17/04/2020
Por Edilson Silva em Mundo, Saúde

Brasileiro no Equador relata urubus no céu de Guayaquil após acúmulo de corpos de vítimas do coronavírus

“Vejo urubus no céu de Guayaquil e à tarde a fumaça dos corpos sendo queimados em um dos cemitérios da cidade. Agora, estou vivendo em um filme de terror, apocalíptico.” O relato foi feito ao G1 por um engenheiro brasileiro que mora há décadas na cidade equatoriana e pediu para não ser identificado. Ele fez um um vídeo mostrando as aves na tarde de quarta-feira (15).

O município portuário tem mais de 2 milhões de habitantes e é o motor e centro econômico do Equador, mas está com as ruas desertas. Há duas semanas, desde que se tornou o epicentro da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) no país, vem enfrentando um cenário de horror. Guayaquil tem 4 mil pacientes com a doença Covid-19 e hospitais superlotados antes mesmo de atingir o pico no número de infectados. Há relatos de famílias que não conseguem localizar parentes que estavam internados e morreram.


11/04/2020
Por Edilson Silva em Mundo, Religião

O Papa une-se aos fiéis em oração diante do Santo Sudário

O Papa Francisco expressa, numa carta endereçada ao arcebispo de Turim e bispo de Susa, dom Cesare Nosiglia, o seu apreço pela extraordinária ostensão do Sudário, diante do qual o prelado rezará pelo fim da pandemia de Covid-19, neste Sábado Santo (11/04), a partir das 17h locais, (12h de Brasília) na capela da catedral da cidade de Turim.

Uma celebração extraordinária, uma liturgia de oração e contemplação, “visível a todos os que participarem através dos meios de comunicação”, televisão e redes sociais, anunciada por dom Nosiglia, em 4 de abril, e que nas palavras do Papa “vem ao encontro do pedido do povo fiel de Deus, severamente provado pela pandemia de coronavírus”.

“Uno-me também à sua súplica”, escreve Francisco, “voltando o olhar para o Homem do Sudário, no qual reconhecemos os traços do Servo do Senhor, que Jesus realizou em sua paixão”. Repetindo as palavras de Isaías, “Homem do sofrimento e experimentado na dor (…). Ele assumiu nossos sofrimentos, suportou nossas dores (…)”, o Papa olha para o Crucificado, “transpassado por nossos pecados, esmagado por nossas iniquidades. O castigo que nos dá salvação caiu sobre ele; por suas chagas nós fomos curados” (Is 53,3.4-5).

Olhando então para as características do Homem do Sudário, Francisco vê “os rostos de tantos irmãos e irmãs doentes, especialmente os que estão sozinhos e recebem poucos cuidados; e também todas as vítimas de guerras e violência, escravidão e perseguição”. Como cristãos, devemos nos confiar a Jesus crucificado, pede Francisco, confiar na força que vem Dele a fim de “enfrentar todas as provações com fé, esperança e amor, na certeza de que o Pai sempre ouve os seus filhos que clamam a Ele e os salva”.

O Papa deseja que os dias que nos separam da Páscoa sejam vividos em íntima união com a Paixão de Cristo, a fim de experimentar a graça e a alegria de sua ressurreição.

Vatican News


10/04/2020
Por Edilson Silva em Mundo, Religião, Saúde

Via Dolorosa na Cidade Velha de Jerusalém praticamente deserta

Outrora repleta de fiéis de todo o mundo carregando cruzes, nesta Sexta-feira da Paixão a Via Dolorosa na Cidade Velha de Jerusalém estava praticamente deserta. A romper o silêncio, apenas policiais e alguns frades franciscanos que, com máscara de proteção, rezavam as Estações da Via Sacra.

Todos os locais de culto da Terra Santa estão fechados, independentemente da religião, como medida das autoridades para impedir a propagação da doença respiratória mortal, o também que impedirá os cristãos de se reunirem neste ano para celebrar a Páscoa da Ressurreição.

As Igrejas que seguem o Calendário Juliano celebram a Páscoa uma semana mais tarde, em 19 de abril.

