07/12/2015
Por Edilson Silva em RN, Tempo

Comissão Nacional de Combate a Desertificação se reúne em Brasília

procopio-samu

Acontecerá nesta segunda (07) e terça-feira (08), na Sede do Ministério do Meio Ambiente, em Brasília, a 6ª Reunião Extraordinária da Comissão Nacional de Combate a Desertificação (CNCD). A reunião terá três momentos distintos, porém interligados: uma reunião dos onze representantes da sociedade civil do semiárido brasileiro; cerimônia de comemoração do Dia Internacional dos Solos; e no último momento a reunião com todos os membros da sociedade civil e governos que compõem CNCD.

Durantes estes dois dias serão discutidos e deliberados pela CNCD as seguintes questões:

a) regulamentação e implementação da Política Nacional de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca e seus instrumentos;

b) iniciativas e medidas para reduzir a vulnerabilidade, atual e esperada, dos sistemas naturais e humanos frente aos efeitos da seca e aos processos de desertificação e de degradação da terra;

c) estabelecer sistema integrado de informações de alerta precoce para a ocorrência de secas, perda da cobertura vegetal, degradação da terra e desertificação;

d) Lançamento do Atlas Mundial de Solos, lançamento de publicação técnica sobre manejo e conservação de solos, apresentação da quadra chuva para 2016 e do Sistema de Alerta Precoce de Seca e Desertificação (SAP); anúncio do programa de formação técnica para manejo e conservação de solos;

e) apresentação e análise dos resultados da participação do Brasil na Conferencia das Partes da Convenção de Combate a Desertificação ocorrido no período de 12 a 23 de outubro, na Turquia.

O engenheiro agrônomo José Procópio de Lucena, membro titular da CNCD pelo Seapac e ponto focal da sociedade civil brasileira para as Convenções das Nações Unidas para o Combate à Desertificação (UNCCD), coordenará a reunião dos representas do semiárido brasileiro e participará de todas as demais atividades.


21/11/2015
Por Edilson Silva em Mundo, Tempo

O monstro! El-niño de 2016 será catastrófico para o planeta, alertam meteorologistas

gonzalo-iss-oct16

O maior problema recai no fato de as condições meteorológicas do planeta terem se alterado por causa da mudança climática e as condições não são as mesmas de uma década e meia atrás.

Um alerta emitido informa que o El-niño piorará demais em 3 meses, a Organização Mundial da Meteorologia, pediu que as medidas de prevenção implantadas em países aumentem. Habitualmente, os episódios do El Niño se intensificam no final do ano e alcançam a fase máxima entre outubro e janeiro, as vezes eles persistem até o primeiro trimestre antes de começar a perderem força.

Em agosto de 2015, as temperaturas da superfície do mar já chegaram a atingir 1,3 e 2 graus acima da média, superando em 1 grau o nível habitual do El Niño. Estimativas apontam que, no restante do ano, a temperatura da superfície da água do mar irá superar a temperatura normal em 2 graus centígrados, por isso a atual passagem do El Niño estará entre as três mais fortes registradas desde 1950.

O maior problema recai no fato de as condições meteorológicas do planeta terem se alterado por causa da mudança climática e as condições não são as mesmas de uma década e meia atrás: tendência geral para um aumento da temperatura do oceano, derretimento das geleiras do Ártico e diminuição de mais de 1 milhão de quilômetros quadrados da camada de neve no hemisfério norte.

A OMM teme que a interação entre o aquecimento global e o fenômeno possam ter efeitos desconhecidos e muito prejudiciais. Neste ano, o El Niño contribuiu para uma grande seca na América Central e acredita-se que em partes da América do Sul, especialmente no Equador e no Peru, possa provocar os mesmos desastres que no último grande episódio entre 1997-1998.criar blog


17/11/2015
Por Edilson Silva em Tempo

Alerta: El Niño se intensificará e terá efeitos devastadores

Nasa-Terra-20150729-01-768x768

O maior problema recai no fato de as condições meteorológicas do planeta terem se alterado por causa da mudança climática.

