Sol, ela traz uma mensagem de mudança, às vezes negativa, mas também de equilíbrio.

Assim, alguns mapuches atribuíram as mudanças sociais e políticas que abalaram o Chile desde outubro de 2019 ao eclipse solar total ocorrido em 2 de julho daquele ano em uma espécie de festa massiva no deserto do norte do país.


14/12/2020
Por Edilson Silva em Astronomia, Brasil

Eclipse solar total: saiba onde e quando poderá ser visto o fenômeno de 14 de dezembro no Brasil

É um eclipse solar que pode ser visto parcialmente em vários países da América do Sul, como o Brasil, e outras regiões do mundo. Mas que poderá ser visto em sua totalidade em pontos do Chile e da Argentina.

Por 24 minutos, a lua nova vai passar sobre a face do Sol e cobri-lo completamente por pouco mais de dois minutos, explica a astrônoma Tania de Sales Marques, do Observatório Real de Greenwich, em Londres, Reino Unido.

O chamado caminho da Lua faz com que o dia se transforme em noite por alguns minutos.

O professor do departamento de astronomia do IAG, da USP, Roberto Costa disse à BBC News Brasil que no Brasil só será possível visualizar o fenômeno de maneira parcial.

No Rio Grande do Sul, cerca de 60% do disco do Sol estará encoberto pela Lua. No Paraná, aproximadamente 50% e em São Paulo e Rio de Janeiro, em torno dos 40%”, afirmou.

Segundo o professor, o eclipse parcial começará às 11h33 no horário de Brasília e terminará às 15h53.

Mas quem estiver nos pontos privilegiados para curtir o fenômeno deve tomar alguns cuidados para que seus olhos não sofram danos. E, nesta pandemia de 2020, também manter o distanciamento social, alertam os especialistas.

G1


09/12/2020
Por Edilson Silva em Astronomia, Mundo, Religião

“Estrela de Belém” ou “Estrela do Natal”’: fenômeno raro que acontece há cada 400 anos poderá ser visto no dia 21

Um fenômeno astronômico raro poderá ser observado do Brasil e de praticamente toda a Terra de 16 a 21 de dezembro deste ano. Será o alinhamento de Júpiter e Saturno, que estarão próximos e devem parecer um planeta duplo (dois pontos brilhantes).

Essa formação é conhecida como “Estrela de Belém” ou “Estrela do Natal”. No último dia do período, 21 de dezembro, a distância entre eles deve ser ainda menor. O fenômeno ficará visível após o pôr do sol. Os dois planetas só estiveram tão perto nos anos 1623 e 1226 – ou seja, séculos atrás.

As conjunções são raras porque cada planeta demora um tempo diferente para girar em torno do Sol. A Terra, por exemplo, leva 1 ano. Já os planetas Júpiter e Saturno completam a volta em cerca de 12 e 30 anos, respectivamente.

“Todos os corpos celestes estão em movimento. Em especial, o Sol e os planetas se movimentam em uma linha no céu chamada Eclíptica. Quando ocorre um cruzamento entre os planetas a gente chama de conjunção”, afirma Felipe Navarete, pesquisador do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP (IAG-USP).

Segundo astrônomos, Júpiter e Saturno estiveram tão próximos pela última vez em 1623. O fenômeno mais similar, porém, ocorreu no século 13, há quase 800 anos.

O pesquisador do IAG-USP diz que, apesar de os planetas estarem próximos, a distância ainda vai ser de quase 700 milhões de quilômetros. “Esse efeito, essa conjunção ocorre a cada 400 e poucos anos. Século 13, século 17 e agora 21. Encontros semelhantes podem acontecer mais frequentemente, mas as máximas aproximações no céu são bem raras e demoram mais tempo para ocorrer.”

“Ao longo dos dias a distância entre os pontos vai diminuir. No dia 21 será a distancia mínima. A olho nu você consegue separar os planetas: Júpiter e Saturno. Júpiter será mais brilhante. A olho nu vai dar para ver, embora não dê para enxergar os detalhes. Com binóculo pequeno você já consegue começar a ver melhor os detalhes”, afirma Navarete.