(Fotos de Emmanuel DUNAND / AFP)


09/04/2020
Por Edilson Silva em Mundo, Saúde

Covid-19: Nova York vive drama com necrotérios lotados e hospitais de campanha

Philip Tassi adverte que o cemitério onde trabalha está cheio de solicitações de enterros e que não há tempo para descanso: o governo do Estado de Nova York acaba de anunciar que entre segunda e terça-feira houve 731 mortes por coronavírus registradas.

“O número de pedidos de enterro e cremação que temos provavelmente subiu 300%”, diz Tassi, do cemitério Ferncliff em Westchester, poucos quilômetros ao norte de Manhattan.

Atualmente, até 20 corpos passam por este crematório em 16 horas de trabalho, sete dias por semana. Mas, mesmo assim, operando com capacidade máxima, o cronograma está completo até o final da próxima semana.

A história se repete em outros lugares de Nova York, o epicentro da pandemia de coronavírus nos Estados Unidos, o país com os casos mais confirmados de covid-19 no mundo.

“A maioria dos cemitérios não tem unidades de refrigeração para lidar com uma pandemia. Portanto, o maior problema agora é que não temos armazenamento refrigerado para manter os corpos aqui por longos períodos”, diz Tassi, que preside a Associação dos Cemitérios do Estado de Nova York e trabalha no setor há 23 anos.

Nunca vi algo assim

As casas funerárias também estão sobrecarregadas, e as autoridades enviaram dezenas de necrotérios móveis ou caminhões refrigerados para hospitais.

O objetivo é evitar que cadáveres se acumulem sem um local para recebê-los, como aconteceu em outros países atingidos pelo enfrentamento ao vírus.

“Eu nunca vi algo assim em toda a minha vida, tantas pessoas morrendo em um período tão curto”, disse Tassi à BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC. “Nem no 11 de Setembro tivemos o número de corpos que temos agora com a pandemia”, diz ele, referindo-se aos ataques de 2001 na cidade.

De fato, nos ataques que os Estados Unidos consideraram o maior ato terrorista em sua história, quase 3 mil pessoas morreram em Nova York.

Esse número de vítimas foi oficialmente ultrapassado nesta semana pelo coronavírus. Na cidade de Nova York, já morreram mais de 3.200 pessoas, enquanto em todo o Estado esse índice chegou a 5.489.

O vírus e a cidade

A pandemia transformou Nova York: a cidade nunca esteve tão quieta e silenciosa por tanto tempo, a ponto de se poder atravessar avenidas sem esperar o semáforo ficar verde ou ouvir o barulho de uma moeda caindo na calçada deserta.

O silêncio só é quebrado quando uma ambulância passa com a sirene ligada.

Isso também ocorre às 19h, todos os dias, quando os nova-iorquinos aplaudem, das janelas, os profissionais de saúde que combatem a pandemia. Nesse momento, a cidade parece recuperar seu espírito barulhento por alguns minutos.

As autoridades locais estenderam o fechamento de escolas e empresas que não se enquadrem na categoria de serviços essenciais, bem como a proibição de reuniões até 29 de abril — as multas aos infratores podem chegar a US$ 1.000.

Embora a polícia não controle ostensivamente o movimento de pessoas, os 8,6 milhões de nova-iorquinos atenderam amplamente ao pedido de que permaneçam em suas casas pelo maior tempo possível.

Um hospital de campanha instalado no Central Park por uma organização religiosa humanitária recebe dezenas de pacientes de covid-19 diariamente, e ver aquelas tendas brancas no gramado desta cidade rica pode causar uma sensação de medo e estranhamento.

A catedral de São João, o Divino, em Manhattan, também está sendo convertida em um hospital. Ela é considerada a maior igreja gótica do mundo.

E os militares transformaram o Javits Convention Center, na mesma ilha, em outro hospital temporário com 2.500 leitos disponíveis.

O objetivo é aumentar a capacidade de assistência médica, que está no limite em um Estado com mais de 138.800 casos confirmados de coronavírus e mais de 17.400 pessoas hospitalizadas por causa da doença.

Nessa semana, o presidente Donald Trump autorizou que um navio-hospital militar comece a receber pacientes de covid-19 em Manhattan.

Mas, em outro sinal de que a doença está se espalhando incontrolavelmente, a Marinha dos Estados Unidos informou na terça-feira que um membro da tripulação do navio-hospital, o USNS Comfort, foi infectado pelo coronavírus — outros servidores foram isolados preventivamente.

