Tecnologia

WhatsApp testa no Brasil funcionalidade de indicação de negócios

 

O aplicativo de mensagens WhatsApp anunciou que a cidade de São Paulo foi escolhida para testar uma nova funcionalidade que permite localizar bares, restaurantes, lanchonetes e outros tipos de empreendimento que usam a plataforma para fazer negócios.

 

A novidade, que será testada exclusivamente no Brasil, será chamada Guia de Negócios e funcionará como uma espécie de mapa de locais recomendados por usuários.

 

No momento, o guia está disponível somente para algumas empresas no centro da cidade de São Paulo que vendem produtos e serviços na região, incluindo alimentação, varejo e educação. Com o tempo, esperamos incluir mais categorias e áreas geográficas, e disponibilizar o guia para mais para empresas que usam o app”, informou a empresa em comunicado.

 

Para as empresas que tiverem interesse em aderir e estejam localizadas no centro da cidade de São Paulo, o WhatsApp disponibilizou um vídeo explicativo para o processo de cadastro.

 

ASSISTA:

 

Para usuários, a opção estará disponível em uma aba exclusiva que aparecerá com a atualização do aplicativo. Como é focada no mercado paulista, indicações de negócios ainda não aparecerão para os públicos de outras localidades.

 

Segundo pesquisa da empresa especializada em mercados de aplicativos e internet Statista, o WhatsApp conta com um mercado global de 2 bilhões de usuários, dos quais 120 milhões são brasileiros. O país fica atrás apenas da Índia, que tem 400 milhões de linhas móveis cadastradas no WhatsApp.

 

Agência Brasil

 

Compartilhe aqui:

Olhos marejados, coração com as mãos e carinha ‘derretendo’: os novos emojis que chegarão aos celulares em breve

 

O comunicação por emojis deve ficar mais rica com a chegada de 37 novos emojis aos celulares e computadores. A Unicode Consortium, organização que padroniza códigos dos ícones no mundo inteiro, aprovou na última terça-feira (14) um novo conjunto – essa é a versão 14.0. Entre as novidades estão uma carinha com olhos marejados, outra que está “derretendo”, uma representação de um raio-x e a imagem de um ingrediente típico na mesa dos brasileiros: o feijão.

 

Agora, a bola está com as empresas que desenvolvem os sistemas operacionais. Para chegarem nas telinhas das pessoas, empresas como Google, Apple e Microsoft precisam implementar os emojis – o que deve acontecer entre dezembro de 2021 e agosto de 2022, segundo o site “Emojipedia”.

 

Alguns dos emojis podem parecer repetidos, como o que cobre a boca com a mão – até agora, algumas plataformas o representam com um olhar mais sério e outros como se estivesse sorrindo.

 

Daqui para a frente, haverá uma diferenciação – da mesma forma com o emoji com os olhos marejados, que pode se parecer com o ícone de “implorar” 🥺, mas está sorrindo.

 

Veja abaixo as novidades em uma representação feita pelo “Emojipedia” – os ícones são diferentes da imagem acima, da Unicode, e ilustram como cada empresa desenvolve versões diferentes:

 

 

O Unicode 14.0 incluiu 838 novos caracteres – desses, 37 são completamente novos e o restante são combinações de tons de pele.

 

O emoji de aperto de mão 🤝, por exemplo, poderá ser combinado entre todos os tons de pele – são 25 opções só para esse ícone, aumentando a representatividade.

 

As opções de gravidez agora incluem uma representação de um homem trans, pessoa não-binária de de uma mulher com cabelo curto.

 

No total, serão 3.633 opções diferentes, entre todos os emojis.

 

Compartilhe aqui:

WhatsApp deixará de funcionar em celulares Android antigos

 

WhatsApp vai restringir as versões do Android que têm suporte ao seu aplicativo. A mudança afetará as edições mais antigas do sistema operacional do Google.

 

No site do mensageiro, há a informação de que, “a partir do dia 1º de novembro de 2021, o WhatsApp não será mais compatível com aparelhos Android com o sistema operacional 4.0.4 e versões anteriores”.

 

Para continuar usando o aplicativo é preciso atualizar o sistema ou transferir a conta para um aparelho com uma versão mais recente. O serviço também permite fazer um backup do histórico de mensagens.

 

Com a decisão, o WhatsApp funcionará apenas nos seguintes sistemas:

 

  • Celulares com Android 4.1 e mais recentes
  • iPhones com iOS 10 e mais recentes
  • Alguns modelos com KaiOS 2.5.1

 

O Android 4.0.4, também conhecido como Ice Cream Sandwich, foi lançado em dezembro de 2011. Ele foi sucedido pelo Android 4.1 (Jelly Bean), liberado em julho de 2012.

 

O site do mensageiro não trata de mudanças no iOS, mas a recomendação é usar a versão mais recente do sistema da Apple.

 

G1 perguntou ao WhatsApp quais smartphones com versões mais antigas do Android serão afetados com o fim do suporte, mas o aplicativo explicou que não tem uma lista com os modelos.

 

Compartilhe aqui:

O Papa: que os políticos protejam a dignidade humana das ameaças tecnológicas

 

“Pornografia infantil, roubo de dados, falsidade das redes sociais: é necessária uma legislação atenta para orientar a evolução e aplicação da tecnologia para o bem comum”.

 

Salvatore Cernuzio/Mariangela Jaguraba – Vatican News

 

O Papa Francisco recebeu, no Vaticano, nesta sexta-feira (27/08), os participantes do encontro promovido pela Rede Internacional de Legisladores Católicos, uma rede de parlamentares católicos provenientes de todo o mundo nascida, em Trumau, na Áustria, em 2010, com o patrocínio do arcebispo de Viena, cardeal Christoph Schönborn.

 

Existe a pandemia da Covid que “perturba” e continua causando mortes e contágios; existem distúrbios e polarizações políticas que criam desconfiança em relação aos representantes políticos, mas acima de tudo existe um desafio que questiona e torna ainda mais delicado o papel dos parlamentares, especialmente dos parlamentares católicos, que é o desafio das novas tecnologias e das ameaças à “dignidade humana”. Pornografia infantil, exploração de dados pessoais, fake news: contra essas chagas é necessária uma legislação atenta e orientada ao bem comum. Este é um mandato claro e definido que o Papa Francisco confiou aos membros da Rede Internacional de Legisladores Católicos. O cardeal Christoph Schönborn esteve presente na audiência do Papa junto com o professor Alting von Geusau e e Ignatius Aphrem II, patriarca da Igreja sírio-ortodoxa.

Contra a Covid ainda há muito a ser feito

 

Agradecendo ao organismo o trabalho realizado nestes onze anos de acompanhamento e apoio à obra da Santa Sé nos respectivos países e na Comunidade internacional, o Papa abordou, em seu discurso, a realidade de hoje gravemente marcada pela pandemia da Covid que parece ganhar ímpeto.

 

Fizemos certamente progressos significativos na criação e distribuição de vacinas eficazes, mas há ainda muito trabalho a ser feito. Já foram confirmados mais de 200 milhões de casos e quatro milhões de mortos devido a esta praga terrível, que também causou tanta ruína econômica e social.

Uma boa política é indispensável para a paz social

 

O papel dos parlamentares é mais importante do que nunca. “Nomeados para servir o bem comum, vocês são agora chamados a colaborar, através de sua ação política, a renovar integralmente as suas comunidades e a sociedade como um todo”, disse Francisco. O objetivo não é apenas “vencer o vírus” e “voltar ao status quo antes da pandemia”, mas “enfrentar as causas profundas que a crise revelou e ampliou: pobreza, desigualdade social, desemprego e falta de acesso à educação”.

 

“Irmãos e irmãs, de uma crise não se sai iguais: sairemos melhores ou piores. De uma crise não saímos sozinhos: sairemos juntos ou não conseguiremos sair.”

 

Não é um trabalho fácil, ainda mais numa “época de perturbação e polarização política”, na qual “os parlamentares e os políticos em geral nem sempre possuem grande estima”. No entanto, observou o Papa, “que chamado maior existe do que servir o bem comum e dar prioridade ao bem-estar de todos, antes do ganho pessoal”?

 

“Uma boa política é indispensável para a fraternidade universal e a paz social.”

O desafio das novas tecnologias

 

Neste contexto, um dos maiores desafios da atualidade é “a administração da tecnologia para o bem comum”, ressaltou o Pontífice. Certamente, “as maravilhas da ciência e tecnologia modernas aumentaram a nossa qualidade de vida”, todavia, “abandonadas a si mesmas e apenas às forças do mercado, sem as devidas orientações das assembleias legislativas e de outras autoridades públicas orientadas por um sentido de responsabilidade social, essas inovações podem ameaçar a dignidade do ser humano”.

 

“Não se trata de frear o progresso tecnológico”, esclareceu o Papa, mas “de proteger a dignidade humana quando esta é ameaçada”. Os instrumentos políticos e regulamentares permitem que os parlamentares o façam.