Do Site Terra O atual fenômeno meteorológico El Niño, o mais forte dos últimos 15 anos, está prestes a se transformar em um dos mais potentes dos últimos 65 anos e continuará se intensificando até o final do ano. Durante a apresentação nesta segunda-feira (16) do boletim sobre este fenômeno, que alerta que as condições meteorológicas extremas vão se agravar nos próximos três meses, a Organização Mundial da Meteorologia (OMM), vinculada à Organização das Nações Unidas, pediu que as medidas de prevenção aumentem.

O El Niño é um fenômeno natural resultado da interação entre o oceano e a atmosfera na região equatorial do Oceano Pacífico. Habitualmente, os episódios do El Niño se intensificam no final do ano e alcançam a fase máxima entre outubro e janeiro do ano seguinte, embora frequentemente persistam até o primeiro trimestre antes de começar a perder força. Em agosto deste ano, as temperaturas da superfície do mar já chegaram a atingir 1,3 e 2 graus centígrados acima da média, superando em 1 grau o nível habitual do El Niño. Estimativas apontam que, no restante do ano, a temperatura da superfície da água do mar irá superar a temperatura normal em 2 graus centígrados, por isso a atual passagem do El Niño estará entre as três mais fortes registradas desde 1950.

O maior problema recai no fato de as condições meteorológicas do planeta terem se alterado por causa da mudança climática e as condições não são as mesmas de uma década e meia atrás: tendência geral para um aumento da temperatura do oceano, derretimento das geleiras do Ártico e diminuição de mais de 1 milhão de quilômetros quadrados da camada de neve no hemisfério norte. A OMM teme que a interação entre o aquecimento global e o fenômeno possam ter efeitos desconhecidos e muito prejudiciais. Neste ano, o El Niño contribuiu para uma grande seca na América Central e acredita-se que em partes da América do Sul, especialmente no Equador e no Peru, possa provocar os mesmos desastres que no último grande episódio entre 1997-1998.

Nessa ocasião, o Equador e o Peru foram atingidos por níveis de chuvas mais de dez vezes superior ao normal, o que provocou inundações, erosões e deslizamentos, o que gerou mortes, além da destruição de imóveis. Além disso, o episódio deste ano contribuiu para uma estação muito forte de ciclones tropicais no Pacífico Norte. O furacão Patricia, que chegou ao México em 24 de outubro, foi o ciclone tropical mais intenso do ocidental. O El Niño costuma estar relacionado à secas no sudeste asiático e o episódio deste ano contribuiu para aumentar os incêndios florestais na Indonésia, os piores registrados até o momento e que tiveram graves consequências para a população.


27/10/2015
Por Edilson Silva em Tempo

EMPARN tem previsão de poucas chuvas previstas para os próximos meses

10993413_793418987361261_775889344928899786_n

Os valores esperados até o próximo dia 30 deverão variar entre 0 e 5 mm no litoral. No interior do estado, não devem ocorrer chuvas nesse período.

De acordo com a gerência de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), “as condições termodinâmicas analisadas nas últimas semanas referentes aos oceanos Pacífico e Atlântico indicam que ainda predomina a condição de El Niño no Oceano Pacífico com anomalias na temperatura superficial que chegam a 3ºC na parte central desse oceano”. Os valores esperados até o próximo dia 30 deverão variar entre 0 e 5 mm no litoral. No interior do estado, não devem ocorrer chuvas nesse período.

Durante os meses mais quentes do ano – novembro, dezembro, janeiro e fevereiro – quando ocorrem no estado as chuvas da pré-estação chuvosa (chuva do cajueiro), atuam na região sistemas meteorológicos transientes (frentes frias e vórtices ciclônicos de ar superior). Esses sistemas meteorológicos são de baixa previsibilidade climática, por isso somente podem ser previstos a curto prazo, com no máximo 5 dias de antecedência. Além disso, esses sistemas apresentam características como a posição e concentração de umidade, responsáveis pela distribuição e intensidade das chuvas. Assim, para os meses de novembro e dezembro de 2015, além de janeiro de 2016, não é possível determinar uma previsão climática com bom acerto. É recomendado nesse período o acompanhamento das previsões semanais.


