24/05/2018
Por Edilson Silva em Política

Greve: aliados do governo temem reação das ruas

Aliados de Michel Temer no Congresso desfiaram um novelo de críticas ao governo após o fracasso das negociações desta quarta (23) pelo fim da paralisação dos caminhoneiros. Líderes de siglas da base disseram que, de dentro do Planalto, a equipe do presidente não conseguiu antever o perigo embutido em uma trava no abastecimento de diversos setores. As notícias de corrida por combustíveis, confusão em aeroportos e alta nos preços de alimentos despertaram o temor de reação das ruas.

A alta nas bombas dos postos desencadeou várias quedas de braço no governo. O presidente Michel Temer,  que tenta ganhar tempo para negociar, ficou premido entre correntes que querem corte de impostos e as que defendem uma intervenção na política da Petrobras.

Analistas do mercado viram com preocupação a notícia de que a Petrobras vai  reduzir e congelar o preço do diesel por 15 dias. Por mais que o presidente da estatal, Pedro Parente, tenha dito que a medida não foi discutida com o Planalto, ela levantou suspeitas sobre a independência da empresa.


23/05/2018
Por Edilson Silva em Cultura, Política

Começa no Senado audiência para reconhecer o forró como patrimônio imaterial da cultura

A Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado, presidida pela senadora potiguar Fátima Bezerra, do PT, promove nesta quarta-feira, 23, audiência pública para debater ações em defesa da cultura do forró e o reconhecimento dele como patrimônio imaterial da cultura brasileira.

Marcada para as 9 horas, a discussão teve início com quase uma hora de atraso. Forrozeiros como Roberto do Acordeon, Deusa do Forró e Carol Beniguinho estão presentes na audiência.

No Twitter, Fátima  classificou a audiência como “um momento festivo e de importante reconhecimento da nossa cultura”.


23/05/2018
Por Edilson Silva em Política

Ministério Público Federal pede multa de R$ 300 mil a Bolsonaro por racismo

Ministério Público Federal (MPF) pediu ao Tribunal Federal da 2ª Região (TRF2) que aumente o valor da multa ao deputado federal Jair Bolsonaro (PSL/RJ), por declarações ofensivas a comunidades quilombolas. Em outubro do ano passado, a 26ª Vara Federal condenou o parlamentar a pagar R$ 50 mil pelas declarações.

O MPF pediu, no entanto, que o valor seja aumentado para R$ 300 mil, seis vezes mais do que a multa inicial. De acordo com o órgão, o valor da multa estabelecido pela Justiça, que deve refletir a gravidade do fato e a capacidade econômica do réu, não foi proporcional à conduta do parlamentar.


23/05/2018
Por Edilson Silva em Política

Defesa de Lula questiona evento de Moro com Dória

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresentou ao juiz de primeira instância Sérgio Moro uma exceção de suspeição pela sua participação em evento da empresa LIDE, do pré-candidato ao governo de São Paulo pelo PSDB João Dória Jr., com uso de foto e vídeo pelo político nas suas redes sociais dentro da sua pré-campanha ao governo de São Paulo. Os advogados também questionam o evento ter sido apoiado pela Petrobras, empresa que é parte como assistente de acusação em casos julgados por Moro.

A peça lembra os diversos eventos que Moro participou junto com João Dória, declarado opositor do ex-presidente Lula, quando este pleiteava a prefeitura de São Paulo contra o Partido dos Trabalhadores, e o evidente uso eleitoral por Dória da sua relação com o juiz.  Para os advogados houve quebra da imparcialidade objetiva e subjetiva do juiz no processo, dado seu evidente interesse pessoal na causa.

Caso Moro não reconheça sua suspeição, ela deve ser remetida para a análise do Tribunal Regional Federal da 4º Região. Os advogados querem que Moro preste esclarecimentos sobre as remunerações e custeio das suas despesas como palestrante no evento: quanto custou e quem pagou sua participação nas atividades com João Dória Jr., que junto com Pedro Parente, presidente da Petrobras, foram arrolados como testemunhas no caso.


21/05/2018
Por Edilson Silva em Política, Religião

Católicos fazem romaria a Aparecida do Norte para rezar pela libertação de Lula e a paz no Brasil

Neste domingo (20/05), católicos reuniram-se em Aparecida do Norte, no Vale do Paraíba (SP), para rezar pela libertação do Lula e Paz no Brasil.

A ideia partiu de dois grupos de Minas Gerais — o Movimento Mineiro de Fé e Política e o Fórum Político Interreligioso –, que decidiram organizar uma romaria até Aparecida do Norte.

Só que a iniciativa foi ganhando adeptos.

Resultado:  caravanas de diversas cidades do Brasil, principalmente de São Paulo, Minas, Rio de Janeiro e Brasília, se reuniram às 13h em frente à basílica antiga.

Da basílica antiga, os romeiros caminharam pela passarela até o Santuário de Aparecida, onde às 14h assistirão a uma missa. 

Aconteceu ainda caminhadas de Guaratinguetá e Roseira,  duas cidades do Vale do Paraíba, até Aparecida do Norte.


20/05/2018
Por Edilson Silva em Jucurutu, Natal, Política

O Gari – José Pedro, pré-candidato a deputado federal participa do 6º Encontro dos Jovens Líderes RN

O Gari – José Pedro, pré-candidato ao cargo de deputado federal nas eleições de 2018 esteve participando neste sábado (19) do 6º Encontro dos Jovens Líderes RN. O evento aconteceu em Natal no Plenário da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. A recepção dos participantes que vieram de vários lugares do estado teve início por volta das 9h da manhã.

Kelps Lima – Deputado Estadual – Solidariedade/RN conduziu a abertura dos trabalhos. Logo em seguida ocorreu a primeira palestra, que teve como tema: “Qual o perfil do nosso jovem líder?”. Palestrante: Semio Timeni – MBA em Empreendedorismo pela NSU (Florida/EUA); mestre em Administração de empresas (UFRN); bacharel em Direito (UNP); facilitador da metodologia Empretec (ONU/Sebrae).

A segunda palestra teve como tema: “Democracia e Política em 2018: o que há de inovação?”, e foi proferida por Mônica Sodré – Doutora em Relações internacionais (USP); mestre em Ciência Política e Graduada em Ciências Sociais (UFSCar); consultora política da Rede de Ação política pela Sustentabilidade (RAPS) e do Movimento Voto Consciente.

“Sou pré-candidato a deputado federal e hoje é um dia importante para todos nós que almejamos um cargo público para defender os interesses da coletividade. Esse ano o brasileiro irá escolher os homens e mulheres que irão conduzir o destino do nosso país. E a ideia do Solidariedade é justamente essa, preparar uma nova geração de políticos”, destacou O Gari – José Pedro.

Por último um debate com os Palestrantes aqueceu o encontro.

​Após o encerramento a organização do evento serviu um almoço no refeitório da Assembleia.

 


20/05/2018
Por Edilson Silva em Policial, Política

Joesley: Temer (MDB) pedia propina sem cerimônia

Reportagem de VEJA desta semana mostra que Joesley Batista, em depoimento à Polícia Federal, declarou ter recorrido a dois homens da confiança do presidente Michel Temer em tentativa de destravar um projeto de seu interesse no Porto de Santos. Os dois nomes citados pelo empresário — Wagner Rossi e Milton Ortolan — receberiam mesadas da JBS e acabaram presos na Operação Skala, da PF.

Segundo Joesley, Temer falava sem pudor em dinheiro, em rolo, em esquema. A dez dias da votação do impeachment de Dilma, Temer teria lhe pedido 300 000 reais. Em nota, a Presidência da República protestou contra as “mentiras” de Joesley e assegurou que “jamais o presidente pediu qualquer espécie de contribuição, em dinheiro, para quem quer que seja”.


20/05/2018
Por Edilson Silva em Policial, Política

CORRUPÇÃO: Depoimento da filha de Temer (MDB) à PF é gelatinoso

Intimada pela Polícia Federal para explicar a origem do dinheiro que financiou uma reforma em sua casa, a psicóloga Maristela Temer, filha de Michel Temer, prestou um depoimento que tem a consistência de uma gelatina. Antes do interrogatório, os investigadores suspeitavam que a reforma foi paga com dinheiro de propina. Depois, as suspeitas aumentaram.

Maristela foi inquirida em 3 de maio. Mas só agora a coisa veio à luz. Ela contou que Temer indicou para auxiliá-la na reforma o amigo e faz-tudo João Baptista Lima, coronel aposentado da PM paulista. É o mesmo personagem a quem os delatores da JBS afirmam ter repassado, a pedido de Temer, propina de R$ 1 milhão.


15/05/2018
Por Edilson Silva em Jucurutu, Política

Pré-candidato a deputado federal, O Gari – José Pedro recebe apoio de lideranças

Pré-candidato ao cargo de deputado federal pelo Partido Solidariedade, O Gari – José Pedro tem recebido várias declarações de apoio ao seu projeto.

Recentemente o do ex-presidente e vereador da Câmara Municipal de São Rafael, Francisquinho Valetim e do suplente de vereadora, Edineide além do amigo e colega de profissão, Ronilson Alves popularmente conhecido por “Mão de Onça”.


15/05/2018
Por Edilson Silva em Política

Lula segue líder em todas as pesquisas

O pré-candidato à Presidência da República pelo Partido dos Trabalhadores, Luiz Inácio Lula da Silva, segue isolado no primeiro turno na pesquisa CNT/MDA com 32,4% das intenções de votos, seguido de Bolsonaro com 16,7%.

O ex-presidente, mesmo encarcerado como preso político, ganha ainda de todos os adversários no segundo turno, segundo a pesquisa.

CENÁRIO

Lula tem 32,4%, Jair Bolsonaro 16,7%, Marina Silva 7,6%, Ciro Gomes 5,4%, Geraldo Alckmin 4,0%, Álvaro Dias 2,5%, Fernando Collor 0,9%, Michel Temer 0,9%, Guilherme Boulos 0,5%, Manuela D´Ávila 0,5%, João Amoêdo 0,4%, Flávio Rocha 0,4%, Henrique Meirelles 0,3%, Rodrigo Maia 0,2%, Paulo Rabello de Castro 0,1%, Branco/Nulo 18,0%, Indecisos 8,7%.

PESQUISA

A pesquisa CNT/MDA ouviu 2.002 pessoas, em 137 municípios de 25 Unidades da Federação, das cinco regiões do país, entre os dias 9 e 12 de maio. A margem máxima de erro é de 2,2 pontos percentuais, com 95% de nível de confiança, o que significa que se a pesquisa fosse repetida nas mesmas condições, esta seria a chance de o resultado ser o mesmo, dentro da margem de erro. O levantamento foi registrado em 8 de maio, com o número BR-09430/2018, segundo os dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).


10/05/2018
Por Edilson Silva em Política

CORRUPÇÃO: TRF-4 vota por condenar mulher de Cunha em 2ª instância

A maioria da oitava turma do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) votou por condenar a jornalista Cláudia Cruz, mulher do ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ), no julgamento de um processo da Operação Lava Jato nessa quarta-feira (9) em Porto Alegre.

Dois dos três desembargadores foram contra a posição tomada pelo juiz Sergio Moro, de absolver a esposa de Cunha em primeira instância.

No entanto, segundo destaca o UOL, a análise do caso foi interrompida por um pedido de vista do terceiro desembargador, Victor Laus.

O julgamento ainda não chegou ao fim e os magistrados ainda podem mudar seus votos. Não há prazo para o julgamento ser retomado.


09/05/2018
Por Edilson Silva em Política

CORRUPÇÃO: Gilmar pede vista e interrompe julgamento de denúncia contra Agripino

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta terça-feira (8) pedir vista (mais tempo para análise) e suspendeu o julgamento sobre o recebimento de denúncia contra o senador José Agripino Maia (DEM-RN) pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e uso de documento falso.

O ministro prometeu trazer o caso de volta para o colegiado ainda neste mês.

O caso envolve um suposto esquema de pagamento de vantagens indevidas para garantir a manutenção de um contrato de um consórcio com o Estado do Rio Grande do Norte voltado para inspeção veicular ambiental. O relator do caso, ministro Ricardo Lewandowski, votou pelo recebimento da denúncia contra Agripino Maia pelos três crimes.