 

O Papa enumerou alguns destes ataques contra a pessoa provenientes da internet: “Penso no flagelo da pornografia infantil, na exploração de dados pessoais, nos ataques a infraestruturas importantes como hospitais, nas falsidades difundidas nas redes sociais”.

 

“Uma legislação atenta pode e deve orientar a evolução e aplicação da tecnologia para o bem comum.”

Cidadãos responsáveis e líderes preparados

 

O incentivo é o de “assumir a tarefa de uma reflexão moral séria e profunda sobre os riscos e oportunidades inerentes ao progresso científico e tecnológico, para que a legislação e as normas internacionais que os regulam possam centrar-se na promoção do desenvolvimento humano integral e da paz, e não no progresso como um fim em si mesmo”.

 

O Papa convidou os membros da Rede Internacional de Legisladores Católicos a “promoverem o espírito de solidariedade, começando das necessidades das pessoas vulneráveis e desfavorecidas”. “O compromisso dos cidadãos, nas várias esferas da participação social, civil e política, é indispensável”, disse ele.

 

“Para curar o mundo, duramente provado pela pandemia, e para construir um futuro mais inclusivo e sustentável em que a tecnologia sirva as necessidades humanas e não nos isole uns dos outros, precisamos não apenas de cidadãos responsáveis, mas também de líderes preparados e animados pelo princípio do bem comum”.

 

Foto: O Papa na Audiência aos Legisladores Católicos em 2018

 

Fonte: Vatican News

 

Compartilhe aqui:

Instagram anuncia fim do ‘arrasta para cima’ nos Stories

 

O Instagram anunciou na segunda-feira (23) o fim da função “arrasta para cima” nos Stories, voltada apenas para contas verificadas e com mais de 10 mil seguidores.

 

Mas os usuários ainda vão poder anexar links aos Stories. A diferença é que, a partir do dia 30 de agosto, isso passará ser feito em figurinhas. Ao clicar no adesivo, o usuário será redirecionado para a página da web anexada à imagem.

 

A função já vinha sendo testada há alguns meses pela rede social e a principal mudança visual é a possibilidade de adicionar a figurinha em qualquer lugar da tela.

 

“A ‘figurinha de link’ funciona assim como as outras, ou seja, oferecendo mais opções criativas às pessoas, incluindo a possibilidade de alternar para estilos diferentes, ser redimensionado e colocado em qualquer lugar do Stories”, disse o Instagram, em nota.

 

Uma outra mudança é que os usuários vão poder receber reações e respostas rápidas com o adesivo. Antes, não era possível responder a um Stories com o link de “deslizar para cima”.

 

Por outro lado, a opção de anexar link continua restrita a contas verificadas e com mais de 10 mil seguidores.

 

“Estamos avaliando se o acesso ao link será expandido para mais contas no futuro, levando em conta aspectos como integridade e segurança e como isso poderia impactar na disseminação de desinformação e spam. Esta transição entre o link ‘deslizar para cima’ e a figurinha nos ajudará a determinar se é a decisão certa antes de expandir o acesso a mais pessoas”, afirmou a rede social.

 

G1

 

Compartilhe aqui:

Vícios em Redes Sociais

 

Vivemos em um tempo muito favorável, de facilidades e avanços. E tudo isso, graças às evoluções tecnológicas. As máquinas facilitam os trabalhos domésticos e especializados. A tecnologia nos trouxe uma ampliação do olhar e do conhecimento, jamais imaginado, e a internet nos conectou com tudo isso, inclusive nos aproximou de pessoas até já “esquecidas” em nossa memória.

 

É tão interessante poder pensar que hoje, através de uma busca, se pode encontrar um amigo de infância, um colega que estudou com você no ensino fundamental, e que juntos podem fazer memória daquele tempo, tudo de forma online. Outro grande benefício é a possibilidade de trabalho, de divulgação de um produto ou serviço pessoal, de ampliar seu campo de atuação, interação e conhecimento. Aliás, é graças às redes que você lê este texto!

 

A internet e as mídias sociais trouxeram tudo isso, que é muito bom! No entanto, fica a pergunta: como você tem se relacionado com essas tecnologias? Quanto tempo você tem investido ou desperdiçado diante da tela de um computador ou do seu smartphone? Qual é a primeira coisa que tem feito ao levantar da cama? Já observou que, nos últimos anos, você já levanta da cama com o celular na mão? Não consegue dormir com este pequeno aparelho longe do seu alcance, por ficar preso no discurso que precisa dele por conta do despertador?

