15/06/2017
Por Edilson Silva em Jucurutu, Religião

Confecção do Tapete de Corpus Christi é tradição mantida em Jucurutu

Todos os anos o tapete de Corpus Christi é feito por dezenas de voluntários da Paróquia de São Sebastião de Jucurutu que mantêm a tradição viva ao longo dos últimos tempos.

A obra ficou pronta ainda nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira, 15/06, para a procissão que ocorrerá por volta das 18h e 30 min. com concentração na Igreja de Stª. Izabel e que deverá ser seguir pelas principais ruas da cidade encerrando com Missa na Matriz.

* A tradição

A tradição vem de séculos antes, trazida ainda pelos portugueses ao Brasil Colonial.  Montado em ruas e igrejas de todo o mundo, o tapete de Corpus Christi surgiu na Idade Média.

Pelo tapete, passa a procissão, seguida pelos fiéis. A tradição vem dos imigrantes açorianos e praticamente desapareceu em Portugal, mas foi mantida nos Açores e onde chegaram os imigrantes.

* Corpus Christi

A tradição católica conta que a celebração de Corpus Christi teve origem em 1243, na Bélgica, quando a freira Juliana de Cornion teria tido visões de Cristo demonstrando desejo de que o mistério da Eucaristia fosse celebrado com destaque. Em 1264, o papa Urbano IV expandiu a festa para toda a Igreja. No Brasil, a festa passou a integrar o calendário religioso em 1961.

A celebração de Corpus Christi abrange missa, procissão e adoração ao Santíssimo Sacramento, lembrando a caminhada do peregrino povo de Deus, em busca da Terra Prometida.

Veja nas imagens registradas pelo Blog Edilson Silva:


29/05/2017
Por Edilson Silva em Política, Religião

Lula recebe presente do Vaticano

O papa Francisco, que se recusou a visitar o Brasil governado por Michel Temer, enviou, por meio de um emissário de sua confiança, um presente para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva: uma cópia da encíclica “Laudato Si”; ao receber a prenda, Lula manifestou interesse pelos encontros do papa com movimentos populares de todas as partes do mundo e transmitiu sua preocupação com a profunda crise política do Brasil.

Um emissário de confiança do papa Francisco esteve no Brasil para discutir a atuação de movimentos sociais e trouxe na bagagem um presente do pontífice para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva: uma cópia da encíclica “Laudato Si”,  em que o papa critica o consumismo e desenvolvimento irresponsável e faz um apelo à mudança e à unificação global das ações para combater a degradação ambiental e as alterações climáticas.

Lula prometeu que irá ler o presente de Francisco “do princípio ao fim”. Lula manifestou ainda interesse pelos encontros do papa com movimentos populares de todas as partes do mundo e transmitiu sua preocupação com a profunda crise política do Brasil.

O emissário do papa, Juan Grabois, é referência em contato com movimentos sociais e tem uma relação de proximidade com Francisco. Seu encontro com o ex-presidente pode sinalizar uma demonstração de apoio ao tipo de políticas que são aprovadas pelo Vaticano.


23/05/2017
Por Edilson Silva em Jucurutu, Religião

Paróquia de Jucurutu realizou 1º Encontro do Terço dos Homens e das Mulheres

A Paróquia de São Sebastião de Jucurutu realizou no último domingo, 20/05 um encontro especial direcionado aos membros das pastorais: Terço dos Homens e das Mulheres. O momento contou com um número recorde de participantes que vieram de várias cidades da região.

As atividades que aconteceram por volta das 08h no Ginásio de Esportes do Bairro Abraão Lopes, contaram com pregações, reza do terço, formação, entrega de placas, Missa, Adoração ao Santíssimo Sacramento e Consagração a Nossa Senhora Aparecida.

Veja nas imagens registradas pelas PASCOM – Pastoral da Comunicação:


20/05/2017
Por Edilson Silva em Política, Religião

Brasil: Nota da CNBB após escândalo das delações da JBS

Brasília (DF) – A CNBB emitiu uma nota após a divulgação de áudios de Joesley Batista, um dos proprietários da JBS, envolvendo políticos brasileiros.

Abaixo, a íntegra da nota:

***

Pela Ética na Política

Nota da CNBB sobre o Momento Nacional

O fruto da justiça é semeado na paz” (Tg 3,18)

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, por meio de sua Presidência, unida aos bispos e às comunidades de todo o país, acompanha, com espanto e indignação, as graves denúncias de corrupção política acolhidas pelo Supremo Tribunal Federal. Segundo a Constituição, Art. 37, é dever de todo servidor público, principalmente os que detêm elevadas funções, manter conduta íntegra, sob pena de não poder exercer o cargo que ocupa.