“A denúncia se afigura tecnicamente apta – indícios existem, de fato. A denúncia apóia-se em sólidos elementos indiciários”, disse Lewandowski.

Para o advogado Aristides Junqueira, defensor do senador, não há crimes. “Só faltou a denúncia com relação a mim. Quero dizer que não é esse o Ministério Público que eu sonhei e que o Brasil precisa”, afirmou o advogado, que comandou a Procuradoria-Geral da República de 1989 a 1995.

Material. Ao defender o recebimento da denúncia, a subprocuradora-geral da República Cláudia Sampaio Marques destacou que o material que embasa a acusação é “consistente”. “Há delação premiada de duas pessoas, extratos telefônicos, bancários, um conjunto de elementos que sustentam a acusação”, observou Cláudia.


09/05/2018
Por Edilson Silva em Política

CORRUPÇÃO – Moro aponta Henrique Alves como um dos beneficiários de desvio de R$ 200 milhões

Chamada de Operação Deja Vu, a 51ª fase da Operação Lava Jato investiga se US$ 54,5 milhões (cerca de R$ 200 milhões), de um contrato de US$ 825 milhões envolvendo Petrobras e Odebrecht, tiveram como destino propinas pagas a executivos da estatal e a partidos políticos. No despacho, o Juiz Sérgio Moro afirma que pagamentos teriam sido feitos “especificamente” a Eduardo Cunha, Henrique Eduardo Alves e João Vaccari Neto.

O contrato suspeito previa a prestação de serviços de reabilitação, construção e montagem, diagnóstico e remediação ambiental, elaboração de estudo, diagnóstico e levantamentos nas áreas de segurança, meio ambiente e saúde em nove países, além do Brasil.

Entre os investigados estão os ex-integrantes da área internacional da Petrobras Aluísio Teles Ferreira Filho, Rodrigo Zambrotti Pinaud e Ulisses Sobral Calile. Segundo os investigadores, com a ajuda de operadores financeiros, cerca de US$ 24 milhões tiveram como destino contas de agentes públicos ligados à Petrobras. Mais US$ 31 milhões teriam como destino pessoas que se diziam intermediários de políticos ligados ao então PMDB (atual MDB). Há, ainda, a suspeita de que o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, tenha recebido parte dos recursos.

A Polícia Federal informou que cerca de 80 policiais estão cumprindo 23 ordens judiciais nos estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo. De acordo com o delegado da Policia Federal Igor Romario de Paula, foram cumpridos os 17 mandados de busca. Dos mandados de prisão, foram cumpridos três preventivas e uma temporária. Há ainda uma preventiva em aberto porque o investigado está no exterior – embora ainda não seja considerado foragido.

“O que se pretende é buscar elementos para aprofundar as investigações sobre o contrato celebrado entre a Petrobras e a Odebrecht. Informações privilegiadas foram concedidas por executivos da Petrobras aos da Odebrecht que [em retorno] prometeram uma série de benefícios ilícitos”, disse, durante coletiva de imprensa, o procurador do Ministério Público Federal Roberson Pozzobon. Na época, o diretor da área internacional da Petrobras era Jorge Zelada, já condenado por fraudes em contratos da petrolífera.

Pozzobon explicou como foram os primeiros passos para o desvio dos recursos. “Aluísio Teles [engenheiro da Petrobras que viria a ser gerente do contrato] contatou executivos da Odebrecht para ver se havia interesse da empreiteira no contrato [para a prestação de serviços de segurança, meio ambiente e saúde]. Quando a Odebrecht manifestou interesse, foi dito que 3% teriam de ser pagos a pelo menos três executivos da estatal”, disse o procurador, referindo-se aos então integrantes da Petrobras internacional Aluísio Teles Ferreira Filho, Rodrigo Zambrotti Pinaud e ao técnico de inspeção de equipamentos, transferido da Transpetro para a Petrobras exclusivamente para tomar parte na licitação, Ulisses Sobral Calile.