Apesar do recorde de 731 mortes no Estado de Nova York entre segunda e terça-feira, o governador Andrew Cuomo disse que as hospitalizações e a passagem de pacientes para tratamento intensivo diminuíram.

Terra


08/04/2020
Por Edilson Silva em Mundo, Religião

Dicastério para os Leigos: “Idosos, na solidão, o coronavírus mata mais”

O Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida divulgou uma mensagem para os idosos, nesta terça-feira (07/04), intitulada “Idosos: na solidão, o coronavírus mata mais”.

“No coração desta “tempestade inesperada e furiosa, percebemos – como o Papa Francisco nos lembrou – que estamos no mesmo barco”. Dentro do barco estão também os idosos. Como todos, eles se encontram frágeis e desorientados. A eles se dirige hoje nosso pensamento preocupado e agradecido, para retribuir pelo menos um pouco daquela ternura com a qual cada um de nós foi acompanhado na sua vida e para que o carinho materno da Igreja chegue a cada um deles”, ressalta o organismo vaticano no texto.

A doença da solidão

“A geração dos nossos idosos, nestes dias – difíceis para todos – está pagando o preço mais alto da pandemia de Covid-19. As estatísticas nos dizem que na Itália mais de 80% das pessoas que perderam a vida tinham mais de 70 anos”.

“Há algumas semanas, o Papa Francisco disse que “a solidão pode ser uma doença, mas com caridade, proximidade e conforto espiritual podemos curá-la”. Essas palavras ajudam a entender que, se é verdade que o coronavírus é mais letal quando encontra um corpo debilitado, em muitos casos a patologia anterior é a solidão.”

“Não é por acaso que estamos testemunhando a morte, em proporções e modalidades terríveis, de muitas pessoas que vivem longe de suas famílias, em condições de solidão verdadeiramente debilitantes e desanimadoras.”

“Por esse motivo, é importante que façamos todo o possível para remediar essa condição de abandono. Isso, nas circunstâncias atuais, pode significar salvar vidas”, ressalta o Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida.

“Atualmente, existem muitas iniciativas nesse sentido que a Igreja está adotando em favor dos idosos”, recorda o organismo vaticano. “A incapacidade de continuar fazendo visitas domiciliares levou a encontrar formas novas e criativas de presença. Ligações, mensagens de vídeo ou de voz ou, mais tradicionalmente, cartas endereçadas a quem está sozinho. Muitas paróquias estão se empenhando na entrega de alimentos e remédios a quem é forçado a não sair de casa. Em quase todos os lugares, os padres continuam visitando as casas para distribuir os sacramentos. Muitos voluntários, especialmente jovens, estão trabalhando generosamente para não interromper – ou para começar a tecer – redes fundamentais de solidariedade”.

Fazer mais pelos idosos

“Mas a gravidade do momento exige que todos façamos mais. Como indivíduos e como Igrejas locais, podemos fazer muito pelos idosos: rezar por eles, curar a doença da solidão, ativar redes de solidariedade e muito mais. Diante do cenário de uma geração atingida tão severamente, temos uma responsabilidade comum, que decorre da consciência do valor inestimável de toda vida humana e da gratidão a nossos pais e avós.”

“Devemos dedicar novas energias para defendê-los desta tempestade, assim como cada um de nós foi protegido e cuidado nas pequenas e grandes tempestades de nossas vidas. Não deixemos os idosos sozinhos, porque na solidão o coronavírus mata mais.”

“Aqueles que vivem em estruturas residenciais merecem uma atenção especial: ouvimos notícias terríveis sobre suas condições todos os dias e ali milhares de pessoas já perderam suas vidas. A concentração no mesmo local de tantas pessoas frágeis e a dificuldade de encontrar os dispositivos de proteção criaram situações muito difíceis de administrar, apesar da abnegação e, em alguns casos, o sacrifício da equipe dedicada à assistência”, ressalta o organismo vaticano.

“Em outras circunstâncias, no entanto, a crise atual é resultado de um abandono assistencial e terapêutico que vem de longe.

“Apesar da complexidade da situação em que vivemos, é necessário esclarecer que salvar a vida de idosos que vivem em estruturas residenciais ou que estão sozinhos ou doentes é uma prioridade tanto quanto salvar qualquer outra pessoa.”