 

No entanto, você esquece de observar, que ao longo de um dia inteiro, seu celular o acompanha como a própria sombra, sempre com uma desculpa diferente: “tenho que responder o whatsapp, estou trabalhando, estou pesquisando algo importante para comprar, estou resolvendo um problema, estou… estou… Estou dependente dessa coisa e não percebi”.

 

Essa relação é tão viciante e séria, que tem chamado a atenção de muitos, a ponto de surgirem até mesmo, novas doenças psicológicas, que creio, deva entrar na próxima edição do DSM (Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais). Isso tudo, porque, de fato, dentro do sistema cerebral, é acionado um mecanismo de recompensa, que gera prazer, durante o tempo gasto nessas operações. Afinal de contas, pesquisamos, ouvimos, assistimos, seguimos e nos relacionamos, apenas com aqueles que pensam como nós e estão alí nos “aplaudindo”, com seus comentários e curtidas.

 

A questão se amplifica e potencializa, quando a quantidade de tempo, curtidas, comentários e aplausos não são mais suficientes para gerar prazer. Daí, é preciso buscar mais, mais e mais… A melhor pose, a melhor frase, a informação mais quente, o mais… o mais… o mais… E assim, um novo mecanismo é acionado: a ansiedade!

 

Houve um aumento significativo do transtorno de ansiedade, em especial o TAG (transtorno de ansiedade generalizada), que é a ansiedade por tudo! Tudo me dispara ansiedade, inclusive a não reação imediata do whatsapp que enviei, da foto que postei, da pesquisa que realizei, da compra que efetuei. O dedinho está sempre ali, “stalkeando” alguma coisa e o aparelho ligado.

 

A questão é, como algo que é tão bom pode se tornar ruim, a ponto de gerar uma doença psicológica? Será que esta era a intenção daqueles que iniciaram esses projetos? Especialmente as mídias sociais? Essa questão foi levantada no documentário “Dilema das Redes”, que mostra todo o efeito das redes sociais no comportamento do ser humano e que provoca um olhar diante do espelho, dessa nossa relação com elas. Vale a pena assistirmos e revermos nossa postura. Nossos recursos tecnológicos são bons, mas devem ser usados com moderação! *Aline Rodrigues é psicóloga, especialista em saúde mental e missionária da Comunidade Canção Nova. Atua com Terapia Cognitiva Comportamental; no campo acadêmico, clínico e empresarial.

 

*Aline Rodrigues

 

Compartilhe aqui:

Twitter começa a liberar versão paga que oferece recursos adicionais

 

Twitter lançou nesta quinta-feira (3) seu serviço de assinatura que oferece recursos adicionais para usuários. Por enquanto disponível apenas na Austrália e no Canadá, ele permite desfazer tuítes antes que outras pessoas vejam e mudar as cores do aplicativo.

 

A opção de cancelar o envio de um tuíte é a mais próxima do botão “editar” já oferecida pela plataforma. Com o novo recurso, assinantes têm até 30 segundos para desistirem da publicação se notarem erros de digitação ou tiverem dúvidas se o conteúdo realmente deve ser compartilhado.

 

O intervalo é mais útil para contas que têm muitos seguidores. Isso porque o plano pago impede que um tuíte seja visualizado imediatamente por outras pessoas.

 

A assinatura também permite organizar tuítes em pastas. A solução é util para quem deseja locais específicos para armazenar threads, vídeos engraçados e indicações de filmes, por exemplo.

 

Além disso, há um modo leitura, que transforma as sequências de tuítes em um texto contínuo para melhorar a experiência. O plano conta ainda com opções para mudar ícone e cores do app do Twitter no celular, bem como um suporte dedicado aos assinantes.

 

Leia a notícia completa do G1AQUI

 

Compartilhe aqui:

WhatsApp e Instagram tem novas ferramentas para conversas entre clientes e empresas

 

Facebook anunciou novas soluções para empresas conversarem com clientes pelo WhatsApp e Instagram. As novidades fazem parte da F8 Refresh, conferência da rede social para desenvolvedores realizada nesta quarta-feira (2).

 

No WhatsApp Business, versão corporativa do aplicativo de mensagens, as empresas terão como oferecer mais informações rápidas aos clientes. As conversas poderão contar com mensagens automáticas sobre o andamento de pedido ou o retorno de um produto ao estoque, por exemplo.

 

O serviço vai permitir ainda que clientes respondam a perguntas de múltipla escolha para não precisarem digitar nada. A ideia é permitir respostas curtas para que o atendimento fique mais ágil.