Ao aprofundar as investigações, foram verificados ajustes nos contratos e repasses a operadores João Augusto Rezende Henriques e Ângelo Tadeu Lauria, que seriam ligados ao MDB – na época, PMDB. “Em uma das reuniões, esses agentes se apresentavam como intermediários de pagamentos a políticos do PMDB. O destino desses recursos será alvo de investigações. Nossa suspeita é de que os pagamentos do PMDB eram direcionados ao Eduardo Cunha [ex-deputado pelo PMDB, que presidiu a Câmara dos Deputados durante o impeachment da presidente Dilma Rousseff], e os do PT para João Vaccari Neto”, completou o procurador Julio Carlos Motta Noronha.

Pozzobon explicou como foi o direcionamento da licitação. “A Odebrecht foi contemplada a partir de informações privilegiadas da Petrobras, permitindo que a empreiteira elaborasse o projeto antecipadamente para que, quando a licitação saísse, o prazo [de 35 dias] fosse curto para que as empresas internacionais concorrentes apresentassem seus projetos. A Odebrecht então buscou as empresas do cartel, no caso a OAS e a Andrade Gutirerrez, que apresentaram lances que acabaram sendo rejeitados”.

Com o contrato assinado, a diretoria internacional começou a fazer pressões para que o preço do contrato fosse inflado. “Foi apurado que o Aluísio Teles, quando já era gerente do contrato, pediu levantamento dos custos do contrato na Argentina. Na época o valor era de US$ 32 milhões. Ele considerou o valor baixo e pediu uma nova auditoria, que concluiu que havia passivos ambientais que aumentaram [o valor] para US$ 72 milhões. Esse estudo foi inclusive questionado na Argentina”, acrescentou.

Foi então feita uma apuração interna na Petrobras que, segundo os investigadores, foi conduzida de forma suspeita. Em um primeiro momento, foi instituída uma comissão para estudar por seis meses o contrato. “Do nada, essa comissão foi interrompida e constituída nova comissão, sob o argumento de que havia urgência para a contratação”, disse Pozzobon. Posteriormente, foi verificado que não havia necessidade de acelerar o contrato.

“O Jorge Zelada [então diretor da área], quando se referia ao contrato, dizia que os gerentes internacionais deveriam ‘usar e abusar’ desse contrato. Isso inverte a lógica da coisa pública, que é de baixar preços. Eles acabaram inflando os valores”, disse Pozzobon.

Com isso, US$ 24 milhões tiveram como destino agentes públicos, por meio do operador financeiro Mário Miranda, que repassou parte ao Aluísio Teles, titular de uma conta que recebeu US$ 11,5 milhões em apenas um ano. “Teles então transferiu parte da propina para conta de Ulisses Sobral, em outra conta na Suíça, e, depois, para Rodrigo Pinaud”. Também foram feitos pagamentos em espécie, segundo os procuradores.

Tanto o operador Miranda como os três executivos tiveram suas contas bloqueadas pelas autoridades suíças. No caso de Miranda, foram bloqueados cerca de US$ 7 milhões. Já Aluísio Teles teve US$ 6,2 milhões bloqueados; e Ulisses Sobral, US$ 3 milhões. Sérgio Boccaletti, que é sócio de Miranda, teve US$ 3,1 milhões bloqueados. O MPF informa atuar com o objetivo de repatriar todos esses valores, que correspondem a cerca de R$ 70 milhões.


08/05/2018
Por Edilson Silva em Política

Carta do presidente Lula à Frente Nacional de Prefeitos

Leia a íntegra da carta:

São Paulo, 8 de maio de 2018.

Caros Prefeitos,

Hoje vocês estão reunidos com os pré-candidatos a presidente na cidade de Niterói. Soube que, infelizmente, houve alguns desencontros e não foi possível a apresentação de um representante da candidatura do PT, por isso lhes envio essa carta.

Antes de eu ser eleito presidente da República em 2002, a Marcha Nacional de Prefeitos chegou a ser recebida com cachorros e tropa de choque em Brasília por presidentes que só buscavam os prefeitos no período eleitoral. No meu governo criei uma sala permanente de atendimento aos prefeitos no Palácio do Planalto.

Muitos de vocês não estavam no cargo quando eu presidi o país, mas podem perguntar para quem quiserem: não havia discriminação política partidária no trato com os prefeitos. Isso porque o prefeito não representa o partido A ou B, mas sim todos os moradores da sua cidade. E garanto: nenhum governo atendeu tão bem os prefeitos quando das gestões onde fui presidente.

