O golpe contra a presidente Dilma Rousseff sofre um duro baque: Globo pede a queda de Eduardo Cunha

images-cms-image-000467986
Ultrapassou todos os limites a manipulação que o presidente da Câmara faz do regimento, com o uso de seu poder, para atrapalhar a apreciação de processo contra ele.
.
O golpe contra a presidente Dilma Rousseff sofre um duro baque neste sábado.
.
Em editorial, o jornal O Globo, comandado por João Roberto Marinho, pede o afastamento sumário de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara dos Deputados.
.
De acordo com o texto, “ultrapassou todos os limites a manipulação que o presidente da Câmara faz do regimento, com o uso de seu poder, para atrapalhar a apreciação de processo contra ele”.
Cobrança da Globo, um dos centros de poder no Brasil, pode acelerar decisões da procuradoria-geral da República e do Supremo Tribunal Federal, sobre seu afastamento.
.
“Seu tempo acabou”, diz o jornal.
.
Sem Cunha, o golpe estimulado pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG) e pelo PSDB perde força e intensidade. (Com o 247)
.
Leia abaixo:
.
Venceu o prazo de validade de Eduardo Cunha
 
.
Ultrapassou todos os limites a manipulação que o presidente da Câmara faz do regimento, com o uso de seu poder, para atrapalhar a apreciação de processo contra ele.
.
A Câmara dos Deputados, assim como o Senado, é uma instituição secular, fundada no Império, dirigida àquela época por condes e viscondes. Na República, sua Mesa foi frequentada por nomes que se encontram nos compêndios de História do Brasil: Flores da Cunha, Pedro Aleixo, Ulysses e outros.
 
.
Em tempos recentes, houve a bizarrice de Severino Cavalcanti, cassado por receber um “mensalinho” de R$ 10 mil de um concessionário de restaurante na Câmara. Ungido pela política fisiológica do PT de literalmente comprar apoio no Congresso, Severino queria controlar a diretoria da Petrobras que “fura poço”. Um parêntese: ele talvez não soubesse, mas o lulopetismo já havia dominado a direção da estatal e passara a saqueá-la.
 
.
No campo do exotismo — mas em outro sentido —, o atual presidente, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), escala índices de rejeição na opinião pública, ao manejar com frieza o poder do cargo e o conhecimento que tem das regras da Casa, para sabotar a tramitação no Conselho de Ética de um processo instaurado contra ele por falta de decoro.
 
.
Às favas com a objetividade dos fatos. Cunha, citado na Lava-Jato como beneficiário de propinas geradas na Petrobras, compareceu, por vontade própria, à última CPI da Petrobras e garantiu que não tinha contas escondidas em bancos suíços.
 
.
O MP suíço o desmentiu, ao enviar dados de contas suas e família à Procuradoria-Geral da República. Configurado o perjúrio, o PSOL e a Rede encaminharam denúncia ao Conselho de Ética. Aberto o processo, Cunha, aliados e tropa de choque fazem de tudo para impedir o funcionamento do Conselho, com a intenção de atrasar ao máximo os trabalhos e jogá-los para 2016.
 
.
Inviabilizado um acordo com o governo — mais por resistência de petistas que se recusaram a votar em favor dele —, para que o deputado escape da cassação, os embates no Conselho passaram a reproduzir cenas à altura de câmaras de vereadores do mais longínquo sertão. Tapas, gritaria, intervenções protelatórias de nível rasteiro.
 
.
Mesmo tucanos que estavam condescendentes com Eduardo Cunha, para que ele aceitasse o pedido de impeachment de Dilma — arma que o deputado usou para chantagear o Planalto —, o abandonaram. Ainda antes de ele instaurar o processo do impedimento — dentro das prerrogativas do presidente da Câmara, seja ele quem for.
 
.
Aberto o processo, passaram-se 38 dias e oito reuniões, até a de quinta-feira, sem que se conseguisse votar um relatório, diante de um atônito presidente do conselho, José Carlos Araújo (PSD-BA). O primeiro relator, Fausto Pinato (PRB-SP), contestado pelo grupo de Cunha, por se declarar a favor do prosseguimento do processo, disse ter sido ameaçado, e terminou substituído por Marcos Rogério (PDT-RO). Este promete ler seu relatório, também contra Cunha, na terça-feira. Mas nada é certo.
 
.
O presidente da Câmara deveria renunciar ao cargo, para se dedicar à sua defesa, sem atrapalhar os trabalhos da Casa. Seu tempo acabou.

 

Compartilhe aqui:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*