“Júpiter e Saturno são os maiores planetas do sistema solar. São também os planetas com mais luas. Júpiter desempenha um papel muito grande porque graças a ele a gente não tem muitos asteróides que poderiam colidir com a Terra. Ele segura os asteróides a uma distância segura da gente.”

Navarete destaca ainda que esse fenômeno astronômico raro será um dos assuntos tratados em uma palestra, transmitida pelo canal do instituto no YouTube, às 19h desta terça-feira (8). O evento é organizado pelo projeto “Astronomia Para Todos”.

“Devemos olhar na direção do pôr do sol. Logo depois do pôr do sol, a gente vê um pouco mais acima do horizonte. Fica mais visível num horizonte mais limpo.”

G1


24/11/2020
Por Edilson Silva em Astronomia, RN

Potiguares registram passagem de foguete chinês sobre o céu do Estado

Potiguares registraram a passagem do foguete chinês Chang’e-5 sobre o céu do Estado na noite desta segunda-feira (23). Em imagens obtidas pelo Portal N10, é possível ver, mesmo que de longe, a espaçonave em movimento.

O foguete foi lançado pela China nesta terça-feira (horário local) em direção à superfície lunar, com o objetivo de ser a primeira nação a trazer de volta rochas lunares e amostras de solo em mais de quatro décadas, segundo o The New York Times.

Conforme o jornal americano, a missão é a última etapa do programa espacial que a China espera culminar com uma estação de pesquisa lunar internacional e, finalmente, uma colônia humana na Lua por volta de 2030.

O perfil @apaixonadosporaviacao explica que a “nuvem” brilhante que apareceu no céu não só do Rio Grande do Norte, como em vários pontos do Brasil, “é a ejeção dos gases de queima que dão o empuxo para o foguete sair da Terra com missão para a Lua”. A passagem do foguete também pôde ser vista em cidades nos estados como Bahia, Ceará e Piauí.


03/08/2020
Por Edilson Silva em Astronomia, Mundo

Cápsula da SpaceX retorna à Terra após dois meses em órbita

A cápsula da SpaceX que levou dois astronautas norte-americanos à Estação Espacial Internacional no fim de maio retornou à Terra na tarde deste domingo, 2, após pouco mais de dois meses em órbita. O jornada noturna de volta com os tripulantes Bob Behnken e Doug Hurley durou 21 horas e o pouso ocorreu às 15h49 (horário de Brasília) no Golfo do México, na costa de Pensacola, na Flórida.

No dia 30 de maio, o foguete Falcon 9 deixou o solo americano pontualmente às 16h22 e chegou à estação no dia seguinte, às 11h16. Após o lançamento, os astronautas fizeram uma viagem de 19 horas a bordo da cápsula Crew Dragon até atingir o destino.

Junto com a Nasa, a SpaceX, empresa do bilionário Elon Musk, fez história: pela primeira vez desde 2011, a agência espacial realizou uma missão tripulada saindo dos Estados Unidos.

Foi também a primeira vez que uma companhia privada lançou astronautas em órbita – até então, apenas as espaçonaves governamentais chegavam a tais alturas. Além disso, foi um voo simbólico: o foguete saiu da mesma plataforma de lançamento do Centro Espacial Kennedy, na Florida, que içou a tripulação da Apollo 11 à Lua.

“Em nome das equipes SpaceX e Nasa, bem-vindos de volta ao planeta Terra. Obrigado por pilotar a SpaceX “, disse o controle da missão SpaceX durante a queda. Para a sequência de retorno, propulsores a bordo e dois conjuntos de para-quedas trabalharam autonomamente parareduzir a velocidade da cápsula.

Durante a reentrada na atmosfera da Terra, a concha externa da cápsula resistiu a temperaturas de até 1.926ºC, enquanto Behnken e Hurley, vestindo trajes de voo brancos da SpaceX amarrados dentro da cabine, experimentaram 29ºC. A tripulação passará até uma hora flutuando dentro da cápsula antes das equipes da SpaceX e da Nasa os recuperarem para uma viagem de helicóptero em terra. Lá, a dupla passará por exames médicos antes de um voo para Johnson Space Center em Houston, no Texas.