 

Leia a notícia completa do G1AQUI

 

Compartilhe aqui:

Brasil terá conexão com a Europa por cabo de fibra ótica; veja como isso vai afetar sua vida

 

A comunicação e a conectividade entre Brasil e Europa vai passar por uma grande transformação a partir de junho. Um cabo de fibra ótica foi instalado no Oceano Atlântico entre Fortaleza, no Ceará, e Sines, cidade localizada a 120 km de Lisboa, capital de Portugal.

 

Testes estão sendo conduzidos para que a infraestrutura já comece a funcionar em junho. No Brasil, o cabo de fibra ótica submarino foi instalado no Oceano Atlântico, em Fortaleza, em dezembro do ano passado.

 

Após ser “iluminada”, que é o termo técnico para a ativação da fibra, a previsão é de que a conexão seja expandida para estações no Rio de Janeiro, São Paulo, Guiana Francesa, Argentina e Chile, na América do Sul, além de levar mais cobertura de rede para todos os países da Europa, África e ilhas do Atlântico.

 

O Ministério das Comunicações, em parceria com a Telebrás, garantiu o primeiro investimento para viabilizar o projeto, cuja conclusão ficou a cargo da empresa EllaLink.

 

A implementação da infraestrutura prepara o Brasil para a internet de altíssima velocidade que será oferecida pelo 5G. A iniciativa resulta em melhoria de todas as plataformas de telecomunicações.

 

As informações vão trafegar por mais de 6 mil km do cabo que atravessa o oceano, numa velocidade de 100 terabits e tempo de resposta na transmissão dos dados de 60 milissegundos. Os dados são transmitidos na velocidade da luz nos quatro pares de fibras que compõem o cabo submarino.

 

Compartilhe aqui:

WhatsApp inicia nova política de privacidade neste sábado; veja o que muda

 

WhatsApp, aplicativo de mensagens número um do Brasil e com mais de 2 bilhões de usuários no mundo, colocou em vigor neste sábado (15) a sua nova política de privacidade, que prevê o compartilhamento de mais dados com o Facebook, dono da plataforma.

 

O app vem avisando os usuários sobre os termos desde janeiro. Inicialmente, as mudanças passariam a valer em fevereiro, mas a companhia decidiu adiar a vigência para que todos “tivessem mais tempo de entender a política” por causa da repercussão negativa.

 

Quem não deu o aval para a nova política não terá a conta apagada e o app vai continuar funcionando normalmente por pelo menos 90 dias a partir de 15 de maio.

 

Esse prazo foi combinado com autoridades brasileiras, que investigam se as mudanças estão em desacordo com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

 

O WhatsApp afirmou na sexta passada (7) que essas pessoas veriam com mais frequência um lembrete para dar o aceite. Com o passar das semanas, elas deixariam de ter algumas funcionalidades como o acesso à página de conversas.

O que mudou?

 

O compartilhamento de dados entre as duas plataformas acontece desde 2016.

 

O que muda agora é que dados gerados em interações com contas comerciais, como as de lojas que atendem pelo WhatsApp, poderão ser utilizados pelas empresas para direcionar anúncios no Facebook e no Instagram – redes que pertencem à mesma companhia.

 

Além disso, parceiros do Facebook podem armazenar, gerenciar e processar dados do WhatsApp que sejam obtidos por meio dos chats com essas contas comerciais.

 

Embora o app afirme que as novidades da política de privacidade estão centradas em interações com empresas, o novo texto indica a coleta de informações que não estavam presentes na versão anterior do documento.

Aceite é mesmo obrigatório?

 

O aceite dos termos é obrigatório no Brasil e na maior parte do mundo – somente na União Europeia e no Reino Unido os usuários têm uma opção para não compartilhar dados com o Facebook, por causa da lei de proteção de dados local, a GDPR.

 

O Brasil também tem uma legislação sobre o tema, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), em vigor desde setembro passado.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

 

Autoridades brasileiras indicaram que os novos termos do WhatsApp poderiam representar violações aos direitos dos usuários.

 

“Na LGPD, a pessoa poder dizer se aceita ou não cada um dos muitos tipos de tratamento dos dados. E o WhatsApp não está oferecendo isso”, explicou ao G1, Paulo Rená, professor de direito no Centro Universitário de Brasília (UniCEUB).

 

app entrou em acordo com autoridades brasileiras e as pessoas que ainda não aceitaram a nova política poderão continuar usando o aplicativo sem restrições por pelo menos 90 dias, enquanto os órgãos investigam o caso.

 

Em nota, o WhatsApp disse que “está em contato com as autoridades competentes e continuará prestando as informações necessárias sobre a atualização”.