Nos países onde a pandemia ainda tem dimensões limitadas, ainda é possível tomar medidas preventivas para protegê-los; naqueles em que a situação é mais dramática, é necessário mobilizar-se para encontrar soluções de emergência. Tudo isso afeta o futuro de nossas comunidades eclesiais e de nossas sociedades porque, como o Papa Francisco disse recentemente, “os idosos são o presente e o amanhã da Igreja”.

Resar pelos avós e idosos do mundo

O Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida recorda que “no sofrimento desses dias, somos chamados a entrever o futuro. No amor de tantos filhos e netos e no cuidado dos assistentes e voluntários, se revive a compaixão das mulheres que vão ao túmulo para cuidar do corpo de Jesus. Como elas, temos medo e, como elas, sabemos que não podemos fazer outra coisa que – mantendo a distância – viver a compaixão que Ele nos ensinou. Como elas, logo entenderemos que era necessário permanecer próximos, mesmo quando parecia perigoso ou inútil, certos das palavras do anjo, que nos convida a não ter medo”.

“Unamo-nos, então, em oração pelos avós e idosos de todo o mundo. Reunamo-nos ao seu redor, com o pensamento e o coração e, ali onde for possível, com a ação, para que não se sintam sozinhos”, conclui a mensagem do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida.

Vatican News


06/04/2020
Por Edilson Silva em Mundo, Saúde

Coronavírus: repórter chora ao ouvir sino em homenagem aos mortos

Um repórter do Equador caiu em lágrimas ao ouvir o barulho de sinos da igreja católica em homenagem às vítimas do coronavírus. Carlos Julio Gurumendi fazia uma transmissão ao vivo para um canal do Equador, do lado de fora de uma igreja. Às 14h, os sinos começaram a tocar e o repórter logo caiu no choro.

Carlos Julio Gurumendi fazia uma transmissão ao vivo para um canal do Equador e não conteve as lágrimas: “Lembrei de amigos mortos”

Ouvir o toque dos sinos me lembrou meus pais, minhas irmãs, que não posso abraçá-los, ou daqueles amigos que morreram da Covid-19”, relatou Gurumendi ao programa América Hoy, na última sexta-feira (3/4).

O Equador já registra 3.465 casos de coronavírus, incluindo 172 mortos, mas vive uma emergência sanitária, com imagens até mesmo de corpos largados nas ruas.

Metrópoles


05/04/2020
Por Edilson Silva em Brasil, Mundo, Política

Bolsonaro é alvo de ação em Tribunal Penal Internacional por colocar população em risco

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) virou alvo de nova denúncia apresentada no Tribunal Penal Internacional (TPI) por causa de ações adotadas frente à pandemia do novo coronavírus.

A representação foi protocolada nessa quinta-feira (02) pela Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD).

A associação acusa o presidente de prática de crime contra a humanidade.

Leia a íntegra da representação aqui.

Entre as violações apresentadas pela ABJD estão os dois pronunciamentos estimulando o fim do isolamento social, saídas às ruas para participar de manifestações e o decreto para abertura de igrejas e casas lotéricas.

CNN Brasil


05/04/2020
Por Edilson Silva em Mundo, Religião

Papa pede que fiéis não lucrem com pandemia: “Consciência”

Durante a missa na Casa Santa Marta, que foi transmitida online neste sábado (4), o papa Francisco pediu para que ninguém se aproveite deste momento de dor provocado pela pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) para obter lucro. “Rezemos hoje para que o Senhor dê a todos uma consciência reta, uma consciência transparente, que possa mostrar-se a Deus sem envergonhar-se”, disse Francisco.

O Pontífice explicou que durante momentos “de desconforto, de dificuldades, de dor”, principalmente como o originado pela pandemia da Covid-19, “muitas vezes as pessoas veem a possibilidade de fazer muitas coisas boas. Mas também não deixa de vir a alguém a ideia não muito boa de aproveitar a situação para si e obter lucro”.

Durante a homilia, o líder religioso usou o Evangelho de São João que relata a decisão de Sinédrio de matar Jesus após o sinal de ressurreição de Lázaro para explicar que “já há muito que os doutores da Lei, também os sumos-sacerdotes, estavam inquietos porque ocorriam coisas estanhas na região”.

“Foi um processo que começou com pequenas inquietações no tempo de João Batista e depois acabou nesta reunião dos doutores da Lei e dos sacerdotes. Um processo que crescia, um processo que era mais seguro da decisão que deviam tomar, mas ninguém a tinha dito assim de forma clara: ‘Este deve ser eliminado’”, acrescentou.

Jorge Bergoglio disse que “o modo de fazer dos doutores da Lei é uma figura”, como a tentação age e “por trás dela evidentemente estava o diabo que queria destruir Jesus”.

“A tentação geralmente age deste modo em nós, começa com pouca coisa, com um desejo, uma ideia, cresce, contagia e no final se justifica. Esses são os três passos da tentação”, afirmou Francisco, ressaltando que todos quando “vencidos pela tentação” ficam “tranquilos”, porque encontram “uma justificação para este pecado, para esta vida não segundo a Lei de Deus”.

TERRA


04/04/2020
Por Edilson Silva em Mundo, Saúde

Estados Unidos batem novo recorde de mortes por coronavírus em um dia

(ANSA) – Os Estados Unidos registraram nesta sexta-feira (3) 1.480 mortos pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), aumentando o número total de óbitos para 7.406. Os dados marcam um novo recorde no mundo, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins.

A nova quantidade representa um crescimento em relação ao balanço do dia anterior, quando as mortes contabilizadas no território americano também atingiram uma marca inédita, com 1.169 mortes em apenas um dia.

Até então, o pico anterior havia sido atingido no dia 27 de março, na Itália, onde 969 vítimas perderam a vida. O país europeu é a nação com o maior número de óbitos em decorrência da Covid-19, com 14.681. Na sequência aparece a Espanha, com 11.198.

De acordo com os dados, Nova York teve a maior quantidade de mortes. Ao todo, a cidade registrou 1.867.

Além disso, os Estados Unidos somam 278.458 casos confirmados da doença, conforme publicado pela Universidade.


04/04/2020
Por Edilson Silva em Mundo, Saúde

Ministro da saúde de Israel testa positivo para Covid-19, e Netanyahu volta a isolamento

O ministro da Saúde de Israel, o ultraortodoxo Yaakov Litzman, testou positivo para o novo coronavírus. A infecção ocorreu justamente no momento em que cresce a preocupação com a elevada propagação da Covid-19 nesta comunidade religiosa, a mais afetada do país. Litzman, de 71 anos, e a esposa testaram positivo, mas os dois estão em bom estado de saúde, embora devam permanecer em quarentena.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu também voltou a ser colocado em quarentena até a próxima quarta-feira, após ter entrado em contato com o ministro da Saúde. O líder do governo de Israel, de 70 anos, havia acabado de deixar um primeiro isolamento feito depois da infecção de uma assessora parlamentar.Yaakov Litzman, do partido Judaísmo Unido da Torá, recebeu numerosas críticas no mês passado quando confiou no “Messias” para curar a Covid-19. A declaração ocorreu depois de medidas preventivas colocarem em dúvida a celebração da Páscoa judaica, que começa no próximo dia 8.

Na ocasião, perguntado sobre as chances de Israel continuar em quarentena até o feriado da Páscoa, Litzman ofereceu uma resposta pouco convencional. “Deus não permita!”, afirmou. “Oramos e esperamos que o Mashiach (Messias) chegue antes da Páscoa, pois é um tempo de nossa redenção. Estou certo de que o Messias virá pela Páscoa e nos salvará da mesma maneira que Deus nos salvou durante o êxodo e fomos libertados. O Mashiach virá e salvará todos nós”, acrescentou.

Além disso, ele resistiu inicialmente ao fechamento de sinagogas, que permaneceram abertas em alguns bairros ultraortodoxos, apesar da proibição, levando as forças de segurança a intervir não sem alguma resistência por parte dos residentes. O modo de vida dessa comunidade religiosa – composta por famílias numerosas, geralmente amontoadas em pequenas casa, governadas pelas leis da Torá e pela palavra dos rabinos – despertou o alarme pelo não cumprimento das medidas preventivas que a colocavam em risco.

