Macaíba

Prefeitura de Macaíba contrata nova banca para realizar concurso com 627 vagas

A prefeitura de Macaíba firmou contrato com a empresa AOCP para dar continuidade ao concurso para preenchimento do quadro permanente de funcionários.

O concurso estava até então suspenso provisoriamente em virtude da constatação de falhas da empresa anteriormente responsável pelo certame na fase de inscrições, tais como emissão de boletos, solicitações de taxa de isenção, entre outras.

Ressalta-se que a suspensão foi recomendada pela Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Norte, que está acompanhando o processo, assim como o Ministério Público Estadual.

A publicação referente ao contrato consta no Diário Oficial do Município de Macaíba, Nº 0224, Ano II, datado desta sexta-feira (26/04/2019). Em breve, haverá novas publicações sobre o concurso como edital, cronograma de inscrições e provas. Os candidatos que quitaram as taxas de inscrições anteriormente e não solicitaram a taxa de devolução do valor pago precisarão apenas atualizar seus dados cadastrais com a nova banca, sem necessitar efetuar o pagamento de uma nova inscrição. A Prefeitura de Macaíba irá informar todos os procedimentos necessários a serem feitos.

Entretanto, quem requereu o ressarcimento das taxas pagas anteriormente também poderá participar do concurso, pagando o valor de sua nova inscrição. O formulário online para requerimento da devolução foi disponibilizado entre 22/03 e 05/04/19, no site oficial da Prefeitura.

A empresa AOCP havia sido convocada mediante consulta formal para dar continuidade ao concurso da prefeitura de Macaíba no Diário Oficial do Município, Nº 0199, Ano II, datado de 19/03/19. Estão previstas 627 vagas, 236 para nível médio e 391 para nível superior.

Compartilhe aqui:

Operação Hígia: Ação do MPF resulta em condenação de ex-prefeito de Macaíba

Luizinho

Uma ação penal movida pelo Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte (MPF/RN) resultou na condenação do ex-prefeito de Macaíba, Luiz Gonzaga Soares, por corrupção passiva e crime de quadrilha, dentro do esquema descoberto pela Operação Hígia.

O esquema envolvia irregularidades cometidas na contratação de serviços de mão de obra pela Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap), entre 2004 e 2006.

Da sentença, de sete anos e seis meses de reclusão, ainda cabem recursos e o MPF irá apelar para aumentar a pena de Luizinho, como é conhecido o réu. De acordo com o depoimento de dois dos principais operadores do esquema – Anderson Miguel e Jane Alves, então proprietários da empresa A&G – Luiz Gonzaga.

Compartilhe aqui:

Menor é assassinado em Macaíba após um desentendimento com amigos

assalto-mao-armada

A Policia Militar foi acionada pelo Centro Integrado de Operação de Segurança Pública (Ciosp), na madrugada deste sábado (28), para atender a uma ocorrência de disparo de arma de fogo na Rua Senador Carlos Alberto, no bairro Mangabeira, em Macaíba. Ao chegar no local, a PM se deparou com um menor (14) em óbito em um terreno baldio naquela localidade.

Segundo relato de testemunhas, a vítima estava bebendo na casa de amigos quando houve um desentendimento entre eles. Um rapaz, apelidado de Magão, teria sacado uma arma e atingido a vítima com três disparos. A guarnição da PM fez o isolamento do local, enquanto a equipe do ITEP e da polícia civil realizaram os procedimentos de legais que irão colaborar com investigação para prisão do autor do crime.

Nominuto.com

Compartilhe aqui:

Promotor vai apurar possíveis irregularidades no repasse de contribuições previdenciárias em Macaíba

Gerson-Lima-Macaiba

O Ministério Público Estadual através do promotor Ricardo Manoel da Cruz vai apurar a ocorrência de possíveis irregularidades no repasse de verbas previdenciárias pela Câmara Municipal de Macaíba à Previdência Municipal de Macaíba (MacaíbaPREV). O presidente da Casa, vereador Gerson Lima é aliado do prefeito Fernando Cunha.

E o inquérito é decorrente do encaminhamento de denúncia oriunda da Ouvidoria do Ministério Público, relatando a ocorrência de possíveis irregularidades no repasse de verbas. E o promotor frisou que a partir da coleta de provas necessárias à instauração e propositura, se for o caso, de Ação Civil, bem como de denúncia por crimes contra a Administração Pública. Foi solicitado ao presidente da Câmara, no prazo de 15 dias, cópia das informações contábeis e dos resumos de folha de pagamento referentes aos meses de agosto a outubro de 2013 e março a novembro de 2012.

Compartilhe aqui: