17/03/2017
Por Edilson Silva em Brasil, Rio de Janeiro

Museu do Amanhã ganha na França prêmio de Construção Verde mais Inovadora

O Museu do Amanhã, do Rio de Janeiro, ganhou ontem (16) o prêmio internacional Mipim (Mercado Internacional dos Profissionais Imobiliários), na categoria Construção Verde mais Inovadora, superando concorrentes do Reino Unido, da Suécia e da Alemanha. O resultado foi divulgado em Cannes, na França.

Para o diretor-geral do museu, Ricardo Piquet, o prêmio é um reconhecimento da conexão entre o conteúdo do Museu do Amanhã, que “trata da sustentabilidade do planeta”, e o fato “de ser um prédio sustentável”.

Piquet acentuou que, com o prêmio, a responsabilidade aumenta, na medida em que se tem que preservar os sistemas que foram pensados e projetados para o museu, para dar o caráter sustentável ao prédio. Entre esses sistemas, ele destacou o de captação de água da Baía de Guanabara, as placas de energia solar na cobertura, e o espelho d’água que reduz a temperatura no entorno do museu.

“Todos os quesitos da sustentabilidade e a relação com o tema propriamente dito, a relação do museu com o meio, com o entorno, com a própria Baía de Guanabara. Esses compromissos serão mais percebidos”, frisou Piquet.

Despertar de consciência

“Arquitetura e conteúdo, localização no espaço urbano e integração com meio ambiente, tudo neste museu converge para um despertar de consciência sobre como as escolhas feitas hoje, por cada um de nós, impactam em um amanhã comum”, ressaltou Hugo Barreto, secretário-geral da Fundação Roberto Marinho, instituição responsável pela concepção do Museu do Amanhã.

O Prêmio Mipim foi criado em 1991. A competição seleciona os mais notáveis projetos já construídos ou em fase de construção em todo o mundo. O Museu do Amanhã concorreu com a sede da Siemens, em Munique, na Alemanha; o edifício residencial 119 Ebury Street, em Londres; e a fábrica da Värtan Bioenergy, em Estocolmo.

No ano passado, o Museu do Amanhã obteve o Selo Ouro da certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design – Liderança em Energia e Projeto Ambiental, em português), concedida pelo Green Building Council, principal instituição americana na chancela de edificações verdes. Foi o primeiro museu brasileiro a obter este reconhecimento no segundo mais alto nível de classificação.

Grandeza

Ao visitar o Museu do Amanhã no último da 9, o ministro do Turismo, Marx Beltrão, se disse “impressionado com a grandeza, com o conceito do museu”. O ministro enfatizou, na ocasião, que o museu “é a cara do Brasil”, em uma referência às suas características de tecnologia e sustentabilidade.

Segundo o ministro, o diferencial do Museu do Amanhã para conquistar o prêmio é a sustentabilidade. “É um museu ecologicamente correto. Isso é um grande diferencial, tem todo um conceito moderno, mas um conceito de sustentabilidade muito diferente do de outros museus.”

Beltrão disse que, do ponto de vista ecológico, os benefícios são fundamentais para que o museu funcione gastando pouca energia, o que torna mais barata sua manutenção. “Aqui, não só conhecemos quem nós fomos, quem somos e quem queremos ser, a questão do amanhã. Mas [há)]um conceito de modernidade, de tecnologia, de sustentabilidade que está impregnado aqui no museu”, acrescentou.


02/02/2017
Por Edilson Silva em Rio de Janeiro

Rio de Janeiro em chamas

Na abertura do ano legislativo nesta quarta-feira, 1º, na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), servidores estaduais que protestam contra o pacote de medidas do governo e a tropa de choque da Polícia Militar (PM), que cerca o prédio da Alerj, entraram em confronto. O ano legislativo começou nesta terça, com a reeleição de Jorge Picciani (PMDB) e do resto da mesa diretora.

A confusão começou quando representantes de alguns sindicatos tentavam puxar a grade de proteção que cercava o Palácio Tiradentes. A Polícia atirou bombas de efeito moral para afastar os manifestantes. Eles revidaram atirando pedras na direção dos policiais.

O ônibus depredado na manifestação, explodiu. Os manifestantes mascarados atearam fogo ao banco do motorista. Um homem que trabalha em prédio vizinho tentou usar um extintor para apagar as chamas, mas não conseguiu. As labaredas se espalharam para o resto do ônibus até ocorrer a explosão.