É o prefeito, não o governador na capital, ou o presidente em Brasília, que está perto da população, que muitas vezes vai bater na porta da sua casa de manhã pedindo assistência social ou de saúde.

Vocês perguntam minha opinião sobre 4 temas, que têm muita relação um com o outro e assim devem ser tratados: saúde e segurança, dentro do pacto federativo, combate à corrupção e economia.

Sobre saúde e o peso crescente da área nas contas dos municípios, lembro que quando a CPMF foi derrotada no senado em 2007, aquilo foi visto como uma derrota de Lula e do PT. Mas o que foi mesmo foi uma derrota do Brasil, das prefeituras, dos brasileiros, que ficaram sem esses repasses para os crescentes gastos com a saúde. Depois em 2015, a presidenta Dilma propôs de novo a necessidade da volta da CPMF, dentro de uma série de ajustes fiscais. Vocês se lembram, parte do congresso, já então empenhado em sabotar o governo, negou a volta da CPMF que era importante para resolver o problema fiscal. Se em 2015 a CPMF tivesse sido aprovada ao invés de pautas-bombas a crise econômica e fiscal não teria se agravado tanto.

Os prefeitos também sabem da importância do programa Mais Médicos no atendimento básico. A situação da saúde estaria muito pior sem os médicos cubanos. O programa Mais Médicos não é uma questão de ideologia. É questão de humanidade ao levar atendimento básico, humanizado e de qualidade para quem jamais teve. O programa precisa ser mantido e precisamos recuperar a parte dele que previa a formação de mais profissionais brasileiros para substituírem os cubanos. Hoje o governo Temer vetou novos cursos de medicina no Brasil. Os prefeitos continuarão tendo dificuldades no médio e longo prazo para contratar profissionais de saúde se o Brasil não tiver o número de médicos em relação a população recomendado pelos organismos internacionais. 

O governo vai precisar discutir novas fontes para financiar a saúde pública. E vai precisar discutir a revisão da PEC do teto dos gastos. Qualquer candidato que não enfrentar o problema da PEC do teto dos gastos estará enrolando os prefeitos e a população sobre como dar mais apoio aos municípios no financiamento da saúde pública, principalmente dos tratamentos de alta complexidade. Vocês sabem disso tão bem quanto eu.

Nenhum governo adotou mais mecanismos pela transparência e combate à corrupção do que os governos do PT. Reforçamos a Polícia Federal, afastamos mais de 5 mil servidores com conduta indevida, e demos autonomia ao Ministério Público. Demos efetividade a Controladoria-Geral da República para investigar e atuar. Na fiscalização dos municípios adotamos o critério isento de sorteios para verificar se os repasses federais eram bem aplicados. Mas também entendemos que muitos problemas são frutos apenas de falta de experiência administrativa nas prefeituras. Por isso também oferecemos assistência técnica para os prefeitos elaborarem e executarem projetos com o governo federal. Esses programas precisam ser retomados e ampliados. 

Hoje é necessário que o combate à corrupção não seja desviado para perseguição política nem subordinado a lógica de parte da imprensa. As investigações não podem ser irresponsáveis, nem trocar o devido processo legal por shows de mídia para tentar destruir a reputação das pessoas e impedir adversários políticos de disputar eleições. A justiça precisa de provas antes de emitir sentenças e não pode querer que magistrados, que tem importante função pública, substituam os representantes eleitos. Sobre o risco de criar uma insegurança jurídica que assusta os administradores públicos e que afasta as boas pessoas da política e os investimentos do Brasil.

A segurança e a crise econômica são os problemas que hoje afligem muito os brasileiros. Não existe nem uma única causa, nem uma única solução para esses problemas. Mas é evidente que o aumento da violência tem a ver com a crise econômica e dificuldades para os jovens na educação e emprego.

Só um governo eleito terá capacidade de implementar as medidas necessárias para recuperar a economia e o emprego. Boa parte do prolongamento da crise econômica vem da crise política, que impediu ou atrasou em 2015 a implementação de medidas necessárias para ajustes e retomada de crescimento.