23/10/2015
Por Edilson Silva em Mundo, Tempo

México: O mais forte furacão da história tem rajadas de 400 km/hora

ng4980240

México (AFP) – O monstruoso furacão Patricia se aproxima nesta sexta-feira da costa do Pacífico mexicano como o mais poderoso fenômeno do tipo já registrado no mundo.

A CNN diz que o “Patrícia” é o mais forte furacão alguma vez registado. O seu olho tem nove quilómetros de diâmetro, desloca-se para norte a 19 quilómetros por hora e com ventos de 325 quilómetros/horas, com rajadas até os 400 quilómetros/hora.

Contactada pela agência Lusa, a embaixada de Portugal no México esclareceu que a comunidade portuguesa que possa vir a ser afetada pela passagem do furacão já se encontra alertada.

A embaixada referiu também que, até ao momento, não foi informada sobre a presença de turistas em Jalisco, o primeiro Estado mexicano a ser atingido pelo furacão.

No último boletim, o SMN detalha que às 13:00 locais (19:00 em Lisboa) o furacão, de categoria 5, o máximo na escala de Saffir-Simpson, está “extremamente perigoso” e que prevê que o seu olho se aproxime das costas de Jalisco, oeste do México, ainda esta tarde (hora local).

O furacão encontra-se a cerca de 135 quilómetros a sudoeste de Manzanillo (Colima) e vai provocar “chuva forte”, bem como “violentas rajadas de vento e ondas altas nos estados do Pacífico Central”.


19/10/2015
Por Edilson Silva em Tempo

Inmet alerta para perigo de seca e calor

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu na manhã de hoje (18) cinco alertas de seca e dois de ondas de calor, válidos até terça-feira (20). A umidade relativa do ar pode chegar a 10% e a situação é considerada de perigo em todo o estado de Goiás e no Distrito Federal. No Piauí, o alerta abrange quase todo o estado, menos o litoral. Também fazem parte da região mais seca o oeste e o noroeste de Minas Gerais, o extremo oeste da Bahia, o centro e o sul do Maranhão, a metade sul do Tocantins e a metade leste de Mato Grosso. Nessas regiões, há risco para a saúde.

O centro-sul do Ceará e o extremo oeste dos estados de Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco são áreas consideradas de perigo potencial, com umidade chegando a 25%. Já a onda de calor atinge o noroeste de São Paulo, o norte e o leste de Mato Grosso do Sul, o centro-sul de Tocantins, o centro-leste de Mato Grosso e todo o estado de Goiás, incluindo o Distrito Federal. Essas localidades podem voltar a registrar recordes de temperatura nos próximos dias.


13/10/2015
Por Edilson Silva em Tempo

Previsões de redução de chuvas para os próximos anos preocupam instituições

José-Procópio-presidente-do-Comitê-da-Bacia-do-Piranhas-Assu-participou-de-evento-em-Goiás

José Procópio, presidente do Comitê da Bacia do Piranhas Assu participou de evento em Goiás.

Durante o XVII encontro nacional de comitês de bacia hidrográficas, realizado em Caldas Novas, GO, no período de 4 a 9 de outubro foi apresentado à situação caótica que se encontra o Rio São Francisco. Sua vazão regularizada de 1800m³/s está atualmente com apenas 900m³/s liberado pela barragem de sobradinho que esta recebendo apenas 450m³/s. Este quadro de criticidade hídrica levou a barragem de sobradinho que tem uma capacidade de 34 bilhões de m³ a ficar apenas com 8% de sua capacidade.