Tais denúncias exigem rigorosa apuração, obedecendo-se sempre as garantias constitucionais. Apurados os fatos, os autores dos atos ilícitos devem ser responsabilizados. A vigilância e a participação política das nossas comunidades, dos movimentos sociais e da sociedade, como um todo, muito podem contribuir para elucidação dos fatos e defesa da ética, da justiça e do bem comum.

A superação da grave crise vivida no Brasil exige o resgate da ética na política que desempenha papel fundamental na sociedade democrática. Urge um novo modo de fazer política, alicerçado nos valores da honestidade e da justiça social. Lembramos a afirmação da Assembleia Geral da CNBB: “O desprezo da ética leva a uma relação promíscua entre os interesses públicos e privados, razão primeira dos escândalos da corrupção”.

Recordamos também as palavras do Papa Francisco: “Na vida pública, na política, se não houver a ética, uma ética de referimento, tudo é possível e tudo se pode fazer” (Roma, maio de 2013). Além disso, é necessário que saídas para a atual crise respeitem e fortaleçam o Estado democrático de direito.

Pedimos às nossas comunidades que participem responsável e pacificamente da vida política, contribuam para a realização da justiça e da paz e rezem pelo Brasil.

Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, nos ajude a caminhar com esperança construindo uma nova sociedade.

Cardeal Sergio da Rocha
Arcebispo de Brasília
Presidente da CNBB

Dom Murilo S. Ramos Krieger
Arcebispo de São Salvador da Bahia
Vice-Presidente da CNBB

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário-Geral da CNBB

***


11/05/2017
Por Edilson Silva em Política, Religião, Vídeo Blog

Bispo critica ‘morosidade’ nas obras sociais de Oiticica

O bispo da Diocese de Caicó, Dom Antônio Carlos visitou nesta quarta-feira (10), as obras de construção da Barragem de Oiticicas, na zona rural de Jucurutu. Acompanhado do presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Piancó-Piranhas-Açu, Procópio Lucena, o bispo ouviu de técnicos da KL Engenharia e do próprio secretário de Recursos Hídricos do RN, Ivan Júnior detalhes do andamento das obras, tanto física (Barragem) como as sociais (nova Barra de Santana e Cemitério).

O Bispo demonstrou preocupação com o ritmo em que as obras sociais vem sendo conduzidas, principalmente no que diz respeito a nova Barra de Santana.


06/05/2017
Por Edilson Silva em Religião

Papa Francisco revela visão e alerta: ‘Está por vir uma guerra catastrófica’

O Papa Francisco diz que vê uma tragédia para a humanidade. O pontífice da Igreja Católica deu uma entrevista em que revela que coisas estranhas e fora do pensamento da racionalidade podem afetar os que mais precisam. O Papa deu a declaração depois que a tensão entre os Estados Unidos e a Coréia do Norte se acirrou. Ele cita o fato de que o presidente americano, Donald Trump está fazendo declarações contra o ditador coreano, Kim Jong-Un.

A entrevista, segundo veículos de imprensa internacional, foi concedida quando Francisco estava dentro de um avião e ia do Egito, após uma extensa visita ao país, de volta para Roma, onde está localizado o Vaticano, coração da igreja católica no mundo.

Para o argentino, o que está a acontecer no mundo propicia que situações explosivas prosperem. Ele revela o grande perigo, por exemplo, de pessoas serem envolvidas no que chamou de guerra nuclear cheia de mortes. O Papa fez um alerta do que vê para o futuro e diz que esse conflito aniquilará parte importante do planeta terra. O argentino substituiu Bento XVI, após esse não se sentir mais capaz de continuar à frente de uma das instituições mais respeitadas do planeta.

O religioso ainda revelou que sua disposição é de unir forças para que momentos tensos não voltem a raiar no mundo. Ele lembrou que, em maio, Donald Trump, o polêmico presidente americano, faria uma viagem à Europa e que ele aproveitaria esse fato para tentar um encontro. A Casa Branca, no entanto, que coordena os trabalhos governamentais diretamente da capital Washington, não deu qualquer aval ou confirmação de que o Papa teria mesmo esse encontro tão esperado. Trump é conhecido por ser irredutível em seus atos e Francisco é um homem bastante carismático.

Previsão de catástrofe pela frente

“Eu vou dizer o que eu sempre digo, para todos os líderes em vários lugares: temos de trabalhar para encontrar uma solução para nossos problemas através de canais diplomáticos”, disse o pontífice, que ainda criticou o fato da Coreia do Norte continuar a testas mísseis.

Ele diz que a falta de diálogo resultaria situações catastróficas. Com a tensão, até mesmo a feição do religioso tem mudado. Tão carismático, ele agora fala em um tom sério e, de fato, bastante preocupante.