16/07/2020
Por Edilson Silva em Astronomia, Nordeste

Meteoro brilhante é visto no céu do Nordeste; veja o vídeo

Meteoro no Nordeste do Brasil

O universo e seus mistérios. Um meteoro foi visto no céu do Nordeste na noite de ontem, 15 de Julho 2020. O objeto chamou atenção e foi registrado de diversos lugares.

Publicado por Blog do Edilson Silva em Quinta-feira, 16 de julho de 2020

Um grande bólido – um meteoro brilhante que explode na atmosfera – foi observado no Sertão do Pernambuco e estados vizinhos na noite dessa quarta-feira (15), segundo a ONG Rede Brasileira de Observação de Meteoros (Bramon).

O fenômeno, que entrou na atmosfera perto da cidade de Serra Talhada, no Pernambuco, foi registrado às 18h59 por sete câmeras do portal Clima Ao Vivo, parceiro da Bramon.

Alguns moradores de Pernambuco, Paraíba, Ceará e Bahia disseram ter acompanhado o evento. A Bramon busca agora reunir os relatos dessas testemunhas para determinar a trajetória e as características do bólido, como tamanho e massa. O assunto ganhou muito destaque nas redes sociais.

De acordo com a ONG, análises preliminares mostram que o fenômeno passou pelas cidades de Princesa Isabel, na Paraíba, e Carnaíba, em Pernambuco. A partir daí, seguiu na direção sudeste e desapareceu no céu ao sul do município pernambucano de Arcoverde.


09/03/2020
Por Edilson Silva em Astronomia

Superlua ocorre nesta segunda, 9 de março

Você já olhou para o céu e teve a sensação de que a Lua parecia maior e mais brilhante? Essa situação pode ser uma consequência da Superlua, evento astronômico que acontece regularmente. Amanhã, segunda-feira, 9 de março (09/03), será possível observar o fenômeno a partir das 19 horas. O próximo e último do ano ocorrerá um mês depois, em 8 de abril. Com datas próximas, os dois dias finalizam essas ocasiões astronômicas de 2020.

A órbita da Lua é elíptica, por isso, existem momentos em que está mais próximo ou mais distante do nosso planeta. Além disso, as fases do satélite natural mudam em um período que pode ser considerado semanal.

Então, quando a Lua está cheia e na posição mais próxima da Terra, ocorre o que é chamado de Superlua. Por isso, fica até 14% maior e 30% mais brilhante que o normal.

Apesar de ser um evento relativamente previsível, as datas dos anuários astronômicos às vezes variam de acordo com o observatório que pesquisou. Ou seja, existe uma divergência entre o intervalo de tempo do perigeu (ponto mais próximo de um astro ou satélite da Terra) e a Lua cheia.


09/02/2020
Por Edilson Silva em Astronomia, Jucurutu

‘Lua de Neve’ pode ser vista de Jucurutu na madrugada de sábado para domingo

O #BlogEdilsonSilva registrou na madrugada de sábado (08), para domingo (09), a ‘Lua de Neve’, primeira superlua de 2020, vista do município de Jucurutu.

Quem acordou no horário pode acompanhar um verdadeiro espetáculo nos céus do Seridó.

O fenômeno que pode ser observado a olho nú, deixou a noite super iluminada.

Lua de Neve – O que significa?

A madrugada de sábado (8 de fevereiro) para domingo foi marcada pela ‘Lua de Neve’, primeira superlua de 2020. O melhor período para observar a lua foi entre às 23h30 de sábado e 0h30 de domingo, quando a lua atingiu seu ponto mais alto no céu.

De acordo com o EarthSky, a ‘Lua de Neve’ deste fim de semana será a quarta mais cheia e mais brilhante. O fenômeno ganhou esse nome de tribos nativas da América do Norte, que enfrentavam a neve nesse período. Também há registros de antigas comunidades da Europa que adotavam o nome, pelo mesmo motivo. Em fevereiro, é inverno no Hemisfério Norte.