De acordo com José Procópio de Lucena, presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Piancó/Piranhas/Açu, já estão prejudicadas, a pesca, a produção de energia e a irrigação de vários projetos ao longo do rio. Neste momento o Rio São Francisco deveria esta recebendo água de seus rios tributários, porém, isso não esta acontecendo. As previsões não são nada animadoras diante da destruição que o agrohidronegocio vem fazendo nas nascentes do velho Chico e das previsões meteorológicas para 2016. Além das mudanças climáticas que prevê redução de chuvas para o Nordeste nos próximos 100 anos de em torno de 30%.

O próprio ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, reconhece que se nada for feito em termo de recuperação das nascentes e matas ciliares dos rios que compõe a região hidrográfica da bacia do São Francisco e sua própria revitalização, não haverá água num futuro próximo para alimentar os canais da transposição. A opinião de agricultores familiares, povos e comunidades tradicionais e pesquisadores presentes no evento, o Rio São Francisco não suportará as transposições que estão sendo feito para diversos usos, inclusive, para os estados do Ceará, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte.

Via Sidney Silva


07/10/2015
Por Edilson Silva em Jucurutu, Tempo

Jucurutu: Veja o que restou do Rio Piranhas

11059995_532760606890619_7273407195205778043_n

Forte estiagem fez Rio Piranhas praticamente desaparecer no município de Jucurutu interior do Rio Grande do Norte.

A reportagem do Blog do Edilson Silva mostra com exclusividade o que restou do Rio Piranhas que praticamente secou aqui no município de Jucurutu/RN. As imagens foram registradas no fim de tarde desta quarta – feira, 07 de Outubro/2015. O que já foi sinônimo de festa e alegria para os seridoenses, hoje é motivo de tristeza e preocupação para os agricultores e moradores que dele necessita.

O Piranhas nasce na Serra do Bongá, município de Bonito de Santa Fé, estado da Paraíba, com o nome de rio Piranhas, denominação que leva até adentrar o estado do Rio Grande do Norte pelo município de Jardim de Piranhas. Só recebe o nome de Piranhas-Açu ao passar pela Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, no município potiguar de Itajá/RN.

12116022_532760083557338_4296521688388246871_n

O cenário é triste e desanimador, mas mesmo assim não devemos perder a esperança em Deus de alcançarmos dias melhores.

12143219_532759793557367_6626854503560149471_n

Ponte que liga o Centro da Cidade ao Bairro Santa Izabel já teve de receber em antigos invernos grande volume de água.

12118932_532760363557310_7674508156900774047_n

Imagens da antiga passagem molhada que ligava a sede do município ao atual Bairro Pedra do Navio.


28/09/2015
Por Edilson Silva em Tempo

Meteorologista afirma que 2016 será um ano de grande seca e poderá ser comparada à de 1958

03.01.1976 - Pedro Luiz - Seca no Nordeste. 03.01.1976 - Pedro Luiz - Drought.

De acordo com Molion, para o sertão da Paraíba o ano de 2016 deverá ser o mais seco deste longo período de estiagem que já dura cinco anos.

O Jornal cajazeirense Gazeta do Alto Piranhas, trouxe uma reportagem de capa, com informações do renomado meteorologista Luis Carlos Molion prevendo, com base em seus estudos, uma grande seca para 2016, cujos efeitos poderão ser comparados ao da grande seca de 1958.

Suas avaliações são feitas com base no “El Nino”, que é o aquecimento das águas do oceano Pacífico, fato que reduz a quantidade de chuvas na região e, segundo ele, o inverno do próximo ano será mais seco e com menos chuvas do que nos últimos anos.

De acordo com Molion, para o sertão da Paraíba o ano de 2016 deverá ser o mais seco deste longo período de estiagem que já dura cinco anos, com efeitos devastadores na economia da região.

Conforme os estudos feitos, as chuvas na região deverão ficarão bem abaixo da média. Em Cajazeiras, por exemplo, a previsão é que as chuvas atinjam apenas 359 mm, quando a média de chuvas, em invernos normais, é de 881 milímetros.

Por Edjamilton Pereira


18/09/2015
Por Edilson Silva em RN, Tempo

Seca histórica muda paisagens no RN e faz sertanejo querer ir embora

seca_RN

Para ver de perto os efeitos da seca, equipes do G1 e da Inter TV Cabugi percorreram aproximadamente 1.400 quilômetros.

G1/RN – A mais longa estiagem dos últimos 100 anos no Rio Grande do Norte está mudando hábitos e transformando paisagens interior a dentro. Reservatórios secaram, cachoeiras desapareceram e o verde da vegetação ganhou tons de cinza. O solo rachou, animais morreram, plantações foram dizimadas. Os prejuízos, somente no ano passado, somam R$ 3,8 bilhões. E o sertanejo, que sofre com escassez, agarra-se à fé. As previsões para o ano que vem não são boas. Um reservatório com obras atrasadas e a transposição do rio São Francisco, que sequer tem data para chegar ao território potiguar, são as soluções apontadas pelos governantes.

Dos 167 municípios do estado, 153 estão em estado de emergência pela falta de chuvas. Destes, 122 são abastecidos por caminhões-pipa. Em onze cidades, que se encontram em colapso no abastecimento, o fornecimento de água está comprometido e a Companhia de Águas e Esgotos (Caern) suspendeu a cobrança das faturas. A maior barragem do estado, a Engenheiro Armando Ribeiro Gonçalves, já atingiu o volume mais baixo de sua história. Nas regiões afetadas tem gente que só pensa em ir embora.

Para ver de perto os efeitos da seca, equipes do G1 e da Inter TV Cabugi percorreram aproximadamente 1.400 quilômetros. Durante cinco dias foram visitadas 19 cidades nas regiões Seridó e Oeste do estado. Em Acari, Antônio Martins, Carnaúba dos Dantas, Currais Novos, João Dias, Luís Gomes, Paraná, Pilões, Riacho de Santana, São Miguel e Tenente Ananias o colapso no abastecimento faz os moradores dormirem mal, angustiados com a escassez. E é preciso levantar cedo para enfrentar as filas em busca de alguma água. Já em Apodi, Caicó, Itajá, Jucurutu, Lucrécia, Parelhas, Pau dos Ferros e São Rafael, é o nível baixo das barragens que preocupa.


18/09/2015
Por Edilson Silva em Mundo, Tempo

A seca também castiga estados dos EUA

pouel

A marca esbranquiçada nas rochas mostra onde a água do lago Powell no Arizona, Estados Unidos, costumava a chegar anteriormente. A imagem é do dia 26 de maio de 2015.

O lago Powell, que é um reservatório do rio Colorado, costuma fornecer água para os Estados de Nevada, Arizona e Califórnia. Uma seca severa nos últimos anos combinada com algumas retiradas de água, que muitos acreditam não ser sustentável, reduziu os níveis do lago para apenas 42% de sua capacidade

Grande parte da terra seca registrada na imagem do dia 26 de maio deste ano costumava ficar submersa pelas águas do rio Powell, no Arizona, Estados Unidos, antes de uma severa seca que atingiu a região nos últimos anos.


04/09/2015
Por Edilson Silva em Brasil, Tempo

Sistema usa sol para superar falta de água na agricultura

solar1

Trata-se do Sistema Anauger Solar, um sistema de bombeamento de água movido a energia solar.

A falta de chuvas e o aumento dos custos da energia estão entre os principais desafios enfrentados pelos pequenos agricultores. Por conta disso, a procura por um produto criado por uma empresa de Itupeva (SP) vem crescendo consideravelmente desde o ano passado. Trata-se do Sistema Anauger Solar, um sistema de bombeamento de água movido a energia solar que pode também servir como modelo para ser usado aqui no Rio Grande do Norte.

Segundo Marco Aurélio Gimenez, diretor comercial da Indústria de Motores Anauger, o produto começou a ser desenvolvido ainda nos anos 1990. No entanto, seu lançamento comercial era inviável na época devido aos altos custos da tecnologia de captação solar. A situação começou a mudar nos anos 2000, com a entrada dos recursos digitais no setor. “A evolução da eletrônica, além de baratear, trouxe um controle muito maior aos sistemas. Graças a isso, pudemos patentear e lançar o produto em 2006”, diz.


18/08/2015
Por Edilson Silva em Tempo

El Niño pode elevar nível dos reservatórios em 2016, diz ONS

Ao participar hoje (17) do 5º Seminário sobre a Matriz e Segurança Energética Brasileira, promovido pela Fundação Getulio Vargas, o diretor-geral do Operador do Sistema Elétrico, Hermes Chipp, disse que a perspectiva dos reservatórios para a geração de energia no próximo ano é mais tranquila do que foi na virada do ano passado para 2015.

“Não temos uma hidrologia espetacular, mas é muito melhor do que no ano passado”, disse Chipp, que atribuiu ao fenômeno climático El Niño um “papel importante” na melhoria da situação. “A expectativa dos meteorologistas é que a transição [de 2015 para 2016] seja favorável por causa do fenômeno El Niño, com muita chuva no Sul, chegando ali, no Centro-Sul do país, pegando São Paulo e incrementando Itaipu”.


13/08/2015
Por Edilson Silva em RN, Tempo

Agosto é o mês mais frio do ano em Natal, aponta meteorologista

156689

As chuvas, contudo, devem parar até o fim do mês no estado do Rio Grande do Norte.

Os natalenses estão passando pelo mês mais frio do ano. É o que afirma o meteorologista da Emparn Gilmar Bristot. Segundo ele, a temperatura na capital potiguar chegou a 19ºC nesta semana e a tendência é que o “frio” continue até o fim do mês.

Ainda de acordo com o meteorologista, as temperaturas também estão mais baixas na região serrana do estado, podendo chegar a 17ºC em Martins e na Serra de Santana, por exemplo. As chuvas, contudo, devem parar até o fim do mês.

“O mês de agosto, em si, é um mês frio. Com as chuvas, há uma dificuldade em se aquecer o terreno. Isso somado aos ventos desse período do ano, que promovem a renovação constante do ar, as temperaturas chegam a ficar na casa dos 24ºC durante o dia e até 19ºC no período da noite e madrugada, como ocorreu nesta semana”, explicou Bristot.

Da Tribuna do Norte


29/07/2015
Por Edilson Silva em Jucurutu, Tempo

Tempo mudou na tarde desta quarta, 29/07 em Jucurutu/RN

1520665_693509850781774_3743381644549269054_n

O Blog do Edilson Silva registrou o momento em que nuvens se concentravam na Serra João do Vale em Jucurutu/RN.

Na tarde desta quarta – feira, 29 de Agosto o tempo mudou no município de Jucurutu. Por este motivo o jucurutuense teve temperaturas mais amenas em comparação com os últimos dias. Pela manhã a sensação era de abafamento. Quem pensou em praticar atividades físicas no final do dia, teve suas práticas interrompidas pela leve precipitação que caia sobre a cidade.

A previsão do Instituto Tempo Agora apresentava desde cedo um dia com sol, alternando com chuva em forma de pancada rápida e isolada.

No momento às 17h e 59 min. cai uma chuva tranquila aqui na cidade, mas apesar da pouca intensidade molha bem o solo na zonra rural e urbana. A miníma agora é de 26°C e máxima 28°C em Jucurutu/RN.

Por Edilson Silva – Contatos (84) 9629 7591 – e – mail – edilson104@hotmail.com


27/07/2015
Por Edilson Silva em Jucurutu, Tempo

Jucurutu: Semana começa com tempo nublado

11701128_692532044212888_4534406226540062284_n

Aqui o registro fotográfico do Blog nas proximidades da Escola Municipal Wagner Lopes.

O início de semana aqui em Jucurutu começou com tempo nublado nesta segunda – feira, 27 de Julho. De acordo com previsões do site Tempo Agora, teremos um dia de sol, alternado com pancadas de chuva e possíveis trovoadas.

Vamos aguardar!


