23/06/2019
Por Edilson Silva em Astronomia, Tempo

Meteoro visto no Nordeste se deslocou a 72 mil km/h sobre o RN

O meteoro visto esta semana em cidades de Pernambuco, da Paraíba e do Ceará, surgiu e desapareceu sobre o Rio Grande do Norte. A revelação foi feita após o cruzamento de imagens de câmeras de monitoramento que registraram a passagem do fragmento de rocha espacial.

As informações são da Rede Brasileira de Observação de Meteoros (Bramon). Um dos registros foi feito na estação da rede em João Pessoa (PB). Outras quatro câmeras do portal Clima Vivo, de informações meteorológicas, também registraram o meteoro em Araripina, Cabrobó e Ouricuri (todas PE); e em Juazeiro do Norte (CE).

A partir dessas imagens, feitas dia 19 de junho, os especialistas da Bramon conseguiram calcular a rota do meteoro: ele apareceu a 91,2 quilômetros de altura próximo à cidade de Cerro Corá; e se deslocou até sumir a cerca de 39,6 quilômetros de altitude sobre a cidade de Cruzeta.

Esse trajeto foi feito em cerca de 4 segundos numa velocidade estimada de 72 mil km/h (20 km/s). Também de acordo com a Bramon, o fenômeno foi causado “por um fragmento de rocha espacial de cerca de 1,5 Kg que atingiu a atmosfera em altíssima velocidade”.

Em geral, a resistência atmosférica e o calor gerado na entrada desintegram completamente essas rochas. Mas há casos nos quais o fragmento resiste a isso e consegue atingir o solo. No caso desse meteoro sobre o RN, tudo indica que ele foi totalmente consumido.

Segundo o site da Bramon, a Terra atravessa atualmente uma região do espaço cheia de fragmentos rochosos, restos de um cometa que se partiu há cerca de 20 mil anos. Por este motivo, o monitoramento de meteoros foi intensificado.

De acordo com a Rede, “existe uma suspeita que um desses fragmentos atingiu a Terra no dia 30 de junho de 1908 na região de Tunguska, na Sibéria”. Esse evento foi tão violento que devastou completamente uma área mais de 2.000 Km² de floresta.

Motivado por este acontecimento foi criado o movimento global “Asteroid Day” (Dia do Asteróide), que ocorre anualmente exatamente no dia do evento de Tunguska, 30 de junho. Um dos idealizadores disso foi o ex-guitarrista da banda Queen, Brian May, que é astrofísico.

A ideia é que no dia do evento, várias ações ao redor do mundo são promovidas para alertar sobre o risco de um impacto do tipo à Terra. E também são discutidas ações que podem ser promovidas para evitar os danos de um desastre do tipo. A Bramon é uma organização aberta e colaborativa, mantida por voluntários e colaboradores e sem fins lucrativos



0 Comentários

Deixe o seu comentário!


Facebook


Twitter