O primeiro-ministro israelense anunciou ontem a intenção de fechar completamente a cidade ultraortodoxa de Bnei Brak, perto de Tel Aviv, onde os casos aumentaram 25% nas últimas 24 horas. Atualmente, Israel tem mais de 6,2 mil infectados e 32 mortos, enquanto se teme um aumento de contágio nas principais zonas das comunidades religiosas, como distritos de Jerusalém e Modin Illit.

Informações da Agência EFE/UOL


02/04/2020
Por Edilson Silva em Mundo, Saúde

Corpos de vítimas de Covid-19 tomam conta das ruas do Equador

As ruas do Equador estão sendo tomadas por corpos abandonados de vítimas da Covid-19 em meio ao aumento de casos de contaminação pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2) no país. O governo reconheceu que, por conta das medidas de restrição de circulação e toques de recolher, está com dificuldades para recolher os cadáveres.

Além desse problema, autoridades dizem que os hospitais estão ficando lotados porque famílias não estão retirando os corpos de seus parentes.

IG


01/04/2020
Por Edilson Silva em Mundo

Idosa de 90 anos com Covid-19 abriu mão de respirador: “Já tive uma vida boa, guarde para os pacientes mais jovens”

Suzanne Hoylaerts, 90 anos e moradora do município de Lubbeek (Bélgica), morreu de coronavírus depois que se recusou a usar um respirador artificial e pediu para entregá-lo a pacientes mais jovens.

De acordo com o jornal belga 7SUR7, a idosa foi levada à clínica em meados de março, inicialmente com perda de apetite. Mais tarde, ela começou a ter outros sintomas e a perder o fôlego. Foi hospitalizada de imediato e, após os testes, recebeu o diagnóstico de covid-19. Naquela época, os médicos a isolaram para tratamento, o que, no caso dela, envolvia o uso de um respirador artificial.

No entanto, a mulher se recusou a usar o equipamento. “Não quero usar respirador artificial. Eu já tive uma vida boa, guarde para os pacientes mais jovens”, disse ela aos médicos – em um lindo gesto altruísta.

A decisão foi aceita pelos especialistas e, nos dias seguintes, seu estado de saúde piorou. Devido à baixa concentração de oxigênio em seu corpo, Suzanne morreu em 22 de março, dois dias depois de ser internada no hospital.

A filha dela, Judith, ressaltou que é um mistério para a família entender como sua mãe foi infectada pelo coronavírus, pois morava sozinha e levava muito a sério o isolamento social. “Foi um lindo gesto dela, mas a parte triste é que não pude dizer adeus a ela e nem tenho o direito de estar presente no funeral dela”.

Na Bélgica, foram registrados menos de 12.775 casos de coronavírus, com 705 mortes até o momento.

Em vários países do mundo onde a situação da pandemia se torna crítica, os sistemas de saúde estão lotados e, em muitos casos, enfrentam a escassez de respiradores e suprimentos médicos necessários para tratar pacientes gravemente enfermos.


30/03/2020
Por Edilson Silva em Mundo, Saúde

Ministro alemão comete suicídio após manifestar “profunda preocupação” com coronavírus

Thomas Schäefer, ministro das Finanças de Hesse, na Alemanha, cometeu suicídio após manifestar “profunda preocupação” com a crise do coronavírus no país. A morte foi anunciada neste domingo (29) pelo primeiro-ministro do estado alemão, Volker Bouffier. A informação é da agência AFP.

O ministro, que tinha 54 anos e dois filhos, foi encontrado morto no sábado perto de uma via férrea. O Ministério Público de Wiesbaden indicou que prioriza a hipótese de suicídio.

Schäefer era ministro das Finanças há 10 anos na região, que também engloba Frankfurt, centro financeiro da Alemanha e sede do Banco Central Europeu.

Ainda de acordo com Bouffier, Schäefer trabalhava “dia e noite” para ajudar as empresas e funcionários a adaptar-se aos impactos econômicos da pandemia. O primeiro-ministro do estado disse estar “em estado de choque”.

“Hoje podemos dizer que estava profundamente preocupado”, completou o governante, aliado da chanceler Angela Merkel e membro do partido CDU, assim como Schäefer.

Fórum


30/03/2020
Por Edilson Silva em Mundo, Religião, Saúde

Pároco acolhe corpos em igreja e pede atenção aos que se foram

Há quarenta anos, quando se tornou padre, o sacerdote Mário Carminati, que cuida de uma pequena paróquia na cidade de Seriate, na Itália, sabia que teria de lidar com a morte, mas não em escala industrial.