05/05/2017
Por Edilson Silva em Política, Religião

Em Nota Oficial da 55ª Assembleia Geral dos Bispos, CNBB se posiciona sobre o grave momento nacional

O episcopado brasileiro, reunido em sua 55ª Assembleia Geral, em Aparecida (SP), emitiu Nota Oficial sobre o momento que o Brasil atravessa nos últimos tempos. Na véspera do encerramento do encontro anual dos bispos, nesta quinta-feira, 04 de maio, a presidência da CNBB fez um balanço dos trabalhos e leu a Nota para os jornalistas.

O arcebispo de Brasília e presidente da CNBB, cardeal Sergio da Rocha, destacou que a Assembleia vai além dos textos e documentos publicados: “É um período de convivência entre os bispos, de oração, reflexão e estudo”. Ele citou, ainda, a divulgação do estudo sobre o tema central do evento “Iniciação à Vida Cristã”, aprovado como documento da entidade; o projeto “Pensando o Brasil”, que este ano refletiu sobre a educação no país e a mensagem aos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil, por ocasião do dia 1º de maio.

A Nota Oficial destaca que  Brasil é “um País perplexo diante de agentes públicos e privados que ignoram a ética e abrem mão dos princípios morais, base indispensável de uma nação que se queira justa e fraterna”. No texto, os bispos advertem: “Urge retomar o caminho da ética como condição indispensável para que o Brasil reconstrua seu tecido social. Só assim a sociedade terá condições de lutar contra seus males mais evidentes: violência contra a pessoa e a vida, contra a família, tráfico de drogas e outros negócios ilícitos, excessos no uso da força policial, corrupção, sonegação fiscal, malversação dos bens públicos, abuso do poder econômico e político, poder discricionário dos meios de comunicação social, crimes ambientais”.

Leia a Nota na íntegra:

O GRAVE MOMENTO NACIONAL

“Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça” (Mt 6,33)

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil–CNBB, por ocasião de sua 55ª Assembleia Geral, reunida em Aparecida-SP, de 26 de abril a 5 de maio de 2017, sente-se no dever de, mais uma vez, apresentar à sociedade brasileira suas reflexões e apreensões diante da delicada conjuntura política, econômica e social pela qual vem passando o Brasil. Não compete à Igreja apresentar soluções técnicas para os graves problemas vividos pelo País, mas oferecer ao povo brasileiro a luz do Evangelho para a edificação de “uma sociedade à medida do homem, da sua dignidade, da sua vocação” (Bento XVI – Caritas in Veritate, 9).

O que está acontecendo com o Brasil? Um País perplexo diante de agentes públicos e privados que ignoram a ética e abrem mão dos princípios morais, base indispensável de uma nação que se queira justa e fraterna. O desprezo da ética leva a uma relação promíscua entre interesses públicos e privados, razão primeira dos escândalos da corrupção. Urge, portanto, retomar o caminho da ética como condição indispensável para que o Brasil reconstrua seu tecido social. Só assim a sociedade terá condições de lutar contra seus males mais evidentes: violência contra a pessoa e a vida, contra a família, tráfico de drogas e outros negócios ilícitos, excessos no uso da força policial, corrupção, sonegação fiscal, malversação dos bens públicos, abuso do poder econômico e político, poder discricionário dos meios de comunicação social, crimes ambientais (cf. Documentos da CNBB 50– Ética, Pessoa e Sociedade – n. 130)

O Estado democrático de direito, reconquistado com intensa participação popular após o regime de exceção, corre riscos na medida em que crescem o descrédito e o desencanto com a política e com os Poderes da República cuja prática tem demonstrado enorme distanciamento das aspirações de grande parte da população. É preciso construir uma democracia verdadeiramente participativa. Dessa forma se poderá superar o fisiologismo político que leva a barganhas sem escrúpulos, com graves consequências para o bem do povo brasileiro.

É sempre mais necessária uma profunda reforma do sistema político brasileiro. Com o exercício desfigurado e desacreditado da política, vem a tentação de ignorar os políticos e os governantes, permitindo-lhes decidir os destinos do Brasil a seu bel prazer. Desconsiderar os partidos e desinteressar-se da política favorece a ascensão de “salvadores da pátria” e o surgimento de regimes autocráticos. Aos políticos não é lícito exercer a política de outra forma que não seja para a construção do bem comum. Daí, a necessidade de se abandonar a velha prática do “toma lá, dá cá” como moeda de troca para atender a interesses privados em prejuízo dos interesses públicos.

Intimamente unida à política, a economia globalizada tem sido um verdadeiro suplício para a maioria da população brasileira, uma vez que dá primazia ao mercado, em detrimento da pessoa humana e ao capital em detrimento do trabalho, quando deveria ser o contrário. Essa economia mata e revela que a raiz da crise é antropológica, por negar a primazia do ser humano sobre o capital (cf. Evangelii Gaudium, 53-57). Em nome da retomada do desenvolvimento, não é justo submeter o Estado ao mercado. Quando é o mercado que governa, o Estado torna-se fraco e acaba submetido a uma perversa lógica financista. Recorde-se, com o Papa Francisco, que “o dinheiro é para servir e não para governar” (Evangelii Gaudium 58).