18/07/2015
Por Edilson Silva em Tempo

Meteorologia prevê mais chuvas na próxima semana

A gerência de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN) elaborou mais uma análise das condições climáticas e pluviométricas. Para o período de 17 a 24 deste mês, no Rio Grande do Norte, o prognóstico é de chuva.

Segundo a meteorologia, “é esperado que as chuvas continuem ocorrendo sobre a faixa litorânea leste do Estado, e atingindo também algumas regiões no interior (Agreste, Vale do Açu e Mossoró), em maior quantidade com relação as semana anterior. São esperadas chuvas mais fortes com valores variando entre 50 a 150 mm para a Faixa Litorânea. Para o interior, os valores deverão variar entre 5 mm e 30 mm”.


06/07/2015
Por Edilson Silva em Nordeste, Tempo

Nesta segunda (06), Nordeste do país tem tempo nublado

Nesta segunda-feira (06), a região Nordeste tem tempo nublado a parcialmente nublado com pancadas de chuva. A temperatura mínima da região vai ser de 12 graus e a máxima de 36.

Em Teresina e Aracaju, a temperatura mínima vai ser de 22 graus. Em Fortaleza e Natal, mínima de 22 e em Salvador, temperatura mínima de 21 graus. Em João Pessoa, a temperatura máxima vai ser de 29 graus e em São Luís, máxima de 32 graus. As informações são do Instituto Nacional de Meteorologia.


05/07/2015
Por Edilson Silva em Jucurutu, Tempo

Confira o registro pluviométrico das últimas chuvas caídas em Jucurutu e região

11694799_854368251266334_7121922117064685415_n

Imagem registrada pelo Blog do Edilson Silva nas proximidades do Rio Piranhas em Jucurutu/RN.

O Blog do Edilson Silva divulga agora o registro pluviométrico das últimas precipitações no município de Jucurutu e região.

Confira:

Barra de Santana – 97 mm

Sítio Santana em Pedro Carneiro (Jucurutu) – 120 mm

Fazenda Duas Marias (Jucurutu) – 25 mm

Sítio Palha (Jucurutu)  – 12 mm 

Serra Negra do Norte – 42mm

Sitio Bom Jesus em Caicó – 47mm

Sitio Riacho de Santana em Jucurutu – 65mm

Sítio Logradouro dos Enéas em Caicó – 37mm

Sitio Fechado – Jardim de Piranhas – 92mm

Sítio Santa Cruz – Jardim de Piranhas – 105mm

Sítio Cruz em São Fernando – 90mm

Sítio Ferreiro – Jardim de Piranhas – 42mm

Ipueira – 13mm

Sitio Pedra Ferrada em Jucurutu – 57mm

Sitio Ipueirinha – São João do Sabugi – 35mm

Distrito Palma em Caicó – 35mm

Barra em Caicó – 22mm


04/07/2015
Por Edilson Silva em Jucurutu, Tempo

Continua chovendo moderadamente em Jucurutu na noite deste sábado, 04/07

11692746_854005611302598_5958987486880130264_n

Imagens registradas pelo Blog do Edilson Silva no calçadão que fica na RN 118 que corta o município de Jucurutu.

11698462_854005527969273_5895158869547956673_n

Jucurutu nas lentes do Blog do Edilson Silva. Aqui na foro vemos no fundo imagens da Serra João do Vale na tarde deste sábado, 04/07.

A noite deste sábado, 04/07 promete ser de frio para os jucurutuenses e visitantes. Já passa das 19h e continua chovendo moderadamente tanto no sítio como na cidade. Informações de leitores do Blog do Edilson Silva dão conta de que chove bem no Distrito de Barra de Santana.

De lá chega à informação que às precipitações deste sábado já ultrapassaram os 75 mm. Que Deus abençoe nosso sertão e envie chuva abundante para encher nossos reservatórios.

Por Edilson Silva – Contatos (84) 9629 7591 – e – mail – edilson104@hotmail.com




Facebook


Twitter