Após as eleições precisamos, de forma responsável, reativar o mercado consumidor interno, o crédito e a capacidade de investimento do Estado. Com geração de oportunidades de emprego vamos abrandar a crise social profunda que o país passa e aumenta a insegurança, principalmente nas grandes cidades.

Na educação, os jovens precisam de uma escola que dê conta dos desafios do mundo atual e de políticas de emprego para entrarem no mercado de trabalho. Ampliamos a rede de escolas técnicas federais como nunca antes e abrimos oportunidades para o jovem de periferia entrar na universidade, pública ou privada. Estamos estudando a ideia de federalizar o ensino médio.

A juventude brasileira precisa ter esperança no futuro e oportunidades independente de ter nascido em uma família rica ou pobre. Na realidade, já está provado que os alunos do Prouni, por exemplo, têm desempenho melhor do que os seus colegas, justamente porque valorizam as oportunidades. O Brasil não vai se desenvolver sem dar educação aos seus jovens, se não aproveitar a inteligência de seus meninos e meninas. O último país da América a abolir a escravidão e a criar uma universidade precisa tirar o atraso nessa área. 

Claro, que o governo federal também terá que assumir um papel maior do que teve historicamente na segurança pública para lidar com o problema de forma imediata. Investir em inteligência e troca de informações entre as polícias dos estados e recuperar a vigilância das fronteiras, evitando que insumos do crime como drogas e armas cheguem ao Brasil. O país precisa rediscutir a integração dos diversos entes federativos na segurança pública, inclusive o papel das prefeituras das grandes cidades.

Mas não pode jogar suas Forças Armadas em aventuras mal planejadas, porque não é o papel delas a função de polícia, de segurança urbana. Atuações pontuais de apoio das Forças Armadas não podem ser confundidas com um papel de longo prazo que tira dos militares sua função insubstituível de defesa da pátria.

O país precisa de democracia, de debate de ideias, de respeito as diferenças e da participação de todas as forças democráticas no debate. Só ouvindo e respeitando a vontade popular que o Brasil irá reencontrar o seu caminho.

Um forte abraço,

Lula


06/05/2018
Por Edilson Silva em Política

Desaprovação de Robinson Faria (PSD) é de 55,60%

Entre os números da pesquisa do Sistema Fiern, realizada pelo instituto Certus, está também a avaliação da gestão estadual e, de acordo com ela, mais da metade dos potiguares desaprova a forma como o governador Robinson Faria vem administrando o Estado.

A administração do governador Robinson Faria é avaliada como péssima por 55,60%, Regular 21,06%, Ruim 15,11%, Boa 4,04%, Não sabe 2,55%, Ótima 2,35% e Não Respondeu 0,28%.

A pesquisa foi elaborada no período de 27 a 30 de abril, com 1410 entrevistados, em 7 regiões, 40 municípios e com margem de erro de 3% para mais ou para menos. E está registrada na justiça eleitoral sob os números RN-01096/2018 e BR-08786/2018. A pesquisa encomendada pelo Sistema Fiern foi realizada pelo Instituto Certus.

O Sistema FIERN informou que a pesquisa completa vai estar disponível a partir do meio dia no site da Federação.


06/05/2018
Por Edilson Silva em Política

Lula lidera pesquisa da Fiern/Certus

O ex-presidente Lula, preso em Curitiba, lidera a mais nova rodada de pesquisa da Certus em parceria com a Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte (Fiern), divulgada neste domingo (5).

Se a eleição fosse hoje, no cenário estimulado, para Presidente da República: Lula 40,07%, Jair Bolsonaro 7,73%, Ciro Gomes 2,98% e Marina Silva 2,91%.

Outros nomes somam 6,97%; nenhum 27%; e não sabe 12,34%.

 


06/05/2018
Por Edilson Silva em Política

Temer (MDB) e Bolsonaro (PSL) são os mais rejeitados

A rejeição ao presidente Michel Temer chega a 35,77%, de acordo com a pesquisa feita pelo Instituto CERTUS, encomendada pela Fiern. Já Bolsonaro tem 15,2% de rejeição e Lula 10,93%.