O desenvolvimento social, critério de legitimação de políticas econômicas, requer políticas públicas que atendam à população, especialmente a que se encontra em situação vulnerável. A insuficiência dessas políticas está entre as causas da exclusão e da violência, que atingem milhões de brasileiros. São catalisadores de violência: a impunidade; os crescentes conflitos na cidade e no campo; o desemprego; a desigualdade social; a desconstrução dos direitos de comunidades tradicionais; a falta de reconhecimento e demarcação dos territórios indígenas e quilombolas; a degradação ambiental; a criminalização de movimentos sociais e populares; a situação deplorável do sistema carcerário. É preocupante, também, a falta de perspectivas de futuro para os jovens. Igualmente desafiador é o crime organizado, presente em diversos âmbitos da sociedade.

Nas cidades, atos de violência espalham terror, vitimam as pessoas e causam danos ao patrimônio público e privado. Ocorridos recentemente, o massacre de trabalhadores rurais no município de Colniza, no Mato Grosso, e o ataque ao povo indígena Gamela, em Viana, no Maranhão, são barbáries que vitimaram os mais pobres. Essas ocorrências exigem imediatas providências das autoridades competentes na apuração e punição dos responsáveis.

No esforço de superação do grave momento atual, são necessárias reformas, que se legitimam quando obedecem à lógica do diálogo com toda a sociedade, com vistas ao bem comum. Do Judiciário, a quem compete garantir o direito e a justiça para todos, espera-se atuação independente e autônoma, no estrito cumprimento da lei. Da Mídia espera-se que seja livre, plural e independente, para que se coloque a serviço da verdade.

Não há futuro para uma sociedade na qual se dissolve a verdadeira fraternidade. Por isso, urge a construção de um projeto viável de nação justa, solidária e fraterna. “É necessário procurar uma saída para a sufocante disputa entre a tese neoliberal e a neoestatista (…). A mera atualização de velhas categorias de pensamentos, ou o recurso a sofisticadas técnicas de decisões coletivas, não é suficiente. É necessário buscar caminhos novos inspirados na mensagem de Cristo” (Papa Francisco – Sessão Plenária da Pontifícia Academia das Ciências Sociais – 24 de abril de 2017).

O povo brasileiro tem coragem, fé e esperança. Está em suas mãos defender a dignidade e a liberdade, promover uma cultura de paz para todos, lutar pela justiça e pela causa dos oprimidos e fazer do Brasil uma nação respeitada.

A CNBB está sempre à disposição para colaborar na busca de soluções para o grave momento que vivemos e conclama os católicos e as pessoas de boa vontade a participarem, consciente e ativamente, na construção do Brasil que queremos.

No Ano Nacional Mariano, confiamos o povo brasileiro, com suas angústias, anseios e esperanças, ao coração de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil. Deus nos abençoe!

Aparecida – SP, 3 de maio de 2017.

Cardeal Sergio da Rocha

Arcebispo de Brasília

Presidente da CNBB

Dom Murilo Sebastião Ramos Krieger, SCJ

Arcebispo de São Salvador da Bahia

Vice-Presidente da CNBB

Dom Leonardo Ulrich Steiner

Bispo Auxiliar de Brasília

Secretário-Geral da CNBB


27/04/2017
Por Edilson Silva em Política, Religião

A posição da CNBB sobre a greve geral convocada para o dia 28

Brasília (RV) – “Consideramos fundamental que se escute a população”, afirma o Secretário Geral da CNBB,  Dom Leonardo Steiner, ao comentar a convocação de uma greve geral para o dia 28 de abril, contra as reformas da Previdência e trabalhista apresentadas pelo Poder Executivo e em tramitação no Congresso Nacional.

Às vésperas da 55ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que tem início neste dia 26 em Aparecida (SP), o Bispo auxiliar de Brasília (DF) concedeu uma entrevista tratando da posição da entidade sobre as manifestações. Dom Leonardo considera “fundamental que se escute a população em suas manifestações coletivas”.

Qual é a posição da CNBB sobre a anunciada greve geral do dia 28 de abril?

A partir de 26 de abril, os bispos estarão reunidos em assembleia geral, em Aparecida (SP). A assembleia é a instância suprema da Conferência e dela pode sair novo posicionamento. Posso agora, reafirmar o que o Conselho Permanente da CNBB já declarou em Nota: “Convocamos os cristãos e pessoas de boa vontade, particularmente nossas comunidades, a se mobilizarem ao redor da atual Reforma da Previdência, a fim de buscar o melhor para o nosso povo, principalmente os mais fragilizados”.

Nesse sentido, consideramos fundamental que se escute a população em suas manifestações coletivas. Claro que nosso olhar se dá na perspectiva da evangelização e nossa posição brota das exigências do Evangelho. E isso significa reafirmar a busca do diálogo, da paz e do entendimento. Na afirmação dos bispos está a orientação de que esses momentos sejam marcados pelo respeito à vida, ao patrimônio público e privado, fortalecendo a democracia.

Qual o impacto de uma greve geral neste momento? 

Certamente o conteúdo das manifestações se dará no sentido de defesa dos direitos dos trabalhadores do campo e da cidade, de modo muito particular dos mais pobres. O movimento sinaliza que a sociedade quer o diálogo, quer participar, quer dar sua contribuição. Reformas de tamanha importância não podem ser conduzidas sem esse amplo debate.

O Congresso Nacional e o Poder Executivo, infelizmente, têm se mostrado pouco sensível ao que a sociedade tem manifestado em relação às reformas. Os brasileiros e brasileiras desejam o bem do Brasil e para construir uma nação justa e fraterna querem participar das discussões e encaminhamentos.

É oportuno apresentar propostas de reformas na atual conjuntura?

O Brasil vive um momento particular de sua história, uma crise ética. Há situações de enorme complexidade nos quais estão envolvidos personagens do cenário político, sem falar da crise econômica que atinge a todos. Como encaminhar mudanças sem o respaldo da sociedade? Propostas de reformas que tocam na Constituição Federal, no sistema previdenciário, na CLT merecem estudo, pesquisa e aprofundamento. Sem diálogo não é possível criar um clima favorável que vise o bem do povo brasileiro.

(CNBB)


25/04/2017
Por Edilson Silva em Política, Religião

Dom Jaime convoca fiéis cristãos para se posicionarem contra as reformas

O Arcebispo Metropolitano, Dom Jaime Vieira Rocha, convoca os fiéis em geral para se posicionarem contra as reformas que tramitam no Congresso Nacional, como a trabalhista e a da Previdência. Ele também convoca os fiéis para participarem das manifestações contra tais reformas, que acontecerão, em todo o País, na próxima sexta-feira, dia 28.


23/04/2017
Por Edilson Silva em Política, Religião

Arcebispos convocam cristãos para greve geral em 28 de Abril

Arcebispos em diversos estados têm convocado os brasileiros para a greve geral do dia 28 de abril. O movimento é organizado por centrais sindicais e movimentos sociais em todo o País em protesto contra as reformas impostas pelo governo Temer, que retiram direitos dos trabalhadores, especialmente os mais pobres.

Uma publicação do Comitê das Igrejas de Belo Horizonte convoca a população para a paralisação. “A Igreja se posiciona firme e profeticamente contra as reformas que vão contra o nosso povo”, diz o título da mensagem.

O texto destaca ainda que as reformas da Previdência e Trabalhista, além da Lei da Terceirização, já aprovada, “desmontam direito sociais conquistados com muita luta pelo povo brasileiro”, mas que “infelizmente, a maioria dos nossos governantes não escuta e não enxerga a realidade do nosso povo, e sem qualquer diálogo com a sociedade impõe um conjunto de mudanças que afetarão a todos, especialmente os mais pobres”.

“É preciso reagir”, convocam ainda. Os arcebispos da Paraíba e de Maringá (PR) também aderiram à greve. O folheto de BH traz uma imagem do papa Francisco, com a mensagem: “Nenhuma família sem casa, nenhum camponês sem terra, nenhum trabalhador sem direitos”.

Nessa semana, o papa negou, por meio de carta a Temer, um convite do governo brasileiro para visitar o País, e cobrou o presidente para evitar medidas que agravem a situação da população carente. “Sei bem que a crise que o país enfrenta não é de simples solução, uma vez que tem raízes sócio-político-econômicas, e não corresponde à Igreja nem ao Papa dar uma receita concreta para resolver algo tão complexo”, disse.

Francisco acrescentou que não pode, porém, “deixar de pensar em tantas pessoas, sobretudo nos mais pobres”. O papa também lembrou a Temer que não se pode “confiar nas forças cegas e na mão invisível do mercado”.

Na Paraíba, o arcebispo dom Manoel Delson Pedreira da Cruz, que foi anunciado pelo Vaticano no início do mês passado como novo arcebispo do estado, gravou uma mensagem convocando a população para participar das manifestações contra a reforma da Previdência. “Sabemos que esta reforma implica em tirar direitos adquiridos dos trabalhadores e assegurados na Constituição de 1988”, diz com Manoel. “Convocamos todos os trabalhadores a participarem desta grande manifestação, dizendo a palavra que o povo não aceita a reforma da Previdência nos termos que estão anunciando”, afirmou o arcebispo.


23/04/2017
Por Edilson Silva em Religião, RN

CREA-PB se junta a OAB e CNBB no repúdio à reforma da Previdência

A presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Paraíba (CREA-PB), Giucélia Figueiredo elogiou neste domingo, 23, as atitudes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que se manifestaram publicamente em nota contra a Reforma da Previdência na última quarta-feira, 19.

As entidades criticaram a falta de debate com a sociedade na tramitação das mudanças. “Nenhuma reforma que afete direitos básicos da população pode ser formulada, sem a devida discussão com o conjunto da sociedade e suas organizações”, afirma o texto assinado ainda pelo Conselho Federal de Economia (Cofecon).


22/04/2017
Por Edilson Silva em Política, Religião

Urgente! Dom Delson grava mensagem convocando população para greve geral do dia 28 de Abril

O movimento “Vamos parar o Brasil”, programado para acontecer na próxima sexta-feira (28) em todo o País, ganhou um reforço de peso na Paraíba. Dom Manoel Delson Pedreira da Cruz, que foi anunciado pelo Vaticano no início do mês passado como novo arcebispo da Paraíba, gravou uma mensagem convocando a população para participar das manifestações contra a reforma da Previdência.

Além de Dom Delson, quem também está engajado nos preparativos do “Vamos parar o Brasil”, é Dom Genival Saraiva de França, atual administrador apostólico da Arquidiocese da Paraíba. Na última quarta-feira (20), ele esteve reunido com integrantes da Frente Brasil Popular na Paraíba, discutindo detalhes do protesto.

Em março, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), chegou a emitir uma nota (clique aqui e leia na íntegra) aprovada em seu Conselho Permanente sobre a reforma da Previdência. O documento afirma que a seguridade não é uma concessão governamental, mas sim direitos sociais conquistados com intensa participação democrática.

A posse de Dom Manoel Delson como novo arcebispo da Paraíba ocorrerá em maio. A cerimônia vai durar dois dias seguidos, com início no dia 19 e término no dia 20.

Saiba mais sobre o ato do dia 28

De acordo com os organizadores, o objetivo do protesto “Vamos parar o Brasil” é alertar o Governo Federal de que a sociedade e a classe trabalhadora não aceitarão os retrocessos representados pelas reformas da Previdência e trabalhista que estão sendo gestadas pelo presidente Michel Temer (PMDB).

“Em nossa opinião, trata-se do desmonte da Previdência Pública e da retirada dos direitos trabalhistas garantidos pela CLT. Por isso, conclamamos todos, neste dia, a demonstrarem o seu descontentamento, ajudando a paralisar o Brasil”, diz trecho de nota conjunta divulgada por entidades.

Ouça:


18/04/2017
Por Edilson Silva em Política, Religião

Papa envia carta a Temer e recusa visita ao Brasil

Em uma carta na qual recusa um convite para visitar o Brasil, o papa Francisco cobrou o presidente Michel Temer para evitar medidas que agravem a situação da população carente no país.

A correspondência foi uma resposta a outra enviada pelo mandatário no fim de 2016, na qual o líder da Igreja Católica era convidado formalmente para as celebrações dos 300 anos da aparição de Nossa Senhora Aparecida, comemorados em 2017.

“Sei bem que a crise que o país enfrenta não é de simples solução, uma vez que tem raízes sócio-político-econômicas, e não corresponde à Igreja nem ao Papa dar uma receita concreta para resolver algo tão complexo”, escreveu o Pontífice, segundo trecho publicado pelo jornalista Gerson Camarotti, da Globo News.

“Porém não posso deixar de pensar em tantas pessoas, sobretudo nos mais pobres, que muitas vezes se veem completamente abandonados e costumam ser aqueles que pagam o preço mais amargo e dilacerante de algumas soluções fáceis e superficiais para crises que vão muito além da esfera meramente financeira”, acrescentou.

Em resposta ao convite para as celebrações da aparição de Nossa Senhora Aparecida, o Papa disse que, devido a sua intensa agenda, não poderia vir ao país neste ano. Ainda de acordo com Camarotti, Jorge Bergoglio, nome de batismo do papa, afirmou rezar pelo país e que acompanha “com atenção” os acontecimentos na maior nação da América Latina.

Citando sua exortação apostólica “A Alegria do Evangelho”, Francisco também lembrou que não se pode “confiar nas forças cegas e na mão invisível do mercado”, em um momento em que o governo Temer tenta aprovar reformas econômicas para garantir a confiança dos investidores.

Em setembro passado, na inauguração de uma imagem de Nossa Senhora Aparecida no Vaticano, o Pontífice já havia dito que o Brasil passava por um “momento triste”. Um mês antes, Francisco enviou uma carta não oficial em apoio a Dilma Rousseff, que na época ainda não tinha sofrido o impeachment.

Contudo, Bergoglio sempre evitou se posicionar publicamente sobre a crise política enfrentada pelo país.


11/04/2017
Por Edilson Silva em Religião

Estado Islâmico tentará matar o Papa Francisco no Egito, afirma especialista

Gustavo Chacra, jornalista judeu que escreve sobre política internacional no Estadão e comenta o assunto em programas da Globo News, acredita que os jihadistas do Estado Islâmico tentarão matar o Papa Francisco este mês.

O possível atentado seria no Egito, onde o pontífice estará em viagem oficial em 28 e 29 de abril, a primeira dele ao país.

Guga, como prefere ser chamado, disse nesta segunda-feira (10) que Francisco deveria cancelar a viagem pois o “Estado Islâmico ou Daesh, e outras organizações radicais presentes no território egípcio certamente já têm planos para o ataque”

O motivo para essa conclusão é que os atentados a bomba ocorridos neste domingo, que mataram mais de 40 cristãos e feriram outras dezenas, deram uma prova de como os jihadistas estão confiantes em seu poder de fogo diante de um governo egípcio que se mostra incapaz de defender sua população das ameaças que vêm se repetindo a meses no país.

Ontem, o presidente Sissi decretou estado de emergência por três meses.

O Vaticano anunciou que, apesar do risco, a viagem de Francisco está confirmada. Ele deve se encontrar com o Papa Copta Teodoro II, que quase foi morto em um dos ataques, para mostrar solidariedade aos cristãos e também “tentar o diálogo” com autoridades islâmicas.

Está programado um encontro com o grande imã Sheikh Ahmed Mohamed el-Tayeb, uma das principais lideranças muçulmanas do país.

Ainda segundo Chacra, Francisco tem “o agravante de se recusar a adotar algumas medidas de segurança, como observamos na viagem dele ao Rio”. Para o especialista, “Caso matem o Papa no Egito, será o golpe final em qualquer esperança de tolerância religiosa ao redor do mundo”.

Papa já foi ameaçado pelo EI

Em diversas oportunidades o Estado Islâmico divulgou que pretendia matar o papa, considerado por eles o maior líder cristão do mundo.

No ano passado, após Francisco ter afirmado que o Islamismo não ensinava a violência, os jihadistas responderam em um artigo de sua revista digital. Para o Estado Islâmico, todos os papas foram seus inimigos e que “Francisco continua a esconder-se atrás de um véu enganador de ‘boa vontade’, escondendo suas intenções reais de subjugar o povo muçulmano”.

Defenderam que todo os muçulmanos precisam pegar a espada para a jihad, pois essa é sua “maior obrigação”. A revista faz questão de asseverar: “De fato, a jihad – espalhar a lei de Alá pela espada – é uma obrigação encontrada no Alcorão, a palavra de nosso Senhor”.

“O sangue dos descrentes deve ser derramado obrigatoriamente. A ordem é clara. Matem os descrentes, como disse Alá: “Matai os idólatras, onde quer que os acheis” [Sura 9:5]”, ressalta outra parte do texto.


09/04/2017
Por Edilson Silva em Jucurutu, Religião

Pe. Luiz Carlos celebra Domingo de Ramos na Paróquia de São Sebastião em Jucurutu

Na manhã deste domingo, 09/04 o Pe. Luiz Carlos celebrou ao lado da comunidade católica jucurutuense o tradicional Domingo de Ramos que abre oficialmente programação da Semana Santa no município de Jucurutu/RN.

A concentração dos fiéis teve início por volta das 06h e 30min. em frente ao Recanto da Saudade, onde aconteceu a Benção dos Ramos e logo após procissão em direção a Matriz de São Sebastião. Ao som de cânticos, preces e orações dezenas de pessoas acompanharam o momento imitando os passos de Jesus Cristo em sua entrada em Jerusalém e em seu percurso rumo à cruz.

Ao longo do dia, várias outras celebrações acontecerão nas igrejas e capelas da cidade.

Confira Programação:

9h – Missa e Benção de Ramos em Barra de Santana

17h – Celebração da Palavra e Benção dos Ramos no Bairro Novo Horizonte

17h – Celebração e Benção de Ramos no Bairro Freitas

17h – Celebração e Benção de Ramos na Pedra do Navio

17h – Celebração da Palavra e Benção dos Ramos em Boi Selado

18h e 30min. – Benção dos Ramos e logo após procissão saindo do Recanto da Saudade em direção a Matriz de São Sebastião.

Domingo de Ramos:

O Domingo de Ramos abre por excelência a Semana Santa. Relembramos e celebramos a entrada triunfal de Jesus Cristo em Jerusalém, poucos dias antes de sofrer a Paixão, Morte e Ressurreição. Este domingo é chamado assim porque o povo cortou ramos de árvores, ramagens e folhas de palmeiras para cobrir o chão onde Jesus passava montado num jumento. Com folhas de palmeiras nas mãos, o povo o aclamava “Rei dos Judeus”, “Hosana ao Filho de Davi”, “Salve o Messias”… E assim, Jesus entra triunfante em Jerusalém despertando nos sacerdotes e mestres da lei muita inveja, desconfiança, medo de perder o poder. Começa então uma trama para condenar Jesus à morte e morte de cruz.

O povo o aclama cheio de alegria e esperança, pois Jesus como o profeta de Nazaré da Galiléia, o Messias, o Libertador, certamente para eles, iria libertá-los da escravidão política e econômica imposta cruelmente pelos romanos naquela época e, religiosa que massacrava a todos com rigores excessivos e absurdos.

Mas, essa mesma multidão, poucos dias depois, manipulada pelas autoridades religiosas, o acusaria de impostor, de blasfemador, de falso messias. E incitada pelos sacerdotes e mestres da lei, exigiria de Pôncio Pilatos, governador romano da província, que o condenasse à morte.

O Domingo de Ramos pode ser chamado também de “Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor”, nele, a liturgia nos relembra e nos convida a celebrar esses acontecimentos da vida de Jesus que se entregou ao Pai como Vítima Perfeita e sem mancha para nos salvar da escravidão do pecado e da morte. Crer nos acontecimentos da Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo, é crer no mistério central da nossa fé, é crer na vida que vence a morte, é vencer o mal, é também ressuscitar com Cristo e, com Ele Vivo e Vitorioso viver eternamente. É proclamar, como nos diz São Paulo: ‘”Jesus Cristo é o Senhor”, para a glória de Deus Pai’ (Fl 2, 11).


07/04/2017
Por Edilson Silva em Jucurutu, Religião

Paróquia de São Sebastião de Jucurutu divulga programação da Semana Santa 2017

A Paróquia de São Sebastião divulgou programação da Semana Santa no município de Jucurutu/RN. No folder que já está sendo distribuído no final de cada celebração consta tudo o que vai acontecer neste período em nossa comunidade.

De acordo com o Pe. Luiz Carlos a programação terá início neste sábado, 08/04, e irá se estender até o domingo de páscoa, onde a Igreja celebra a ressurreição de Jesus.

Confira:


06/04/2017
Por Edilson Silva em Política, Religião

Bispos do Brasil emitem nota contrários à reforma da previdência

O Arcebispo de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha; o bispo de Caicó, Dom Antônio Carlos Cruz, e o bispo de Mossoró, Dom Mariano Manzana, se encontraram com deputadores federais e senadores do Rio Grande do Norte, em Brasília, no final da manhã desta quarta-feira, 5.

Na ocasião, foi entregue à bancada potiguar uma nota, em nome dos bispos, contando, também com a assinatura dos padres das três dioceses potiguares. A mesma nota, que incentiva os cristãos a se mobilizarem contra à proposta da Reforma da Previdência, será lida nas missas do Domingo de Ramos, dia 9 de abril, em todas as paróquias do Estado.

Veja:


06/04/2017
Por Edilson Silva em Caicó, Religião

Estudo sobre Festa de Sant’Ana de Caicó é publicado em livro por professor da Ufersa

Um dos mais importantes eventos religiosos do calendário comemorativo do Rio Grande do Norte está na cidade de Caicó com as celebrações da Festa de Sant‘Ana, padroeira da cidade. O professor da UFERSA Thadeu de Souza Brandão dedicou sua pesquisa de Mestrado na UFRN a um olhar atento sobre a festividade e, fruto da sua dissertação, lança pela editora Novas Edições Acadêmicas o livro “A Senhora do Sertão: a Festa de Sant’Ana de Caicó”.

Esta é a quarta obra assinada pelo professor, na qual a apresenta um fecundo exercício teórico-metodológico para refletir sobre problemáticas como identidade, representações sociais, religião, sociabilidade(s), tradição e modernidade. O professor Jean Henrique Costa, da UERN, assina o prefácio do livro e destaca a imersão do pesquisador. “Para além da festa e sua construção enquanto objeto de estudo, a etnografia da festa de Sant’Ana de Caicó, realizada por Thadeu Brandão, ilustra não apenas os caminhos objetivos de uma pesquisa antropológica, mas, fundamentalmente, mergulha no universo simbólico investigado, destacando uma profunda e cativante inserção do pesquisador na teia de significados que envolve a historicidade de seu objeto”.

A obra está sendo lançada nesta terça-feira, dia 4 de abril, exatos 15 anos depois de apresentado como dissertação. Está em formato digital (e-book) e pode ser baixada gratuitamente. O Professor Thadeu de Sousa Brandão é vinculado ao Centro de Ciências Sociais Aplicadas e Humanas – CCSAH, membro permanente do Mestrado em Cognição, Tecnologias e Instituições – PPGCTI e coordenador do Observatório da Violência Letal Intencional do RN – OBVIO/RN.


Página 1 de 2612345...1020...Última »


Facebook


Twitter