23/06/2019
Por Edilson Silva em Astronomia, Tempo

Meteoro visto no Nordeste se deslocou a 72 mil km/h sobre o RN

O meteoro visto esta semana em cidades de Pernambuco, da Paraíba e do Ceará, surgiu e desapareceu sobre o Rio Grande do Norte. A revelação foi feita após o cruzamento de imagens de câmeras de monitoramento que registraram a passagem do fragmento de rocha espacial.

As informações são da Rede Brasileira de Observação de Meteoros (Bramon). Um dos registros foi feito na estação da rede em João Pessoa (PB). Outras quatro câmeras do portal Clima Vivo, de informações meteorológicas, também registraram o meteoro em Araripina, Cabrobó e Ouricuri (todas PE); e em Juazeiro do Norte (CE).

A partir dessas imagens, feitas dia 19 de junho, os especialistas da Bramon conseguiram calcular a rota do meteoro: ele apareceu a 91,2 quilômetros de altura próximo à cidade de Cerro Corá; e se deslocou até sumir a cerca de 39,6 quilômetros de altitude sobre a cidade de Cruzeta.

Esse trajeto foi feito em cerca de 4 segundos numa velocidade estimada de 72 mil km/h (20 km/s). Também de acordo com a Bramon, o fenômeno foi causado “por um fragmento de rocha espacial de cerca de 1,5 Kg que atingiu a atmosfera em altíssima velocidade”.

Em geral, a resistência atmosférica e o calor gerado na entrada desintegram completamente essas rochas. Mas há casos nos quais o fragmento resiste a isso e consegue atingir o solo. No caso desse meteoro sobre o RN, tudo indica que ele foi totalmente consumido.

Segundo o site da Bramon, a Terra atravessa atualmente uma região do espaço cheia de fragmentos rochosos, restos de um cometa que se partiu há cerca de 20 mil anos. Por este motivo, o monitoramento de meteoros foi intensificado.

De acordo com a Rede, “existe uma suspeita que um desses fragmentos atingiu a Terra no dia 30 de junho de 1908 na região de Tunguska, na Sibéria”. Esse evento foi tão violento que devastou completamente uma área mais de 2.000 Km² de floresta.

Motivado por este acontecimento foi criado o movimento global “Asteroid Day” (Dia do Asteróide), que ocorre anualmente exatamente no dia do evento de Tunguska, 30 de junho. Um dos idealizadores disso foi o ex-guitarrista da banda Queen, Brian May, que é astrofísico.

A ideia é que no dia do evento, várias ações ao redor do mundo são promovidas para alertar sobre o risco de um impacto do tipo à Terra. E também são discutidas ações que podem ser promovidas para evitar os danos de um desastre do tipo. A Bramon é uma organização aberta e colaborativa, mantida por voluntários e colaboradores e sem fins lucrativos


21/01/2019
Por Edilson Silva em Astronomia, Eventos, Jucurutu

Próxima Lua de Sangue será visível no Brasil em 2022

Quem conseguiu ficar acordado na madrugada desta segunda-feira (21) assistiu a um espetáculo raro da astronomia, o eclipse total de uma superlua. O fenômeno começou por volta de 0h30 de hoje, quando a Lua começou a entrar na sombra da Terra e teve início o eclipse parcial.

Pouco depois das 1h30 começou o eclipse total, ou seja, a chamada Lua de Sangue, que é quando o satélite está completamente na sombra da Terra e adquire uma cor avermelhada. O fenômeno durou aproximadamente uma hora.

Segundo a pesquisadora do Observatório Nacional Josina Nascimento, o próximo eclipse total da Lua está previsto para 2021, mas não será visível em todo o território nacional e em todas as suas fases.

A próxima Lua de Sangue visível para os brasileiros ocorrerá somente em 16 de maio de 2022, segundo a previsão dos pesquisadores.