Uma banca de jornal foi atingida pelas chamas do ônibus e ficou parcialmente destruída. Dois contêineres de lixo foram incendiados por manifestantes com os rostos cobertos e integrantes dos black blocs, na Avenida Rio Branco, em frente ao Largo da Carioca. Manifestantes também atearam fogo a uma guarita da Guarda Municipal, na Rua da Assembleia.


31/12/2016
Por Edilson Silva em Rio de Janeiro

Copacabana espera 2 milhões de pessoas no réveillon

Protagonista do réveillon do Rio, Copacabana se prepara para receber cerca de 2 milhões de pessoas que vão curtir a grande festa ao som de muita música e com vista privilegiada para a queima de fogos. Um grande esquema de trânsito e de segurança foi montado.

A expectativa da Riotur é de que 865 mil turistas circulem pela cidade e que eles gastem cerca de R$ 2,5 bilhões no fim de ano. Em Copacabana e no Leme, a ocupação dos hotéis chegou a 75%, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio (ABIH-RJ).


16/11/2016
Por Edilson Silva em Política, Rio de Janeiro

Protesto de servidores no Rio tem bombas e confronto entre manifestantes

16nov2016-manifestantes-em-carro-de-som-que-pede-a-intervencao-militar-durante-protesto-de-servidores-publicos-na-alerj-no-rio-1479305089724_615x300

O ato que reúne milhares de servidores públicos do Estado do Rio de Janeiro contra o pacote de medidas de austeridade apresentado pelo governo, em discussão na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio), teve confronto entre dois grupos de manifestantes, derrubada de uma grade e repressão policial, com bombas de efeito moral e de gás lacrimogêneo, nesta quarta-feira (16).

A manifestação acontece diante do Palácio Tiradentes, sede do Legislativo estadual, no centro da capital fluminense. O prédio está cercado por grades e é protegido por policiais militares. Apesar disso, os manifestantes tentam arrebentar a grade de proteção que cerca o prédio. Numa segunda tentativa, ela foi derrubada. A PM jogou spray de pimenta e dispersou a confusão. Com isso, foi ocupada a escadaria. Há uma corrente de PMs e outra grade.

Com o clima tenso e a nova tentativa de invasão, a PM jogou bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo para reprimir o grupo que estava à frente. Pelo menos, um manifestante ficou ferido e foi socorrido. Não foi informado o estado de saúde da vítima.

O Choque e a cavalaria foram chamados para ajudar na segurança. Houve agressões a manifestantes que estavam com máscaras de gás.

Via Uol


05/07/2016
Por Edilson Silva em Rio de Janeiro

Tribunal de Contas bloqueia R$ 198 milhões por irregularidades no Maracanã

maracana-1442524288639_615x300

TCE/RJ – Tribunal de Contas bloqueia R$ 198 milhões por irregularidades no Maracanã.

O TCE-RJ (Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro) decidiu nesta terça-feira (5) bloquear R$ 198 milhões em repasses a Odebrecht e a Andrade Gutierrez devido a irregularidades na reforma do Maracanã para a Copa do Mundo de 2014. As duas construtoras foram as responsáveis pela obra, contratada pelo governo do Rio.

Um relatório recomendando o bloqueio dos repasses foi aprovado no início desta tarde, por unanimidade, pelos conselheiros do TCE. Auditores do tribunal de contas já haviam detectado irregularidades de R$ 93 milhões durante a reforma do estádio (2010 a 2013). Até hoje, porém, os processos sobre o caso não haviam sido julgados.

A sessão plenária desta terça-feira mudou essa situação. Conselheiros do TCE ratificaram a análise do conselheiro-relator José Gomes Graciosa e atestaram a existência de pagamentos em duplicidade feitos pelo governo, realização de serviços desnecessários e sobrepreços na compra de materiais usados na reforma.

A obra no Maracanã para a Copa do Mundo começou orçada em R$ 705 milhões. O governo do Estado afirma ter empregado mais de R$ 1,2 bilhão no projeto.

Maracanã e a Lava Jato

A reforma do Maracanã para a Copa do Mundo já virou tema de investigações vinculadas à Lava Jato. Executivos da Andrade Gutierrez chegaram a afirmar que pagaram 5% do valor da reforma ao ex-governador Sérgio Cabral em proprinas. Cabral nega.

Delações indicam também conselheiros do próprio TCE-RJ receberam 1% do valor da obra em propina. O Tribunal de Contas também nega.

O governo do Estado do Rio de Janeiro e o Consórcio Maracanã 2014, que reúne Odebrecht e Andrade, já foram procurados para comentar a decisão do TCE. Ainda não se pronunciaram.




Facebook


Twitter