A pandemia causada pelo coronavírus mudou tudo. Os caixões, com seus paroquianos falecidos, chegam, diariamente, e são colocados no chão de mármore da Igreja de São José. Quando não há mais espaço para os caixões acumulados, ele e outros padres dão uma bênção apressada e, em seguida, os caixões são encaminhados ao cemitério.

“O mais triste nisso é que essas pessoas foram colocadas em seus caixões nuas e sozinhas”, disse Carminati à Reuters. “São pessoas que morreram sem que ninguém pudesse vê-los nem ouvi-los, sem a possibilidade de falar com seus entes queridos, sem que ninguém os pudesse confortar”, lamenta o religioso.

Em apenas alguns dias, 90 caixões foram colocados dentro da igreja. Metade, 45 deles, já foram levados; a outra metade foi levada neste sábado, 28.

Como os funerais estão proibidos na Itália, esses ministros estão oferecendo suas bênçãos e um local digno de descanso antes de darem seu último adeus: “Nós os deixamos aqui, na Casa do Senhor; então, Deus — e nós — podemos cuidar deles”, disse o padre.

Canção Nova


30/03/2020
Por Edilson Silva em Mundo

Coreia do Norte faz novo teste com mísseis balísticos

(ANSA) – A Coreia do Norte realizou mais um teste e disparou dois mísseis balísticos de curto alcance, que caíram no Mar do Japão, informou o governo de Seul neste domingo (29).

Segundo os militares sul-coreanos, a operação aconteceu na costa oriental de Wonsan e os projéteis atingiram uma distância de 230 quilômetros e uma altura máxima de cerca de 30km. “Em uma situação em que o mundo está tendo dificuldades com a pandemia da Covid-19, temos que tratar com atos militares inapropriados”, informou em nota o Comando do Estado-Maior da Coreia do Sul.

Esse é o quarto exercício militar registrado por Seul neste ano. Não está claro se o ditador Kim Jong-un esteve presente no teste.


30/03/2020
Por Edilson Silva em Mundo, Religião, Saúde

Papa Francisco: coronavírus e risco de “genocídio viral”

O Papa Francisco enviou uma carta, no último sábado, 28, ao presidente da Comissão Pan-Americana de Juízes para os Direitos Sociais, dr. Roberto Andrés Gallardo, alertando aos governos que não adotam medidas para defender a população e com uma reflexão sobre as consequências sociais a serem enfrentadas.

“Estamos todos preocupados com o crescimento, em progressão geométrica, da pandemia. Estou feliz com a reação de tantas pessoas, médicos, enfermeiros, enfermeiras, voluntários, religiosos, sacerdotes que arriscam suas vidas para curar e defender as pessoas saudáveis do contágio”, ressalta Francisco na missiva.

O Papa destaca que “alguns governos adotaram medidas exemplares com prioridades bem definidas para defender a população”.

“É verdade que essas medidas “incomodam” aqueles que são obrigados a cumpri-las, mas é sempre para o bem comum e, a longo prazo, a maioria das pessoas as aceita e se move com uma atitude positiva. Os governos que enfrentam a crise mostram a prioridade de suas decisões: primeiro as pessoas. E isso é importante, pois sabemos que defender as pessoas supõe um prejuízo econômico”, destaca Francisco.

Segundo o Papa, “seria triste se o oposto fosse escolhido, o que levaria à morte de muitas pessoas, algo como um genocídio viral”.

A seguir, o Pontífice refere ao juiz que na última sexta-feira, 27, fez uma reunião com o Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral a fim de refletir sobre o agora e o depois. “Preparar-nos para o depois é importante”, ressalta o Papa na carta.

Segundo Francisco, já se notam algumas consequências da pandemia do Covid-19 que devem ser enfrentadas, como por exemplo a fome, especialmente pelas pessoas sem trabalho fixo, violência, surgimento de agiotas, e tantos outros efeitos.

Em relação “ao futuro econômico”, o Papa recorda a visão interessante da economista Mariana Mazzucato, professora da University College London contida no livro “O valor de tudo. Quem produz e quem subtrai na economia global”, publicado em 2018, ressaltando que tal pensamento “ajuda a pensar o futuro”.