Veja nas imagens do #BlogEdilsonSilva

Conseguimos gravar este vídeo às 02h da madrugada de hoje (21/01), quando acontecia o espetáculo do eclipse total da superlua, ou seja, a chamada Lua de Sangue, que é quando o satélite está completamente na sombra da terra e adquire uma cor avermelhada. É algo simplesmente extraordinário e místico. #EclipseTotal #SuperLua #LuaDeSangue #BlogEdilsonSilva

Publicado por Blog do Edilson Silva em Segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

 


26/07/2018
Por Edilson Silva em Astronomia

Maior eclipse total da Lua do século XXI ocorre nesta sexta

Olhar para o céu no início da noite de amanhã (27) será um convite obrigatório. A partir das 16h30 começa o eclipse lunar mais longo do século 21, que deve durar cerca de uma hora e 43 minutos. Em quase todo o planeta será possível acompanhar o fenômeno que, geralmente, ocorre duas vezes por ano, com um tempo de duração de 60 a 80 minutos, podendo durar até muito menos. Em 2015, por exemplo, a cobertura total da Lua durou apenas 12 minutos.


08/07/2018
Por Edilson Silva em Astronomia, Vídeo Blog

Um clarão visto no céu do Rio Grande do Norte intrigou moradores de várias cidades na noite deste sábado, (07)

Um clarão visto no céu do Rio Grande do Norte intrigou moradores de várias cidades na noite deste sábado, (07) por volta das 22h35. Os primeiros relatos sobre o ocorrido começaram a aparecer nas redes sociais.

Moradores das cidades de Mossoró, Areia Branca, Assú, Baraúna, Severiano Melo e até em cidades do Ceará como Icapui afirmaram terem presenciado o clarão. As primeiras informações são de que foi visto primeiramente uma bola de fogo e em seguida o clarão na direção do oceano.

“Vi claramente aqui na praia de São Cristóvão e iluminou todo mar. Me pareceu uma explosão de alguma coisa no espaço.”, relatou o internauta Daniel Fortunato.

Nota do Blog: Se foi algum fenômeno astronômico como uma queda de um meteorito ou uma tentativa de contato extraterrestre, ainda não sabemos. Vamos aguardar uma declaração oficial dos especialistas. De qualquer modo, é melhor não se assustar.

Veja:


22/06/2018
Por Edilson Silva em Astronomia, Ceará

Passagem de meteoro no Ceará é registrada por câmeras na Paraíba

A passagem de um meteoro pelo Ceará, na noite desta quarta-feira, foi registrada por câmeras de estações de monitoramento da Brazilian Meteor Observation Network (Bramon), em João Pessoa e Campina Grande. O ápice da passagem do meteoro foi na cidade de Icó, no Ceará. Mesmo a uma distância de mais de 500 quilômetros entre João Pessoa e Icó, a imagem pôde ser captada com clareza.

As imagens foram descobertas na manhã desta quinta-feira (21), quando os membros das Associação Paraibana de Astronomia (APA) perceberam o registro da estação que fica no bairro da Torre, em João Pessoa.


21/08/2017
Por Edilson Silva em Astronomia, RN

Eclipse parcial do sol poderá ser visto no RN

Na tarde desta segunda-feira, os potiguares poderão acompanhar um eclipse parcial do sol, o evento está previsto para começar, às 16:20 e só poderá ser visto totalmente nos EUA, mas não se desanimem, em algumas regiões do país a taxa de visibilidade será muito boa, na capital potiguar está taxa gira em torno de 36,1%. Reúna a família, separe a cadeira de praia e se prepara para acompanha um lindo fenômeno astronômico.

Natal

Inicio -16:24
Máximo – 17:14
Termino – 17:20
Visibilidade – 36,1%


11/04/2017
Por Edilson Silva em Astronomia

‘Lua rosa’ vai iluminar o céu nesta noite de terça-feira

Apesar de podermos ver a lua cheia a cada 29 dias, a que aparecerá no céu na noite desta terça-feira (11) não é como a que estamos acostumados a ver. Ela se chama “Lua rosa” e era especialmente importante para as antigas culturas, que seguiam o calendário lunar no lugar do solar.

A “Lua rosa” recebeu este nome graças às flores da mesma cor que costumavam aparecer precisamente nesta época, coincidindo com o equinócio vernal. Eram os nativos da América do Norte que assim chamavam este corpo celeste.

Este fenômeno é cheio de simbolismo, e não é por acaso que cristãos, judeus e hindus deram a estas datas um significado especial. Antigamente, a primeira Lua cheia de abril marcava a chegada da primavera, segundo informou o The Sun.

Apesar do seu nome, esta Lua não tem um motivo para ser precisamente cor de rosa, dado que a cor que vemos depende das condições ambientais como a poluição, nuvens e névoa.


26/02/2017
Por Edilson Silva em Astronomia, Jucurutu

Dia nublado decepciona quem tentou ver eclipse solar no Brasil

Foto: Edilson Silva

O dia nublado frustrou quem esperava observar o eclipse solar parcial no Brasil neste domingo (26). O fenômeno era esperado em algumas regiões do país entre 9h e 12h. No sul do Chile, Argentina, Angola e norte da Zâmbia, o eclipse seria anular (quando se vê toda a silhueta do Sol e apenas um anel de luz ao redor). Este foi o primeiro eclipse de 2017.

O eclipse solar anular ocorre quando a Terra, a Lua e o Sol se alinham. Mesmo quando estão alinhados perfeitamente, a Lua está muito longe da Terra para bloquear completamente a visão do Sol, e por isso perto do disco negro do satélite é possível ver um anel de luz do astro.


23/02/2017
Por Edilson Silva em Astronomia

Nasa encontra sistema solar com 7 planetas parecidos com a Terra

A Nasa anunciou nesta quarta-feira, 22, que encontrou um sistema solar parecido com o nosso a apenas 40 anos-luz de distância. Ao todo, são sete planetas do tamanho da Terra orbitando em volta de uma estrela.

De acordo com agência espacial, que foi capaz de encontrar o sistema através do telescópio Spitzer, três dos planetas estão dentro da “Zona Cachinhos Dourados”, que é uma área que permite a formação de água líquida na superfície do planeta. A referência ao conto infantil se dá pelo fato de que a distância do astro faz com que o corpo celeste não seja nem muito frio para a água congelar, nem quente demais para evaporar. Na história, a jovem rejeita os pratos que considera quente ou frio demais para consumir.

Esta é a primeira vez que os astrônomos descobrem um outro sistema solar com sete planetas aproximadamente do mesmo tamanho do nosso. Mas o mais importante é que a NASA calcula que, com as condições atmosféricas adequadas, todos os sete poderiam conter água – embora as chances sejam mais altas nos três que estão na Zona Goldilocks.

Além disso, caso seja comprovado a existência de oxigênio, metano, ozônio e dióxido de carbono em suas atmosferas, a possibilidade de existir vida nesses planetas é de 99%. O problema é provar que tais elementos existem.

O conjunto, batizado de Trappist-1, encontra-se no sistema Aquarius apenas cerca de 378 trilhões de quilômetros da Terra. Alguns dos planetas são capazes de completar a volta em torno da sua estrela entre 1,5 dia e 2,4 dias, sendo que o sexto planeta é capaz de fazer isso a cada 12 dias. O planeta mais externo ainda não foi definitivamente observado, mas acredita-se que tenha uma órbita de cerca de 20 dias.

Vale notar que, mesmo que o planeta tenha condições de abrigar vida, uma viagem até lá está fora de cogitação com a tecnologia atual. O objeto mais rápido que lançamos ao espaço foi a sonda New Horizons, que saiu da Terra a 52.000 quilômetros por hora. Nessa velocidade, a viagem até lá demoraria mais de 800 mil anos.


10/02/2017
Por Edilson Silva em Astronomia

Eclipse da Lua pode ser visto hoje em todo o Brasil

A chegada da lua cheia, nesta sexta-feira (10), será marcada por um fenômeno conhecido como eclipse penumbral. Ele poderá ser visto em todo o Brasil e em países da Ásia, Europa, África, do Oriente Médio e das Américas do Sul e do Norte.

O eclipse penumbral é um fenômeno astronômico que ocorre quando a lua entra na região da penumbra da Terra e resulta em uma variação do brilho da lua que dificilmente é notada.

A sombra projetada pela Terra tem duas partes denominadas umbra e penumbra. A umbra é uma região em que não há iluminação direta do Sol e a penumbra é uma região em que apenas parte da iluminação é bloqueada.




Facebook


Twitter