 

Apesar da recomendação dos órgãos, as regras valem a partir deste sábado (15).

Alternativas

 

Milhões de pessoas baixaram aplicativos concorrentes, como o Telegram e o Signal, por não concordarem com a troca de informações entre WhatsApp e Facebook.

 

G1

 

Compartilhe aqui:

Maior leilão da história trará o 5G ao Brasil

 

Muito mais do que uma internet mais rápida, a tecnologia 5G, que deverá chegar ao Brasil até o fim do ano, irá revolucionar toda a sociedade e os meios produtivos. “Não se trata de mais um G e sim de um guarda-chuva que envolve e potencializa outras tecnologias”, afirma o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Leonardo Euler de Moraes, em entrevista ao programa Brasil em Pauta que vai ao ar neste domingo (2), às 19h30, na TV Brasil.

 

De acordo com Moraes, a tecnologia 5G será a catalisadora de outras tecnologias como a Internet das Coisas, inteligência artificial, robótica, inteligência mista e aumentada. Tudo graças à sua baixa  latência, que é o tempo que os dados demoram para trafegar. “No caso do 5G, esse tempo é menor do que um piscar de olhos”.

 

O edital do leilão 5G está no Tribunal de Contas da União (TCU) para análise e deve ser lançado até o fim deste ano. “Vamos liberar a outorga do direito de uso da frequência, que são essas vias por onde os sinais trafegam”, diz o presidente da Anatel.

 

Segundo ele, esse não será um leilão arrecadatório. Isso porque além da implantação do 5G, as empresas terão compromissos de investimentos como a cobertura de internet em estradas brasileiras e em localidades que ainda não contam com internet nenhuma. “Espera-se que, em 20 anos, sejam de mais de  R$ 40 bilhões em investimentos”, diz.

 

Compartilhe aqui:

Dados de mais de 500 milhões de contas do Facebook são publicados em fórum

 

Dados sobre mais de 500 milhões de usuários do Facebook, incluindo endereços de e-mail e números de telefone, foram postados em um fórum de hackers, de acordo com reportagem da revista “Business Insider” publicada neste sábado (3). “Os registros de 533 milhões de contas do Facebook acabam de ser divulgados gratuitamente”, tuitou Alon Gal, diretor técnico da agência de crimes cibernéticos Hudson Rock, criticando a “negligência total” do Facebook.

 

A Business Insider diz que conseguiu verificar que alguns números de telefone vazados ainda pertenciam aos proprietários das contas afetadas do Facebook. “São dados antigos”, cujo vazamento “já havia sido relatado na mídia em 2019. Encontramos e corrigimos esse problema em agosto de 2019”, disse um porta-voz do Facebook.

 

Compartilhe aqui:

Aplicativo para agendamento de viagens intermunicipais promete revolucionar experiência dos usuários

Empreendimento digital, RUTT já está disponível para download nas plataformas digitais

O ambiente digital é um terreno ilimitado e profícuo para a resolução de problemas que afligem o nosso dia a dia. E quem é que nunca teve dificuldade para encontrar transporte para fazer uma viagem intermunicipal? Além das frotas de ônibus, muitas vezes, não oferecerem um serviço de boa qualidade, não é tarefa fácil encontrar linhas específicas, oferecidas por vans e carros de linhas.

Pensando em como resolver esse dilema, dois potiguares criaram o aplicativo RUTT, que pretende facilitar a vida dos usuários desses serviços, como também dos empreendedores que atuam nesse tipo de negócio.

No aplicativo, o passageiro poderá pesquisar rotas, agendar suas viagens e acompanhar a rota do transporte contratado. Para os empresários também há todo um gerenciamento do negócio, que poderá contribuir para a expansão do empreendimento. Os interessados em usufruir dos serviços do aplicativo já podem baixar e fazer o cadastro gratuitamente.

O aplicativo foi desenvolvido pelos potiguares Danilo Elias e Jusabe Guedes. De acordo com Elias, o objetivo da RUTT é criar uma experiência diferenciada para os usuários, facilitando a vida de quem faz viagens intermunicipais. Na opinião de Jusabe Guedes, o empreendedor ganha um software que poderá ampliar o leque de atuação da empresa, pois para o usuário será muito mais fácil encontrar as rotas desejadas.

Os empresários interessados em fazer parceria com a RUTT podem conhecer os benefícios do aplicativo através do website www.rutt.com.br. “Estamos procurando donos de empresas de transporte de passageiros para, através dessa parceria, unir tecnologia e logística oferecendo uma experiência única e encantadora aos usuários”, destacou Danilo Elias.