O livro conta como especuladores e rentistas fingem ser criadores de valores na economia global e lança um apelo a fim de repensar o valor como a chave para criar um mundo diferente e melhor.

Vatican News


29/03/2020
Por Edilson Silva em Brasil, Jucurutu, Mundo, Religião, Saúde

Oremos com o Papa Francisco pelas vidas do mundo inteiro

Hoje é domingo, nossas igrejas estão fechadas em prevenção ao Covid-19. Oremos com o Papa Francisco pelas vidas do mundo inteiro.

”Mesmo quando eu andar
por um vale de trevas e morte,
não temerei perigo algum, pois tu estás comigo;
a tua vara e o teu cajado me protegem.”
Salmos 23:4

#PapaFrancisco

Hoje é domingo, nossas igrejas estão fechadas em prevenção ao Covid-19. Oremos com o Papa Francisco pelas vidas do mundo inteiro.''Mesmo quando eu andarpor um vale de trevas e morte,não temerei perigo algum, pois tu estás comigo;a tua vara e o teu cajado me protegem.''Salmos 23:4

Publicado por Blog do Edilson Silva em Domingo, 29 de março de 2020


27/03/2020
Por Edilson Silva em Mundo, Religião

“Na nossa avidez de lucro, deixamo-nos absorver pelas coisas e transtornar pela pressa”, Papa Francisco

Na nossa avidez de lucro, deixamo-nos absorver pelas coisas e transtornar pela pressa. Não nos detivemos perante os teus apelos, não despertamos face a guerras e injustiças planetárias, não ouvimos o grito dos pobres e do nosso planeta gravemente enfermo. Avançamos, destemidos, pensando que continuaríamos sempre saudáveis num mundo doente. Agora, sentindo-nos em mar agitado, imploramos-Te: «Acorda, Senhor!»

Papa Francisco


26/03/2020
Por Edilson Silva em Mundo, Saúde

Influencer lambe vaso sanitário em banheiro público e 4 dias depois testa positivo para coronavírus

Desrespeitando descaradamente as medidas de prevenção para conter o avanço do novo coronavírus, um influencer de 21 anos, que se identifica nas redes sociais como Larz, divulgou um vídeo no TikTok em que aparece lambendo um vaso sanitário de um banheiro público, explicando tratar-se de um desafio. Alguns dias depois, o morador da Califórnia, nos Estados Unidos, afirmou ter sido testado positvo para a Covid-19.

O jovem postou, no domingo, imagens dele no que aparenta ser uma cama de hospital. Não ficou esclarecido de que jeito ele contraiu a doença. A atitude dele, porém, vem sendo alvo de duras críticas nas redes sociais. Outros internautas que participaram do tal desafio de lamber privadas, entre outras supercíficeis em locais públicos, também provocaram revolta, enquanto diversos países adotam medidas difíceis para conter o vírus, incluindo o Brasil.

“Eu testei positivo para o coronavírus”, escreveu ele em um perfil que já foi suspenso no Twitter.

Nos EUA, foram registrados cerca de 55,5 mil casos confirmados da Covid-19, de acordo com dados divulgados pela Universidade Johns Hopkins nesta quarta-feira. A doença causou 800 mortes no país.


25/03/2020
Por Edilson Silva em Mundo, Religião

Coronavírus: morre padre que cedeu respirador a paciente mais jovem

Um padre italiano que cedeu um respirador a um paciente jovem que ele não conhecia morreu devido à covid-19. O padre Giuseppe Berardelli, de 72 anos, morreu no hospital de Lovere, em Bergamo, uma das cidades mais atingidas da Itália. Pelo menos 50 padres já morreram devido ao novo coronavírus na Itália.

País mais afetado do mundo, com mais de 6 mil mortes até agora, a Itália está sob uma quarentena prolongada, enquanto tenta impedir a propagação do vírus. O coronavírus está se espalhando rapidamente pelo mundo. Já afetou mais de 160 países e causou mais de 16 mil mortes. Existem mais de 360 mil casos confirmados em todo o mundo. A Europa está agora no epicentro da crise e os Estados Unidos estão enfrentando forte aumento nos caso




Facebook


Twitter