A pesquisa foi elaborada no período de 27 a 30 de abril, com 1410 entrevistados, em 7 regiões, 40 municípios e possui margem de erro de 3% para mais ou para menos. E está registrada na justiça eleitoral sob os números RN-01096/2018 e BR-08786/2018.

Confira os outros números abaixo:


05/05/2018
Por Edilson Silva em Política

CORRUPÇÃO: Denúncias contra Agripino e Garibaldi seguirão no STF mesmo restrição ao foro

O Supremo Tribunal Federal restringiu o foro privilegiado aos crimes praticados durante o mandato e referentes ao exercício parlamentar. Por isso, devem seguir no STF as denúncias contra os senadores José Agripino (DEM) e Garibaldi Alves Filho (PMDB), alvos de acusações feitas pela Procuradoria-geral da República em situações que se encaixam na manutenção desse “benefício”. Existe, porém, a possibilidade de esses processos tramitarem mais rápido com o esvaziamento que a Suprema Corte deverá ter com a nova restrição.

José Agripino é réu no STF desde dezembro de 2017, quando os ministros receberam a denúncia da PGR contra o parlamentar por corrupção passiva e lavagem de dinheiro por suposta participação em esquema envolvendo a construção da Arena das Dunas. A matéria ficou dois meses parada no Supremo aguardando o julgamento, após um longo período também de investigação.

O caso envolvendo Garibaldi é ainda mais lento. Denunciado na Lava Jato junto aos senadores Renan Calheiros, Romero Jucá, Valdir Raupp e José Sarney (ex), em agosto deste ano, Garibaldi nem sabe se será réu ou se vai ser absolvido, porque a denúncia está há oito meses esperando ser recebida pelos ministros. A PGR também o acusa de corrupção passiva e lavagem de dinheiro em caso ligado à Transpetro.

Contudo, como a expectativa é que haja um “esvaziamento” da Corte com a restrição ao foro, os processos devem andar mais rápido. Segundo o relator da matéria, o ministro Luís Roberto Barroso, com essa mudança, 95% das ações devem sair do Supremo e tramitar em outras instâncias do País.


04/05/2018
Por Edilson Silva em Política

Justiça condena deputado tucano que chamou sindicalista de “vagabundo”

O deputado estadual Wilson Santos (PSDB) deverá pagar indenização de R$ 6 mil por danos morais ao servidor público Oscarlino Alves, ligado ao Sindicato Estadual dos Servidores Públicos da Saúde (Sisma-MT), após chamá-lo de “vagabundo” e “moleque” durante uma reunião sobre a Revisão Geral Anual (RGA), em 2016.

A decisão é do dia 27 de abril e foi proferida pelo juiz João Alberto Menna Barreto Duarte, do 4º Juizado Especial Cível de Cuiabá.

(…) Consta na ação que os xingamentos foram proferidos pelo deputado contra o sindicalista em uma reunião de negociações sobre a greve dos servidores públicos estaduais, diante do impasse sobre o pagamento da RGA, em junho de 2016. No momento da reunião, segundo o servidor, havia autoridades e pessoas ligadas a fóruns sindicais.

Oscarlino anexou ao processo áudios e vídeos veiculados pela imprensa, que foram consideradas pelo Juízo como provas suficientes da procedência da denúncia.

(…)


04/05/2018
Por Edilson Silva em Política

CORRUPÇÃO: TRF1 manda soltar Henrique Alves (MDB)

Quase um ano após ser preso por ter mantido conta na Suíça suspeita de receber propina, o ex-ministro peemedebista Henrique Eduardo Alves obteve uma decisão por sua soltura no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1). O desembargador federal Ney Bello entendeu que a prisão preventiva não se justifica mais porque seus processos já estão em fase final e ainda sem julgamento.

“Verifico que as investigações já foram concluídas e encerrada a instrução criminal, pelo que não há mais prova a ser colhida, razão pela qual não vislumbro, também, a possibilidade de o paciente perturbar a ordem pública ou se furtar à aplicação da lei penal”, escreveu Ney Bello em sua decisão. No habeas corpus, o advogado de Henrique Alves, Marcelo Leal, argumentou que a prisão já havia ultrapassado 300 dias sem que seu julgamento se encerrasse.


Página 1 de 10012345...102030...Última »


Facebook


Twitter