Inicialmente, o aplicativo estará disponível em formato experimental apenas no Rio Grande do Norte nas seguintes linhas: Caicó a Natal e Mossoró a Natal (ida e volta). O aplicativo Rutt já está disponível gratuitamente nas principais plataformas para smarthphone, Androide e iOS, de todo o país.

Mais informações: https://www.rutt.com.br/

Compartilhe aqui:

Aplicativo com tecnologia Google-Apple vai alertar sobre contato com infectados por coronavírus

Ministério da Saúde anunciou nesta sexta-feira (31) uma nova funcionalidade para o aplicativo Coronavírus-SUS para alertar sobre a exposição a novos infectados pela doença.

Com base em um tecnologia desenvolvida por Google e Apple, a plataforma vai avisar, pelo celular, em até 24 horas, sobre pessoas que testaram positivo para Covid-19 e estiveram próximas ao dono do aparelho nos últimos 14 dias.

“O aplicativo é seguro e não tem acesso a nenhuma informação pessoal”, disse a pasta. De acordo com o governo, a versão para Android, Google, já está disponível para download, enquanto chegará para iOS, da Apple, nos próximos dias.

Compartilhe aqui:

Facebook pode banir propaganda política nas eleições

Pressionado por uma onda de boicotes contra sua política de combate a notícias falsas e discurso de ódio, o Facebook estuda banir a propaganda política dentro da plataforma digital na véspera das eleições gerais dos Estados Unidos, programadas para novembro.

Apesar de não existir uma decisão final, o tema divide a internet e especialistas em torno do tema. De um lado existe o controle benéfico da disseminação de fake news – que podem resolver negativamente uma eleição – e de outro essas medidas podem acabar atrapalhando na escolha de candidatos, uma vez que o eleitor teria de percorrer um caminho mais longo na hora de tirar dúvidas.

Compartilhe aqui:

Golpes virtuais disparam durante isolamento social pela covid-19

De repente, o celular toca. Numa mensagem de WhatsApp, um amigo pede ajuda. Precisa fazer um depósito urgente e está com problema no aplicativo do banco. Pergunta se pode fazer para ele e no dia seguinte devolve o dinheiro. A história faz parte de um dos golpes mais populares dos últimos meses, sobretudo durante a quarentena. Com mais pessoas em casa por causa do isolamento social e aumento de operações no comércio eletrônico, as tentativas de fraudes virtuais estão em alta.

No período entre 20 de março e 18 de maio, a busca de informações pessoais e bancárias de brasileiros na chamada dark web (ver infográfico) cresceu 108%, segundo pesquisa feita pela Refinaria de Dados, empresa especializada na coleta e análise de informações digitais. O número de buscas diárias alcançou 19,2 milhões ante 9 milhões no período pré-covid.

O sócio da companhia, Gregório Gomes, responsável pelo trabalho, explica que normalmente quem rouba os dados pessoais das pessoas não é quem aplica o golpe. Eles conseguem um banco de dados e vendem para criminosos na dark web. “São sempre dois atores diferentes, o que dificulta a ação da polícia”, afirma o executivo.

Outro dado que corrobora o aumento das tentativas de golpes virtuais é o crescimento dos chamados phishings, nome dado a prática que usa e-mail ou SMS para roubar informações do usuário. Segundo informações da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o número de phishings aumentou 70% no pós-covid. Neste caso, os criminosos enviam mensagens com informações que chamam a atenção do usuário, que clica em um link e, a partir daí, permite a captura dos dados pessoais.

Mensagens fraudulentas

Durante o isolamento social, as mensagens feitas pelos criminosos para atrair a atenção dos brasileiros quase sempre mencionavam as palavras covid, auxílio e Caixa – expressões que mais cresceram no período. Cerca de 39% das mensagens tinham a palavra covid; 36%, auxílio; e 33%, Caixa (ver gráfico). “Das tentativas de phishing no Brasil, 73% dos disparos foram feitos por SMS”, diz Gomes.

Compartilhe aqui:

Criar e divulgar fake news (falsas notícias) são crimes

Os atos relacionados à criação, à divulgação e à disseminação de informações falsas podem ser enquadrados em pelo menos oito artigos do Código Penal e um do Código Eleitoral, com penas que vão desde a aplicação de multas até a prisão

Leia, abaixo, alguns trechos extraídos das orientações que relacionam as fake news a crimes previstos nos códigos Penal e Eleitoral:

A publicação de notícia sabidamente inverídica (fake news) no intuito de ofender a honra de alguém poderá caracterizar um dos tipos penais dos arts. 138, 139 e 140, todos do Código Penal, cumulados com a majorante do art. 141, III, do Código Penal, a depender do caso concreto;

a veiculação de fake news, quando o agente visa dar causa à instauração de procedimento oficial contra alguém, imputando-lhe crime de que o sabe inocente, poderá configurar o delito de denunciação caluniosa, tipificado no art. 339 do Código Penal, sendo que presente a finalidade eleitoral o crime será o do art. 326-A do Código Eleitoral;

de acordo as circunstâncias do caso concreto, a conduta de disseminação de notícias falsas poderá estar tipificada no art. 286 do Código Penal (incitação ao crime), no qual o agente induz, provoca, estimula ou instiga publicamente a prática de determinado crime;

  • na eventualidade de a publicação sabidamente falsa (fake news) ser veiculada por meio da rede mundial de computadores (seja em redes sociais ou em navegadores de internet) mediante link com código malicioso para a captação indevida de dados da vítima, invadindo dispositivo informático alheio, o agente poderá incorrer nas penas previstas para o crime do art. 154-A e seus parágrafos do Código.
Compartilhe aqui:

Twitter testa alerta para usuários repensarem respostas ofensivas antes da publicação

O Twitter irá testar uma ferramenta de envio de notificação aos usuários quando eles postarem uma resposta a tuíte usando “linguagem ofensiva” que aparece em mensagens marcadas como ofensivas.

A medida é parte do esforço para moderar as conversas na plataforma, disse a rede social nesta terça-feira (5).

Segundo publicação feita no perfil de suporte da empresa, o aviso estará disponível apenas em celulares com sistema operacional iOS (iPhones). De acordo com a agência reuters, o teste deve durar pelo menos algumas semanas e será realizado globalmente, mas apenas vai ser aplicado sobre tuítes em inglês.

Quando os usuários clicam em “enviar” em sua resposta, eles serão informados que as palavras no tuíte são semelhantes às usadas em publicações denunciadas como ofensivas e serão questionados se gostariam de revisá-lo ou não.

O Instagram já havia anunciado uma política semelhante para diminuir o número de comentários com conteúdo ofensivo.

Há muito tempo que o Twitter está sob pressão para eliminar conteúdo abusivo. Atualmente, a rede é monitorada por usuários, que denunciam tuítes ofensivos e por tecnologia de inteligência artificial, que faz a remoção automática de publicações problemáticas.

“Estamos tentando incentivar as pessoas a repensarem seu comportamento e repensarem sua linguagem antes de publicarem, porque geralmente estão no calor do momento e podem acabar dizendo algo que vão se arrepender depois”, disse Sunita Saligram, chefe global de política do Twitter na área de confiança e segurança.

As políticas do Twitter não permitem que os usuários ataquem indivíduos com insultos racistas ou sexistas ou conteúdo degradante.

G1

Compartilhe aqui:

O analfabetismo funcional influencia a relação com as redes sociais no Brasil

Três entre cada dez brasileiros têm limitação para ler, interpretar textos, identificar ironia e fazer operações matemáticas em situações da vida cotidiana – e, por isso, são considerados analfabetos funcionais.

Eles hoje representam praticamente 30% da população entre 15 e 64 anos, mas o grupo já foi bem maior: em 2001, chegou a 39%, de acordo o Indicador de Analfabetismo Funcional (Inaf).

O Inaf acompanha os níveis de analfabetismo no Brasil em uma série histórica desde 2001, mas, pela primeira vez neste ano, trouxe informações relacionadas ao contexto digital. Os dados relacionados ao uso de redes sociais foram divulgados nesta segunda-feira com exclusividade para a BBC News Brasil.

Compartilhe aqui:

Facebook, WhatsApp e Instagram têm problemas nesta quarta-feira

As plataformas do Facebook, incluindo Whatsapp e Instagram, estavam com problemas de funcionamento na manhã desta quarta-feira (3). Entre os principais problemas encontrados pelos usuários estão o envio de mídias, como fotos, vídeos, áudios e figurinhas (no caso do WhatsApp).

O site Down Detector, que aglomera reclamações de consumidores sobre o status de serviços online, teve fortes reclamações sobre as redes sociais do Facebook. A última vez que todas as 3 plataformas ficaram instáveis ao mesmo tempo foi no dia 13 de março, quando o problema durou várias horas.

A maior parte dos usuários que passaram por problemas no WhatsApp estão no Brasil, Argentina, Peru, Colômbia e alguns países da Europa. Já o Facebook e o Instagram tiveram muitas reclamações nos Estados Unidos e também na Europa.

Compartilhe aqui: